Arquivo da tag: livros

( Lista ) Livros e musicais

Uma das minhas atrações favoritas no mundo são os musicais. Não somente aqueles lançados nos cinemas, mas também – e talvez principalmente – os produzidos pela Broadway. Caso vocês tenham vontade de conhecer, alguns canais no YouTube tem as filmagens disponíveis de modo gratuito como In The Hights.

Pensando nisto, a lista de hoje será sobre obras que deram origem a musicais da Brodway. São livros queridinhos em termos de músicas e também de história.

Espero que gostem.

1. Wicked – Greg Maguire

transferir.pngTodos conhecemos a história da Bruxa Má do Oeste? Wicked nos prova que não. O musical baseado na obra de Gregory Maguire revela todos os segredos de Elphaba, a garota de pele verde que cresceu à sombra da normalidade. Maguire faz um belíssimo trabalho ao recriar o mundo de Oz, e conduzindo o leitor inesquecível estrada de tijolos amarelos, atravessando um mundo fantástico repleto de conflitos e transformando de maneira surpreendente a reputação de um dos mais sinistros personagens da história da literatura, ao demonstrar que o preconceito pode transformar sonhos em pesadelos.

2. Matilda – Roald Dhal
Matilda

Tanto o filme quanto o musical de Matilda foram inspirados na obra de Roald Dah. O livro conta a história de uma menininha que todos os dias passava horas na Biblioteca, lendo um livro atrás do outro. Mas quanto mais ela lia e aprendia, mais aumentavam seus problemas. Os pais passavam o tempo todo vendo televisão, e achavam muito estranho a menina gostar tanto de ler. A diretora da escola achava Matilda uma fingida, pois não acreditava que uma criança tão nova pudesse saber tantas coisas. Quando acontecimentos estranhos surgem, Matilda é a única capaz de ajudar a si e todos aqueles que ama.

3. Querido Evan Hansen

Dear Evan HansenQuerido Evan Hansen é um dos musicais mais fofinhos da história. Evan Hansen sempre teve grande dificuldade em fazer amigos. Encorajado pelo psicólogo, decide escrever cartas inspiradoras para si mesmo. Mas, quando Connor Murphy rouba suas cartas, Evan acredita que nada pior pode acontecer. O que ele não esperava era que Connor fosse cometer suicídio e as cartas fossem parar nas mãos da família do rapaz. De repente, Evan se vê cercado de mentiras daqueles que acreditam na existência de uma grande amizade entre os dois. No fundo, Evan sabe que não está fazendo a coisa certa, mas se está ajudando a família de Connor a superar a perda, que mal pode ter? Evan agora tem um propósito de vida. Até que a verdade ameaça vir à tona, e ele precisa enfrentar seu maior inimigo: ele mesmo.

 

Então é isso Corujinhas.
Espero que tenham gostado.
Beijos.

( Resenha) Guerra do Velho – John Scalzi – Livro 01

Livro-Guerra-do-Velho-John-Scalzi-7927619Título: Guerra do Velho | Autor: John Scalzi| Editora: Aleph | Páginas: 2016 | Ano: 368 | Avaliação: ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ ❤ | Encontre: Skoob | Goodreads | Amazon

Sinopse: A humanidade finalmente chegou à era das viagens interestelares. A má notícia é que há poucos planetas habitáveis disponíveis – e muitos alienígenas lutando por eles. Para proteger a Terra e também conquistar novos territórios, a raça humana conta com tecnologias inovadoras e com a habilidade e a disposição das FCD – Forças Coloniais de Defesa. Para se alistar das FCD, é necessário ter 75 anos. Sem grandes perspectivas, John Perry aceita o desafio. Porém as dificuldades que ele encontra nas linhas de combate, são maiores do que ele poderia imaginar.

John Scalzi tem uma das narrativas mais interessantes que encontrei nos últimos anos. Além da criatividade para construção do mundo apresentado em Guerra do Velho, a escrita do autor trouxe para o livro um ar jovial apesar de ter conteúdo adulto. E mesmo assim, de certa maneira, Scalzi sempre nos lembra – pela inteligência e maturidade do protagonista – que a obra se trata das redescobertas de um homem velho como um jovem.

Dessa maneira, Scalzi consegue criar um livro de aparência inovadora, apesar do uso de tecnologias batidas (no sentido literário) dentro do contexto da obra. Isso, porque o autor não se preocupa em criar algo realmente fora dos padrões, mas estabelece dentro do texto um parâmetro conhecido do que é possível dentro das impossibilidades. E dessa forma, é interessante perceber como isto contribui para o crescimento narrativo. Não perdemos muito tempo em treinamentos ou explicações, mas absorvemos o conteúdo.

O protagonista, John Perry, é bastante carismático sendo o intermediador do ambiente com o leitor. Apesar de ser em narrado em primeira pessoa, não existe muito sentimentalismo – se é que existe algum – dentro da trama. O que torna a leitura muito mais fluída e acelerada, principalmente na segunda parte da obra.

Entretanto, não posso dizer que a leitura foi perfeita. A finalização de Scalzi não conseguiu alavancar todo o prospecto da obra. Fiquei incomodada em como John se deixou levar por um punhado de emoções e como a última batalha, que parecia impossível, terminou rápido de mais. Deixou a impressão que todos o caminho traçado pelo autor foi terminado por outra pessoa, com a solução mais obvia  que, de certo modo, não fez tanto sentido.

Guerra do Velho é um livro excepcional com algumas falhas em seu arco narrativo. Mas ainda sim é uma obra que vale muito a pena por nos lembrar em meio as raças alienígenas de nossa humanidade.

( TAG ) The Big Bang Theory

Oi Corujinhas.

Essa semana foi dia de se despedir de uma das minhas séries favoritas. Com um humor ácido, personagens icônicas e física aplicada de maneira não convencional, The Big Bang Theory é uma das responsáveis por dar aos nerds um espaço no mundo. Após doze temporadas, a sitcom foi finalizada de maneira excepcional. Choramos e nos divertimos, mas muito mais que isso, vimos mais uma vez a importância da amizade.

Para homenagear a séries, escolhi criar e responder uma tag em sua homenagem. Como espero não dar spoilers, vou deixar o livro escolhido e a sinopse. Espero que gostem.

