Arquivo da tag: saga

( Anatomia Literária ) Capa e curiosidades sobre a saga Crepúsculo

Olá Corujinhas. Bem vindos à mais um Anatomia Literária dessa vez voltado aos livros da Stephanie Meyer e sua série mais famosa: Crepúsculo. O anatomia de hoje é para todos vocês, mas principalmente à linda Aline do blog Amor Literário que gentilmente respondeu meu pedido sobre quais livros vocês gostariam de ver por aqui. Então sem mais delongas vamos lá?

 

Lembrando que o post envolve explicações da história: caso não tenha visto o filme ou lido o livro e tenha vontade este post conterá spoiler.

✩───────── ✾ ────────── ✩
Capas
✩───────── ✾ ────────── ✩

A saga Crepúsculo foi lançada aqui no Brasil pela editora Intrínseca. Fazendo bastante sucesso entre os jovens, principalmente as garotas, por abordar de modo diferente a relação entre humanos e o sobrenatural é certo que Stephanie Meyer abriu as portas para o boom do gênero no Brasil. A saga foca inteiramente na relação de Bella Swan com o vampiro Edward Cullen e também as capas fazem alusão a essa relação. Foi bem inteligente da editora manter as capas originais que foram muito bem conceituadas além de serem lindas de morrer, pois vamos combinar, mesmo quem não gosta da saga sentira vontade de fazer um quadro com elas. Eu me ative apenas aos 04 primeiros Iivros já que esta é a série original da autora.

image

A saga se inicia com o livro homônimo, Crepúsculo. Como toda as capas da série o fundo é preto que representa a obscuridade do que Bella não sabe sobre Edward. A primeira vista parece que a capa reproduz uma cena do livro/filme onde os protagonistas conversam e Edward pega uma maçã que escorrega da bandeija da moça. Apesar de claramente ser Edward que está segurando a fruta na capa (percebam que as mãos são brancas como osso, descrição dada por Meyer sobre a cor dos vampiros), a intepretação da capa é na verdade sobre a tentação que Bella causa em Edward. Ela é como uma maçã vermelha e suculenta que Edward tem nas mãos, mas ao invés de prova-la ele tenta protegê-la a todo custo. Outra interpretação a capa é que tanto a maçã como as mãos são referências à Bella que mesmo sabendo do proibido entrega-se à Edward.

image

O segundo livro, Lua Nova é de longe minha capa mais bonita. Aqui o fundo também representa a todos os sentimentos de dor que Bella sente quando Edward vai embora deixando-lhe sozinha. Durante todo o livro, Bella sente-se desafazer-se com a falta de seu amado. A flor murchando representa a perda constante de pedaços da garota que não se conforma com a perda do amado. Apesar disso, Bella mantém esperança de que um dia Edward volte. No topo da capa, uma das pétalas está levantada como essa pequena parte dela não pudesse se deixar abater como todas as outras. As manchas vermelhas na pálida flor representam um ritual de passagem, o que era completamente puro, talvez não mais o seja.
image

Em Eclipse o fundo vêm para determinar o risco da perda de tudo aquilo que os Cullen e Bella conquistaram pela perseguição de um antigo inimigo. Bella ainda é frágil em um receptáculo humano. A fita que simboliza a fragilidade de sua vida está mais uma vez se desfazendo, muito embora não por sua culpa mas pelas decisões que precisa tomar. Note que a fita só permanece unida por dois fios enquanto todos os outros foram partidos. Os fios representam Edward e Jacob, os dois amores que lutam por Bella mas que também se tornaram seus alicerses no decorrer desse livro e seus anteriores. A fita também mostra que Já não há mais pureza, a inocência deixou de existir e o tempo de decisão e de escolhas. A autora afirma que a capa com uma fita vermelha cortada representa não só a escolha de Bella entre Edward e Jacob e os perigos enfrentados, como também significa também que ela pode acabar com sua vida como humana.
image

Por fim, em Amanhecer Bella finalmente faz parte do jogo ao se tornar uma vampira. Ela deixa para trás o status de fragilidade para virar a rainha que assume as rédeas da situação. A escuridão do medo por sua família não a impedem de ver o tabuleiro. Principalmente lhe ajudam a manter o foco para salvar sua filha Renesmee, que dessa vez é o ponto fraco de Bella mostrada atrás dela como um peão usado pelos seus inimigos para desastabiliza-la, afinal sua cor é diferente como se Renesmee fosse uma rival de sua mãe. Mas no jogo com os Volturi, Bella enxerga o próprio reflexo bem como sua importância naquele jogo. Uma segunda interpretação pode ser que as duas peças representam que Bella pode se transformar em rainha atravessando o tabuleiro, quer dizer, transformando-se em vampira.

