Arquivo da tag: livros

(Lista) 12 Livros Para Os 12 Signos

Oii queridos, tudo bom?? Hoje é dia de lista aqui no blog em parceria com a Keth (Parabatai Books). Neste mês resolvemos fazer uma lista que envolve duas coisas que as pessoas gostam muito de conhecer. Signos do zodíaco e livros. Apesar de não acreditar muito em signos, algumas características me parecem reais e hoje vou indicar livros perfeitos para cada um deles.

O presente artigo tem como fonte o site:
http://www.baudalola.com/perfis.htm

Espero que gostem. Vamos lá?

image

1. ♈ Áries: Entre outras coisas, são conquistadores e tem o impulso de lutar. Possuem grande energia e vitalidade. São corajosos, combativos e reúnem as qualidades para realizar ações, comandá-las. São impacientes e costumam ter os sentimentos sempre em polvorosa, sendo bastantes intensos. O livro perfeito para os Arianos é Jogos Vorazes que é dominado por uma protagonista que não foge de suas  responsabilidades. Katniss além de ser intensa em seus sentimentos românticos, também se torna o rosto de uma revolução, pela audácia e pela coragem para lutar contra o poderio opressor do Capitol.

image

2. ♉ Touro: São sensíveis, estáveis e tem grande profundidade em suas emoções. Amáveis,  os taurinos são amantes do belo e do prazer, o romantismo em especial. São muito esforçados e sua teimosia faz que sejam inconsequentes em seus empreendimentos. Têm grande paciência e determinação. São pacientes, leais e dignos de confiança. O livro perfeito para os Taurinos é Nove Regras A Ignorar Antes de Se Apaixonar que retrata de suas virtudes: A profundidade de suas emoções e a sua inconsequência quando desejam algo. Além disso, possui um lindo romance para agradá-los.

ninguém vira adulto de verdade3.  Gêmeos:  São dotados de inteligência, versatilidade, agilidade mental, sociabilidade, grande poder de persuasão. Desse modo, são naturalmente inquietos e curiosos, sempre muito comunicativos. Preocupam-se muito com atividades intelectuais, e procuram amigos igualmente inteligentes. Uma das principais características de Gêmeos é a jovialidade, o que faz com que raramente amadureçam, embora sejam capazes de compreender perfeitamente a complexidade das situações. O livro perfeito para os geminianos é Ninguém Vira Adulto de Verdade que vai mostrar todas essas características em deliciosas tirinhas.

image

4. ♋️Câncer: Possui diversos padrões emocionais que torna o canceriano sensível e não consegue controlar, especialmente quando criança. Isso pode mostrar-se através de alterações de humor, egoísmo, manipulação e acessos de raiva. Câncer é rápido para ajudar os outros e evitar conflitos. Um dos seus pontos mais fortes é a sua persistente determinação. Câncer não tem grandes ambições, porque eles estão felizes e contentes de ter uma família amorosa e uma casa tranquila e harmoniosa. Eles costumam cuidar bem de seus colegas de trabalho e tratá-los como família. O livro perfeito para os cancerianos é Pequenas Grandes Mentiras pois cada uma de suas mulheres é voltada à família, sofrendo ou não com manipulação.

5. ♌️Leão: Ama a vida e espera ter diversão. É capaz de usar sua mente para resolver os problemas mais difíceis e geralmente toma a iniciativa para resolver várias situações complicadas. Leoninos facilmente vão atrás do que precisam, mas ignoram os problemas e necessidades dos outros, a fim de realizar seus próprios desejos. Muitas vezes é generoso e leal. Autoconfiante e atraente, capaz de unir diversos grupos de pessoas em várias oportunidades. Um livro perfeito para os Leoninos é Trono de Vidro pois Celaena é forte e está sempre em busca de seus desejos pessoais.

6.♍️Virgem: Prefere as coisas conservadoras e organizadas, e os que dependem deles; e mesmo que eles sejam bagunceiros, seus objetivos e sonhos estão localizados em pontos estritamente definidos em sua mente. Tem um sentido muito aguçado de fala e escrita, bem como todas as outras formas de comunicação. São como se experimentassem tudo pela primeira vez e sempre querem servir e agradar aos outros. Por outro lado, este signo às vezes é muito crítico e demasiadamente preocupado. Lido recentemente Meu Romeu  é um livro perfeito para os Virginianos. Tanto por essas características, quanto pela necessidade que a protagonista Cassie busca em se livrar de ser os que pessoas esperam para ela.

7. ♎ Libra: São românticos, e sempre dispostos ao amor. Gostam de participar da vida social. São amáveis e simpáticas, muito alegres, elegantes, compreensivas e generosas. Gostam de luxo e conforto, das coisas requintadas, arte, beleza e cultura. Apreciam todo trabalho que dependa da inteligência, habilidade e bom gosto. Gostam de seduzir. São inclinados ao casamento e à vida em família, mas também adoram divertimentos, bem como a companhia de amigos e pessoas cultas. Teria melhor livro para os librianos do que Sr. Daniels, afinal os dois protagonista adoram Shakespeare e o amor.

8. ♏ Escorpião: Possuem grande magnetismo e poder, determinação e criatividade. Inteligentes e arredios têm emoções e sentimentos fortes sendo muito persistentes, mas também podem ser rancorosos e obstinados. Desconfiados e ciumentos, resguardam a sua privacidade a todo custo, e preservam a vida familiar da maneira mais tradicional possível. O sangue frio é sua melhor arma. Despertam a curiosidade das pessoas, graças ao mistério que criam em torno de si. O livro perfeito para o sagitário é Millennium pois Lisbeth é a mais escorpiana das personagens.

9. ♐ Sagitário: Possuem grande generosidade, nobreza, sinceridade e dignidade, bem como uma natureza otimista e jovial, e um caráter justo. Os sagitarianos são inteligentes, de raciocínio brilhante, profundo e lógico. Ensinam e aprendem com igual facilidade. São sempre detalhistas, exigentes, impulsivos. Exuberantes e entusiasmados, podem tender ao exagero, às vezes. Interessam-se por turismo, viagens, aventuras, assuntos comunitários, política, religião, comércio, esportes, e adoram desafios. O livro perfeito para os sagitarianos é A Guerra dos Tronos que exala todas essas características.

10. ♑ Capricórnio: Conferidos de solidez, ambição e cautela. Os capricornianos fazem planos, e têm paciência de deixa-los amadurecer. São modestos, reservados, tranqüilos, práticos e econômicos. São persistentes, e não desistem enquanto não conquistam seus objetivos. Não são amantes de vida social intensa, nem muito comunicativos, entretanto possuem habilidade para comércio e finanças. Corajosos e objetivos, enfrentam situações difíceis com diplomacia. O livro perfeito para os capricorniano é Legend pois Day e June em conjunto possuem todas essas características. Conquistando seus objetivos.

image

11. ♒ Aquário: É um signo fraterno, e os aquarianos costumam ser dotados de forte espírito humanitário. São progressistas e muito avançados em suas idéias, o que faz com que sejam considerados, quase sempre, muito adiantados para seu tempo. Para os aquarianos, a vida tem que ter colorido e circunstâncias inusitadas. Independentes, não gostam de estar presos a compromissos, ou sentirem-se amarrados. Um livro para os aquarianos é meu queridinho  O Sol É Para Todos onde Atticus mostra à seus filhos os poderes da justiça contra tudo o que sua sociedade prega.