1. Bazinga: Um livro com um personagem ou elemento que te enganou.

terras metalicasSinopse: A Última Guerra lavou a atmosfera com uma massa nuclear, tornando-a incapaz de sustentar a vida. Para continuar sobrevivendo, a humanidade precisou se adaptar, isolando-se numa atmosfera artificial: a Esfera, local onde tem se mantido com o passar das gerações. A utopia da sociedade reinou desde então, com a paz sendo mantida com mão de ferro pela Elite. Mas essa paz pode acabar… Raquel é uma recém-formada em primeiro nível na Academia, que passa seu tempo livre entre Saturno – o parque temático da Esfera – e divagações sobre seu sonho de voar. Ao iniciar uma nova etapa de vida, ela vai encarar a cerimônia de implante que pode tornar esse sonho realidade, se a habilidade dos Túneis lhe for conferida. Mas essa nova etapa também vai levá-la por caminhos perigosos… Raquel descobrirá que o IA, responsável por todos os sistemas de sobrevivência da Esfera, está com os dias contados. Como manter a sanidade sabendo que a vida tal qual você conhece está para acabar? Raquel ainda não tem essa resposta, mas vai precisar encontrá-la. E para isso ela precisará, mais do que nunca, da ajuda de seus amigos… Tashi, Tales, Ângelo, Camila, Liceu, Isabela e Nirvana lhe darão sustentação quando tudo o mais na utópica Esfera estiver ruindo.

2. Toc! toc! toc! Penny: Um livro sobre obsessão. 

O Jardim das BorboletasSinopse: Quando a beleza das borboletas encontra os horrores de uma mente doentia. Um thriller arrebatador, fenômeno no mundo inteiro. Perto de uma mansão isolada, existia um maravilhoso jardim. Nele, cresciam flores exuberantes, árvores frondosas… e uma coleção de preciosas “borboletas”: jovens mulheres, sequestradas e mantidas em cativeiro por um homem brutal e obsessivo, conhecido apenas como Jardineiro. Cada uma delas passa a ser identificada pelo nome de uma espécie de borboleta, tendo, então, a pele marcada com um complexo desenho correspondente.

3. A loja de quadrinhos: Um livro que mencione ou tenha super-heróis.

eleanor e park

Sinopse: Eleanor & Park é engraçado, triste, sarcástico, sincero e, acima de tudo, geek. Os personagens que dão título ao livro são dois jovens vizinhos de dezesseis anos. Park, descendente de coreanos e apaixonado por música e quadrinhos, não chega exatamente a ser popular, mas consegue não ser incomodado pelos colegas de escola. Eleanor, ruiva, sempre vestida com roupas estranhas e “grande” (ela pensa em si própria como gorda), é a filha mais velha de uma problemática família. Os dois se encontram no ônibus escolar todos os dias. Apesar de uma certa relutância no início, começam a conversar, enquanto dividem os quadrinhos de X-Men e Watchmen. E nem a tiração de sarro dos amigos e a desaprovação da família impede que Eleanor e Park se apaixonem, ao som de The Cure e Smiths. Esta é uma história sobre o primeiro amor, sobre como ele é invariavelmente intenso e quase sempre fadado a quebrar corações. Um amor que faz você se sentir desesperado e esperançoso ao mesmo tempo.

4. O apartamento 4A: Um livro que te faz sentir em casa.

Harry-potter-e-a-pedra-filosofal-livro

Sinopse: Conheça Harry, filho de Tiago e Lílian Potter, feiticeiros que foram assassinados por um poderosíssimo bruxo, quando ele ainda era um bebê. Com isso, o menino acaba sendo levado para a casa dos tios que nada tinham a ver com o sobrenatural pelo contrário. Até os 10 anos, Harry foi uma espécie de gata borralheira: maltratado pelos tios, herdava roupas velhas do primo gorducho, tinha óculos remendados e era tratado como um estorvo. No dia de seu aniversário de 11 anos, entretanto, ele parece deslizar por um buraco sem fundo, como o de Alice no país das maravilhas, que o conduz a um mundo mágico. Descobre sua verdadeira história e seu destino: ser um aprendiz de feiticeiro até o dia em que terá que enfrentar a pior força do mal, o homem que assassinou seus pais, o terrível Lorde das Trevas.

5. Star Trek: Um livro que você releria mil vezes se pudesse.

pequenas grandes mentirasSinopse: Pequenas grandes mentiras conta a história de três mulheres, cada uma delas diante de uma encruzilhada. Madeline é forte e decidida. No segundo casamento, está muito chateada porque a filha do primeiro relacionamento quer morar com o pai e a jovem madrasta. Não bastasse isso, Skye, a filha do ex-marido com a nova mulher, está matriculada no mesmo jardim de infância da caçula de Madeline. Celeste, mãe dos gêmeos Max e Josh, é uma mulher invejável. É magra, rica e bonita, e seu casamento com Perry parece perfeito demais para ser verdade. Celeste e Madeleine ficam amigas de Jane, a jovem mãe solteira que se mudou para a cidade com o filho, Ziggy, fruto de uma noite malsucedida. Quando Ziggy é acusado de bullying, as opiniões dos pais se dividem. As tensões nos pequenos grupos de mães vão aumentando até o fatídico dia em que alguém cai da varanda da escola e morre. Pais e professores têm impressões frequentemente contraditórias e a verdade fica difícil de ser alcançada. Ao colocar em cena ex-maridos e segundas esposas, mãe e filhas, violência e escândalos familiares, Liane Moriarty escreveu um livro viciante, inteligente e bem-humorado, com observações perspicazes sobre a natureza humana.

 

Espero que tenham gostado das escolhas Corujinhas.
Beijos.

 

 

( Resenha ) Boa Noite – Pam Gonçalves

Pam Gonçalves é certamente uma das maiores booktubers do brasil. Acompanho-a desde o começo e ela foi responsável por me apresentar algumas das minhas melhores leituras da vida. De modo que quando foi anunciado a publicação de obrar fiquei com muita vontade de ler. Mas a oportunidade surgiu apenas anos mais tarde e mesmo assim, todas as temáticas do livro, não deixaram de ser importantes e atuais para o mundo e para o brasil que vivemos hoje.