Em todas as capas há um jogo de três cores: Preto, branco e vermelho. O preto além de tudo já citado, também representa o lado sobrenatural que contextualiza toda a obra. O branco é a pureza oposta à esse sobrenatural já que realmente nada é o que parece. Já o vermelho é rubro como sangue e simboliza a fragilidade presente em toda saga começando pela humanidade de Bella até o hibridismo de Renesmee. Quanto aos títulos, estes representam as fases da vida de Bella: Crepúsculo é o evento do fim do dia quando o sol está se pondo e representa a beleza do vislumbre da escuridão que ela encontra em Edward; A Lua Nova significa que essa é a fase mais negra d3 sua vida; Eclipse quer dizer que mesmo quando tudo devia ser claro, ainda à quem deseje escuridão; E Amanhecer o título quer dizer que depois da noite (lua nova/eclipse), vem o dia após tantos desafios.

✩───────── ✾ ────────── ✩
Curiosidades
✩───────── ✾ ────────── ✩

 

✩ O livro favorito de Bella e Edward é O Morro dos Ventos Uivantes que pode ser ligada de modo paralelo à história: Westcliff não pode casar-se com Catherine pela disparidade social envolvendo os dois.

Quando Stephenie Meyer ela chamava os protagonistas apenas “ele” e “ela”, devido a grande dificuldade em decidir o nome dos protagonistas. O nome Edward foi inspirado nos livros de Jane Austen, e Isabella foi o nome que ela daria para a própria filha.

Por ser pequena e muito parecida fisicamente com Bella, Emily Browning foi a primeira atriz a ser cotada para viver a personagem. Mas ela recusou e então Kristen Stewart foi escalada.

Para Edward, Henry Cavill que na época fazia The Tudors foi cotado. Mas o ator de 25 anos parecia inapropriado para interpretar um adolescente de 17.

Nas primeiras 24 horas em que o livro “Amanhecer” ficou à venda, mais de 1,3 milhões de exemplares foram vendidos.

Meyer afirmou que as músicas do Muse, banda britânica de rock alternativo, serviram de inspiração para escrever os livros da saga.

O vampiro Carlisle Cullen conquistou a primeira posição de personagem de ficção mais rico, de acordo com a revista Forbes. Com 370 anos, Cullen é médico e tem uma fortuna estimada em US$ 34,1 bilhões.

A ideia do livro veio de um sonho que a autora teve em 02 de junho de 2003: Nele, duas pessoas estavam tendo uma intensa conversa em meio a uma floresta. Uma dessas pessoas era uma garota comum, a outra era fantasticamente bonita, brilhante e um vampiro. Eles estavam discutindo as dificuldades pelas quais estavam passando por: A) estarem se apaixonando B) Ele ter um uma atração muito particular pelo sangue da garota e estava tendo dificuldades de não matá-la imediatamente.

✩───────── ✾ ────────── ✩

Então Corujinhas, esse foi o anatomia literária desse mês espero que tenham gostado. Em breve vai rolar bem mais para vocês. Se quiserem deixar sugestões fiquem super à vontade que vou pesquisar para dar à vocês. Beijos.

| RESENHA | Corte de Névoa e Fúria — Sarah J. Maas — Livro Dois.

Sarah J. Maas é uma das minhas autoras favoritas na escrita fantástica. Ler seus livros é sempre ser levado por uma enxurrada das mais fortes emoções. De certa forma, eles me fazem lembrar os motivos pelo quais meu blog tem o nome inverso do meu gênero favorito. Por que quando você lê uma ficção fantástica absurdamente bem escrita percebe que não existe limites para as emoções e para o inimaginável. Corte de Névoa e Fúria é com certeza meu livro favorito da autora até então entrando também para a minha lista para das melhores fantasias de todo os tempos. Pois, ele me fez crer ainda mais no poder do fantástico e da ficção.

download.png

 

Título: Corte de Névoa e Fúria
Titulo Original: A Court Of Winds And Mist
Autor: Sarah J. Maas
Editora: Galera Record
Ano: 2016
Avaliação: 👑 👑 👑 👑 👑 💜
Encontre: Skoob || Amazon || Saraiva || Submarino