12. ♓Peixes: Sonhadores, emotivos, muito receptivos, indecisos, sensuais, os piscianos podem ser considerados os mais maleáveis em todo o zodíaco, com todas as características, positivas ou negativas, que esta particularidade possa conferir. Possuem personalidade sensível e impressionável, podendo chegar à instabilidade emocional. São facilmente afetados por pessoas ou ambientes. Por esse motivo, têm facilidade para sentir o problema dos outros como se fosse seu e as vezes, tendem a anular-se ou submeter-se a uma vontade mais firme que a sua. O livro perfeito para os piscianos é  Até Eu Te Possuir para que aprendam as consequências de sua maleabilidade.

 *-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*

Então é isso amores. Espero que tenham gostado da lista. Confiram a da Keth também. E me digam se concordam ou não com as minhas escolhas. Um beijo!!!!!!!!!!

Anúncios

( Resenha ) Identidade Roubada — Chevy Stevens

Livros de suspense estão entre meus favoritos. Na verdade, meu consumo literário (apesar da vivacidade do blog) normalmente é voltado para as questões mais sombrias localizadas entre o suspense e o terror. Por esse motivo, muitas vezes sou capaz de pegar livros de suspense sem nem mesmo ler a sinopse. Baseada na capa e no comentário que normalmente acompanham os livros, decido se a obra vale meu tempo. Foi exatamente isto que aconteceu quando decidi ler Identidade Roubada de Chevy Stevens. E apesar de não poder dizer que foi um dos meus favoritos, ainda sim foi uma leitura que valeu a pena pelas interrogativas colocadas pelo autor.

Titulo: Identidade Roubada Título Original: Still Missing Autor: Chevy Stevens Editora: Arqueiro Ano: Paginas: Avaliação: ⭐️ ⭐️ ⭐️ ⭐️ Encontre:| Amazon | Skoob

Identidade-Roubada-203x300Sinopse: Era para ser um dia como outro qualquer na vida de Annie O’Sullivan. A corretora de imóveis levanta da cama com três objetivos: vender uma casa, fazer as pazes com a mãe e não se atrasar para o jantar com o namorado. Naquele domingo, aparecem poucas pessoas interessadas em visitar o imóvel. Quando Annie está prestes a ir embora, uma van estaciona diante da casa e um homem sorridente vem em sua direção. A corretora tem certeza de que será seu dia de sorte. Mas o inferno está apenas começando. Sequestrada por um psicopata, Annie fica presa durante um ano inteiro em um chalé nas montanhas, onde vive um pesadelo que deixará marcas profundas.

Narrado em passado e presente por primeira pessoa nas duas situações, Identidade Roubada tem prerrogativas bem interessantes que precisam ser discutidas nos dias de hoje. Cada vez mais, somos surpreendidos por crimes violentos contra as mulheres. Contra homens também, mas a expressividade entre crimes de sequestro é expressiva enquanto tratada sob o hall do feminino. Muito embora o livro de Stevens não seja exatamente uma luta do feminismo, também não podemos desconsiderar essa possibilidade pela invocação do sentimento de revolta que nos rodeia quando entramos no seu universo.

Eu nunca havia lido nada da autora. Conheci sua obra através do canal da Pam Gonçalves em um vídeo de book-shell-of-tour. De primeira a capa e o título me chamaram bastante atenção, pois gosto bastante gênero e a criatividade do título despertaram em mim o sintoma de necessidade. Mas só realizei leitura muitos anos depois, quando, passeando entre os livros revi seu título e pensei: porque não? E posso dizer que apesar de não ter me surpreendido com a obra, a história que Chevy tem a oferecer é fantástica.

Narrado em primeira pessoa por Annie, a história se desenvolve bem pela escrita suave de Stevens. A autora não peca em dar mais detalhes do que o necessário, e sim construir ambientações e sentimentalismos que criam todo o aspecto inovador do livro. Afinal de contas, tal narração é feita através das cessões de Annie com um terapeuta. E muito embora isso deixe de lado uma parte do suspense da obra, ajuda a entender melhor como a personagem lidou com o sequestro-cativeiro e agora tenta retornar à sua vida normal.

Um dos pontos mais favoráveis ao livro, é com certeza Annie. A protagonista é carismática, um tanto cínica e incrivelmente humana. Poucas vezes me apeguei tanto a uma personagem na literatura. Isso se deve não somente ao grau de proximidade com a realidade trazida por Stevens. Exagerada e um pouco egocêntrica, Annie tem defeitos que muitas vezes julgamos, mas que fazem parte da vida de quem passou por abusos. É doloroso acompanhar cada um dos seus choros se tornando impossível não sentir empatia pela personagem.

O único defeito do livro foi o final. Mesmo que haja um bom plot-twist este não é bem desenvolvido dando a impressão que fora largado ao meio do caminho. As questões tão bem levantadas pela autora perdem espaço para uma válvula de escape simples e contraditória. Os motivos do livro deveriam ter sido melhor trabalhados para fechar tudo com chave de outro.

Identidade Roubada é uma leitura de altos e baixos que vale a pena pela realidade imposta pela autora. Um livro real sobre a hedionidade humana e suas implicações no contexto total da sociedade.

(Tag) E(leitores)

Oi amores, como vão? A TAG de hoje eu vi no blog Caverna Literária e como eu achei super divertida vou trazê-la para vocês. Além disso, do tempo propício para respondê-la, eu percebo que essa TAG também nos faz lembrar do verdadeiro significado das eleições que é o direito a opinião onde muitos de nós temos esquecido disto nos últimos tempos.

Vamos começar?

1. Eleições 2018: O melhor livro e o melhor personagem de 2018 (até o momento)

pequenas grandes mentirasPequenas Grandes Mentiras que li no começo do ano se mostrou insuperável. A narrativa de Liane Moriarty foi sensacional, carregada de personagens reais que não somente me fizeram apaixonar pela obra, como me mostraram o significado de ser mãe e ser mulher em um mundo dominado pela força esmagadora da dependência masculina. entre a culpa e o desejo
E a melhor personagem, sem sombra de dúvidas foi Phillippa Malrbury do livro Entre A Culpa e o Desejo da Sarah MacLean. Sou apaixonada por romances de época, mas principalmente por mocinhas fora do padrão que não estão nem aí para isso. E por Pippa foi exatamente assim e muito mais. Chega ser difícil expressar o quanto sou apaixonada por quem ela é.

2. Promessas vazias: O livro tinha uma capa linda, uma premissa maravilhosa, só recebia elogios, e no entanto… 

jogador numero 01O Jogador N° 1 do Ernest Cline foi bem decepcionante. Engraçado que na época que havia gostado, mas então fui pensando cada vez mais sobre o assunto e percebi que só o que vale nessa obra é a nostalgia. Porque apesar do Ernest ter uma grande história em mãos, ele acabou se perdendo na sua desenvoltura, que se tornou um tanto procrastinada e sem direcionamento certo. De certo modo, foi uma perda de tempo.

3. Essa causa eu apoio! Um livro que aborda uma temática que você acha importante.

antes de casarO livro da Bárbara Machado, Antes De Casar toca em uma das temáticas que eu mais teclo nos últimos tempos. As mulheres, os homens, todos como sociedade vemos entender nossa importância para além de outras pessoas. Devemos pensar primeiramente em quem somos como indivíduos antes de nos vermos em relacionamentos. Ser feliz depende muito mais do amor que temos por nós mesmos que pelas outras pessoas.

4. No meu governo… Qual clichê literário você proibiria na “Constituição dos Autores”?

peça-me o que quiserPeça-me O Quiser de Megan Maxwell. Até hoje não consigo entender como a autora se prestou a escrever um livro tão sem conteúdo. Não é só porque você escreve hot que seu livro inteiro deve ser focado nisso. Mas o pior de tudo foi a mocinha que não tem um pingo de autoestima e se presta a papeis que me davam vergonha alheia de simplesmente estar lendo aquilo. Foi o último livro que li porque havia começado e com certeza essa foi a melhor lição do livro: ler somente aquilo que me faz bem.