Título: Boa Noite | Autora: Pam Gonçalves | Editora: Galera Record | Páginas: 240 | Ano: 2016 | Avaliação: ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ | Encontre: Saraiva | Skoob | Amazon 
Boa NoiteSinopse: Alina quer deixar seu passado para trás. Boa aluna, boa filha, boa menina. Não que isso seja ruim, mas também não faz dela a mais popular da escola. Agora, na universidade, ela quer finalmente ser legal, pertencer, recomeçar. O curso de Engenharia da Computação – em uma turma repleta de garotos que não acreditam que mulheres podem entender de números -, a vida em uma república e novos amigos parecem oferecer tudo que Alina quer. Ela só não contava que os desafios estariam muito além da sua vida social. Quando Alina decide deixar de vez o rótulo de nerd esquisitona para trás, tudo se complica. Alina não tinha como prever que seria tragada para o meio de tudo aquilo nem que teria a chance de fazer alguma diferença. De uma hora para outra, parece que o que ela mais quer é voltar para casa.

O primeiro livro de Pam Gonçalves tem uma temática New Adult construído através de uma garota que precisa encarar as novas dificuldades postuladas pela fase adulta. Apesar de começar em um esteriótipo – a garota impopular que deseja alcançar um status social -, a obra se desenvolve de uma maneira quase inovadora trazendo problemas reais o mundo da personagem. Muito embora, eu não possa dizer que ficaria amiga de Alina, algumas de suas atitudes lembraram a mim mesma, principalmente no que diz respeito a necessidade de aceitação. Sua trajetória em deixar isto para trás determina o tom do livro, pois mesmo abordando assuntos variados, Pam nunca deixa de lado a construção que Alina tem quando voltada para si mesma.

Entretanto, pensando um pouco na narrativa, posso dizer que não foi um livro nem amado nem odiado por mim. São bons temas para si tratar ao mesmo tempo que são temas excessivos para colocar em um único livro com páginas contadas. Pam tem uma escrita interessante, sentimental mas que não foca em algo para evoluir verdadeiramente. Assim, esse se torna o problema principal da obra. O multifoco da autora em ser representativa, trouxe um livro de meia-representatividade.

Em primeiro plano, as abordagens são necessárias. Ainda ainda mais se explanarmos o sentido cultural que o Brasileiro – de uma forma generalizada – tem em observar o feminino e os locais que se encontra. O feminismo é visto como uma doença, as mulheres como objetos e tudo aquilo que é diferente como errado. Inserir em uma obra pensamentos que desmitifiquem essa realidade soa absurdo de tão real, de tão necessário. Desse modo, superficialmente a obra equilibra vida real com imaginária trazendo situações que podemos vivenciar ou ver vivenciadas por outras garotas.

“Sabe o que acontece com as garotas como eu que falam que foram estupradas por um cara como ele? Vão dizer que eu merecia. Que eu deveria agradecer. 

Todavia, devemos observar que a ficção, por mais que seja “de mentirinha”, precisa ter um bom posicionamento para convencer principalmente quando colocada em prática de uma realidade. Se toma como foco abordar uma questão, não se coloca e depois abandona-a, mas sim questiona, oferece intervenção ou pelo menos evolução. Todos os assuntos abordados pela Pam ficaram soltos,  o que acabou sendo um ponto desastroso em uma história que tinha tudo para ser perfeita.

Boa Noite é uma obra necessária por trazer sororidade ao mundo, visto que precisamos que as mulheres se apõem ao invés de se julgarem. Entretanto, não indico para quem precisa de algo para pensar. O livro não traz soluções ou crítica com afinco, apenas abre margem para que assuntos como este sejam pelo menos levados em consideração da nossa sociedade.

( Lista ) Livros para começar a ler

Oi Corujinhas.

Antes de iniciar as resenhas, eu estava lendo ]os comentários aqui no blog e acabei notando que muitas pessoas sempre me dizem que têm vontade de começar a ler um gênero, mas nunca encontrou uma obra que chamasse atenção ou teve uma experiência negativa com uma obra que estragou o gênero.

Assim, como meu desejo com o blog é expandir a literatura, o post de hoje tem como propósito indicar livros que favoritei nos meus gêneros favoritos para que vocês encontrem novos caminhos no meio literário. Vou tentar colocar escolhas não óbvias para que vocês conheçam obras ao invés de permanecermos nas indicações corriqueiras.

Caso vocês tenham indicações para mim em gêneros que eu não coloquei, como biografia ou poesia. também são muito bem vindas.

Espero que gostem.

a desconstruçao de mara dyer1. Fantasia.

Sinopse: Um grupo de amigos… Uma tábua Ouija… Um presságio de morte. Mara Dyer não estava interessada em mensagens do além. Mas para não estragar a diversão da melhor amiga justo em seu aniversário ela decide embarcar na brincadeira. Apenas para receber um recado de sangue. Parecia uma simples piada de mau gosto… até que todos os presentes com exceção de Mara morrem no desabamento de um velho sanatório abandonado. O que o grupo estaria fazendo em um prédio condenado? A resposta parece estar perdida na mente perturbada de Mara. Mas depois de sobreviver à traumática experiência é natural que a menina se proteja com uma amnésia seletiva. Afinal, ela perdeu a melhor amiga, o namorado e a irmã do rapaz. Para ajudá-la a superar o trauma a família decide mudar para uma nova cidade, um novo começo. Todos estão empenhados em esquecer. E Mara só quer lembrar. Ainda mais com as alucinações – ou seriam premonições? – Os corpois e o véu entre realidade, pesadelo e sanidade se esgarçando dia a dia. Ela precisa entender o que houve para ter uma chance de impedir a loucura de tomá-la….

Branca de Neve Tem Que Morrer2. Suspense

Sinopse: Numa noite chuvosa de novembro, Rita Cramer é empurrada de uma passarela e cai em cima de um carro em movimento. Pia e Bodenstein, da delegacia de homicídios, têm um suspeito: Manfred Wagner. Onze anos antes, a filha de Manfred desaparecera, sem deixar pistas, e um processo baseado em provas circunstanciais condenou Tobias, filho de Rita Cramer, a dez anos de prisão. Logo após cumprir a pena, Tobias retorna à sua cidade natal e, repentinamente, outra garota desaparece. Os acontecimentos do passado parecem repetir-se de maneira funesta. Pia e Bodenstein se deparam com um muro de silêncio. As investigações transformam-se numa corrida contra o tempo, iniciando uma verdadeira caça às bruxas. 

montanha da lua3. Romance de Época.