 

SINOPSE: O aguardado segundo volume da saga iniciada em Corte de Espinhos e Rosas, da mesma autora da série Trono de Vidro. Nessa continuação, a jovem humana que morreu nas garras de Amarantha, Feyre, assume seu lugar como Quebradora da Maldição e dona dos poderes de sete Grão-Feéricos. Seu coração, no entanto, permanece humano. Incapaz de esquecer o que sofreu para libertar o povo de Tamlin e o pacto firmado com Rhys, senhor da Corte Noturna. Mas, mesmo assim, ela se esforça para reconstruir o lar que criou na Corte Primaveril. Então por que é ao lado de Rhys que se sente mais plena? Peça-chave num jogo que desconhece, Feyre deve aprender rapidamente do que é capaz. Pois um antigo mal, muito pior que Amarantha, se agita no horizonte e ameaça o mundo de humanos e feéricos.

— Quando se passa tanto tempo presa na escuridão, Lucien, se percebe que a escuridão passa a olhar de volta.

Ler um livro de Sarah J. Maas é sempre saber que virá um mar de emoções. A autora que é dona de uma escrita poética e detalhista, tem o dom de transportar-nos para mundo que criou. Sabemos sempre que devemos esperar o inesperado e que a palavra impossível não existe em seu vocabulário. E mesmo sabendo de tudo isso, não pude deixar de me surpreender com as diversas reviravoltas presentes em Corte de Névoa e Fúria. Foi muito melhor do que poderia imaginar. Sarah J. Maas superou minhas expectativas transformando o mundo criado aos moldes de A Bela e Fera em algo muito maior.

Aquela garota que precisava ser protegida, que desejara estabilidade e conforto… ela morrera Sob a Montanha. Eu morrera, e não houve ninguém para me proteger daqueles horrores antes que meu pescoço se partisse. Então, eu mesma o fiz. Eu não iria, não poderia abrir mão daquela parte de mim que despertara e se transformara Sob a Montanha.

Apesar de agora estar com Tamlin sem a ameaça de Aramantha, Feyre inicia sua jornada nessa obra de forma bastante parecida com a do livro anterior. Ela esta depressiva, quebrada e sem forças para continuar lutando por si. Vive em prol de outra pessoa esquecendo gradualmente de como ser feliz à medida que é sufocada pelo peso de tudo à sua volta. A diferença é que se antes Feyre estava infeliz pelas dificuldades financeiras de sua família, agora ela está infeliz pelo peso do sangue em suas mãos. Conforme os dias passam, tudo piora pois Tamlin não entende suas necessidades — ou finge não entender — e a envolve em um palácio de super-proteção transformando a Corte Primaveril em nada mais que um grande calabouço.

À questão não é se amava você, é o quanto. Demais. Amor pode ser um veneno.

 

Tamlin não é mais o mesmo ou talvez apenas agora mostre quem é o verdadeiro feérico que estava escondido abaixo da máscara. Se ele foi quebrado ou não assim como Feyre enquanto estava Sob A Montanha não faz exatamente diferença, pois de uma forma ou de outra Tamlin agora é apenas uma sombra grotesca do homem que foi ou aparentava ser. Em uma breve analogia com A Bela e a Fera Tamlin pode ser tanto a Fera do conto original por ter com Feyre em um relacionamento abusivo, como também o Gaston da versão animada Disney por ser simplesmente egocêntrico de mais para dar valor aos sentimentos e medos da Feyre quando acredita que apenas os seus são relevantes.

 

Eu parecia… Parecia que o ódio, o luto e o desespero tinham me devorado viva, como se eu estivesse, de novo, faminta. Não por comida, mas… mas por alegria e vida…

Juntos, Feyre e Tamlin enredam em um amontoado de situações agonizantes e precárias. Feyre está tão desesperada para sair da escuridão que a consome que aceita o que Tamlin lhe dá sem se dar conta que com isso está apenas reiterando com mais força as armas que ele usa para mantê-la sob controle. Mas a verdade é que Feyre nunca foi um bicho de estimação ou um ornamento bonitinho para se sentar em um trono e ser admirada. Dessa forma, Feyre não poderia suportar tal prisão por muito tempo chegando à um ápice de raiva, dor e desespero.

Porque o ódio era melhor que sentir nada; porque ira e ódio eram o combustível duradouro na escuridão infinita de meu desespero.