5. Voto de confiança: Um livro que você ainda não leu, mas acha que tem grandes chances de favoritar.

os criadores de coincidenciasOs Criadores de Coincidências da Yoav Blum está na minha meta desde o meio do ano quando vi as resenhas sobre ele. Eu não costumo me fixar nas sinopses dos livros, mas se algo me atrai nessa obra e que me faz suspirar de vontade para lê-la é a inovação que parece vir acompanhada nessas páginas. Sendo uma apaixonada por fantasia e com um espírito que adora novidades, tenho certeza que essa obra pode vir a si tornar uma de minhas favoritas.

6. 1% das intenções de voto: Essa é a hora de indicar aquele livro que ninguém conhece, mas você ama.

bentoEu amo os livros do André Vianco e muito embora muitas pessoas tenham ouvido falar dele, a maioria nem sequer leu o que é uma absurdo pois o autor tem um talento incrivel para criar histórias resgatando verdadeiramente o significado das mitologias vampirescas que conhecemos. Os livros da Trilogia Bento são uma prova disso. O primeiro é meu favorito, onde o autor surpreende a cada minuto criando uma história encadeada repleta de emoções.

7. Numa democracia, vence a maioria… Mas todos devem ser ouvidos! Deixe aquela sua opinião polêmica sobre o livro que todo mundo gostou, menos você 😉 

a culpa é das estrelasEu sou conhecida popularmente como do contra e é realmente incrível como eu sou capaz de gostar de obras que todo mundo odeia e detestar obras que todo mundo ama. Um bom exemplo disto é o livro A Culpa É das Estrelas do John Green que, apesar de não ter detestado, também não posso dizer que amei ou que me surpreendeu. Na verdade gosto apenas das últimas três páginas. O motivo do meu desamor é que a obra é um tanto resumível. Lê-la toda e ler a carta de Augustus dá no mesmo: a lição aprendida é a mesma. De modo que eu considero o resto bem desnecessário.

8. Quando o horário eleitoral rende boas risadas: Um livro que mais te divertiu do que qualquer outra coisa. 

Em Casa Para o Natal

Comprado em uma promoção das Americanas, Em Casa Para O Natal foi um livro super divertido que eu realmente não esperava rir tanto. A verdade é que tenho problemas com alguns livros que se dizem comédia, mas que quando eu leio fico com uma cara de taxo horrenda de ter lido errado. Mas a obra de Cally Taylor me fez rir a ponto de precisar largar a leitura e respirar. Apesar disso, o livro não pode ser considerado como além de divertido. E por isso ele é apenas divertido acima de qualquer outra coisa.

9. Mandato de 4 anos: Se você fosse obrigado a escolher um único autor para ler nos próximos 4 anos, quem seria? 

Harlan.JPGHarlan Coben hoje, Harlan Coben amanhã e Harlan Coben para sempre! Brincadeiras a parte, do norte-americano sempre figuram entre os mais lidos de um determinado ano para mim. Além disso, poucas são as obras de Harlan que me decepcionaram e já passei da casa dos 20 da leitura de exemplares de sua autoria. Harlan é genial, e eu leria somente suas obras por quatro anos com muito prazer.

10. É golpe! Se um vilão literário tomasse o poder do país, quem você gostaria que fosse e por quê? 

sombra e ossosO Darkling. Primeiro, porque eu sou apaixonada por ele logo seria sua primeira dama (Ha!). Segundo, porque acredito em parte nas suas motivações para querer tomar o poder de sua terra natal. O Darkling, ao contrário de muitos vilões, não é um louco que deseja poder, ele deseja algo mais com aquilo, o que torna sua busca válida, muito embora seja errônea. E terceiro, eu já disse que sou apaixonada pelo Darkling????

11. O discurso perfeito: Parece que esse livro foi feito para me agradar! 

a cidade muradaTentando não citar os mesmos livros de sempre, esse ano li A Cidade Murada da Ryan Graudin e lembro de ficar impressionada pela obra que não me saiu da cabeça pelos dias seguintes. Narrada em contagem regressiva, o livro mostra como seria um mundo sem regras dominado pelo crime. Mas acredito que o que tenha mais me impressionado na obra, foi o fato de se passar em um lugar que existiu de verdade, dando ainda mais força e realidade ao que estava sendo contado.

12. Que debate! Dois personagens de livros diferentes que você gostaria de ver juntos na mesma história. 

Harry-and-Percy-harry-potter-and-percy-jackson-crossovers-34813762-460-500
Artista desconhecido

Como sou nostálgica, eu gostaria de ver um encontro de Harry Potter e Percy Jackson, trabalhando juntos contra forças mágicas e mitológicas. Na verdade esse encontro eu desejo desde que li o livros de ambos e sempre achei que fosse muito possível. E francamente, não deve ser muito difícil promover um encontro assim considerando quem eles são certo?? Harry, aparate e Percy, voe.

13. Voto é secreto! Mas eu sei que tu quer contar o spoiler daquele livro pra todo mundo! hahaha Mostre o livro e nos conte, mas seja discreto e não esqueça de deixar a LETRA EM BRANCO, ok?

corte de asas e ruinaComentário sobre uma das cenas finais de Corte de Asas e Ruína. Selecione a entre os emojis para ver ➡ Sabe Sarah, se você não ia realmente matar o Rhysand não precisava daquela coisa toda. Quer dizer, todo mundo sabia que ele não ia morrer e com certeza você poderia encontrar uma cena diferente para mostrar o arrependimento do Tamlin. Sendo sincera, foi clichê do modo ruim e eu senti uma certa vergonha alheia. Mas tudo bem! Acontece!!! ⬅ Que desabafo, obrigado tag pela oportunidade de fazer isso.

 

Então amores, essa foi a tag de hoje. Espero que tenham gostado. Em breve trarei mais algumas.

Beijos.

 

 

(Resenha) Corte de Asas e Ruína – Sarah J. Maas – Livro 03

Corte de Asas e Ruína.é o desfecho de uma história e um prelúdio para as outras que virão. Existe guerra, existe amor, existe dor. O anseio pelo que está por vir é só a ponta do iceberg para o verdadeiro caos de emoções que é sua história. E Sarah J Maas mostra porque é um das autoras mais amadas da atualidade.

Título: Corte de Asas e Ruína | Título Orginal: A Court Of Wins And Ruins | Série: Corte de Espinhos e Rosas #03 | Autora: Sarah J Maas | Editora: Galera Record |Ano: 2017 | Avaliação:  | Encontre: Skoob | Saraiva | Amazon

sssssssssssssssssssSinopse: O terceiro volume da série best-seller Corte de Espinhos e Rosas, da mesma autora da saga Trono de Vidro em “Corte de Asas e Ruína” a guerra se aproxima, um conflito que promete devastar Prythian. Em meio à Corte Primaveril, num perigoso jogo de intrigas e mentiras, a Grã-Senhora da Corte Noturna esconde seu laço de parceria e sua verdadeira lealdade. Tamlin está fazendo acordos com o invasor, Jurian recuperou suas forças e as rainhas humanas prometem se alinhar aos desejos de Hybern em troca de imortalidade. Enquanto isso Feyre e seus amigos precisam aprender em quais Grãos-Senhores confiar, e procurar aliados nos mais improváveis lugares. Porém, a Quebradora da Maldição ainda tem uma ou duas cartas na manga antes que sua ilha queime.

“Eu teria esperado quinhentos anos mais por você. Mil anos. E, se esse foi todo o tempo que nos foi permitido… a espera valeu a pena.”