Sinopse: Há séculos uma verdade acompanha cada herdeiro do ducado de Bousquet: A Maldição dos Hallinsons. Conta-se que a tragédia os acompanha, levando à morte as esposas em seu primeiro ano de matrimônio. Octávio Hallinson Segundo sofre as consequências de não seguir estes ensinamentos. Viúvo, isolou-se da sociedade, fugindo da responsabilidade de casar-se novamente para providenciar um herdeiro para seu título.  Mical Baudelaire Nashgan sempre foi uma mulher decidida, enfrentando as ordens de sua tia e negando-se a seguir o protocolo que obrigava mulheres a procurar maridos apenas por posse de títulos e dinheiro e não por amor. O posicionamento contraditório aos costumes afastou os candidatos, tornando-a uma das únicas solteironas que sua província conheceu. A mais bela dentre elas. Uma tragédia a coloca frente aos perigos da floresta aos pés da Montanha da Lua e seu futuro torna-se incerto e assustador.

uma curva na estrada4. Drama.

Sinopse: A vida do subxerife Miles Ryan parecia ter chegado ao fim no dia em que sua esposa morreu. Missy tinha sido seu primeiro amor, a namorada de escola que se tornara a companheira de todos os momentos, a mulher sensual que se mostrara uma mãe carinhosa. Uma noite Missy saiu para correr e não voltou. Tinha sido atropelada numa rua perto de casa. As investigações da polícia nada revelaram. Para Miles, esse fato é duplamente doloroso: além de enfrentar o sofrimento de perder a esposa, ele se culpa por não ter descoberto o motorista que a atropelou e fugiu sem prestar socorro. Dois anos depois, ele ainda anseia levar o criminoso à justiça. É quando conhece Sarah Andrews. Professora de seu filho, Jonah, ela se mudou de Baltimore para New Bern na expectativa de refazer sua vida após o divórcio. Sarah logo percebe a tristeza nos olhos do aluno e, em seguida, nos do pai dele. Sarah e Miles começam a se aproximar e, em pouco tempo, estão rindo juntos e apaixonados. Mas nenhum dos dois tem ideia de que um segredo os une e os obrigará a tomar uma decisão difícil, que pode mudar suas vidas para sempre.

reiniciados5. Ficção Científica.

Sinopse: As lembranças de Kyla foram apagadas, sua personalidade foi varrida e suas memórias estão perdidas para sempre. Ela foi reiniciada. Kyla pode ter sido uma criminosa e está ganhando uma segunda chance, só que agora ela terá que obedecer as regras. Mas ecos do passado sussurram em sua mente. Alguém está mentindo para ela, e nada é o que parece ser. Em quem Kyla poderá confiar em sua busca pela verdade?

 

Espero que tenham gostado corujinhas. Até a próxima.
Beijos.

    .

( Resenha ) A Heroína da Alvorada – Alwyn Hamilton – Livro 03

No terceiro livro da série A Rebelde do Deserto, Alwyn Hamilton presenteia o leitor com o uma obra espetacular que fecha com chave de ouro uma trilogia que ficou marcada como uma das melhores que tive o prazer de ler.

Título: A Heroína da Alvorada | Título Original: Hero At The Fall| Autora: Alwyn Hamilton | Editora: Seguinte | Páginas: 384| Ano: 2018 | Avaliação: ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ ❤ | Encontre: Skoob | Saraiva | Amazon
A Heroína da AlvoradaSinopse: No último volume da trilogia A Rebelde do Deserto, Amani vai se deparar com a escolha mais difícil que já teve que fazer: entre si mesma e seu país.
Quando a atiradora Amani Al-Hiza escapou da cidadezinha em que morava, jamais imaginava se envolver numa rebelião, muito menos ter de comandá-la. Depois que o cruel sultão de Miraji capturou as principais lideranças da revolta, a garota se vê obrigada a tomar as rédeas da situação e seguir até Eremot, uma cidade que não existe em nenhum mapa, apenas nas lendas — e onde seus amigos estariam aprisionados.
Armada com sua pistola, sua inteligência e seus poderes, ela vai atravessar as areias impiedosas para concluir essa missão de resgate, acompanhada do que restou da rebelião. Enquanto assiste àqueles que ama perderem a vida para soldados inimigos e criaturas do deserto, Amani se pergunta se pode ser a líder de que precisam ou se está conduzindo todos para a morte certa.

“— Tudo o que sou, entrego a você, e tudo o que tenho é seu. Porque o dia da nossa morte não será amanhã”

Engraçado que, as vezes, quando estamos lendo livros muito bons, temos um momento de epifania em que paramos e pensamos: Caramba, estou lendo algo extraordinário! Se eu disser que essa sensação me aconteceu enquanto eu lia A Heroína da Alvorada, seria um eufemismo.

A narrativa de Alwyn Hamilton é maravilhosa. A autora conseguiu pontuar as diversidades dos personagens, reinventar seu romance e ainda sim não perder o foco da guerra iminente. Entre reviravoltas e romances, Hamilton desenvolve sonhos e esperanças, que estão perdidas ao longe destoadas pelas perdas recentes dos rebeldes. Nunca o lema “Uma nova alvorada, um novo deserto” fez tanto sentido: A alvorada tem que vir para que o deserto se erga novamente nas mãos de Ahmed e enfim o mundo de Amani se torne novo e cheio de possibilidades.

“Éramos todos mais egoístas que Ahmed. Por isso ele nos liderava. E estava certo. Não estávamos na rebelião por nós mesmos. Mas pelo que poderíamos fazer pelo futuro. O resto de nós podia morrer pela causa. Mas Ahmed precisava viver.”

Falando em diversidade, os personagens foram muito bem construídos. Amani evoluiu muito no decorrer das obras, mas nesta adquiriu um brilho especial. Acho que finalmente consegui me apegar a garota, pois senti verdade em suas atitudes. Amani tem medo, mas não abaixa a cabeça. Ela sabe que seus companheiros estão ansiosos por ela, por suas decisões, mesmo que isso possa causar suas mortes. Mas mesmo assim, a cada momento em que é derrotada, Amani se reergue e tenta de novo: segue em frente, por mais difícil que possa parecer.

