Arquivo da tag: literária

( Anatomia Literária ) Capa e curiosidades sobre a saga Crepúsculo

Olá Corujinhas. Bem vindos à mais um Anatomia Literária dessa vez voltado aos livros da Stephanie Meyer e sua série mais famosa: Crepúsculo. O anatomia de hoje é para todos vocês, mas principalmente à linda Aline do blog Amor Literário que gentilmente respondeu meu pedido sobre quais livros vocês gostariam de ver por aqui. Então sem mais delongas vamos lá?

 

Lembrando que o post envolve explicações da história: caso não tenha visto o filme ou lido o livro e tenha vontade este post conterá spoiler.

✩───────── ✾ ────────── ✩
Capas
✩───────── ✾ ────────── ✩

A saga Crepúsculo foi lançada aqui no Brasil pela editora Intrínseca. Fazendo bastante sucesso entre os jovens, principalmente as garotas, por abordar de modo diferente a relação entre humanos e o sobrenatural é certo que Stephanie Meyer abriu as portas para o boom do gênero no Brasil. A saga foca inteiramente na relação de Bella Swan com o vampiro Edward Cullen e também as capas fazem alusão a essa relação. Foi bem inteligente da editora manter as capas originais que foram muito bem conceituadas além de serem lindas de morrer, pois vamos combinar, mesmo quem não gosta da saga sentira vontade de fazer um quadro com elas. Eu me ative apenas aos 04 primeiros Iivros já que esta é a série original da autora.

image

A saga se inicia com o livro homônimo, Crepúsculo. Como toda as capas da série o fundo é preto que representa a obscuridade do que Bella não sabe sobre Edward. A primeira vista parece que a capa reproduz uma cena do livro/filme onde os protagonistas conversam e Edward pega uma maçã que escorrega da bandeija da moça. Apesar de claramente ser Edward que está segurando a fruta na capa (percebam que as mãos são brancas como osso, descrição dada por Meyer sobre a cor dos vampiros), a intepretação da capa é na verdade sobre a tentação que Bella causa em Edward. Ela é como uma maçã vermelha e suculenta que Edward tem nas mãos, mas ao invés de prova-la ele tenta protegê-la a todo custo. Outra interpretação a capa é que tanto a maçã como as mãos são referências à Bella que mesmo sabendo do proibido entrega-se à Edward.

image

O segundo livro, Lua Nova é de longe minha capa mais bonita. Aqui o fundo também representa a todos os sentimentos de dor que Bella sente quando Edward vai embora deixando-lhe sozinha. Durante todo o livro, Bella sente-se desafazer-se com a falta de seu amado. A flor murchando representa a perda constante de pedaços da garota que não se conforma com a perda do amado. Apesar disso, Bella mantém esperança de que um dia Edward volte. No topo da capa, uma das pétalas está levantada como essa pequena parte dela não pudesse se deixar abater como todas as outras. As manchas vermelhas na pálida flor representam um ritual de passagem, o que era completamente puro, talvez não mais o seja.
image

Em Eclipse o fundo vêm para determinar o risco da perda de tudo aquilo que os Cullen e Bella conquistaram pela perseguição de um antigo inimigo. Bella ainda é frágil em um receptáculo humano. A fita que simboliza a fragilidade de sua vida está mais uma vez se desfazendo, muito embora não por sua culpa mas pelas decisões que precisa tomar. Note que a fita só permanece unida por dois fios enquanto todos os outros foram partidos. Os fios representam Edward e Jacob, os dois amores que lutam por Bella mas que também se tornaram seus alicerses no decorrer desse livro e seus anteriores. A fita também mostra que Já não há mais pureza, a inocência deixou de existir e o tempo de decisão e de escolhas. A autora afirma que a capa com uma fita vermelha cortada representa não só a escolha de Bella entre Edward e Jacob e os perigos enfrentados, como também significa também que ela pode acabar com sua vida como humana.
image

Por fim, em Amanhecer Bella finalmente faz parte do jogo ao se tornar uma vampira. Ela deixa para trás o status de fragilidade para virar a rainha que assume as rédeas da situação. A escuridão do medo por sua família não a impedem de ver o tabuleiro. Principalmente lhe ajudam a manter o foco para salvar sua filha Renesmee, que dessa vez é o ponto fraco de Bella mostrada atrás dela como um peão usado pelos seus inimigos para desastabiliza-la, afinal sua cor é diferente como se Renesmee fosse uma rival de sua mãe. Mas no jogo com os Volturi, Bella enxerga o próprio reflexo bem como sua importância naquele jogo. Uma segunda interpretação pode ser que as duas peças representam que Bella pode se transformar em rainha atravessando o tabuleiro, quer dizer, transformando-se em vampira.

Em todas as capas há um jogo de três cores: Preto, branco e vermelho. O preto além de tudo já citado, também representa o lado sobrenatural que contextualiza toda a obra. O branco é a pureza oposta à esse sobrenatural já que realmente nada é o que parece. Já o vermelho é rubro como sangue e simboliza a fragilidade presente em toda saga começando pela humanidade de Bella até o hibridismo de Renesmee. Quanto aos títulos, estes representam as fases da vida de Bella: Crepúsculo é o evento do fim do dia quando o sol está se pondo e representa a beleza do vislumbre da escuridão que ela encontra em Edward; A Lua Nova significa que essa é a fase mais negra d3 sua vida; Eclipse quer dizer que mesmo quando tudo devia ser claro, ainda à quem deseje escuridão; E Amanhecer o título quer dizer que depois da noite (lua nova/eclipse), vem o dia após tantos desafios.