Quem me acompanha aqui no blog sabe que desde Corte de Espinhos e Rosas eu torcia para que Rhysand ganhasse mais destaque durante os volumes seguintes. De modo que para minha completa alegria, Rhys aparece em dado momento de Corte de Névoa e Fúria como um bálsamo para Feyre lhe abrindo os olhos ao que anda acontencendo no mundo fora do véu criado por Tamlin. Rhys fornece perguntas e respostas que Tamlin nunca lhe daria. Há perigo vindo em direção à Prithyan e Feyre com seu novo corpo e seus novo dons pode ser a única que poderá impedir a ruína dos reinos feéricos e humanos. Mas para isso, Feyre precisará treinar tais dons e fortifica-se pois quando a ameaça chegasse ela precisaria estar pronta para o que fosse necessário.

 

Você disse que eu deveria ser uma arma, não um peão, mas os dois parecem a mesma coisa para  mim. A única diferença é quem os empunha.

Como uma leitora fanática por suspenses em geral, durante boa parte da obra fiquei com um pé atrás em relação ao Rhys mesmo sendo completamente apaixonada por ele. Contudo, à medida que ia passando as páginas, Rhysand conquistou não só meu amor como minha confiança. Sarah construiu uma relação profunda entre os personagens principais. As cenas entre Rhys e Feyre são muito bem formuladas. Os diálogos e ações entre ambos vêm cheios dos mais variados sentimentos. A química entre os dois é palpável e passei boa parte do livo torcendo por um beijo ou qualquer coisa que me mostrasse o quão certo era aquele romance. Mas ao mesmo tempo em que pedia mentalmente por isso, sabia que não era a hora certa para acontecer. Ambos precisariam estar realmente prontos e inteiros.

Há dias bons e ruins para mim… mesmo agora. Não deixe que os dias ruins vençam.

Posso afirmar que Feyre e Rhysand foram remédios um para o outro. Feyre começa o livro frágil e desolada, mas com ajuda de Rhys se torna novamente — e até bem mais que antes — a mulher feérica empoderada ciente de seus desafios, escolhas e erros que sabemos que ela é. Feyre se reconstrói aos poucos pois a liberdade é sua bênção mas é a compreensão o seu alicerse. Já Rhys, por debaixo da máscara de Grão-Senhor da Corte de Noturna, esconde um feérico que tem muito mais medos e bondades do que podemos esperar. Reconstrói-se com a ajuda de Feyre ao perceber que o amor não é somente perda ou dor, é também amizade e cumplicidade. Rhys é intenso, arrebatador e altruísta capaz de se sacrificar por aqueles que ama. Com certeza é meu personagem favorito de toda a série pois ao enxergar sua alma percebi o quão humano este feérico pode ser.

Talvez amem tanto o lugar para onde vão que vale a pena. Talvez continuem voltando até que reste apenas uma estrela. Talvez essa única estrela faça a viagem para sempre, com a esperança de que um dia, se continuar voltando com frequência, outra estrela a encontre de novo.

Corte de Névoa e Fúria traz novos personagens além de nos trazer de volta alguns do passado. O mais engraçado é que desde o primeiro livro eu torcia para que certas pessoas também tivessem sua vez à encontrar um par no universo de Maas. E pelo andar da carruagem é bem provável que isso aconteça mesmo. Não somente pelas portas que ficaram em aberto ao fim deste segundo livro, como também pela complexidade singular que cada personagem — novo ou antigo — apresentou durante a obra. Não acredito que Sarah deixaria esses personagens de lado então é só esperar pelos spin-offs que tenho certeza se tratar de cada um.

O poder não pertencia aos Grão-Senhores. Não mais.
Ele pertencia a mim; assim como eu só pertencia a mim, como meu futuro era meu para decidir, para forjar.

 

Corte De Névoa e Fúria tem tudo para estar entre as melhores leituras que realizei esse ano. Não consigo definir e falar de tudo que senti durante a obra ou com certeza passaria a eternidade escrevendo essa resenha. Apenas posso dizer que sua leitura vale muito à pena. Entendo que algumas pessoas simplesmente não gostam de triângulos amorosos, mas quero acreditem em mim que de certo modo esse livro não se trata disso. Se trata de quem somos e quem podemos ser, mas principalmente de que tipo de amor escolheremos para fazer parte de nossas vidas.

| RESENHA | O Ar Que Ele Respira – Brittainy C. Cherry – Série Elementos – Livro Um.