Os personagens secundários são igualmente cativantes. Shazad ainda é minha favorita, mas diria que Jin e Hala ganharam um espaço no meu coração. O Sultão continua tendo bons motivos, e apesar de toda sua crueldade é impossível não entender suas motivações. Ahmed, continua como um idealizador, mas agora uma nova faceta é revelada. A humanidade que está presente em cada suspiro, em cada decisão que precisa tomar.

“Era uma vez um garoto do mar que se apaixonou por uma garota do deserto.”

Mas o meu ponto favorito na trama foi a mitologia criada por Hamilton, tão bem elaborada que acredito que nunca mais vou ver o céu da mesma maneira. Os deuses, a magia e tudo que envolve a criação do mundo foram muito bem pensados. Alwyn não reduz seu mundo a fatos isolados, mas usa dos seus próprios recursos para engrandecer sua obra. A finalização é arrebatadora. Hamilton não somente apresente uma conclusão como o que acontece depois no bom estilo historiadora. O último capítulo deixa o sentimento de esperança que acalenta apesar de todo acontecido.

A Heroína da Alvorada é uma obra fantástica. Um finalização épica para uma trilogia que evoluiu a cada livro. E sempre que observar as estrelas irei pensar: Uma Nova Alvorada, Um Novo Deserto. 

 

 

 

( RESENHA ) Vox – Christina Chalder

Quando comecei a ler Vox já esperava uma leitura impactante sobre a força machista e opressora presente em nossa sociedade. Mas sinceramente, acho que não imaginava a quantidade de referências ao que vem acontecendo diariamente principalmente no Brasil. Assim sendo, muito embora Vox não tenha sido uma leitura perfeita, o livro vale a pela pela importância e necessária crítica moral. 

Título: Vox | Título Original: Vox| Autora: Christina Chalder | Editora: Arqueiro| Páginas: 320| Ano: 2018 | Avaliação: ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ | Encontre: Skoob | Saraiva | Amazon

VoxSinopse: Uma distopia atual, próxima dos dias de hoje, sobre empoderamento e luta feminina.
O SILÊNCIO PODE SER ENSURDECEDOR #100PALAVRAS
O governo decreta que as mulheres só podem falar 100 palavras por dia. A Dra. Jean McClellan está em negação. Ela não acredita que isso esteja acontecendo de verdade.
Esse é só o começo…
Em pouco tempo, as mulheres também são impedidas de trabalhar e os professores não ensinam mais as meninas a ler e escrever. Antes, cada pessoa falava em média 16 mil palavras por dia, mas agora as mulheres só têm 100 palavras para se fazer ouvir.
…mas não é o fim.
Lutando por si mesma, sua filha e todas as mulheres silenciadas, Jean vai reivindicar sua voz.

“Houve muitas vezes em que eu quis culpá-lo, mas não posso. Os monstros não nascem assim, nunca. Eles são feitos, pedaço por pedaço e membro por membro, criações  artificiais de loucos que, como o equivocado Dr. Frankenstein, sempre acham que sabem mais.”

Desde que O Conto da Aia foi relançado em formato de série, parece ter havido um estopim da literatura como fonte de alerta social, principalmente no que diz respeito as mulheres. E não é para menos, se considerarmos as perspectivas que surgem no horizonte onde governos de esquerda e manifestações ideológicas assumem papeis de destaque aliados à uma palavra assustadora: extremismo. Cristina Dalcher, ciente do papel social da literatura e dos perigos que essa ideologia oferecem aos direitos femininos, presenteia o leitor com uma obra impactante, ou melhor, provocadora por ser completamente plausível. 

“Com seis anos, Sonia deveria ter um exército de dez mil lexemas, soldados que se reúnem, ficam em posição de sentido e obedecem as ordens dadas por seu cérebro maleável. Deveria, se os três elementos básicos (leitura, escrita e aritmética não estivessem reduzidos à um: aritmética básica. Afinal de contas, um dia minha filha deverá fazer compras e cuidar da casa, ser uma esposa dedicada e obediente. Para isso, é preciso aprender matemáticas, não soletracão. Ela não precisa de literatura. Muito menos da voz.”

Narrado em primeira pessoa, o livro se equilibra entre flashes passados e momentos presentes. Dalcher nos mostra como a sociedade evoluiu – ou melhor, retrocedeu ao ponto das mulheres perdem não somente a voz mas também os direitos civis. Passamos a ser desacreditadas, impugnadas à ignorância do sexo frágil que desumaniza o feminino.

Desumaniza, pois a mulher deixa de ser uma “pessoa” para ser vista como um “objeto” reprodutivo cujo o único dever é gerar filhos e cuidar da casa. Um pensamento arcaico, que já deveria ter sido destruído com a virada dos anos e a chegada do movimento feminista, mas que sofre com os constantes rebaixamentos: “mi-mi-mi”, dito por pessoas que não enxergam ou fecham os olhos para o vigor da luta. 

“– Vocês não fazem ideia, senhoritas. Absolutamente nenhuma ideia. Estamos a um passo de voltar à pré-história, meninas. Pensem nisso. Pensem onde vocês vão estar, onde suas filhas vão estar, quando os tribunais atrasarem os relógios. Pensem em expressões como “permissão do cônjuge” e “consentimento paterno”. Pensem em acordar um dia e descobrir que não têm voz em nada. – Ela faz uma pausa depois de cada uma das últimas cinco palavras, com os dentes trincados.”

Assim sendo, Dalcher também é certeira ao conceber três tipos de ideologias que fundamentam a formação do novo mundo. O homem machista; a mulher consciente de seus direitos; e a mulher que descrimina uma luta ao seu favor. Assim sendo, somos levados à ver outra parcela da nossa sociedade atual que não tem coragem de levantar sua voz ou pelo menos reconhecer seus privilégios.

E é assim que Dalcher nos apresenta sua protagonista. Jean não lutava por seus direitos, sequer via o voto como necessidade social. Ela estava estagnada na sociedade deixando que os outros – a maioria extremista – decidissem seu futuro. Foi dolorido ver como Jean se comportava e enxergá-la como reflexo dos meus amigos ou parentes próximos. Isto, vem acompanhado do medo. Medo que a percepção do futuro cada vez mais próximo só aconteça quando o extremo estiver em voga, ou que a negação continue até depois disso. Pois Jean só entende o que aconteceu depois de ter perdido tudo.