✩───────── ✾ ────────── ✩
Curiosidades
✩───────── ✾ ────────── ✩

 

✩ O livro favorito de Bella e Edward é O Morro dos Ventos Uivantes que pode ser ligada de modo paralelo à história: Westcliff não pode casar-se com Catherine pela disparidade social envolvendo os dois.

Quando Stephenie Meyer ela chamava os protagonistas apenas “ele” e “ela”, devido a grande dificuldade em decidir o nome dos protagonistas. O nome Edward foi inspirado nos livros de Jane Austen, e Isabella foi o nome que ela daria para a própria filha.

Por ser pequena e muito parecida fisicamente com Bella, Emily Browning foi a primeira atriz a ser cotada para viver a personagem. Mas ela recusou e então Kristen Stewart foi escalada.

Para Edward, Henry Cavill que na época fazia The Tudors foi cotado. Mas o ator de 25 anos parecia inapropriado para interpretar um adolescente de 17.

Nas primeiras 24 horas em que o livro “Amanhecer” ficou à venda, mais de 1,3 milhões de exemplares foram vendidos.

Meyer afirmou que as músicas do Muse, banda britânica de rock alternativo, serviram de inspiração para escrever os livros da saga.

O vampiro Carlisle Cullen conquistou a primeira posição de personagem de ficção mais rico, de acordo com a revista Forbes. Com 370 anos, Cullen é médico e tem uma fortuna estimada em US$ 34,1 bilhões.

A ideia do livro veio de um sonho que a autora teve em 02 de junho de 2003: Nele, duas pessoas estavam tendo uma intensa conversa em meio a uma floresta. Uma dessas pessoas era uma garota comum, a outra era fantasticamente bonita, brilhante e um vampiro. Eles estavam discutindo as dificuldades pelas quais estavam passando por: A) estarem se apaixonando B) Ele ter um uma atração muito particular pelo sangue da garota e estava tendo dificuldades de não matá-la imediatamente.

✩───────── ✾ ────────── ✩

Então Corujinhas, esse foi o anatomia literária desse mês espero que tenham gostado. Em breve vai rolar bem mais para vocês. Se quiserem deixar sugestões fiquem super à vontade que vou pesquisar para dar à vocês. Beijos.

( Anatomia Literária ) Capa e Curiosidades de Academia de Vampiros.

Oiii Corujinhas lindas. Hoje é dia de mais um seu, um meu, um nosso Anatomia Literária. Estava com uma saudade enorme de desvendar os segredos das capas e curiosidades sobre o rosto dos livros. Para começar com chave de ouro o post de hoje foi uma sugestão da Lara do blog Amor Literário e Recomendações, que respondeu um pedido sobre quais séries ou livros vocês gostariam de ver. Espero que tanto ela como todos amém esse post. Vamos começar?

◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥
As Capas
◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥
image

A série Academia de Vampiros possui 06 obras com teor sobrenatural. Foi lançada no Brasil pela editora Agir e bombou, afinal de contas esteve em alta na época em que os sobrenaturais de caninos afiados faziam sucesso no nosso país e mundo afora. As fotos utilizadas nas capas Brasileiras são as mesmas originas americanas. Mas o detalhe importante, que tenho que admitir que fiquei confusa com a decisão da editora, foi o fato que eles modificaram um pouco da ordem entre elas de modo que elas não são compatíveis. Correlacionando Brasil e EUA, no Br a capa 1 equivale à 3 e vice-versa. As outras permanecem as mesmas.

Os títulos das obras não foram mudados, apenas os segundo, mas sinceramente eu prefiro o nacional que dá mais sobriedade da obra. Na ordem de publicação: Vampire Academy se tornou Academia de Vampiros — O Beijo das Sombras; Frostbite (ulceração produzida pelo frio) se tornou Aura Negra; Shadow Kiss (O Beito das Sombras) virou Tocada pelas Sombras; Blood Promise manteu o significado virando Promessa de sangue. Spirit Bound (Espírito Ligado) que mudou provavelmente por semântica para Laços do Espírito; Last Sacrifice que manteve como O Último Sacrifício.

Em relação aos personagens apontados nas capas, é curioso descobrir que a própria autora teve dificuldade de entender quem é quem — e vamos combinar que esta é uma situação bastante engraçada. De qualquer modo, não existe muitas semelhanças entre os personagens e as representações, então tentar descobrir quem é quem é mera especulação. Em O Beijo das Sombras, Promessas de Sangue, Tocada Pelas Sombras e O Último Sacrifício vemos Rose a protagonista série. Em Aura Negra novamente temos Rose acompanhada por Cristhian, pois ele sem olhos vermelhos não pode ser Dimitri e é muito novo para ser Isaiaah. Em Laços de Espírito é Lissa e Dimitri. E por fim as capas são unânimes ao mostrar abaixo dos rosto os portões da Academia.

◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥
Curiosidades
◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥

🔸 Em 2014 o livro foi adaptado para os cinemas pelo estúdio Diamond com Zoey Deutch no papel principal.

🔸 O livro envolve mitologia e tem como personagens diversas espécies de vampiros sendo estes vivos, mortos e híbridos.

🔸Humanos também estão presente com poderes na série sendo chamados de alquimistas, possuem diversos truques e técnicas e uma tatuagem no rosto que lhe dão proteção. Mas na mitogia original alquimistas são cientistas que tentam transformar prata em ouro.

◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥

Então amores, esse foi o Anatomia Literária de hoje. Espero que tenham gostado. Se quiserem ver mais posts como estes basta clicar na aba da categoria aqui do lado. Beijos.

| Especiais | Retrospectiva Literária.

Oiii Corujinhas. Feliz véspera de ano novo para vocês meus queridos e queridas. Que amanhã seja sua estreia com pé direito em 2018. Mas enquanto o ano novo não chega, que tal um retrospectiva em leituras de 2017? Normalmente faço um post com minhas leituras totais do ano, mas dessa vez vou fazer praticamente uma tag sobre elas para não encher o saco de vocês. Será um três em três com tópicos sobre os livros que li esse ano com os melhores. Espero que gostem.

01. Melhores Livros.

image

A Resposta de Kathryn Stockett
A Lista Negra de Jennifer Brown
O Ódio Que Você Semeia de Angie Thomas.

Nesse, minhas três melhores leituras envolveram um tema que normalmente não encontramos na literatura: preconceito. Todos esses três livros me tocaram pela sua força. Por terem me tocado e me mostrado que — lá vem clichê — o amor e a coragem são mais fortes que a raiva e a intolerância.

02. Melhores autores.

image

• Sarah J. Maas.
• Stephen King.
• Julia Quinn.

Escolher os melhores autores foi uma tarefa difícil. Mas escolhi cada um por um motivo diferente. Sarah J. Maas porque ela reativou minha paixão pela literatura fantástica. Stephen King por uma leitura edificante sobre amizade. E Julia Quinn por mais uma vez ter deixado a muda do amor em meu coração.

03. Autores revelações: conheci esse ano e amei.

image

• Joe Hill, com Mestre das Chamas.
• Rainbow Rowell, com Eleanor & Park.
• Sarah MacLean, com Os Números do Amor.

Os melhores autores revelações foram particularmente difíceis de esolher. Fiz algumas leituras brilhantes e conheci alguns autores fantásticos. Mas Joe Hill, Rainbow Rowell e Sarah MacLean foram extraordinários. Hill retratou o medo como arma e como salvação. Rowell me lembrou como ser jovem e apaixonada. E MacLean me lembrou que o amor não é uma escolha, mas uma consequência de quem somos. Foram leituras essenciais este ano.

04. Melhores protagonistas femininas.

image

• Feyre, de Corte de Espinhos e Rosas.
• Starr, de O Ódio Que Você Semeia
• Lara Jean, de Para Todos Os Garotos Que Já Amei.

As minhas protagonistas este ano foram eleitas pelo coração, mas pensando em cada uma delas separadamente percebo que as três tem algo em comum. O modo com o qual todas as três lidaram com seus problemas e amadureceram com eles. Feyre mostrou dois lados de uma mesma moeda; a força e fraqueza não como opostas e sim com ponte para lhe ajudarem à construir sua personalidade. Starr veio como a superação de um medo enraizado na sociedade. Já Lara Jean não teve nada de excepcional. Ela é simplesmente ela, o que a torna inesquecível.

05. Melhores protagonistas masculinos.

image

• Rhysand, de Corte de Espinhos e Rosas.
• Gabriel, de Nove Regras A Ignorar Antes de Se Apaixonar.
• Clay, de Os Treze Porquês.

Os personagens masculinos favoritos não pensei muito antes de escolher. Rhys além de ter sido o crush do ano, foi o oposto do que eu esperava. Já em Gabriel vi nele uma mudança gradual que aos poucos foi o transformando em uma pessoa melhor. Já Clay é inexplicável. Enquanto o conhecia, percebi que o rapaz tinha medos que todos nós temos: um personagem real cheio de defeitos e qualidades.

06. Melhores gêneros.

image

• Romance.
• Fantasia.
• Suspense.

Eu li diversificados gêneros este ano. Foi um ano de descobertas tanto entre autores como também entre novas formas de enredo. O romance (incluindo o de época) me proporcionou leituras maravilhosas e cheias de significado. A fantasia me levou à lugares incríveis. E o suspense me deixou acordada a noite inteira. Cada um desses gêneros me deixou apaixonada por suas leituras.

07. Melhores vilões.

image

• Gaiáfago, da série Gone.
• A Coisa, de It.
• O Rei de Hybern, em Corte de Névoa e Fúria.

Assim como gosto de principais reais, também tenho preferência por vilões reais. Daquele tipo que me convença do seu poder. Na série Gone, o Gaiáfago me deu um medo real, mesmo que praticamente não aparecesse. A Coisa por outro lado, me mostrou o lado do horror, onde o medo está enraizado na maldade humana. E, de certa forma, foi essa maldade humana que motivou o Rei de Hybern: o poder o corrompeu como faz com todos aqueles que o desejam em demasia.

08. Melhores coadjuvantes.

image

• Nestha, em Corte de Névoa e Fúria.
• Cassian, em Corte de Névoa e Fúria
• Juliet, de Antes Que Eu Vá.

Os melhores coadjuvantes do ano foi a escolha mais fácil. Nestha é uma personagem que tem profundidade da qual ainda não consigo explicar. Há nela alguma coisa que a faz tão ranzinza o que me deixa ávida para desvendar seu mistério. Cassian me deu alegrias, além de ter sido leal e amigo sempre. E por fim, Juliet praticamente me fez chorar. Houve momentos que consegui me colocar em sua pele e sentir sua dor.

09. Personagens principais mais realistas.

image

• Minny, de A Resposta.
• Sam, de Antes Que Eu Vá.
• Calpúrnia, de Nove Regras A Ignorar Antes de Se Apaixonar.