O que me faz gostar dos livros de Sarah J. Maas é a narrativa carregada de sentimentos. Certas vezes, fico impressionada com sua capacidade de nos fazer sentir como parte do seu mundo por conta das descrições e do modo com o qual os sentimentos são postos. Muito embora neste livro tenha percebido uma leve procrastinação da autora, ainda sim a escrita foi esplêndida para me manter viva na leitura. Foram dois dias intensos, e eu me lembro perfeitamente — mesmo depois de meses de ter lido — da necessidade que sempre precisar de mais da obra. Dormir, foi um martírio pois minha mente voltava aos acontecimentos e as surpresas que estavam por vir.

– A grande alegria e honra de minha vida foi conhecê-los. Chamar vocês de minha família. E sou grato, mais do que posso expressar, por ter recebido esse tempo com vocês.

Dentro da escrita, uma das minhas partes favoritas é o fato de Sarah usar o constante intertexto em suas páginas. A autora consegue trilhar caminhos diferentes para histórias que já conhecemos. Nas costas do livro, e como uma arma utilizada por Feyre contra o rei de Hybern, o espelho de Ourobouro é o nome dado ao mesmo objeto na Branca de Neve (espelho, espelho meu…) que ganha um novo sentido na narrativa. Outro é a história da rainha Vassa que sofreu uma maldição que a transforma em um mulher durante e um pássaro de fogo durante a noite, relembrando outra história famosa eternizada pela Disney. Isso, pode parecer estranho, mas ajuda na hora da construção do sentido do texto que não foi explicado. E claro me faz soltar uns Ahs! de administração para a criatividade da autora.

Além disso, podemos encontrar no texto um crescimento gradual da narrativa com o resgate das pequenas coisas. Os minúsculos fatos costumam ser perdidos em séries muito grandes pois novos acontecimentos são inseridos à todo momento. Quando o resgate acontece, soa genial pelo sentido que toda leitura valeu a pena. Tudo faz sentido e todas as peças são encaixadas.  A série de Maas, principalmente este último livro é uma prova de que tais resgastes são essenciais as obras, pois ao mesmo tempo que Sarah expõe um novo acontecimento ela o liga à um do passado conectando a história e todas as outras que vieram póstumas a ela.

“Sempre considerei a morte como um tipo de boas-vindas pacífico; uma cantiga doce e triste que me atrairia para o que quer que esperasse depois.”

Mas como nem tudo nesse livro foram flores, tenho que admitir que um dos meus pontos favoritos, também e controversamente, foi um dos seus pecados. A narrativa de Sarah muitas vezes perdeu o tino pela inserção de momentos que não eram exatamente necessários à história. O principal é quantidade alucinante de cenas de sexo. Acredito que já tenha comentado que romance em fantasias não é meu foco pela perda de história para adição de tal prerrogativa. Mesmo gostando de Feysand, em Corte de Asas e Ruína a perda não é diferente mas no sentido de tempo. Considerando que estamos falando de guerra, uma tensão surgida após  a firmação do romance entre Feyre e Rhysand no livro anterior, as cenas de sexo me pareceram forçadas no contexto da história pela falta de necessidade. Exceto quando Feyre retorna para casa, a continuidade de cenas do tipo foi enjoativa e olha que eu amo (ou amava) o casal Feysand. Mas aqui não acredito que cabia. Tanto, que se retirarmos as cenas de sexo o livro diminuiria pelo menos umas cem páginas e tornaria a leitura mais fluída e sagaz.

 “Eu teria esperado quinhentos anos mais por você. Mil anos. E, se esse foi todo o tempo que nos foi permitido… a espera valeu a pena.”

Outras cem seriam facilmente cortadas se não fosse a adição de outra coisa supérflua a narrativa de Feyre aprendendo a voar. Mas Jessica, issoo é interessante? Claro que é, contanto que tenha papel na ativo no enredo, pois do contrário, torna-se apenas uma informação à mais como um tipo de aposto: esta lá, mas não era necessário.  Pois eu não me lembro — se tiver por favor me diga nos comentários — dessa situação de vôo aparecer em batalha ou de algum modo pertinente ao enredo. Se não considerarmos a história que Azriel conta a Feyre em uma de suas aulas (que cá entre nós, poderia sim ter sido feito em outra situação) estas foram encheção de linguiça. Mas, talvez eu só seja antipática mesmo.

“Se Rhysand era a Noite Triunfante, eu era a estrela que só brilhava graças a sua escuridão, a luz apenas visível por sua causa.”

Retornando aos pontos positivos, o romance de Feysand atingiu um bom nível de cumplicidade nessa obra, mas e é separadamente que Rhysand e Feyre ganham meu coração. Muito embora não costume gostar de personagens perfeitos, Rhysand é um macho que gostaria de ter em minha vida como amigo. Inteligente e justo, Rhys é um retrato do heroico de quando o amor é existe ele pode se manifestar de vários modos. Já Feyre terminar sua jornada para abraçar o poder que conquistou nas obras anteriores. É fantástico perceber como Feyre cresceu. Se em ACOTAR Feyre era uma garota assustada e em ACOMAF um projeto de Girl Power, em ACOMAF Feyre encontra sua verdadeira força ao se tornar uma mulher poderosa. Sua construção foi feita tijolo por tijolo e esse é o principal crédito da trilogia como um todo. Em tempo onde as Girls Powers nascem da arrogância e da síndrome estou-certa-e-você-errado, ver uma força sendo construída e não jogada é sensacional.

– Apenas você pode decidir o que a destrói, Quebradora da Maldição

E igualmente a construção de Feyre e Rhysand, os outros personagens foram dignamente tomados. Morrigan e Azriel não enchem meus olhos, mas assim como o que é referente a Lucien possuo certa expectativa do que suas amarguradas histórias ainda podem revelar. Elain… Bom, o que dizer de Elain? Bom… Sendo absolutamente sincera acho-a um tanto sonsa, mas não tenho sentimentos negativos ou positivos com ela. A verdade é que se olharmos para as irmãs de Feyre quando as duas se recusaram a ajudar a irmã, Nestha por ser mais grossa recebe os créditos da ruindade. Mas Elain faz a mesma coisa mas é relevada por sua doçura, o que ao meu ver, e como se ela se fizesse de sonsa (cadê o emoji levantando os braços quando a gente precisa.)

“Se Elain era uma flor naquele acampamento de guerra, então Nestha… ela era uma espada recém-forjada, esperando para tirar sangue.”

E por falar em Nestha, como não amar Nestha e tudo que essa personagem pode trazer? A minha protagonista — percebam o nível do meu amor — é tudo que eu espero e mais um pouco sempre me surpreendendo. Nesse livro, esta ainda mais impressionante audaciosa. Marcada pelo caldeirão e com uma família quebrada mais refeita, Nestha provoca sem revelar muito sobre si. Sua esfera de poder é ao mesmo tempo a cruz que carrega. E mesmo que não possa dizer que não a entenda, ainda sim posso falar que absolvi o seu ódio como meu. Nestha é fogo, ódio e dor. É ressentimento, amor e medo. É tudo é não é nada. E cada vez que a leio, me encontro capaz de chorar pela sua complexidade. Eu preciso de mais de Nestha Archeron, de todas as maneiras que Maas puder me dar.

“Cassian estava avaliando Nesta, um brilho em seus olhos que eu só podia interpretar como um guerreiro encontrando-se diante de um novo e interessante oponente.”

Por tudo isto, posso dizer que Corte de Asas e Ruínas é um marco na minha vida. Em breve serão lançados spin-offs para completar os arcos de cada personagem. Claro que o livro de Nestha e Cassian é o mais aguardado para mim, mas espero gostar de todos os volumes que estão por vir. Sarah J. Maas é uma das melhores escritoras de seu tempo, e espero ansiosamente por mais e mais dela.