“Tento me convencer de que não é minha culpa. Eu não votei no Myers. Na verdade eu não fui votar.”

O sistema político da obra também foi muito bem construído. Se você pensar na ideologia civil, os pilares fomentadores da sociedade deveriam ser colocados em duas bases: a política, que rege os direitos e deveres civis; a comunidade que põe as leis em prática.

Entretanto, uma avaliação mais atenta, nota-se que a civilização é moldada quase que exclusivamente pelos fundamentos religiosos. Seja na pública ou privado, a religião define os parâmetros de comportamento onde o resultado é comumente encontrado em assuntos simples que passam a ser considerados tabus, ao passo que assuntos tabus se tornam corriqueiros. Assim, é fácil entender porque a mulher tem uma visão ameaçada. Pois no sentido religioso, o homem foi feito para comandar (o provedor) e a mulher para servir (procriadora). E assim como O Conto da Aia, será a religião que molda o universo de Cristina Dalcher de maneira arcaica e ortodoxa. 

“É difícil identificar contra o que – ou quem – estávamos protestando. Sam Myers era uma opção terrível para presidente. Jovem e inexperiente em políticas importantes, com formação militar de um ano no curso preparatório de oficiais da reserva na época de faculdade, Myers fez sua corrida presidencial apoiado em duas muletas. Bobby, seu irmão mais velho e senador de carreira, dava os conselhos práticos, um monte de bosta. A outra muleta era o reverendo Carl, fornecedor de votos, o homem a quem as pessoas ouviam. Anna Myers, bonita e popular, não prejudicava a campanha, se bem que no final a campanha a prejudicou. Muito. Nossa única esperança.”

Além disso, ainda cito como chocantes os trechos que imitavam a realidade agravando o sentimento de pertencimento ao universo inexistente. Se pensarmos que o livro foi lançado ano passado e algumas declarações polemicas saíram este ano, Dalcher quase que previu os rumos sociais de como a sociedade extrema parece começar. As manifestações sociais femininas sendo desvalorizadas. A bancada religiosa que tenta ditar o mundo através das passagens bíblicas. Os muros construídos ao redor de países ricos e politizados. O homem como peça central do silenciamento. As mulheres em diferentes estágios de aceitação.

“As Bíblias ainda são permitidas, se forem do tipo certo. A de Olívia é rosa; a de Evan é azul. Você nunca os vê trocar, nunca vê o livro azul nas mãos de Olivia.”

Entretanto, alguns pontos da obra acabaram por  ficar desconexos. O romance que surgiu parece algo descartável que, por um acaso, reforça um esteriótipo ruim sobre a mulher feminista (Selecione, mas pode conter spoilers “Jean é casada e mantém um relacionamento fora do casamento o que ratifica  a mulher como “puta” quando liberta“). Além disto, o final da obra pareceu fácil de mais, onde todos conseguiram um final feliz e nem todas as repostas foram concluídas.

Mas, pesando as partes ruins e boas, ainda sim Vox foi uma leitura genial. Eu recomendo esse livro para mulheres, homens que precisem de um choque de realidade. É uma leitura necessária que nos abre os olhos para uma das possibilidades que o futuro tão próximo de nós. 

( TAG ) Mulheres Que Mudaram O Mundo – Original

Oi Corujinhas, faz tempo que não respondo uma tag e como estou cada vez mais me aprofundando em feminismo, resolvi criar uma para exaltar as mulheres que mudaram o  mundo, associando livros maravilhosos à elas – já que não existe um elogio melhor. Para fazer escolhi moças de variadas áreas e assim conseguir apresentar livros com vários estilos também. 

Espero que gostem.

Resultado de imagem para boa noite pam gon̤alves1. Malala Yousef РUm livro que te inspira a lutar por outras pessoas.

Lido recentemente, Boa Noite de Pam Gonçalves foi uma obra que me marcou muito por aludir a problemáticas necessárias para o convívio. É interessante perceber que a Pam trabalhou diversos temas no enredo, mas principalmente a necessidade que nós precisamos dar mais valor a sororidade, ou seja, a união e aliança entre mulheres, baseado na empatia e companheirismo, em busca de alcançar objetivos em comum.

Nunca julgue uma dama pela aparencia2. Amelia Earhart – Um livro que te motiva a conquistar o mundo.

Um dos motivos pelos quais adoro romances de época é a força de suas protagonistas. Apesar da irrealidade, é interessante perceber como todas elas burlam o sistema e se tornam muito mais do que o esperado. Uma obra que me deu certeza disso foi Nunca Julgue Uma Dama pela aparência de Sarah MacLean, onde nossa heroína, Georgiana Pearson, nos mostrar que é possível lutar para ser mais forte que os esteriótipos e ter o mundo na palma de sua mão.

a bela ou a fera3. Nadia Comaneci – Seu primeiro livro favoritado.

Antes mesmo de conhecer esse mundo literário e suas demasiadas manifestações, quando eu era criança a obra A Bela Ou A Fera de Anna Flora me marcou profundamente. Tanto, que ainda me recordo de suas primeira frases e quase toda sua história. Ana é uma personagem cativante que tenta entender o mundo dos adultos e seu crescimento. Eu indico esse livro não somente aos pequenos, mas também aos adultos que gostariam de lembrar todas as incógnitas – muito importantes – de quando eram crianças.

a hospedeira4. Suu Kyii – Um livro que manifesta a verdadeira democracia.

Existem poucos livros que definem a democracia como fonte principal no enredo. A maioria vai justamente pelo lado contrário, afirmando que seria justamente a perda da democracia que faz a sociedade se perder. A Hospedeira de Stephanie Meyer é um exemplo de como a democracia deveria funcionar através das almas. Justas por natureza, as almas tem um sistema baseado nas escolhas. Muito embora subjuguem a humanidade, se entendermos as almas como organização social percebemos a grandeza que as cerca.

simon vs a agenda do homo sapiens5. Jeanne Manford – Um livro pela igualdade LGBT+.

Simon Vs A Agenda do Homo Sapiens é um dos melhores livros com temática LGBT+ que tive o prazer de ler. Muito embora seja mais voltado mais ao Gay do que as outras bases da comunidade, a obra é um manifesto pela igualdade. As cenas são marcantes e as ideologias proposta pela autora não são pesadas, no sentido de imporem alguma coisa. Na verdade tudo surge de maneira muito natural, até porque Becky entende que não existem diferenças entre pessoas gays ou héteros. Somo todos humanos capazes de amar e sermos amados.