Sinopse: No novo romance da autora de Sr. Daniels. Como superar a dor de uma perda irreparável? Elizabeth está tentando seguir em frente. Depois da morte do marido e de ter passado um ano na casa da mãe, ela decide voltar a seu antigo lar e enfrentar as lembranças de seu casamento feliz com Steven. Porém, ao retornar à pequena Meadows Creek, ela se depara com um novo vizinho, Tristan Cole. Grosseiro, solitário, o olhar sempre agressivo e triste, ele parece fugir do passado. Mas Elizabeth logo descobre que, por trás do ser intratável, há um homem devastado pela morte das pessoas que mais amava. Elizabeth tenta se aproximar dele, mas Tristan tenta de todas as formas impedir que ela entre em sua vida. Em seu coração despedaçado parece não haver espaço para um novo começo. Ou talvez sim.

image

“Todo mundo merece ter pelo menos um amigo em quem possa confiar seus medos e segredos. Suas culpas e alegrias. Todos merecem ter uma pessoa que vai olhar em seus olhos e dizer: ‘Voce é autossuficiente, você é perfeito mesmo com todos o seus problemas.
– Elizabeth.”

Em O Ar Que Ele Respira a autora nos trás um romance que pode ser definido em uma palavra: forte. Pois irá contar uma história que tem tudo para acabar mal. Elizabeth e Tristan são pessoas destruídas pela vida que não querem superar a dor e sim conviver com ela para jamais apagarem suas lembranças daqueles que tanto amaram, mas que a vida lhes tirou de maneira brutal. Em suas palavras, Brittainy deixa marcado os sentimentos presentes nas ações e pensamentos de cada personagem.

image

Depois de ler Sr. Daniels e me apaixonar por Ashlyn e Daniel, comecei a me afundar nas páginas do primeiro livro da série Elementos de modo quase implacável. Demorei pouco tempo para finalizar a leitura, e ao fazer isso, fiquei ainda mais encantada pela escrita da autora. Cherry narra o livro em primeira pessoa alternando a visão entre os personagens principais. Desse modo, com o intercalamento, torna a leitura mais completa pois é possível enxergar como os pensamentos dos personagens vão se alterando com o passar do tempo. E possível ver como a dor vai dimuindo, mas não desaparecendo. Pois Cherry deixa claro que dores assim marcam para sempre, apenas se transformam em cicatrizes onde será possível conviver com elas sem tanto sofrimento.

O grande porém do livro é justamente o fato que nem Elizabeth, nem Tristan estão dispostos a deixar suas dores para trás. Ambos consideram fazer isso trair as pessoas amadas por não se lembrarem deles em todos os momentos. Elizabeth sabe que precisa, ela diz pra si mesma que esta bem, mas em todo lugar e em todo momento ela recupera as lembranças usando a si mesma para manter através da dor Steve ao seu lado. Tristan, ao contrário de Elizabeth, usa da penitência para manter sua esposa e filho perdidos perto de si. Ele acredita que foi sua culpa por não estar presente quando o acidente aconteceu e por isso merece ficar sozinho e sentir na própria carne toda a marca e sofrimento que seus entes sentiram.

“Depois paro e lembro – a pior parte de perder uma pessoa amada é que você também se perde.”
– Elizabeth.

Assim, com essa base desaladora, Brittainy constrói um livro sobre autor-perdão, sobre recuperação e principalmente: sobre se dar uma nova chance para ser feliz. Entender que na vida coisas acontecem sem nosso controle e que não é nossa culpa. Que não podemos deixar a dor nos consumir, mas deixar ela nos tornar mais forte porque com o auxílio de nossos amigos e familiares, das pessoas que realmente nos amam conseguir trilhar um novo caminho em busca da felicidade.

“Os pequenos momentos de felicidade compensam a dor, e os cacos do coração podem ser colados novamente. Quer dizer, sempre fica uma cicatriz ou outra, e às vezes, as memórias do passado te queimam por dentro, mas são uma lembrança de que você sobreviveu. É esse fogo que nos faz renascer.
– Tristan.”

Dá para perceber o quanto eu amei esse livro certo? Eu super recomendo a leitura. Agradeço imensamente a minha amiga Drih por tê-lo me indicado. Foi incrível a leitura. Não tem como não se apaixonar.