Apesar de as outras duas protagonistas também terem me soado reais, Minny foi a personagem do ano que mais me fez acreditar em sua realidade. Bem humorada, mas ao mesmo tempo temerosa por aqueles que quer proteger, Minny foi o toque de mestre que me chocou em A Resposta. Sam não possuí toques de humor, mas houve nela um misto de muitas coisas que me fizeram odia-la e ama-la. Assim, pude ver sua evolução e acompanhar seus passos. E Callie foi uma das personagens mais verdadeiras que pude ler esse ano pela sua força. De certa forma, ela representa quem eu gostaria de ser em um romance de época.

10. Melhores séries ou trilogias.

image

Corte de Espinhos e Rosas, de Sarah J. Maas.
A Maldição do Vencedor, de Marie Rutkoski.
Myron Bolitar, de Harlan Coben.

Neste ano comecei e terminei novas séries e trilogias. Corte de Espinhos e Rosas foi uma das minhas favoritas do ano pela complexidade que apresentou me dando um misto de emoções. A Maldição do Vencedor foi um começo fantástico para uma trilogia que com certeza vai ganhar meu coração. E Myron Bolitar, nos três dos quatro livros que li esse ano da serie, me surpreenderam positivamente.

11. Melhores Filmes:

image

Logan, de James Magnold.
Mulher Maravilha, de Patty Jenkins.
The Beauty And The Beast, Bill Condon.

Logan foi uma conclusão magnífica para meu X-Men favorito de modo que não havia como não entrar para lista. A Mulher Maravilha criou representativade em um universo tão caraterístico masculino. Já A Bela e A Fera me fez voltar as raízes trazendo ainda mais a magia dos sonhos.

❀~✿ ❀~✿ ❀~✿ ❀~✿~❀~✿ ❀~✿ ❀~✿ ❀~✿~❀~✿ ❀~✿ ❀~✿ ❀~✿

Então é isso Corujinhas, minha última postagem desse ano tão cheio de emoções. Desejo à vocês não somente livros e coisas lindas, mas também novos ensinamentos e esperanças. Amem mais, vivam mais, leiam mais. Vocês estão ganhando mais 365 dias para viver novas aventuras. Sejam felizes.

| TAG | Estelar.

Oii amores. Tudo bom com vocês? Hoje é dia de tag nova aqui no blog que é de minha autoria e espero muito que vocês gostem. Vou tentar responder com livros que li esse ano e que já tenha feito resenha para que vocês possam conferir ou que virão a ter resenha em breve. Então vamos lá?

•••°•°°••°°°••°°••°•••°°°•••°•°°••°°°••°°••°••
image

1. Estrela Polar.
— Um livro que te ensinou novos caminhos.

Livros que contém ensinamentos são os melhores. É muito boa a sensação de ler um livro e em um dado momento parar a leitura e perceber que estamos lendo algo extraordinário. Uma obra que me causou estremecimento esse ano foi A Resposta de Kathryn Stockett. Um livro que me ensinou muito mais do que só o preconceito, mas também sobre o respeito e coragem e como isso falta aos seres humanos.

image

2. Ursa Maior.

— O maior livro que você já leu.

Esse mês eu tive o prazer de ler It – A Coisa do Stephen King e finalmente entendi o porque dele tem a necessidade de escrever para lá de mil páginas. Ao ler It – A Coisa eu admito que esperava algo extremamente assustador pela monstruosidade de Pennywhise. Contudo o que encontrei foi sintomas da própria humanidade se deteriorando. Foi um livro que me fez enxergar todas as faces do seres humanos, mas principalmente todos os tipos de coragem que devemos ter. Esse livro não foi somente o maior livro em páginas que já li, mas também um dos de maior significado pessoal na minha vida.

.
image

3. As Três Marias.
— Uma trilogia que conquistou seu coração

Apesar de ainda não ter lido todos, A Maldição do Vencedor tem tudo para conquistar meu coração. Seus elementos, desde sua narrativa como seus personagens, fazem meu coração palpitar. Já conquistou meu coração no primeiro livro e deve me arrebatar nos próximo

 

 

.
image

4. Estrela solar.

— O livro mais forte desse ano

Quando eu penso em livros que são bastante fortes, penso também em livros que farão parte da minha vida de algum modo. Eu sofri com o bullying durante algum tempo e toda vez que leio um livro sobre o assunto fico profundamente mexida. A Lista Negra de Jennifer Brown me tocou tão profundamente que chorei, me revoltei, critiquei e me apaixonei por seus personagens durante a história. Ler esse livro me mostrou dois lados de uma mesma moeda, mas como tudo é superável mesmo que não seja esquecido.

image

5. Constelação
— Série que começou e que parece maravilhosamente bem construída.

Me rendi ao charme e a beleza de Corte de Espinhos e Rosas de modo irreparável. Apesar de só ter colocado os pés nas cortes de Prythian, com certeza sei que vou amar a série criada por Sarah J. Maas. É um mundo novo com detalhes que o tornam um dos livros mais bem construídos que eu já li. As descrições são ricas e o personagens bem trabalhados.

 
image

6. Buraco Negro.
— Um livro que quando acabou te deixou destruído(a).

Os Treze Porquês de Jay Asher me deixou destruída com toda a certeza. Quando finalmente (ou infelizmente) finalizei a leitura, me senti órfã e ao mesmo tempo impotente. Como se eu mesma não pudesse ter ajudado Hannah. Como se eu fosse um dos seu motivos.