Vox6. Maria Quitéria – Um livro contra a desigualdade de gênero.

Também entre meus lidos recentemente, Vox de Cristina Dalcher demonstra a importância da luta pela igualdade de gênero nos caminhos para silenciar a  mulher em demasiadas ocasiões. No obstante a realidade que conhecemos, Dalcher imprimi  no texto a importância da luta, do reconhecimento dos privilégios e a necessidade de se usar a voz quando necessário. É uma obra avassaladora, muito parecida com a sociedade que temos hoje.

a resposta7. Solitude (Guadalupe) – Um livro pela igualdade racial. 

Acho que já devo ter falado dessa obra um milhão de vezes para vocês, mas pensando em igualdade racial não tem como deixar de citar A Resposta, um dos melhores livros que tive o prazer de ler. Narrado no auge da segregação dos Estados Unidos da América, A Resposta tem um significado imenso sobre a natureza do racismo e a problemática dele. Não somente pelas quatro protagonistas, mas por cada pedaço desse mundo voltado a expor as injustiças raciais.

   


Beijos. Até mais. 

( Resenha ) Garotas de Neve e Vidro – Melissa Bashardoust

Engraçado como mesmo inicialmente não gostando de determinado gêneros, acaba gostando de algumas obras o que te leva a ir atrás de outras. Depois da leitura de As Crônicas Lunares, fiquei ansiosa para ler outras releituras que trouxessem um manifesto diferente dos clássicos infantis. Nesse interim conheci a obra Garotas de Neve e Vidro através do canal Geek Freak e me interessei pela leitura. E sinceramente, foi uma das melhores obras que li nesse começo de ano sendo um manifesto não só pelo feminismo, mas pelo amor fraternal ameaçado.

Título: Garotas de Neve e Vidro | Título Original: Girls Made of Snow and Glass | Autora: Melissa Bashardoust| Editora: Plataforma 21 | Páginas: 424 | Ano: 2018 | Avaliação: ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ | Encontre: Skoob | Saraiva | Amazon

Garotas de Neve e VidroSinopse: Mina é filha de um mago cruel e sua mãe está morta. Aos dezesseis anos, seu coração nunca bateu apaixonado por ninguém – na verdade, ele jamais bateu de forma alguma, e Mina sempre achou esse silêncio normal. Ela nunca suspeitou que o pai arrancara seu coração e, no lugar, colocara um coração de vidro. Então, quando Mina chega ao castelo de Primavera Branca e vê o rei pela primeira vez, ela cria um plano: ganhar o coração dele, tornar-se rainha e finalmente conhecer o amor. A única desvantagem desse plano, ao que tudo indica, é que ela se tornará madrasta. Lynet tem quinze anos e é a imagem de sua falecida mãe. Um dia, ela descobre a verdadeira razão disso: a partir da neve, um mago a criou à semelhança da rainha morta.
Mas, apesar de ser a projeção visual perfeita da falecida rainha, Lynet preferiria ser forte e majestosa como sua madrasta, Mina. E Lynet realiza seu desejo quando o pai a torna rainha dos territórios do sul, tomando assim o lugar de Mina. A madrasta, então, começa a olhar para a enteada com algo que se assemelha ao ódio, e Lynet precisa decidir o que fazer – e quem quer ser – para ter de volta a única mãe que de fato conheceu… ou simplesmente vencer Mina de uma vez por todas. Garotas de Neve e Vidro traça a relação de duas mulheres fadadas a serem rivais desde o princípio – a não ser que redescubram a si mesmas e deem novo significado à história que lhes foi imposta.

Melissa Bashardoust possuí uma escrita fascinante. Muito embora esteja lidando com universo pautado em um conto enraizado nos primórdios da sociedade-contemporânea (Quem não conhece a Branca de Neve?), a autora influi para construir algo inteiramente novo em termos simbólicos e conceituais. O enredo transcende do irreal ao real criando um misto de emoções verdadeiras e palpáveis. Melissa não parece disposta a apenas narrar uma porção de acontecimentos que levam seus personagens a chegarem em determinado lugar, mas sim a refletir sobre assuntos diversos que recriam a vida e o tempo, que muito embora sejam a parte do nosso, refletem nosso medos, anseios e sonhos.

Suas personagens são exemplos de tal determinância. Lynet, a protagonista secundária da obra (Mina certamente é a moral), tem uma espécie de relutância em aceitar aquilo que lhe impõem. O que me fez gostar imediatamente da personagem, pois sua força é bem estruturada na maneira com o qual foi criada envolta de uma psicologia reversa: treinada para ser uma perfeita dama da sociedade, Lynet quer algo mais que se tornar uma garota de porcelana, deixando para trás as semelhanças com a mãe (antiga rainha) a fim de criar algo maior para si. Além disso, Lynet não faz o clássico garota badass que termina sendo arrogante e não poderosa. Mas a personagem cresce e muito durante a trama por saber ouvir o que aqueles ao seu redor têm a lhe dizer.

Mina, por outro lado, foi uma personagem mais desenvolvida ao seu emocional. O modo como a rainha estabelece relações com os outros personagens cresceu de modo gradativo e doloroso. Mina deseja proximidade, sobretudo amor. Entretanto, mas não consegue pelos abusos mentais mentais e verdades “absolutas” dados pelo pai: Mina tem um coração de vidro, é incapaz de amar de alguém. Dessa forma, tudo que Mina deseja é que vejam sua beleza e a amem por ela, sem nunca mostrar seu verdadeiro já que não consegue suportar a ideia de lhe odiarem. Dessa forma, a construção da personagem vai para além do que conhecemos sobre um vilão, se é que podemos classificar a madrasta nesse ponto. Mina se torna muito mais aprofundada que um esteriótipo, de modo a aprender a ter confiança em si mesma e fugir das ideias arcaicas do seu passado.

“Estava ciente demais que era um espelho que a amava, e espelhos viam apenas a superfície.” 

Minha ressalva a obra foi a inconstância da narrativa que a deixou pesada. Li poucas páginas com a impressão que estava lendo muitas. Isso se deve a carga dramática que muitas vezes se tornou excessiva na trama, passando um aspecto incongruente com a proposta.