 

( Livrosofia ) Suspense

Olá Corujinhas, como vão? Nos Livrosofias passados estávamos voltados à discussão sobre gêneros, nessa semana vamos nos colocar para o Suspense que como vocês sabem é um dos meus favoritos na literatura. Seja para me tirar de uma ressaca literária ou para me dar mais gás ao mundo da leitura, a rapidez dos livros do gênero e as críticas sociais colocadas em suas páginas são o ponto crucial para que eu me apaixone por suas histórias.

Suspense, conhecido também como Thriller, é um gênero da literatura que tem como principal característica a tensão e a excitação em suas páginas.  Os autores desse gênero costumam esconder informações importantes do leitor em um jogo de encaixe de peças na tentativa de fazê-lo não advinhar os futuros acontecimentos da obra. Pode ter cenas de perseguição e criminais, mais comum nas abordagens do suspense investigativo. Os personagens são constantemente colocados em situações nas quais tem a vida ameaçada. O protagonista do suspense está sempre envolvido diretamente com a ocorrência inicial que dá início ao enredo seja por ser suspeito, testemunha ou agente investigativo.

O Suspense é subdivido em várias ramificações que determinam o modus-operante da narrativa. Elas são: Mistério, Criminal, Psicológico, Tecnológico, Político e Erótico.

anjos e demoniosNo Mistério, também chamado de Conspiração, os investigadores (comumente jornalistas ou detetives particulares) encontram-se sem saber um “fio da meada” que termina por ser uma grande rede de conspiração. Passam então a investigar o que está por tras dela terminando por se tornar alvo. São muitos parecidos com os livros de Político, mas se diferenciam destes por se passarem fora dos bastidores do poder político e também não são baseados em fatos reais. Os livros da série Robert Langdon de Dan Brown fazem parte desse subgênero, pois na maioria dos casos o professor não vai atrás do criminosos, mas topa com eles por acaso ou por manipulação enredando-se em redes políticas e religiosas.o silencio dos inocentes

O Criminal, como o nome sugere, mostra uma sucessão de crimes bem-sucedidos ou falhos. O protagonista trata de investigar os crimes e detectar quem é a pessoa responsável por eles alem de suas motivações. Ao contrário do que se pensa, nem todo suspense Criminal é policial. Este só é chamado assim quando são agentes fardados que investigam o crime. Além disso, no gênero criminal o foco normalmente está no suspeito, ou seja, o investigador é uma ponte entre o leitor e o assassino que precisa ter a mente “revelada”. O mais comum na temática do suspense são serial killers. O livro O Silêncio dos Inocentes de Thomas Harris é exemplo disto pois apesar de uma agente do FBI narrar o livro, é em Hannibal Lecter que se encontra o foco do autor

a garota no tremO Psicológicos têm em suas páginas personagens que não dependem da força física para superar seus inimigos, mas sim de sua capacidade mental como inteligência. Normalmente, trata-se de narrativas em primeira pessoa com recursos como flashback para narrar as motivações que os levaram à suas atuais motivações. A Garota No Trem de Paula Hawkins é caracterizada nesse gênero pois a protagonista Rachel não passa por cenas de ação ou medo, mas sim tem uma percepção mundo à sua volta na tentativa de distinguir o verdadeiro do irreal para entender o desaparecimento de seu objeto de estudo. Outros temas abordados pela autora é a mente confusa de Rachel, busca por sua identidade e medo pela morte.

007cO suspense Tecnólogico é pouco abordado nos livros. Normalmente está ligado à ficção científica é quando não costuma aparecer com meios de espionagem, ação e guerra. Inclue uma grande quantidade de detalhes técnicos sobre assuntos de vias tecnológicas, como por exemplo, o uso militar). Muitas vezes confundido bom ficção científica, o que distingue um do outro é a ênfase que o thriller dá ao mundo real com tecnologia próxima ao que poderia acontecer em realidade. Os livros da série James Bond de Ian Fleming é um exemplo dessa série pois a tecnologia fictícia utilizada por 007 é próximas do que poderia ser real.

transferir (1)O Suspense Erótico consiste de uma mistura entre erotismo e suspense, e pode assumir diversas características dos subgêneros anteriores. Tem formação mais próxima ao romance. A série Mortal escrita por Nora Roberts sob o pseudônimo J. D. Robb faz parte desse subgênero.

Garota Exemplar capaComo tantas outros, pode haver mistura dos tipos de suspense dependendo do autor que escreve a obra. A autora Gillian Flynn por exemplo faz uso do gênero Psicólogico muito embora também recorra ao drama para contar suas história, à exemplo do livro Garota Exemplar.

O gênero suspense é um dos mais vendidos no mundo tendo autores como Harlan Coben e Sidney Sheldon como principais representantes. Se você não conhece livros do gênero, dê uma chance ao lado dele que mais te interessar. O livro virá com grandes surpresas e detalhes que você não pode imaginar.

Boas leituras! Ou melhor, bons crimes para você.

(Resenha) Amada Imortal – Cate Tiernan – Livro 01

Ler Amada Imortal estava nos meus planos à anos por conta do título e da capa. E fico satisfeita de não ter lido a sinopse que não ajuda muito em revelar qual o verdadeiro propósito da história. Mas apesar de ser surpreendente, alguns pontos críticos me fizeram ter um pé atrás com os próximos livros da trilogia. Pois apesar da premissa muito interessante, o desenvolvimento não conseguiu esta à sua altura.

Título: Amada Imortal | Título original: Immortal Beloved| Série: Amada Imortal 01 | Autora: Cate Tiernan| Editora: Galera Record| Páginas: 280| Ano: 2012| Avaliação: ⭐ ⭐  | Encontre: SkoobSaraivaAmazon

 

amada-imortal-cair-das-trevas-inimigo-sombrio-cate-tiernan-D_NQ_NP_738211-MLB20510785078_122015-F.jpgSinopse: Primeiro livro da bem-sucedida trilogia, mistura fantasia sobre imortais a uma história moderna de uma jovem em busca de si mesma e de redenção. Questões de identidade e moralidade aparecem na trama, protagonizada pela imortal Nastasya. Nascida em 1551, acostumada a beber e sair para baladas cada vez mais loucas, ela perdeu o rumo. Suas conexões com outros imortais, interessados apenas em suas habilidades mágicas, a fazem partir em busca de um propósito. E o encontra em uma espécie de clínica de reabilitação para os de sua espécie, onde conhece um pouco mais sobre o próprio passado e cria importantes laços para o futuro.

A coisa boa de ser imortal é que não dá pra beber até morrer literalmente, como acontece com alguns universitários. A coisa ruim de ser imortal é que não dá pra beber até morrer literalmente, então você acorda na manhã seguinte, ou talvez dois dias depois, e sente tudo o que não precisaria sentir se tivesse tido a sorte de morrer.

Narrado em primeira pessoa, a escrita de Cate Tiernan é dotada de simplicidade. No princípio, há certa demora no desenvolvimento pois os capítulos iniciais são voltados a fuga de Nastasya. Somente depois da sexagésima página o enredo principal se desenvolve. Entretanto, Cate peca em dar mais notoriedade ao romance que ao enredo principal.

Na verdade, o romance assume o papel principal dentro do livro. Engraçado como esse é um problema comum a maioria dos autores, principalmente dentro do gênero sobrenatural. Não me entendam mal, eu gosto do romance. Mas quando ele é equilibrado com os outros viés da trama. Afinal, se fosse para ler romance por romance, eu procuraria um drama ou chick-lit. De modo que parte da minha decepção com o livro foi a perda de história e o favorecimento de casal, quando na verdade a vida de Nastasya e seus poderes imortais pediam maior destaque e elaboração.

