Arquivo da tag: que

| LIVROSOFIA | Não Tenha Vergonha.

Oii amores, como vão? Espero que o mês de outubro tenha sido recheados de leituras e que esse mês de novembro seja melhor ainda. Hoje é dia de mais um Livrosofia e o post de hoje vai ser mais curto que os anteriores, contudo, vai ser também mais crítico. Como venho falando sobre gêneros, amadurecimento literário e afins, o assunto de hoje é relacionado aos leitores, mas principalmente uma crítica aos julgadores e aqueles que se sentem intimidados por elas.

Ler um livro é uma tarefa única. Somos convidado à mergulhar em um mar de ideias, novas ou não. Procuramos sempre livros que nos atraiam e nossa bagagem nos faz gostar de um determinado livro ou não. Isso tudo, faz que toda leitura seja uma tarefa pessoal. Somos nós em toda nossa plenitudade que realizamos a leitura com colocando nosso tempo, nossas mentes e nossas experiências à favor de determinado livro. E mesmo assim ainda existe aquele leitor chato que tenta nos fazer sentir vergonha de termos lido certos livros. E de certa forma, talvez pareça estranho separar um dia no blog para tocar nesse assunto, mas realmente acredito que vergonha literária seja um assunto que deve ser tocado.

Quando vivemos em sociedade devemos estar preparados para sermos julgados. O humano é um ser crítico, mas sempre tem pessoas que estão dispostas à serem mais que isso, muitas vezes maldosas e arrogantes. Dentro do mundo dos leitores, era de se esperar que pessoas tão bem formadas ou nesse curso de formação fossem superiores à tais perspectivas, mas pelo contrário, é assombroso o quanto existem pessoas (inclusive leitores) por aí que se sentem no direito de julgar as outras pelo que elas andam lendo. E pior, o quão os próprios leitores às vezes sentem coagidos à ficarem envorganhados com suas leituras.

Para quem, como eu, costuma ler dos mais variados gêneros sem se preocupar com estilos e classificações de todo tipo, costuma receber aqueles olhares clássicos de não acredito que você gosta desse tipo de livros de pessoas que estão ali apenas para lhe colocar. Um exemplo clássico é o do livro erótico, mas acreditem quando digo que não é somente ele. Se você gosta de histórias mais infantis, por exemplo, costuma ser taxado de infantil; se gosta de ler clássicos, então é um careta metido; se gosta de ler romances então é uma garota boba. Todos esses esteriótipos ditos com aquela malicia velada características dos comentários maldosos.

Há também aquele tipo de situação que mesmo sem perceber os leitores hajem como se tivesem vergonha de certas leituras que tenham feito. Não necessariamente você, mas basta olhar ao redor para ver alguém encolhendo os ombros e dizendo não acredito que li isso e gostei! descartando uma leitura que fez parte de sua vida. Talvez por querer se sentirem mais maduros à si ou aos olhos de outra pessoa.

O grande erro nestes dois tipos de vergonha literária é justamente a nescessidade que o próprio leitor parece ter em relação à sua estada com outras pessoas se esquecendo do quão pessoal é o ato de ler. Nossas leituras são importantes para nossa vidas independente de termos gostado ou não – de ainda gostarmos ou não, pois elas são o reflexo de tudo que fomos e do caminho que percorremos para nos tornar leitores. Sentir ou deixar que alguem nos faça sentir vergonha tambem é manchar esse caminho.

Então, finalizando essse texto com uma frase de Ray Carson; Não importa é 50 Tons de Cinza, Crepúsculo ou Guerra e Paz. NUNCA deixe ninguém fazer você sentir vergonha de algo que você ama ler.

Até a próxima corujinhas.

| RESENHA | Sr Daniels – Brittainy C. Cherry

Uma pergunta: Quero estar vivo, e não tenho ideia de por que, vendo como hedionda a vida é, às vezes. Talvez seja a crença, a esperança e a paixão, tudo embrulhado dentro do meu peito. Talvez meu coração esteja apenas rezando por um amanhã melhor para substituir todos os ontens de merda. Então, para responder à sua pergunta de forma muito deprimente, cheia de angústia adolescente, quero estar vivo quando crescer. Então, agora eu pergunto, Sr. D. O que você quer ser quando crescer? Porque nunca paramos de crescer, e raramente deixamos de sonhar.
– Ryan.

