Arquivo da tag: os 27 crushes de molly

(Tag) Meu Natal Literário

Oi Corujinhas, como vão?? Feliz Natal,  e nessa véspera eu não resistir e resolvi responder uma tag temática para vocês. Muito embora natal não seja minha época preferida do ano (a não ser pelo Roberto Carlos ❤), o clima natalino traz boas sensações de união e amor, e nada mais justo que trazer essa sensação para vocês. A original foi criada pela Nuccia do blog As 1001 Nuccias.

Espero que gostem.

1 – Você pode escolher apenas UM livro para ler neste Natal. Qual e por quê?

os 27 crushes de mollyDentre as minhas leituras do ano, uma das mais significativas para mim foi Os 27 Crushes de Molly por ser ao mesmo tempo um livro emocionante e caloroso. Muito embora não tenha o tema do natal, a obra de Becky tem a característica mais marcante da época: o manifesto por amor e igualdade de aceitação de si mesmo e daqueles que nos rodeiam. Com personagens inesquecíveis e uma narrativa simples mas espetacular, é uma obra feita para dar conforto a todos nós. Eu simplesmente amei o livro e super recomendo para vocês.

2 – Tem alguma canção natalina preferida ou que o simboliza para você?

Sim, mas eu não diria que ela é exatamente natalina. Happy Day da Aretha Franklin e Mavis Staples é uma das minhas canções favoritas no mundo. É uma letra simples que fala sobre felicidade quando Jesus conversa com uma pessoa, ou seja, com aqueles que estiverem ouvindo. Não importa quantas vezes eu a ouça, sempre acharei emocionante.

3 – Um livro que combine com o Natal, mesmo que sua história não tenha este tema, qual você indica? (conte um pouco sobre ele).

o sol é para todosNo natal eu sempre leio livros que me despertem alguma coisa, e não necessariamente os sentimentos de amor, amizade ou algo assim. O natal para mim é ser feliz com as pessoas e nesse caso com os livros. Então, indico para vocês meu livro favorito no mundo: O Sol É Para Todos da Harper Lee que traz conforto aos corações, um pouco de medo talvez e muitas aventuras que eu amo. O livro conta a história de três crianças que vivem o apartheid no estado da Carolina do Sul, um dos mais segregacionistas dos Estados Unidos. Durante um período de três anos, as crianças vão ver diversas situações de preconceito e aprender que todos somo iguais, independente da cor ou daquilo que aparentamos.

4 – Qual a comida de Natal que não pode faltar em sua casa?

Panetone. Ahh, eu amoooooo panetone e sim, o de frutas. E acho que é uma das comidas mais incompreendidas do mundo.

5 – Um livro de TERROR/HORROR que tenha enredo natalino:

giphy

Não conheço. Gente, eu quase nunca leio terror. Não me julguem. Mas quem conhecer algum me indique, quem sabe eu leio.

 

6 – Cite um programa de TV ou filme que você sempre assisti nessa época.

tenor.gif“São tantas já vividas, são momentos que eu não me esqueci”. Gente, eu amo com todas as minhas forças o especial do Roberto Carlos. Todo ano, eu assisto com minha mãe e sempre aumento minha play list depois. O Roberto Carlos é meu compositor favorito, e mesmo que muita gente torça o nariz para ele, tenho certeza que tem pelo menos uma música do cara essa gente deve gostar. 

7 – Um livro que você recebeu de presente de Natal: amou ou detestou? E por quê?

516k5nPlBlLA Keth e eu (principalmente a Keth) sempre trocamos livros no natal. Ela sempre me manda mais de um exemplar, e um certo ano, a lindíssima me mandou um livro de colecionador da série Game Of Thrones que até então era minha favorita. De modo que eu realmente gritei quando recebi: então esse foi meu favorito ganhado no natal.

8 – Como você costuma comemorar o Natal? Família, amigos, viajando…?

Com minha família, de preferência a mais próxima – eu, mamãe, papai, meu irmão e minha recem adquirida cunhada -, em uma ceia simples mas com muito carinho. Nós normalmente conversamos, vemos tevê e brincamos uns com os outros.