 

 
image

7. Estrela cadente.

— Um livro que cruzou o seu caminho por acaso.

Sabe quando você tem um amigo que te presenteia com um livro maravilhoso, mas que: a) vocês nunca tinham ouvido falar dele e b) se você visse em uma livraria passaria direto. Até Você Ser Minha da Samantha Hayes segue esse prospecto. Ganhei de presente da minha amiga Keth, mas nunca tinha o visto e com certeza não o compraria pela capa. E mesmo assim se tonou uma ótima leitura que tenho orgulho de ter na estante.

image

8. Vênus: Estrela Dalva.
— Um livro que parecia ser uma coisa de longe, mas que de perto foi totalmente diferente.

Antes Que Eu Vá da Lauren Oliver, apesar de ainda querer um epílogo, foi um dos melhores livros que li esse ano. Narrado em primeira pessoa, este livro conseguiu mexer com meu coração pelo simples fato de ter sido diferente de tudo que eu esperava para ele. Pelo título eu imaginava um livro muito sessão da tarde. Contudo a obra se mostrou muito mais do que isso com um intricamento de acontecimentos que fazem tudo fazer sentido e não ser resumido à uma única pessoa.

•••°•°°••°°°••°°••°•••°°°•••°•°°••°°°••°°••°•••

Essa foi a tag de hoje. Espero que tenham gostado. Se quiser repetir no seu blog/instagram/canal fiquem a vontade. Beijos. Até a próxima.

| ANATOMIA LITERÁRIA | Capas e curiosidades sobre a trilogia Jogos Vorazes.

Oii gente. Tudo bom com vocês? Hoje é dia de mais um anatomia literária e espero que vocês estejam gostando dessas novas abas do blog. Caso queiram dar uma sugestão sobre livros que poderiam falados, deixem nos comentários que os farei com todo carinho. No post de hoje, como na semana retrasada eu falei sobre livros esquecidos mas divinamente maravilhosos, fiquei inspirada e resolvi fazer o anatomia literária de hoje sobre a trilogia Jogos Vorazes que por algum motivo nunca falei aqui no blog. Mas essa trilogia tem um lugar muito especial no meu coração porquê além de ter sido um dos primeiros livros que li antes de ver os filmes, foi que me iniciou no universo das distopias ao quais eu devo ter lido umas sete ou outro trilogias do tipo.

•••°•°°••°°°••°°••°•••°°°•••°•°°••°°°••°°••°•••
AS CAPAS
•••°•°°••°°°••°°••°•••°°°•••°•°°••°°°••°°••°•••

image

As capas têm um significado bem claro para quem já fez leitura dos livros ou assistiu aos filmes que são muito fiéis. Mas antes de falar sobre as capas diretamente vamos falar um pouco sobre o tordo, porque ele é o elemento central de todas elas. Antes de existirem os Jogos Vorazes, houve uma guerra entre os distritos contra o poderio do Capitol. Estes criaram pássaros mutantes, bestantes chamados Jabberjays que poderiam gravar qualquer conversa e as reproduzi-las. Mas quando os Distritos descobriram pássaros, começaram a falar coisas sem sentido quando os pássaros estavam presentes. Quando o Capitol viu que os bestantes estavam ficando sem valor, os abandonou nas florestas, pensando que não conseguiriam sobreviver, mas os machos cruzaram com fêmeas da espécie Mockingbird, dando origem a uma nova raça que foi batizada como Mockingjays que apesar de não reproduzirem palavras, repetia-as em forma de melodia.

Dessa maneira, ao ver a representação Katniss como tordo nas capas de Jogos Vorazes, também podemos aludir que há aqui uma representação de coragem e esperança que permeia todos os livros e que vão sendo transformados a medida que a história evolui. Na primeira capa, o tordo é um broche como se fosse apenas uma ideia e não ago real. Suas asas estão pressas e ele parece aprisionado pelos círculos que representam a submissão dos distritos e o poder da Capitol sobre todos. Já na capa de Em Chamas, o tordo está se tornando real. O ouro que lhe cobria, deu lugar à um pássaro entalhado no bronze que faz força para se livrar da pressão e do domínio do Capitol. Nesse livro Katniss percebe que o Capitol não é tão poderoso assim se rebelando de vez contra suas regras. Por esse motivo, no terceiro livro além do azul da esperança, o pássaro já é verdadeiro despido de qualquer artificio. Suas asas estão completamente abertas e o poder que o Capitol tinha foi quebrado, onde os círculos aparecerem despedaçados.

As capas de Jogos Vorazes são umas das mais bem conceituadas que já vi. Todos os elementos condizem com os livros, não acabando apenas na visualização, mas também do sentimento empírico que elas trazem. Cada capa, mostra como Katniss evoluiu durante os livros deixando de lado suas inseguranças para se tornar o rosto se uma revolução, nos mostrando que a esperança é sim mais forte do que o medo.

•••°•°°••°°°••°°••°•••°°°•••°•°°••°°°••°°••°•••
CURIOSIDADES.
•••°•°°••°°°••°°••°•••°°°•••°•°°••°°°••°°••°•••

🔸 O pássaro Mockingbird que cruza com o Jabberjay é um pássaro de verdade que conhecemos pelo nome de rouxinol.

🔸  Quando Suzanne Collins era pequena, ela era fanática por mitologia grega e sua inspiração original para Jogos Vorazes foi o mito de Teseu e o Minotauro, que ela morria de medo quando era criança.