Oii gente! Recentemente (uns três meses mais ou menos) saiu resenha aqui no blog do livro O Ar Que Ele Respira da autora Brittainy C. Cherry. Então resolvi fazer resenha de um livro anterior dela chamado Sr. Daniels que para mim ainda é o melhor livro da autora. Isto porquê a história de Daniel & Ashlyn foi realmente bem escrita e não consigo me lembrar de falhas no enredo ou algo que tenha detestado.

image

Título: Sr. Daniels.
Título Original: Mr. Daniels.
Autora: Brittainy C. Cherry
Editora: Galera Record
Avaliação: 🌟🌟🌟🌟🌟🌹
Onde Comprar: Saraiva Submarino Amazon

Sinopse: Depois de perder a irmã gêmea para a leucemia, Ashlyn Jennings vê sua vida mudar completamente. Além de ter de aprender a conviver sem parte de si mesma, ela precisa se adaptar a uma nova rotina. Enviada pela mãe para a casa do pai, com quem mal conviveu até então, ela viaja de trem para Edgewood, Wisconsin, carregando poucos pertences, muitas lembranças e uma caixa misteriosa deixada pela irmã. Na estação de trem Ashlyn conhece o músico Daniel, um rapaz lindo e gentil, e a atração é imediata. Os dois compartilham não só o amor pela música e por William Shakespeare mas também a dor provocada por perdas irreparáveis. Ao sentir-se esperançosa quanto a sua nova vida, Ashlyn começa o ano letivo na escola onde o pai é diretor. E não consegue acreditar quando descobre, no primeiro dia de aula, que Daniel, o belo músico de olhos azuis com quem já está completamente envolvida, é o Sr. Daniels, seu professor de inglês. Desorientados, eles precisam manter seu amor em segredo, e são forçados a se ver como dois desconhecidos na escola. E, como se isso já não fosse difícil o bastante, eles ainda precisam tentar de todas as formas superar os antigos problemas e sobreviver a novos e inesperados conflitos.

Simplesmente não consegue compreender as diferentes formas de amor. Formas que só nós, adolescentes, podemos entender antes que o mundo da vida adulta tire a nossa magia, o nosso encanto. Ser adolescente é uma maldição e um presente ao mesmo tempo. É a idade em que contos de fadas e o Papai Noel deixam de existir, mas partes de nossos corações querem dizer: E se…
– Ryan.

Dizer que gostei desse livro de Brittainy C. Cherry seria um eufemismo. O li com rapidez praticamente não deixando a obra de lado. Meu coração murchou em algumas partes, se alegrou em outras e se estilhaçou várias vezes. Durante todo o livro, até a cena final, a autora conseguiu me fazer crer no felizes para sempre antes de me tira-lo sem dó nem piedade. O que é realmente bom, porque foi essa carga dramática pesada no livro, que conseguiu transformar a obra de um clichê adolescente em algo mais. Algo que realmente vale a pena ser lido. Não somente pelos personagens principais. Mas também pelos secundários que fizeram toda a diferença.

Eu me perguntava se as pessoas que morriam sabiam que quem fica para trás daria tudo para ouvir suas vozes mais uma vez.
– Ashlyn.

O livro é narrado através de dois pontos de vista, mas sempre em primeira pessoa. Daniel e Ashlyn se intercalam para contar sua proíbida história de amor. Mas arrisco a dizer que a história tem três pontos de vistas. Afinal de contas, durante toda a obra, as cartas que Gabby (irmã falecida de Ashlyn) deixa para trás figuram comonpersongens no enredo. Mas explicando melhor, Gabby escreve uma lista de coisas que a irmã tem que fazer antes de morrer acompanhada de uma penca de cartas. A cada ítem cumprido da lista, uma carta correspondente deverá ser aberta. Um ítem diz que Ashlyn deve se apaixonar, o que convenhamos, ela o faz bem, mas de maneira super enrolada.

Você está indo muito bem garota.
<- Gabby.

Indos aos pontos que me fizeram gostar irremediavelmente da história, o fato de Cherry não recorrer a paixões extras entre o casal principal. Não tenho costume em gostar de triangulosos amorosos, em que tal personagem se sente dividido entre o que sentem um pelo outro e também a um terceiro. Ashlyn e Daniel portanto irão pertencer um ao outro sem dúvidas, sem mimimi. Apesar de que existe sim outras pessoas apaixonadas pelos personagens, o casal não consegue se ver longe um do outro amando estas apenas como irmão ou como uma garota que fez parte do seu passado, sem nunca porem seus sentimentos em xeque para tentar um relaciomento com outra pessoa.

Eu odiava o quão próximos estávamos e o tão distantes que nos sentíamos.
– Daniel.

Outro ponto alto do livro é a interação dos personagens secundários que não só ajudam a compor o cenário, como também mostram-se importantes dentro dele. O pai de Ashlyn por exemplo é carinhoso com ela, mas não consegue vencer a barreira dos anos que viveram separados. Hailey é uma jovem quase gótica, quase patricinha (bugante não?) que tem o desejo de se tornar mulher no sentido sexual da coisa, mesmo sabendo que seu namorado não há ama tanto assim.  E por fim temos Ryan, que de longe foi meu personagem favorito. De alguma forma eu me aproximei dele. Tavez fossem suas palavras e seus pensamentos ou talvez a angústia que ele tinha. Mas ele era incrível. De todos os personagens, Ryan conseguiu tocar melhor meu coração.