9 – Para cada palavra e explicação, cite um personagem (e sua obra de origem) que combine com ela:

Papai-noel Jesus (personagem de grande coração): Atticus, O Sol É Para Todos.
Duende (personagem trabalhador):
Duncan West, o magnata da imprensaNunca Julgue Uma Dama Pela Aparência
Bengala (personagem secundário que se apoia no principal): MelanieA Hospedeira
Árvore Enfeitada (personagem chamativo): Magnus BaneO mundo de Caçadores das Sombras de Cassandra Clare
Grinch (personagem vilão preferido): Darkiling, Sombra e Ossos.

10 – Escolha 3 livros aleatórios e substitua uma palavra do título de cada um por “NATAL”:

Ahh adoro essas coisas:
1. Natal Exemplar (Garota Exemplar)
2. A Maldição do Natal (A Maldição do Vencedor)
3. Como Eu Era Antes do Natal (Como Eu Era Antes de Você)

 

Então é isso amores, espero que tenham gostado. Beijos.

( Resenha ) Os 27 Crushes de Molly – Becky Albertalli

Quem nunca se apaixonou e ficou com medo de se declarar que atire a primeira pedra. Em Os 27 Crushes de Molly, Becky Albertalli vai te cativar com a sutileza de uma história sobre amadurecimento, amor e muita representatividade.

os 27 crushes de mollyTítulo: Os 27 Crushes de Molly
Título original: The Upside of Unrequited
Autora: Becky Albertalli
Editora: Intrínseca
Páginas:
Ano: 2017
Avaliação: ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ ❤
Encontre: Skoob | Amazon | Saraiva

Sinopse: Molly já viveu muitas paixões, mas só dentro de sua cabeça. E foi assim que, aos dezessete anos, a menina acumulou vinte e seis crushes. Embora sua irmã gêmea, Cassie, viva dizendo que ela precisa ser mais corajosa, Molly não consegue suportar a possibilidade de levar um fora. Então age com muito cuidado. Como ela diz, garotas gordas sempre têm que ser cautelosas. Tudo muda quando Cassie começa a namorar Mina, e Molly pela primeira vez tem que lidar com uma solidão implacável e sentimentos muito conflitantes. Por sorte, um dos melhores amigos de Mina é um garoto hipster, fofo e lindo, o vigésimo sétimo crush perfeito e talvez até um futuro namorado. Se Molly finalmente se arriscar e se envolver com ele, pode dar seu primeiro beijo e ainda se reaproximar da irmã. Só tem um problema, que atende pelo nome de Reid Wertheim, o garoto com quem Molly trabalha. Ele é meio esquisito. Ele gosta de Tolkien. Ele vai a feiras medievais. Ele usa tênis brancos ridículos. Molly jamais, em hipótese alguma, se apaixonaria por ele. Certo? Em Os 27 Crushes de Molly, a perspicácia, a delicadeza e o senso de humor de Becky Albertalli nos conquistam mais uma vez, em uma história sobre amizade, amadurecimento e, claro, aquele friozinho na barriga que só um crush pode provocar.

É uma coisa bem incrível não se importar de verdade com o que as pessoas pensam de você. Muita gente diz que não se importa. Ou age como se não se importasse. Mas acho que a maioria se importa muito. Eu sei que eu me importo.

Nunca fui o tipo de pessoa que se prende totalmente à representatividade como marco de toda obra. Não me entenda mal, não é que não ache importante, mas apenas creio que não seja o mais importante. Principalmente porque sempre percebo que acabamos por perder o real significado de representar. Explicando melhor: no meu ponto de vista, o simbolismo deve ser colocado de maneira natural, sem estardalhaço. Pois quando ao contrário, torna-se forçado e o contexto parece ser reduzido. Não estamos mais falando de uma história de superação que consequentemente se torna um manifesto de igualdade, mas passamos a ver a obra como uma procuração que tem o sentido apenas de representar. Exemplificando, depois do lançamento do filme Pantera Negra vi muitas pessoas comentando ser o melhor filme da Marvel por conta disto, afinal pela primeira vez tínhamos um herói negro nas telonas. Mais uma vez não é que eu considere inválido o argumento, mas sinceramente, Pantera Negra não devia ser o melhor filme porque apresenta a melhor história?

Nunca contei para ninguém, nem para minhas mães e para Cassie, mas é o que me dá mais medo: não ter importância. Existir em um mundo que não liga para quem eu sou. É um outro nível de solidão.