O romance em si não chega a ser dos mais apaixonante. Mas talvez seja porque o livro se nortei pelo clichê do gênero gato e rato adicionado ao passado sombrio. De forma que o casal protagonista não me faz vibrar quando juntos, mas quando separados se tornam outros quinhentos. Cate construiu personalidades muito fortes que – literalmente – levaram anos para serem construídas.

Nastasya, apesar da idade, tem uma personalidade um tanto infantil mesmo tendo passado por muitas provações. Mas isso pode ser explicado pois a protagonista não criou responsabilidades ao se impedir de amar e ter relações com mortais. Rein, por outro lado, é dúbio e tem um passado pesado quando descobrimos. O que coloca um ponto fantástico sobre os moldes de sua personalidade em termos de quem ele é e o que pode se tornar. Mas (essa resenha é cheia de poréns infelizmente), a autora não consegue finalizar e dar continuidade a isso de maneira satisfatória, quebrando mais uma vez a narrativa. Pois o final pareceu jogado e as personalidades mudadas. Foi estranho perceber como tudo pareceu em vão, salvo algumas poucas coisas.

Amada Imortal foi um livro de mais baixos do que altos. A autora tinha uma grande história em mãos que foi mal desenvolvida a ponto de se tornar facilmente esquecível. Não me vejo lendo os próximos volumes da série num futuro próximo. Recomendo que a leitura seja feita sem expectativas para aqueles que desejam tirar suas próprias conclusões.

O principal nessa vida é não ser bom o tempo todo. É ser tão bom quanto se pode ser. Ninguém é faz a coisa certa o tempo todo. Não é assim que a vida é.

(Resenha) O Aliciador – Donato Carissi

Em meu primeiro contato com o autor italiano Donato Carissi, a apresentação vem através de um jogo onde o mais cruel dos homens está dando as cartas. Para entender a mente do criminoso, precisamos nos despir de qualquer humanidade e enxergar – através dessas páginas – as escolhas que os seres-humanos fazem quando não estão sendo observados.

Título: O Aliciador | Título original:  Il Suggeritore| Série: Mila Vasquez| Autor: Donato Carissi| Editora: Record| Páginas: 434| Ano: 2009| Avaliação: ⭐ ⭐ ⭐  | Encontre: SkoobSaraivaAmazon

22029588Sinopse: O criminologista Goran Gavila e a equipe de homicídios enfrentam um caso perturbador, que exige toda a habilidade dos policiais do Esquadrão Especial: seis braços direitos são desenterrados em um bosque, cinco meninas entre 9 e 13 anos estão desaparecidas. Liderada por Gavila e pelo Capitão Roche, a equipe segue as pistas do caso e, um a um, os corpos das garotinhas emergem, deixando evidente que o culpado é um serial killer cuja frieza e ferocidade não têm limites. As esperanças de que uma sexta menina esteja viva provocam uma corrida contra o tempo, mas as pistas, em vez de levarem a equipe ao culpado, revelam-se parte de um plano friamente arquitetado pela mente cruel e brilhante do assassino, que parece estar sempre um passo à frente. Em cada cena de crime, novas evidências levam os detetives a acreditar que não se trata de apenas um, mas de vários assassinos, agindo em conjunto. É quando se junta a eles a investigadora Mila Vasquez, especialista em casos de sequestro.Aos poucos a polícia descobre que seu alvo é capaz de assumir as aparências mais variadas, colocando-os à prova incessantemente. Nesse caso, cada vez que o mal vem à luz, traz consigo um agouro, obrigando os detetives a enfrentar sobretudo a escuridão que carregam dentro de si. A investigação se transforma em um jogo de pesadelos habilmente velados, um desafio contínuo.

Mila acreditava que cada um tem seu caminho. Um caminho que leva para casa, para as pessoas mais caras, as quais somos mais ligados. Em geral, o caminho é sempre esse, aprendido na infância, e cada um o segue a vida inteira. Mas algumas vezes esse caminho se quebra. Às vezes recomeça em outro lugar ou, depois de desenhar um percurso tortuoso, retorna ao ponto em que tinha se quebrado. Ou fica em suspenso. As vezes, porém, ele se perde na escuridão.

Donato Carissi tem um narrativa que causa estranheza em seus prós e contras. Apesar de ter gostado da escrita do autor no modo com qual ele expunha os detalhes técnicos do livro em todas suas gamas factuais, o decorrer da narrativa em ganchos reduzia o impacto destes pois constantemente quebrava o ritmo da leitura. Existem autores que sabem trabalhar com narrativas em diversos pontos de vista, mas não posso dizer que Carissi se enquadra nesse time. As cenas colocadas entre os capítulos e dentro deles, muitas vezes não faziam sentido na complexidade da obra e me deixavam com um ponto de interrogação enfeitado na testa.

Outro problema que tive com a narrativa foi a mecanicidade que tudo pareceu transcorrer. Sempre gostei de obras que sejam bem detalhadas, mas isso exige certo grau de sentimentalismo se não acaba por se tornar maçante. Muito embora o livro em si seja dotado de fatos que deixam a história mais próxima do real (o que eu achei o máximo), o modo com o qual eles transcorreram foi pasmem. Mesmo tendo terminado o livro no período de dois dias, admito que foi com bastante esforço para manter a concentração e descobrir a verdade por trás da brutalidade dos assassinatos contra crianças inocentes.

As crianças não veem a morte, porque sua  vida dura um dia, da hora em que acordam a hora em que vão dormir.

Os personagens são bem construídos apesar de me revelarem pouca empatia. Mila, apelido de Maria Helena, é uma policial forte que tem traços perturbadores a revelar. Corajosa, tem disposição a fazer de tudo para encontrar os desaparecidos e apesar de aparentar grande quantidade presunção, não vejo isso como um problema já que esse é um aspecto importante para quem busca fazer extraordinários. Apesar disso, assim como com Goran, Stern, Bóris e Sarah (os outros componentes da equipe) não posso dizer que torci por ela. A falta de emoção do autor comprometeu meu grau de aproximação. O robotismo não me fez ver cada um deles reais.

O que me agradou no livro contudo, foi a permissão que o autor nos deu de imaginar as coisas a medida que a equipe avançava no caso. Por estarmos falando de serial killer, no gênero é mais fácil receber as coisas mastigadas. Somos levados a ver tudo através de binóculos: vemos como se estivéssemos de perto, mas estamos separados por um mar de distância. Aqui, ao contrário, podemos perceber que o autor vai inserindo perguntas que serão respondidas mais à frente, mas que abrem um espaço para que o leitor tente encontrar suas respostas tornando o livro desafiante.

Outro ponto que achei positivo, foi a maneira com o qual as peças foram colocadas. O livro tem vários pontos desencadeadores de ações, a começar pelas meninas sequestradas e mortas que estão sempre a apontar mistérios escondidos. Contudo, como nem tudo são flores, o final acabou ficando mau costurado apesar da crescente perfeita. Donato pareceu não saber como terminar e jogou duas de três peças a grande esmero inserindo dois outros contextos que pelo tom da obra ficaram perdidos. Apesar de que um grande segredo revelado ao fim tenha sido bastante forte e verossímil, o modo com o qual o assassino foi capturado e o epílogo deixaram a desejar pois despedaçou o que poderia ser um fim magnífico. A lição do livro fica, mas tudo mais que poderíamos manter se tornou obsoleto.