Porque fingir ser feliz é quase como ser feliz. Até você lembrar que é apenas fingimento. Então você fica triste. Realmente triste. Porque usar uma máscara todos os dias da sua vida é a coisa mais difícil do mundo. E depois de um tempo, você tem um pouco de medo porque a máscara se torna você.
– Ryan.

Sr. Daniels é uma leitura viciante. Por vezes melancólica, outras vezes radiante é um livro que vai te provocar as mais diversas emoções que faz toda a diferença na sua vida no fim das contas. Pois ele te mostra como a vida, por mais complicada que aparente, pode ter uma luz no fim do túnel se você deixar as pessoas ao seu redor te guiarem.

A Resposta: Não quero ter medo do resultado da vida. Quero me lembrar de respirar enquanto sorrir, e valorizar as lágrimas. Quero mergulhar em esperança e cair no amor. Quero estar vivo quando crescer, porque… nunca estive vivo em toda a minha vida.
– Daniel.

Branca de Neve Tem Que Morrer – Nele Neuhaus

image

Existe sempre aquele momento que você não consegue simplesmente falar coisa com coisa por causa de um determinado livro que retirou todo seu juízo. E aqui estou eu nesse esquema, sentindo como se minha capacidade de pensar logicamente tivesse sido alterada;

Sinopse: Numa noite chuvosa de novembro, Rita Cramer é empurrada de uma passarela e cai em cima de um carro em movimento. Pia e Bodenstein, da delegacia de homicídios, têm um suspeito: Manfred Wagner. Onze anos antes, a filha de Manfred desaparecera, sem deixar pistas, e um processo baseado em provas circunstanciais condenou Tobias, filho de Rita Cramer, a dez anos de prisão. Logo após cumprir a pena, Tobias retorna à sua cidade natal e repentinamente, outra garota desaparece. Os acontecimentos do passado parecem repetir-se de maneira funesta. Pia e Bodenstein se deparam com um muro de silêncio. As investigações transformam-se numa corrida contra o tempo, iniciando uma verdadeira caça às bruxas.

Quando eu vi o nome de Branca de Neve Tem Que Morrer e sua maravilhosa capa na livraria, fui fisgada. Muito embora eu tenha sentido essa atração pelo livro, demorei três meses pra ler ele. Agora só consigo me perguntar por que fiz isso.
Contado e muitas visões, o livro intenso de Nele me prendeu durante o dia inteiro. Convencida de que devia ler ele, comecei as nove da manhã a meia noite tinha acabado de ler e admito que até agora não consigo me conformar por ter sido tão enganada. E é exatamente por isso que fico tão feliz por tê-lo lido.
Uma coisa é certa; quando se trata de um suspense policial, a pessoa que menos parece ser a vilã que normalmente é. E foi exatamente esse preceito que me induziu ao erro.

Cada um dos personagens da trama foi inegavelmente bem escrito. Seus pensamentos e suas omissões sobre a identidade do assassino deixaram um vão pra inúmeras possibades. Mas de toda forma, Nele conseguiu fazer com que voce não so reflita sobre o que aconteceu onze anos antes, mas também sobre a maneira que as pessoas tentem a se acorvardar diante de situações complicadas.

Tobias é um personagem de sagacidade que parece conformado com sua prisao, mas que ao mesmo tempo não tem medo de dizer que não vai fugir da cidade, até que pelo menos ele descubra o que aconteceu a Laura e Stefanie tão intimamente ligadas a ele, mortas de maneira tão brutal.
Pia e Bondestein os detetives tem mentes claras. Ela principalmente que de cara percebe as falhas nas provas contra Tobias e não desiste até que toda a verdade seja esclarecida.

Os demais personagens de importancia, dos mais comportado ao mais levado, do mais distante ao mais presente, cada um parece ter motivos para odiar Tobias ou mostrar empatia por ele. Sentimentos tão diversos que muitas vezes confunde o leitor a ponto de que ele tenha certeza de uma coisa na pagina tal e já desistia dela na página seguinte.

E denominar Tobias sendo caçado como uma bruxa é quase um eufemismo. Em uma cidade pequena onde todos se conheciam e eram amigos, um crime como esse garantia a Tobias no minimo um ódio permanente de todos na cidade que no fim, prefiriam fechar os olhos para o que estava tão claro ao invés de tentar entender o lado Tobias da história.

O livro é maravilhoso. Fiquei muito encantada e feliz com ele e com certeza tenho muitas leituras da autora pela frente.