🔸 A flor da qual Katniss ganhou o seu nome também é conhecida como “ponta de flecha” e seu sobrenome, Everdeen, Everdene, do livro Longe Desse Insensato Mundo, de Thomas Hardy. Collins diz que “ambas as mulheres são muito diferentes, mas as duas lutam com o coração”.

🔸 Suzanne Collins não tinha a intenção de que Jogos Vorazes virasse uma trilogia. Mas quando ela chegou ao fim do primeiro livro, soube que tinha que haver uma sequência porque percebeu que Katniss seria punida por quase comer as amoras-cadeado.

🔸 Collins disse que as partes mais difíceis de escrever nos livros foram as mortes e a violência entre os personagens tão jovens.

🔸 A autora espera que as pessoas que leem os livros ou assistem aos filmes perguntem a si mesmas questões sobre elementos da história que podem ser relevantes para as suas próprias vidas, como dar valor a todas as suas refeições e ter consciência política.

🔸 Collins leu vários livros sobre sobrevivência e usou os conhecimentos do seu pai sobre caçada quando escreveu a trilogia. Seu pai cresceu durante a Grande Depressão e a sua família dependia principalmente de caça para sobreviver.

•••°•°°••°°°••°°••°•••°°°•••°•°°••°°°••°°••°•••

Esse foi o Anatomia Literária. Espero que vocês tenham gostado. Em breve sairá um novo post dessa série. Beijos.

PS: Minha amiga, parceira e praticamente irmã Keth topou quando eu a convidei para fazer também suas anatomias. Vejam também a postagem dela clicando aqui.

| NOTÍCIAS | Projeto Bardos Está No Ar

Oii amores, tudo bem com vocês? Hoje é dia de uma notícia estrondosa que tenho certeza que vocês vão amar pois todos amamos histórias e bons contadores delas certo? O projeto Bardo foi criado por diferentes pessoas de diferentes mundos para contarem histórias com diferentes temas. Os Bardos se definem como “aqueles que, em meio ao caos do dia-a-dia, se dedicam aos contos. Temos nossos dias de luta, e nossas Noites de Bardo.”
image

Encontre Os Bardos em seu:

🔸 Blog: Noite do Bardo.
🔸 Instagram: @Instabardos.
🔸 Facebook: Página dos Bardos.
🔸 Twitter: @noitedobardo.

Os Bardos também tem um blog separado para discussão e análises dos seus contos pelos seus leitores, o que eu achei bárbaro. Basta acessar o segundo blog deles chamado Clube do Bardo e fazer sua crítica ou sugestão aos quais eles aceitam numa boa. Não deixe de acessar.

•••°•°°••°°°••°°••°•••°°°•••°•°°••°°°••°°••°•••

Particularmente, apesar de não ser fã de histórias para blogs por não achar que a plataforma foi feita para tal, fiquei encantada com a iniciativa. No Brasil encontrar bons contadores de história é muito difícil pois muitas vezes o dinheiro e a influência ganham do talento e os escritores que mereciam ficam a margem dos que estão mamando na fama. Contar histórias é uma tarefa difícil. Além de singelamente ajudar na divulgação desse projeto incrível, só posso dizer aos escritores Bardos que lhes desejo todo sucesso com muitas histórias por vir.

| LIVROSOFIA | Amadurecimento literário.

Oii gente, tudo bom com vocês?! Hoje é dia de mais um livrosofia, segundo post dessa série e admito que tenho me segurado para não ir postando tudo de uma vez. Já tive maravilhosas ideias minhas e de amigos para construção de postagens e por isso sei que esta série vai ter uma longa vida. Além disso, de vez em quando vou postar alguns trabalhos das minhas aulas de literatura aplicada da faculdade, pois já que somos leitores e nossa good vibes é literatura, nada mais justo que compartilhar com vocês algumas coisinhas sobre gêneros e quem sabe discussões sobre os papéis dos personagens e da própria literatura em contextos humanos. Então, como recadinho se vocês tiverem alguma ideia de discussões para essa aba, fiquem a vontade para comentar ou mandar um email. Eu adoraria saber mais um pouco sobre o que vocês gostariam de ver aqui no blog.

image

Na semana passada falei um pouco sobre indicações literárias e como cada leitura é diferente para cada pessoa. Por isso, o livrsofia de hoje será sobre a bagagem que o leitor carrega e que vai aumentando com as situações ao longo do tempo. Mais especificamente será sobre o amadurecimento literário que todos nós temos a medida que vamos mergulhando cada vez mais no mundo dos livros.

Em todas as fazes de nossa vida, a medida que passamos por diversas situações, vamos aprendendo e evoluindo com elas. No mundo literário as coisas funcionam da mesma maneira, onde, através de cada obra, nossas formas de ver os livros vão mudando e se reinventando. Os leitores, principalmente os de longa data, podem perceber que certos tipos de obras não são mais tão prazerosas ou significativas como poderiam ter sido se houvesse sido lidas em uma época passada ou mesmo em uma futura. Os livros que lemos por obrigação nos tempos de escola não nos dizem muita coisa talvez pelo simples fatos de não estarmos preparados para eles. E os livros menos trabalhados, que não chegam a trazer uma história realmente bem construída as vezes parecem deixar uma sensação de nostalgia onde sentimos saudades de uma época onde sabemos que esta história funcionaria melhor. Não que isto se aplique a todas as obras, mas em parte delas, naquelas em que não conseguimos sentir seu impacto porque não estamos mais ou não chegamos ao momento de entender elas em sua plenitude.