Mais do que os sucessos, são as tragédias humanas que unem  as pessoas

Deixando de lado os problemas de narrativa e finalização, posso ressaltar que a prerrogativa do livro é pesada mas bastante válida. Muito embora o título revele pelo menos 40% da obra, é interessante notar como Carissi constrói o Aliciador para que este tenha um papel ativo em sua história mesmo estando tão “longe”. Palavras são fortes e podem despertar os mais terríveis sentimentos. O ser humano contudo não é fraco, mas precisa de empurrãozinho para ceder ao lado obscuro da natureza. O que somos capazes de fazer quando ninguém está olhando define quem somos. Pois é a sensação de poder, de nunca sermos descobertos, é o que nos faz atroz.

O Aliciador é um livro com falhas, mas que vale a pena pelo conceito abordado por Donato Carissi em suas mais de quatrocentas páginas. Todos homens são capazes de escolher e todos podemos ser influenciáveis, mas o que nos define é a capacidade de dizer não para todo mal que causamos no mundo.

(Resenha) Antes de Casar – Bárbara Machado

Ler livros do gênero Chick-Lit nunca foi exatamente o meu forte. Não que eu não goste dos livros do gênero, mas sempre tenho a sensação de mais do mesmo da qual não consigo me livrar e acabo me decepcionando um pouco. Contudo, ao ler Antes de Casar da Bárbara Machado (convencidíssima pela Vivi do O Senhor dos Livros) fiquei apaixonada pela leitura justamente pela autora ir por um caminho que jamais imaginaria.

Título: Antes de Casar | Autor: Bárbara Machado| Publicação Independente | Páginas: 292| Ano: 2016 | Avaliação: ⭐⭐⭐⭐⭐| Encontre: SkoobSite da Autora

aea07539b7Sinopse: Catarina era uma jovem mulher que tinha tudo planejado: o casamento perfeito, o homem ideal, finalmente a vida adulta e independente que tanto almejava. Até que, de um dia para o outro, tudo muda: o casamento não passa de um sonho, o príncipe vira sapo e a brutalidade da vida adulta se mostra bem diante de seus olhos. De volta ao mundo dos solteiros, Catarina se redescobre como indivíduo e percebe que, a não ser que se torne tão desapegada quanto os homens que passam por sua vida, seu coração continuará sendo partido. Mas será que suas aventuras entre mesas de bar e festas agitadas podem substituir o antigo sonho de um final feliz? Entre altos e baixos que fazem parte da transição da juventude para a vida adulta, Catarina vai aprender que o amor não é bem como ela imaginava

Eu reconheci, na marra, a importância da autoestima e da dignidade. Finalmente compreendi que a minha felicidade não poderia jamais depender de outra pessoa.

Com uma narrativa leve e dotada de profundas reflexões, Bárbara Machado conduz um livro com bastante humor sem jamais perder a verossimilhança com o mundo em que vivemos. Acredito que esse tenha sido um dos meus pontos favoritos na obra, pois a autora se preocupou em dar o tom de realidade ao livro que instantaneamente aproxima-nos da protagonista. Além disto, a ambientação do livro na cidade de Vitória no Espírito Santo dá um charme a mais a história, não só de reconhecimento por se passar em nosso país, mas pelo status cidade do interior que poucas vezes vejo na literatura brasileira contemporânea.

Mas o que mais me deixou encantada pelo livro de Machado, foi a protagonista Catarina. por diversos motivos que vão desde a construção da personagem até os ensinamentos que ela vai acumulando ao longo da história. De primeira, é interessante notar como esta não se prende a esteriótipos, que na verdade não dão as caras no livro. Simpática e bem-humorada, Catarina é fã de Harry Potter, O Senhor dos Anéis e tantas outras séries que fazem a cabeça do mundo geek. Mas isso não significa que Catarina seja tímida – espírito comum as mocinhas que apresentam tais gostos – mas justamente ao contrário. Espontânea, ama sair com os amigos e ir aos bares de sua cidade. O que imprime na personagem um tipo de personalidade diferente e fascinante.

37419057_2077458305638069_2488810931010666496_nDentre todos os ensinamentos que Antes de Casar tem a oferecer, o mais importante e o mais relevante para em nossa atualidade. é o papel da mulher dentro de um relacionamento, mas principalmente para consigo. Catarina antes era dependente do namorado, a ponto de mudar aspectos de sua personalidade para agrada-lo. A grande sacada do livro, se dá quando Cat começa a perceber que um homem não pode ser mais importante que ela e que se alguém for amá-la deve ser como ela é. Esse tipo de perspectiva – principalmente para mim que tenho as relações de poder no namoro como um dos meus objetos de estudo – é essencial como respirar. Catarina aprende o que todas as mulheres deveriam saber, que nenhum homem nem ninguém devem ser mais importantes que nós mesmos.

Abrasador e de certo modo imprevisível – sério, eu praticamente não adivinhei nada do que estava por vir – Antes de Casar é uma leitura necessária a todas as pessoas independente do sexo. Um livro que nos mostra que nos amar antes de amar os outros e tê-los como pontes de felicidade mas não objeto único desta, é o caminho mais certo para o alcance da plenitude e da felicidade.

(Anatomia Literária) Capa e Curiosidades sobre Os Bridgertons de Júlia Quinn

Oii queridos. Depois de longas duas semanas doente e uma de organização, finalmente eu estou de volta. Sem muitas explicações, tive uma alergia a vacina anti-tétano e passei as últimas semanas com uma grande queimação e completamente mau-humorada. A parte boa é que fiquei com bastante vontade de escrever e que, apesar de não ter nada programado, acho que não vou ter muitos problemas para voltar ao meu ritmo normal.

Para retornar as atividades em grande estilo, hoje vamos à mais um Anatomia Literária bem diferente do que eu costumo fazer. Pois minha eleita do mês, foi a diva maravilhosa Julia Quinn que se tornou minha princesa dos romances de época com séries marcantes. A série escolhida foi Os Bridgertons, ao qual vou focar na série principal já que não li o spin-off completo. Como as capas são auto-explicativas, vou abranger o anatomia de hoje e falar sobre as capas lançadas em outros lugares e algumas de suas representações.

Vamos começar?

┌──────── ∘°❉°∘ ────────┐
CAPAS
└──────── °∘❉∘° ────────┘

A primeira série que a Arqueiro lançou de Julia Quinn no Brasil foi Os Bridgertons que conquistaram milhares de leitores. A série de 08 livros e 01 spin-off fez grande sucesso entre os leitores e diria que foi uma das grandes percursoras do gênero no país. As capas da Arqueiro representam sempre um local marcante e ao protagonismo feminino revelado em um sentimento: Daphne está com o rosto gentil, Kate desconfiada, Sophie parece esperar algo, Penelope tem certa timidez, Eloise surpresa, Francesca preocupada, Hyacinth sem palavras e Lucy perspicaz.

transferir (3)-horz-vert.jpg

As capas dos livros em outros lugares não poderiam ser mais diferentes. Algumas são feitas através de modelos mais sensuais, que eu particularmente não acredito que sejam compatíveis com os livros, pois em suma maioria não existe esse tipo de apelo nas páginas. Em outros são feitas através de artes como fanmades das quais eu amo. Na verdade, todas as capas dos livros de Quinn possuem tal dualidade.

