Arquivo da tag: montanha

A Noiva Devota – Mari Scotti – Os Hallinson – Livro Dois.

Nascer um Hallinson jamais foi tão promissor como em sua geração, no entanto, carregar esse sobrenome era ao mesmo tempo uma dádiva e uma maldição para os herdeiros do amor lendário de Mical e Octávio. Tudo porque Madascocia tornou-se a cidade do casal que venceu uma maldição. Muitos curiosos passaram a visitá-la em busca de felicidade, amor eterno, casamentos duradouros e a solução para seus dilemas. Além das inúmeras superstições como passar pela sombra de um Hallinson; lançar cartas ao rio Llyin que corta a Mansão de Bousquet; as donzelas e matriarcas almejavam matrimônio com um dos jovens herdeiros. Tentando adiar ao máximo esse desfecho, Samuel prolongou os estudos, mas, a saudade de uma donzela o faz retornar para casa antes do previsto. É em um baile que todos os seus planos de a cortejar ruem. Flagrado em uma situação comprometedora, vê-se obrigado a se casar. Ela sempre soube como se esconder da sociedade, como passar desapercebida entre as pessoas e não chamar atenção. Não que fosse complicado, ela era a mais nova das filhas, a menos formosa de sua casa. A que nasceu com uma ofensiva deficiência. Por acreditar que jamais seria notada, Rosalina guardou um grande segredo: seu amor por Samuel Hallinson. O que ela não esperava era cruzar o caminho do rapaz em um dos momentos mais constrangedores de sua vida e mudar seus destinos bruscamente.

image

A certa altura desse ano, publiquei uma resenha afirmando que Montanha da Lua – A Maldição dos Hallisons era meu livro favorito de Mari Scotti. Esqueçam. Mudei de opinião com esta obra fantástica da escritora que me proporcionou. Um livro apaixonante. Desde os personagens até mesmo os locais descritos por Mari Scotti, pude sentir tudo culminando para um final que me deixou satisfeita e com um sorriso bobo no rosto.

Como todos que já tive o prazer de ler autora, o livro é leve por ter uma escrita fácil de ser lida. As palavras vêm em quantidades certas tanto para descrever os lugares, como os acontecimentos e também as emoções dos personagens, presentiando o leitor com um delicioso ritimo de leitura. Apesar de já saber o final, fiquei me perguntando como dois jovens tão distantes um do outro poderiam se apaixonar. Distantes, pois apesar de Rosalina ser apaixonada por Samuel desde criança e este frequentar sua casa, o rapaz  não lhe vê como mulher, e pior, é apaixonado pela irmã da moça. Assim, logo nos primeiros capítulos, já estava entusiasmadíssima pela leitura que só foi crescendo a medida que o livro se desenrolava.

A maioria das obras românticas de época tem a mesma característica: um acontecimento que gere um acordo ou proposta que obrigue ambos os protagonistas a conviverem. A diferença que fez do livro de Scotti ser tão bom para mim, foram os personagens. Pois como leitora fanática deste gênero a situação constrangedora que levou Rosalina e Samuel a conviverem é quase  corriqueira pela infinidade de vezes que já vi requisitada nas obras. Porém a maneira com que o casal reagiu a ela, assim como ambas as famílias, é que me chamou a atenção. Afinal esperava ou tiros imediatos ou alianças imediatas. E nenhuma das duas coisas aconteceu. Porque Rosalina amava Samuel o suficiente para não querer faze-lo infeliz lhe obrigando a casar, como pelo rapaz ter a consciência de só se casar por amor.

Por isso, cada personagem, principalmente os protagonistas me foram especiais. Rosalina por ser tão apaixonada ao mesmo tempo tão sábia para não se deixar iludir pela ideia de um casamento fácil pelo homem que ama e a Samuel por sua mudança gradual de comportamento: ele amadurece como homem a cada capítulo. E também aos personagens secundários que do seu modo contribuíram para tornar a obra completa: Mical, Octávio, Gregório (Hey Mari, eu estou esperando um terceiro livro sobre ele só para deixar registrado!), Isabel… Que me conquistaram ou me reconquistaram ao passar das páginas.