Título: O Ar Que Ele Respira.
Título Original: The Air He Breathes
Autora: Brittainy C. Cherry.
Editora: Record.
Ano: 2016
Avaliação: 🌟🌟🌟🌟🌟

Veneno – Sarah Pinborough – Saga Encantadas – Livro 01

image

“Sexy, sarcástico e de prender a respiração! Para os fãs de Once Upon a Time e Grimm, Veneno é a prova de que contos de fadas são para adultos! Não existe “Felizes para sempre”! Você já pensou que uma rainha má tem seus motivos para agir como tal? E que princesas podem ser extremamente mimadas? E que príncipes não são encantados e reinos distantes também têm problemas reais? Então este livro é para você! Em Veneno, a autora Sarah Pinborough reconta a história de Branca de Neve de maneira sarcástica, madura e sem rodeios. Todos os personagens que nos cativam por anos estão lá, mas seriam eles tão tolos quanto aparentam? Acompanhe a história de Branca de Neve e seu embate com a Rainha, sua madrasta. Você vai entender por que nem todos são só bons ou maus e que talvez o que seria “um final feliz” pode se tornar o pior dos pesadelos! Veneno é o primeiro livro da trilogia Encantadas, e já é um best-seller inglês. Sarah Pinborough coloca os contos de fadas de ponta-cabeça e narra histórias surpreendentes que a Disney jamais ousaria contar. Com um realismo cínico e cenas fortes, o leitor será levado a questionar, finalmente, quem são os mocinhos e quem são os vilões dos livros de fantasia!”.

Realmente me fez repensar em meus vilões. “Veneno” da saga Encantadas de Sara Pinborough foi uma leitura fantástica. Repleta de reviravoltas e personagens bem diferentes do imaginado.

O livro de Pinborough é no mínino bem escrito. Um livro em que cada palavrinha, cada virgula, cada expressão que se encaixava perfeitamente no proposto pela autora. Não é um livro que tenha muitos diálogos em suas parginas. Ha mais daquele texto cru que procura mostras que as palavras ditas não são necessariamente as pensadas.

Lilith, a rainha má, é de longe a personagem que mais gostei. A descrição dela me lembra muito a da personagem de Charlize Theron em Branca de Neve e o Caçador, mas com toda certeza é só isso.

“Ela era linda. Seus cabelos eram como o gelo nas paredesíngremes dos Montes Ermos. Seus lábios em forma de coração eram como os botões de rosa dos ramos mais altos da roseira, e os olhos eram tão azuis e frios que doía só de olhar para eles.”

Mas o mais impressionante era que a megera não é exatamente uma megera. Mas sim uma jovem mulher infeliz que usa da beleza para conseguir poder e que fica aterrorizada com a ideia de que uma mais bela tenha mais desse poder que ela.

“Em menos de quinze minutos, Lilith, com toda sua grande beleza, tinha sido esquecida, e ela se retirou discretamente e aliviada, forçando-se amanter o passo firme em vez de começar a correr assim que atravessasse as portas”

Já a Branca de Neve não foi e ainda não é uma personagem que eu goste muito embora ela seja melhor do que as outras personagens que figuraram no cinema ou nos livros como ela ou levando seu apelido. Branca, aqui, é uma jovem cheia de vida e selvagem. Mas não é uma personagem no raiar da inocência. Dá para ver malícia em seus gesto. Tanto para o lado malvado da coisa quanto para a sensualidade envolvida na questão.

“Ele ainda não estava pronto para falar sobre ela, seu charme selvagem, sua habilidade sobreum cavalo, o jeito como nadava livre e nua no lago.”

Um livro surpreendente e sagaz, “Veneno” foi tudo aquelo que eu não esperava. Um clássico como Branca de Neve quando transformardo normalmente nos mostra a garotinha ingênua e indefesa que se transforma na heroína que vai ser a salvadora de geral. Mas quando Sarah escreveu esse livro provavelmente ela tinha em mente esse pressuposto. E então retirou de mim tudo que eu achava que sabia que acontecer e me deu um grande tapa na cara dizendo “OTÁRIA.”

Um livro inesquecivel que com toda certeza me deixou com um sabor irresistível de quero mais.

Título: Veneno – Encantadas – Livro Um.
Título Original: Pouison – Enchanteds – Book One.
Autora: Sarah Pinborough.
Ano: 2013
Editora: Única.
Tipo: Ficção.
Tempo de Leitura: 3h30 aproximadamente.
Avaliação: 🌟🌟🌟🌟🌟