Capas originais:

As capas americanas onde os livros foram publicados primeiramente, não são minhas favoritas, mas também há certa beleza. Cada irmão é representado por uma cor e um lugar, exceto na capa de Um Perfeito Cavalheiro (livro 03) que faz breve alusão a Cinderella em vista que que o livro é uma releitura da história orignal.

os-bridgertons-de-julia-quinnem-capas-originais.jpg

Capas em arte:

As capas em marte são minhas favoritas com certeza. Cada capa também traz as cores para cada irmão, mas os desenhos em si representam bem mais do que isso. Dapnhe em O Duque e Eu está se arrumando para algo: ao meu ver, é para seu noivado já que o sonho da moça é casar e formar uma família. Kate, no livro seguinte, está lendo algo que imagino ser colunas sobre Anthony pois está de olho nele para que não se case com sua irmã já que acredita que o homem é um libertino. Em seguida, temos Sophie com uma máscara na mão, no baile ao qual ela conhece Bennedict. Em seguida, Penelope aparece cochichando (com a irmã Felicity, talvez). Eu até diria porque ela é representada como fofoqueira, mas seria um spoiler.

Na capa de Para Sir Phillip, Com Amor, Eloise está com uma pena na mão simbolizando as cartas que trocou com Phillip ao longo do tempo. Na capa seguinte, Michael corteja Francesca que não parece infeliz, mas tampouco está cedendo aos seus encantos. Em Um Beijo Inesquecível, Gareth e Hyancinth trocam um selinho, que é uma alusão ao título e o ponto de choque do livro. Em A Caminho do Altar, Gregory está roubando a noiva (os entendidos entenderam).

Saga.jpg

Capas espanholas:

Nas capas espanholas, eu realmente não posso dizer que existam coisas que eu goste nelas, pois não parece haver sintonia com os livros até mesmo nos títulos. Como no quarto livro que originalmente era Amando Sr Bridgerton, no Brasil passou a ser Os Segredos de Colin Bridgerton (um segredo pequeno e um tanto irrelevante, mas ainda sim tem referência na narrativa), na capa espanhola passa a ser Seduzindo Sr. Bridgerton que não faz jus a Penelope nos livros.

bridgerton

┌──────── ∘°❉°∘ ────────┐
CURIOSIDADES
└──────── °∘❉∘° ────────┘

❉ Julia Quinn escreve suas histórias sob uma esteira. De acordo com ela, é mais fácil se concentrar andando do que sentada em uma cadeira dura.
❉ O mundo de Julia Quinn é sempre o mesmo, por isso nas suas séries é possível ver personagens de um livro em outro. Na série Os Bridgertons no quarto livro, Lady Danburry fala para Penelope sobre um sobrinho arredio que ela precisou arrumar-lhe uma esposa sem que ele soubesse. Essa referência é para a duologia Agentes da Coroa ao qual a personagem é quase protagonista de um dos livros.
❉ Os Bridgertons são mencionados em várias outras séries, como em O Quarteto Smythe-Smith e Os Roskesbys que tem uma Bridgerton como protagonista.
❉ A colunista Lady Whistledown também tem uma série derivada com pequenos contos, aos quais suas cronicas acompanham a vida de moças da sociedade.

∘°❉°∘ ∘°❉°∘ ∘°❉°∘ ∘°❉°∘

Então amores esse foi o Anatomia Literária desse mês, espero que tenham gostado do post e quem sabe em breve não vem uma parte dois com os outros livros da autora. Se tiverem sugestões de outros anatomias, podem deixar nos comentários.

Beijos.

(Resenha) A Rainha Exilada – Cinda Williams Chima – Livro 02

Com tantas séries de livros que bombam no mercado editorial, é estranho ver uma tão boa quanto Os Setes Reinos sendo esquecida no churrasco. Cinda Williams Chima conduz uma obra maravilhosa que não só traz tudo que uma boa fantasia precisa, como também consegue ir além.

Essa resenha não conterá spoiler do livro anterior.
Para garantir isso pule a sinopse.
Título: A Rainha Exilada| Título original: The Exiled Queen | Série: Os Reinos 02 | Autora: Cinda Williams Chima | Editora: Suma dos Livros | Páginas: 2014 | Ano: 456
Avaliação: ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ | Encontre: Skoob | Amazondownload.png

Sinopse: Assombrado pela perda de sua mãe e irmã, a jornada de Han Alister rumo ao sul começa com seus estudos na Academia Mystwerk em Vau de Oden. Mas partir de Fells não significa que o perigo ficou para trás. Han é caçado a cada passo do caminho pelos Bayar, uma poderosa família de magos decidida a reaver o amuleto que Han roubou deles. E a Academia Mystwerk apresenta seus próprios perigos. Lá, Han conhece Corvo, um mago misterioso que concorda em ser seu tutor nas artes negras da feitiçaria – mas a barganha que eles fazem pode levar Han a se arrepender. Ao mesmo tempo, a princesa Raisa ana’Marianna foge de um casamento forçado em Fells, acompanhada de seu amigo Amon e seus cadetes. Agora o lugar mais seguro para Raisa é a Academia Wein, a academia militar de Vau de Oden.

Aquela era a questão. No mundo dos sangues azuis, seu inimigo jantava e dançava com você, falava bonito na sua frente enquanto dava a volta para esfaqueá-lo pelas costas.

A série d’Os Sete Reinos faz parte do gênero fantasia com certo louvor. Eu sou uma pessoa relativamente chata (leia-se insuportável) e quando encontro livros de determinados gêneros, costumo esperar certas coisas dele. Ultimamente, tenho percebido certas tendências dos autores de esquecerem determinado enredo para favorecer o romance. Não que eu tenha algo contra romance, mas histórias de romance por romance sempre me deixaram irritada. Por esse motivo ao ler o segundo livro da série saio com a sensação de realmente ter valido a pena ter dado chance a essas obras.

Cinda Williams Chima tem uma escrita poderosa. A autora trabalha bem sobre situações, locais e emoções misturando tudo, mas sem deixar que uma sobreponha a outra. Talvez seja a escrita o que eu mais gosto nos livros da autora pois ao ler, realmente me sinto parte da história que está sendo contada. Mas apesar disso, tenho que admitir nessa obra em específico a autora se perdeu um pouco. Cinda determinou boa parte das primeiras páginas para falar de cavalos e viagens, onde boa parte do conteúdo não tinha muita relevância dentro da história. Contudo, isso não tira a magia do livro. Apenas reduz a agilidade com o qual a leitura poderia ter transcorrido mantendo o foco do leitor em toda a obra.

Na construção dos personagens, Chima também consegue revelar ainda mais características de Han e de Raisa. Apesar de ainda não cair de amores pela princesa-herdeira de Fells, enxerguei nela uma grande evolução como pessoa e como personagem. Raisa parece mais disposta a tomar as rédeas de sua vida e não deixar-se controlar pelo destino. De certo modo, ela caminha para se tornar mais forte e empoderada deixando a garota mimada que um dia foi para trás. Han (que praticamente tomou este livro para ele) também está crescendo dentro da obra. Mas de certo modo com uma personalidade dúbia. Não tenho certeza se Han é um vilão, um herói ou ambas as coisas. E claro que é isso que mais gosto nele. Nunca gostei de personagens maus de mais ou bonzinhos de mais. Extremos não existem, mas sim pessoas que acertam e que erram independentemente de serem boas ou ruins.

Para o enredo principal, A Rainha Exilada conseguiu se sobressair ao primeiro. Na finalização d’O Rei Demônio, eu não fazia ideia de aonde a autora queria chegar pois as informações mais relevantes foram introduzidas na última página. Mas nesse livro, as coisas foram acontecendo em uma bola de neve que culminaram para chocar-se com uma encruzilhada deferindo todos caminhos pelos quais a autora quer percorrer. E para tanto, a autora insere romance, ação, medo, amizade e todos sentimentos que estão atrelados a vida de Raisa e Han.

A Rainha Exilada não foi um livro perfeito, mas uma continuação excelente para uma série que promete impactar corações. Cinda Williams Chima constrói um livro sobre escolhas onde a forma de agir é o que determina o destino que iremos ter.