Eu amei este livro. Tanto que li a obra completa em menos de oito horas. Não consegui largar da história até as palavras finais e a certeza que tudo estava em ordem. Todas as minhas expectativas foram atendidas e sinceramente não existe muita coisa melhor que isso. 

Título: A Noiva Devota
Série: Família Hallinsons
Livro: Dois – 02
Autora: Mari Scotti
Editora: Independente
Ano: 2016
Avaliação: 🌟🌟🌟🌟🌟

[L.I.S.T.A] 10 Livros Quase Ninguém Conhece.

Oi gente. Estou aqui para uma lista do blog, só que dessa vez, em vez de 05 livros vão ser 10 por um motivo bem especial. Vamos (lembrando que a Keth do blog Parabatai Books está fazendo elad junto comigo, não deixem de conferir), falar sobre que são desconhecidos por muitas pessoas. Ou, como no caso de alguns que eu escolhi, são pouco mencionados em redes sociais e por isso não tem muito sucesso aqui no Brasil principalemente.

1. Montanha da Lua – Mari Scotti.

O primeiro livro que escolhi foi a obra da autora Mari Scotti que quando eu li fiquei apaixonada pela história de Mical e Octávio. Esta livro é de época e fala sobre um romance entre uma moça solteirona de muita personalidade e seu salvador Octávio. Porém, uma maldição faz com que Octávio fuja do amor que sente por Mical por medo que ela morra e ele a perca. É um livro muito bom, que vale muito a pena ler.

image

2. Segunda Sombria – Nicci French.

Este livro conta a história de uma psicanalista chamada Frieda Klein, que depois que um garotinho some em uma segunda feira, ela encontra semelhanças entre esse desaparecimento e os sonhos de um paciente. Dessa forma, ela percebe que desvendar os segredos da mente desde é o que se precisa para chegar a fundo no que realmente aconteceu. Eu gosto bastante desse livro, pois ele é muito diferente do que estou acostumada a um suspense policial, já que a mente é o foco da narrativa. Sem contar que o final é surpreendente.

image

3. O Caminho Do Poço Das Lágrimas – André Vianco.

Dessa lista eu diria que esse é o meu segundo livro favorito, pois a narrativa e a história dele me tocaram e me surpreenderam em um grau impressionante. Como meu primo Kristhian costuma dizer, o Vianco te diz que o céu é roxo, te convence disso para no final você descobrir o que sempre esteve a sua e que o céu é na realidade azul. Eu amei esse livro, e só não conto um pouquinho dele porque o risco de sair um spoiler no meio é muito grande.

image

4. As Areias do Tempo – Sidney Sheldon.

Apesar de ter livros muito famosos e de enredos mirabolantes, por algum motivo, um dos autores que eu menos vejo ser mencionado entre os leitores é o Sidney Sheldon. E menos ainda, esta obra dele que remonta o pós à Guerra Civil Espanhola que ainda fragmentado esta em guerra contra as milicias separistas. Nesse cenário hostil, em um convento em Madri, quatro freiras com segredos terríveis são incubidas de transportar um objeto valioso ate outra catedral e mante-lo em segurança. Só no que no caminho elas então conhecem o amor e o perigo que podem ter fins bonitos ou trágicos.

image

5. Masterpierce – Elise Broach.

Assim como o livro de André Vianco, eu conheci este livro atraves do meu primo que me convenceu a ler a obra de Broach e que foi apaixonante. Engraçado dizer isso, por que é uma história um tanto bestinha da amizade inesperada entre um besouro pintor e um garotinho que acabam se envolvendo em um crime no mundo das artes. É uma história convincente e cheia de imagens que tornam a leitura prazerosa.