O amadurecimento literário ocorre gradualmente sem ao menos nós percebemos. A medida que os componentes literários das obras vão se tornando mais importantes passamos a ter uma maior criticidade com o que estamos lendo. Assim, vamos ganhando personalidade crescendo em nossas leituras reconhecendo o novo do que já havia sido dito. Dessa forma, ao pensar que existe variados tipos de livros pois existem variados tipos de pessoas, inserimos aqui que existem variados tipos de leitores porque quando eles amadureceram literariamente o fizeram de modo diferente um dos outros.
image

Essa evolução gradual ocorre porquê o leitor começa a sentir necessidade de uma maior construção na história tanto a favor de seu enredo como também de seus personagens. Não que busquemos isso arduamente, mas sim sendo algo que simplesmente acontece com todos porque nossa mente se torna mais complexa e para nos manter interessados também precisamos de livros mais complexos.

Amadurecer é tornar-se mais desenvolvido e complexo. É criar uma identidade, ser mais crítico e ponderado. No mundo literário, crescer é muito mais que começar a ler obras “intelectuais” ou mundialmente conhecidas. É principalmente discernir o que nos fazia feliz na literatura do início do que nos faz feliz hoje. É se tornar crítico não para os padrões da sociedade, mas aos nossos próprios criando assim autenticidade e reconhecimento sobre nossas leituras.

| MARATONA | Inverno Geek Freak

Oi gente. Tudo bom com vocês? Esse mês ando bem sumida por causa de algumas coisas que tem acontecido. Mas tem um bom motivo já que escolhi fazer parte de uma maratona e um desafio, mas deste falo melhor no post que vêm que vai sair no sábado. De qualquer modo, vou contar um resumo de como anda minha maratona que foi criada pelo canal Geek Freak e que eu resolvi participar no nível hardcover.
image

Basicamente devo ler 09 livros até o próximo dia 30. Devo admitir que minha maratona anda um tanto lenta. Finalizei apenas dois livros e estou na metade de um outro. Contudo, acredito que vá conseguir cumprir as metas que são:

1. Ler um livro com a capaz azul.
– Até Você Ser Minha de Samantha Hayes ✔
2. Ler um livro com menos de 200 paginas.
– Dom Casmurro de Machado de Assis
3. Ler um livro que você comprou pela capa.
– A Maldição do Vencedor de Marie Rutkoviski. ✔
4. Ler um livro escrito por uma mulher.
– Corte de Espinhos e Rosas de Sarah J. Maas.
5. Ler um livro sem saber a sinopse ou do que se trata.
– Cilada de Harlan Coben.
6. Ler um livro nacional.
– Fala Sério Mãe de Thalita Rebouças.
7. Ler um livro que se passe num período histórico importante.
– A Resposta de Kathryn Stockett
8. Ler um livro com pontuação no título.
– Onze Leis A Seguir Na Hora de Seduzir de Sarah MacLean.
9. Ler um livro que é muito criticado ou que alguem não gostou.
– Loney de Andrew Michael Hurley.

Como vocês podem notar minha lista tá bem misturada. Tem romance, tem suspense. Estou amando participar. Acho que é uma experiência diferente. Em breve vou dar mais notícias. E no mês que vem volto com resenhas fresquinhas para vocês.

Beijos!!!

| RESENHA | Garota Online – Zoé Sugg – Série Garota Online – Livro Um

Título: Garota Online
Título Original: Girl Online
Série: Garota Online – Livro Um
Autora: Zoe Sugg
Editora: Verus
Avaliação: 🌟🌟🌟
Onde Comprar:

image

Sinopse: Garota Online – Penny tem um segredo. Com o nickname Garota Online, ela escreve um blog no qual desabafa seus sentimentos mais íntimos sobre amizade, meninos, os dramas do colégio, sua família maluca e os ataques de pânico que começaram a dominar sua vida. Quando as coisas vão de mal a pior, sua família a leva para Nova York, onde ela conhece Noah, um garoto lindo que toca guitarra, e com quem ela parece ter muito em comum.  De repente, Penny percebe que está se apaixonando — e escreve sobre cada momento dessa história em seu blog, de maneira anônima. Só que Noah também tem um segredo, que ameaça arruinar o disfarce de Penny para sempre. Garota Online é um livro encantador, que traduz exatamente o que significa crescer e se apaixonar na era digital.

Quando você chora na frente de alguém, quando mostra seu lado mais vulnerável, demonstra que realmente confia na pessoa.

Quando eu comecei a ler Garota Online sabia que ia ser um livro que me causaria uma sensação nostálgica. Do tipo em que somos jovens (ainda sou jovem, mas não mais teen) e amamos aquele livro ao qual a personagem principal meio que nos representa, pois 90% dos adolescentes já se sentiu desengonçado como se estivesse sempre no lugar errado e na hora errada. Penny lembra exatamante essa garota. Uma garota que tem o talento nata para se meter em confusão e se sentir como um peixe fora do aquário. Por isto, apesar da história ser bobinha e previsível,  ela foi  bem gostosa e divertida de ler.

Mas depois me perguntei se, às vezes, as amizades não são como roupas, e quando começam a causar desconforto, não é porque fizemos alguma coisa errada. Significa que crescemos, e elas não servem mais para a gente.