Ademais, Garotas de Neve e Vidro está entre as melhores obras que li neste ano. A autora toca em temas importantes, mas principalmente quebra a rivalidade feminina que já não deveria existir entre nós. Se você ainda não sabe o que é sororidade – palavra tão marcante em nosso contexto atual, essa obra é um perfeito conceito disto. 

( Resenha ) A Invasão de Tearling – Érica Johansen – Livro Dois

O segundo livro da trilogia escrita por Érica Johansen atingiu um novo patamar deixando a promessa de uma grande finalização. A história evoluiu para nos deixar com água na boca e promover uma leitura inesquecível de uma série que pode entrar para as melhores que já li.

Esta resenha não terá spoiler.
Para garantir isto pule a sinopse.

Título:  A Invasão de Tearling | Título Original: The Invasion of the Tearling| Autora: Érica Johansen | Editora: Suma| Páginas:  400 | Ano:  2017|  Avaliação: ⭐️ ⭐️ ⭐️ ⭐️ ⭐️ ❤️ | Encontre: Skoob | Saraiva | Amazon

transferir (1).jpgSinopse: Kelsea Glynn é a rainha de Tearling. Apesar de ter apenas dezenove anos e nenhuma experiência no trono, Kelsea ficou rapidamente conhecida como uma monarca justa e corajosa. No entanto, o poder é uma faca de dois gumes. Ao interromper o comércio de escravos com o reino vizinho e tentar conseguir justiça para seu povo, ela enfurece a Rainha Vermelha, uma feiticeira poderosa com um exército imbatível. Agora, à beira de ver o Tearling invadido pelas tropas inimigas, Kelsea precisa recorrer ao passado, aos tempos de antes da Travessia, para encontrar respostas que podem dar ao seu povo uma chance de sobrevivência. Mas seu tempo está acabando… Nesta continuação de A rainha de Tearling, a incrível heroína construída por Erika Johansen volta para outra aventura cheia de magia e reviravoltas.

“Eu acho que esse é o ponto crítico do mal neste mundo, Majestade; os que se sentem no direito de fazer o que quiserem, de ter o que quiserem. Pessoas assim nunca se perguntam se têm direito. Não consideram o custo para ninguém além de si mesmas.”

A narrativa de Érika Johansen é peculiar. Somos trajados por uma escrita diferenciada, cadenciada e com descrições que fundamentam e parafraseiam a trama. Mesmo se tratando de uma fantasia com uma personagem adolescente, seu texto envolve pouca ação e quase nenhum romance, onde a política se sobressai. Parece algo que George R. R. Martin teria escrito, com o diferencial que Johansen tem os pés fixados em nosso mundo – e não na alta-fantasia -, para recriar a realidade que conhecemos para torná-la algo mais.

Mas muito embora a política de Tearling seja um dos grandes focos da trama, esse livro em questão trata bem mais do passado do que da atualidade. A Invasão de Tearling vai ser pautada dentro dos episódios que levaram à construção do país e, consequentemente ao seu declínio. Assim sendo, Johansen traz explicações sobre A Travessia, fato muito falado mas pouco explicado no livro anterior, mas aonde estão alocados os princípios para a fundação da sociedade utópica idealizada por William Tear que se tornou “do passado”, distópica e tão mais próxima do que o futuro nos reserva hoje.

“Nós sempre pensamos que sabemos o que coragem quer dizer. Se eu fosse escolhido, nós dizemos, eu atenderia ao chamado. Eu não hesitaria. Até o momento que chega nossa vez, e aí percebemos que as exigências de verdadeira coragem são bem diferentes do que tínhamos imaginado, muito tempo antes, naquela manhã clara em que nos sentimos corajosos.”

O livro recomeça alguns dias depois de onde A Rainha de Tearling foi finalizado. Kelsea Glynn está lidando com as consequências de suas escolhas. É bom ressaltar que Johansen não cria uma princesa irreal, que não entende os problemas de suas ações ou que os descobre depois de ser tarde de mais. Mas sim uma personagem sábia, criada para ser rainha que coloca seu povo em primeiro lugar. Por esse motivo, diria que Kelsea é uma das minhas personagens favoritas. Sua presença e sua força são verdadeiras, e suas ideias políticas poderiam realmente dar certo.

Mas como havia aludido anteriormente, o livro tem um foco maior nos acontecimentos pré-Tearling. Na primeira obra existem algumas menções à fatos do nosso presente que haviam causado estranhamento. Como uma sociedade medieval poderia ter acesso aos livros de J. K. Rowling? A única explicação seria ser uma sociedade póstuma. De modo que a pergunta mudou para: como a nossa sociedade moderna mudou para uma sociedade medieval?

Assim, com a prerrogativa de Kelsea precisar entender o antes para enfim conquistar um futuro glorioso, somos apresentados à visões do passado pelos olhos de Lily. Foi doloroso acompanhar a história e adianto a vocês que conteúdos pesados – cenas de violência e estupro – surgiram na trama.

O mundo futurístico manifesta-se como um aprofundamento da sociedade patriarcal. Os homens literalmente dominaram o mundo através dos preceitos religiosos tornando-se donos da mulheres. Lily é casada e tem grande estabilidade econômica. Entretanto, tem que suportar as ameaças veladas do marido que ter os filhos que Lily não deseja. Tudo mundo quando ela descobre um movimento, idealizado por William Tear em busca de um horizonte melhor.

Dessa forma, entre presente e passado Joahansen insere um belo paradoxo que envolve as ações de ambas as mulheres: será que o futuro glorioso, quando liderado por alguém de visão, pode ser seguro?

“O sucesso de uma grande migração humana depende do encaixe de muitas peças individuais. Deve haver descontentamento comum status quo desagradável, talvez até intolerável. Deve haver idealismo para motivar o movimento, uma crença poderosa em uma vida melhor além do horizonte. Deve haver grande coragem diante de probabilidades terríveis. Mas, mais do que tudo, toda migração precisa de um líder, a figura indispensável e carismática que até homens e mulheres apavorados vão seguir sem pestanejar em direção ao abismo.”

A Invasão de Tearling é uma obra surpreendente, cheia de política e desafios. Eu não somente indico o livro para os fãs do gênero, como digo que para todos aqueles que precisam de um vislumbre de para onde a sociedade atual está nos levando, esta obra é um horizonte assustador.