image

6. Real, Louco, Mortal – Hanna Jeyne.

Esse livro de suspense adolescente é bem interessante. Ele conta a história de uma garota que depois de muito tempo ser atormentada e ameaçada pelo namorado, este morre num acidente de carro. Só que tempos depois, a garota recebe uma mensagem que diz claramente que alguém a teria salvado do seu agressor. A partir daí, ela começa a ver seu mundo virado de cabeça para baixo ao ser aterrorizada por esta pessoa.

image

7. Reencontro – Leila Krüger.

Com um pouco de música, Leila Krüger nos conta uma história de dor e superação quando tudo aparentemente esta indo por água abaixo. De modo emocionante, ela nos dá uma visão de que as drogas e bebida pode levar uma pessoa ao fundo do poço, mas com fé e amor, principalmente daqueles que mais nos querem bem, é a mão que precisamos para nos ajudar a levantar. Gostei bastante desse livro. Ele é maravilhoso e emocionante.

image

8. O Milagre de Clarinha – Joana Amorim.

Uma das minhas leituras mais recentes, o milagre de Clarinha conta para nós uma história infantil sobre como devemos ensinar as crianças a não confiarem em estranhos e como elas devem ser sempre vigiadas de perto pelos pais. Cheio de ilustrações e um livro rápido de ser livro, este livro é muito bonito e tem o dom de encantar pessoas de todas as idades.

image

9. Deixa-Me Entrar – Leticia Godoy.

Também lido recentemente,Deixe-me Entrar da Leticia Godoy foi um livro muito diferente do que eu esperava para ele, o que foi muito bom, já que por ser sobre vampiros eu não esperava tanto. Mas é simplesmente maravilhoso.

image

10. Reconstruindo Amelia – Kimberly McGreith.

E por último, mas não menos importante tem este livro da Kimberly McGreith que é maravilhoso e que deve ser o mais conhecido dessa lista porém nem tanto. Muito raramente eu ouço falar nele, e quase todo mundo que fala dele para mim foi porque eu indiquei ou porque fui atrás. Pois, para quem não leu, eu digo que não percam tempo pois os porquês dessa história são magníficos.

image

Então gente, essa foi a lista deste mês, na próximo sai mais uma bem quentinha do forno com um tema diferente. Espero que tenham gostado e não esqueçam de ver a resenha da Keth.

Beijos.

Montanha da Lua – A Maldição dos Harllinson – Mati Scotti – Livro Um

Há séculos uma verdade acompanha cada herdeiro do ducado de Bousquet: A Maldição dos Hallinson’s. Conta-se que a tragédia os acompanha, levando à morte as esposas em seu primeiro ano de matrimônio. Geração após geração, aprendem sua sina e a regra a seguir para possuir uma união frutífera e longa. Octávio Hallinson Segundo sofre as consequências de não seguir estes ensinamentos. Viúvo, isolou-se da sociedade, fugindo da responsabilidade de casar-se novamente para providenciar um herdeiro para seu título. Um homem marcado pela dor. Mical Baudelaire Nashgan sempre foi uma mulher decidida, enfrentando as ordens de sua tia e negando-se a seguir o protocolo que obrigava mulheres a procurar maridos apenas por posse de títulos e dinheiro e não por amor. posicionamento contraditório aos costumes afastou os candidatos, tornando-a uma das únicas solteironas que sua província conheceu. A mais bela dentre elas. Uma tragédia a coloca frente aos perigos da floresta aos pés da Montanha da Lua e seu futuro torna-se incerto e assustador.

image

Esse é a terceira obra que leio de Mari Scotti e a minha favorita desde então. Mesmo eu achando um tanto impossível da autora me fazer gostar do que de seus livros passados, Montanha da Lua foi um romance que me surpreendeu em vários pontos, sem contar o fato que sou completamente apaixonada por romances de época.