Partindo desse princípio, quando comecei a ler Os 27 Crushes de Molly, já sabia que se tratava da história de uma mulher acima do peso ideal (isso existe?), por isso havia me preparado para uma revolução em favor da quebra de determinados tabus. Mas para minha grata surpresa, Becky Albertalli chega com uma narrativa cheia de sutilezas. Ela não cria aquele plot twist de início, mas sim situações reais que tem o propósito de nos mostrar que somos todos humanos de carne e osso. Podemos passar pelas mesma situações e ter os mesmos sentimentos. Não será nossa aparência que determina se somos capazes disso ou daquilo, muito menos de orientação sexual. Ao criar um livro cheio de representatividade, Becky Albertalli não impõe nada por conta dela, mas sim expõe a normalidade que todos deveriam saber.

Odeio estar pensando nisso. Odeio odiar meu corpo. Na verdade, nem odeio meu corpo. Só fico com medo de todo mundo odiar. Porque garotas gordinhas não têm namorados e claro que não fazem sexo. Não nos filmes, não de verdade, a não ser que seja piada. E eu não quero ser piada.

Quando Becky começa seu livro, deixa claro que não estamos falando de uma obra surpreendente cheia de drama adolescente, mas sim de uma história dotada de conflitos que todo adolescente sente, principalmente os mais inseguros. Na época que eu fazia ensino médio, apesar de não ser gorda, nunca me considerei exatamente bonita: era magrela de mais, buchuda de mais (sim as duas coisas existem juntas!), cabelo alto de mais. No entanto nada disso me impediu de ter meus crushes, que apesar de não serem 27, foram paixonites importantes, mas eu também nunca tive coragem de falar com nenhum deles. Dessa forma, ao conhecer Molly me identifiquei facilmente com ela por conta da Jessica do passado. Nós duas achávamos que nunca nos apaixonaríamos e, apesar de sermos felizes assim, queríamos saber qual era a sensação. Não é questão de ser dependente de romance, mas sim de querer ter um tipo de sentimento que parece que todo mundo a sua volta tem menos você.

Passo muito tempo pensando em amor e beijos e namorados e todas as outras coisas para as quais as feministas não tinham que dar muita bola. E eu sou feminista. Mas não sei. Tenho dezessete anos e só quero saber como é beijar alguém.

Pelo fato de ter me visto na protagonista (de uma forma que poucas vezes, ou mesmo nunca, havia acontecido) me conectei a obra ao fundo. Tanto pelo fator inicial de insegurança quanto pela trajetória da personagem para ganhar auto-confiança. Mais uma vez, Becky é sútil ao evoluir sua personagem sem nunca mudá-la. Para tanto, Molly  vai aos poucos percebendo as qualidades que possui entendendo que de modo que o amor não virá apesar de ser gorda, mas sim ciente e acima disto aceitando-a. Afinal de contas, o corpo é só uma casca e muitas outras coisas a definem não existindo motivo para Molly ser rejeitada, ainda mais por padrões de sociedade que nem sequer deveriam existir.

Tem alguma coisa em momentos assim, quando esse fiozinho tênue me liga a um total estranho. É o tipo de coisa que faz o universo parecer menor. Adoro isso.

Outro ponto que me fez amar o livro foram os personagens secundários que realmente fizeram a diferença no enredo. Realmente detesto livros em que os secundários vêm apenas para encher linguiça. Quando li Simon Vs A Agenda do Homosapiens  meu incômodo com foi a criação de tantos personagens que acabaram não tendo relevância no contexto principal. Como que para corrigir seu erro, Becky não perde ninguém e demonstra como a amizade e a família são importantes para a aceitação de si mesmo. Nadine e Patty (mães de Molly e Cassie geradas por meio da proveta) são lésbicas (obviamente né, Jéssica?) evidenciam o primeiro passo: se aceitar e ser feliz sozinhos. Reid (crushe 27) revela o segundo: somente aquele que nos aceita merece estar em nosso amor. E Cassie, Mina, OliviaAbby (lembra dela em Simon?) apresentam o  último sobre amizade e o modo com o qual elas nos mantém de pé.

A amizade é assim: nem sempre é determinada pelo que as pessoas têm em comum.

De todas as maneiras que consigo pensar, Os 27 Crushes de Molly foi um livro espetacular, diria que é um dos melhores livros no gênero e da vida. Becky Albertalli não se prende ao esteriótipo e nem sequer trata seus personagens como absolutamente especiais por apenas serem diferente. Somos naturalmente divergentes um dos outros devemos entender e respeitar isso, mas sobretudo nos aceitar e sermos felizes pela abundância de vida refletida em nós.