Pensando um pouco sobre como o livro foi se moldando a cada passagem, percebo como cada ponto foi colocado dando um ar perfeccionista ao livro e o tornando mais real. Os dois personagens principais, lady Mical e o duque Octávio, se encaixam de uma maneira formidável: Onde Mical tem doçura, Octávio tem rabugice; Onde o duque tem fraqueza, Mical tem a segurança. Desse modo os detalhes entre os dois, se entrelaçam tornando-os perfeitos um para o outro.

Por que o proibido sempre retorna para atormentar aqueles que se empenham em resisti-lo?
– Octávio

Como em todos os livros que li anteriormente, a escrita de Scotti possuí um ritmo maravilhoso e sem o famoso lenga-a-lenga. Os fatos não levam a círculos viciosos ou repetições sem que haja uma boa explicação para tudo. É existente de um cadenciamento que faz você ler o livro inteiro em um único dia sem se dar conta disso. Fiquei o dia todo lendo e me surpreendi ao perceber que havia passado menos de doze horas para devorar a obra completa. Isto se deve a sucessão de fatos que sempre nos deixam com um gostinho de quero mais fazendo-me ficar ansiosa pela próxima página.

Mical é uma das jovens mais corajosas que já conheci em meio aos romances de época deste mundo de leitura. Firme e até mesmo petulante, a força que exprime a partir do que vemos pelas situações que a vida a impõe, mostra toda a mulher de sangue quente que é. E mesmo sua ingenuidade, por mais que pareça improvável para uma moça de sua idade, é apreciável. Pois suas descobertas com Octávio relacionadas não ao prazer, mas o que é ser uma esposa fazem com que eu me sinta próxima dela em vários aspectos. E ainda por cima, sempre capaz de entender e aceitar os medos de seu marido.

As pessoas sempre buscarão respostas para a morte, principalmente as prematuras. Mesmo sendo um homem letrado, está sujeito a ser guiado por sua perda.
– Mical

Já o duque Hallisson é uma pessoa incomum. Dizem que as mulheres são difíceis de entender, mas sinceramente, nas diversas passagens que o duque contava a história eu raramente conseguia entender como um homem tão estudado poderia aceitar a verdade na “maldição” de sua família (se bem que nem eu me decidi ainda se ela é verdadadeira ou não rs). Até que eu compreendi que era apenas o medo. O medo pode nos fazer a crer em coisas tolas. E o medo de Harllinson de perder Mical e principalmente, daquilo que ele sabia que não podia ir contra, o fazia ser um tolo tantas e tantas vezes.

Era um covarde, seguindo as regras que a Maldição criou para a minha família.
– Octávio

Normalmente quando eu faço resenhas, falo apenas nos personagens principais da trama. Porém, não consigo deixar de falar sobre a piedade, a compreensão e a repulsa que senti por Antonietta. Eu não consigo expressar o quanto senti vontade de bater em pessoas por ela ou simplesmente entrar nas páginas do livro para lhe consolar. Ninguém merece um passado como o dela e eu a compreendo profundamente, por que mesmo não tendo partilhado o horror que ela sofreu, como mulher fico imensamente nauseada e irritada com sua agonia.

―Eu sei. Às vezes posso sentir seu empenho. Como hoje… ―Murmurou. ―Quer me contar? ―Rapidamente neguei, focando-me nas mãos dele para não encará-lo. ―Por sentir-se envergonhada? ―Fiz que sim. ―Não fosse isto desejaria falar-me o que a magoa tanto? ―O olhei rapidamente e assenti uma vez, mordendo meus lábios, sentindo-me a garotinha de treze anos mais uma vez. Este era o único assunto que me punha trêmula, inquieta e insegura.
– Antonieta

Ainda estou absorvendo tudo que este livro me passou. Comovida pela história. Apaixonada pelo casal. Um turbilhão de emoções. Um livro maravilhoso que superou todas as minhas possíveis expectativas.

Titulo: Montanha da Lua
Autora: Mari Scotti
Ano: 2015
Editora: Independente
Avaliação: 🌟🌟🌟🌟🌟