Penny é o tipo de personagem que em outra ocasião eu não gostaria. Ela é insegura de uma maneira que as vezes eu possuía aquela vontade básica de entrar no livro só para dar uns tapas na cara dela. Mas lembrando de mim mesma como adolescente percebo que muito de mim era como Penny. As vezes eu levava coisas pequenas à sério de mais e fazia logo um dilúvio em uma tampinha de xarope. Mas acho que grande parte de nós já passou por isso. A adolescência é aquela fase em que tudo é exagerado. E a personagem principal de Garota Online me lembrou justamente isso.

Existem pessoas que você se apaixona oficialmente segundos depois de conhecer.

Acho que o único ponto que realmente me incomoda no livro de Zoe é a falta de algo mais para a história. Todo livro que leio, independente do que se trata, para me fazer simplesmente ama-lo, precisa de uma abordagem diferente dentro daquilo esperado para ele. E Garota Online não me surpreende nem me chama atenção nesse quesito. A linguagem que autora uza é sim engraçada e leve, mas os fatos do desenrolar é tão sessão da tarde que é impossível não descobrir livro durante todo o livro. E muito embora eu tenha demorado apenas sete horas para finalizar a história, não posso negar que isto me deixou as vezes entediada com a leitura onde várias vezes empurrei com a barriga.

Às vezes você precisa encarar seus medos, para perceber que eles não são reais.

Por esses motivos considero Garota Online uma boa leitura. Não é surpreendente e com certeza não é algo completamente novo. Mas mesmo assim é uma leitura fluída e gostava de uma tarde e que traz a nostalgia de volta.

Retrospectiva Literária 2016.

Por Jessica Rabelo.

Oi gente. Em dezembro eu pensei em fazer uma retrospectiva literária com fotos bonitinhas lá no instagram do blog, mas sinceramente eu sabia que não ia dar conta porque sou um pouquinho irresponsável e ia acabar fazendo a coisa fora de ordem. Então resolvi fazer em um post só aqui no blog destancando só cinco livros que realmente me deixaram de boca aberta. Mas antes, vou fazer em listinha os livros que li neste glorioso (nem tanto) ano de 2016.

image

Livros Lidos Em 2016.

Julia Quinn. – Autora Mais Lida.

Os Brigdertons.

01. O Visconde Que Me Amava.
02. Um Perfeito Cavalheiro.
03. Os Segredos de Colin Bridgerton.
04. Para Sir Phillip Com Amor.
05. O Conde Enfeitiçado.
06. Um Beijo Inesquecível.
07. A Caminho do Altar.

08. Esplêndido. – Serie Esplêndido – Livro Um.
09. Assim Como No Céu. – O Quarteto Smity-Smithies.

Harlan Coben

10. Quebra de Confiança – Myron Bolitar Livro Um.
11. Desaparecido Para Sempre.
12. Seis Anos Depois.
13. Que Falta Você Me Faz.

Mari Scotti

14. Insônia. – Nefilins Um.
15. Sonhos. – Nefilins Dois.
16. Despertar – Nefilins Três.
17. Montanha da Lua – Os Hallinsons Um.
18. A Noiva Devota – Os Hallinsons Dois.

Sarah Pinborough

19. Veneno – Enfeitiçadas Um.
20. Feitiço – Enfeitiçadas Dois.
21. Poder – Enfeitiçadas Três.

Michael Grant

22. Gone – Gone Um.
23. Fome – Gone Dois.

Nele Neuhaus

24. Branca de Neve Tem Que Morrer – Pia e Bodestein Um.
25. Lobo Mau – Pia e Bodestein Dois.

Deborah Blandon

26. Gone Parte Um.
27. Gone Parte Dois.
28. Gone Parte Três.

—-

29. Sombra e Ossos – Leigh Bardugo.
30. O Príncipe dos Canalhas – Loretta Chase.
31. O Orfanato da Senhorita Peregrine Para Crianças Peculiares – Ramson Riggs.
32. Para Sempre Alice – Lisa Gênova.
33. Almanova – Jodi Meadows.
34. Quando Uma Garota Entra Em Um Bar. – Helen S. Paige.
35. Olho Por Olho – Jenny Han e Shioban Vivian.
36. Perdão Mortal – Robin LaFervers.
37. Caixa de Pássaros – Josh Malerman.
38. Simon Vs A Agenda do Homosapiens – Beck Albertalli.
39. O Milagre de Clarinha – Joana Amorim
40. After – Anna Todd.
41. Recomeço – Cat Patrick.
42. Os Garotos Corvos – Maggie Stiefwater.
43. Deixe-me Entrar – Letícia Godoy.
44. GoT: Por Dentro da Serie da HGBO –
45. Até Eu Te Possuir – Soraya Abuchaim.
46. Sexo Virtual, Amor Real – Luísa Aranha.
47. Nove Plantas do Desejo e A Flor da Estufa – Margot Berwir.
48. Maldosas – Sarah Sheppard.
49. Amar Vale A Pena Recomeçar – Luana Barros.
50. Enfeitiçadas – Jessica Spotswood.
51. Lembranças do Oriente – Artur Laizo.
52. Noites do Oriente – Penny Jordan
53. Aristóteles e Dante Descobrem Os Segredos do Universo – Benjamim Alire Saénz.
54. Como Eu Era Antes de Você – JoJo Moyes.
55. A Garota No Trem – Paula Hawkins.
56. Objetos Cortantes – Gyllian Flyn.
57. Mentira Perfeita – Carina Rissi.
58. Destinado – Perdida Três – Carina Rissi. 59. Sr. Daniels – Brittainy Cherryl.
60. O Diário da Princesa – Meg Cabot.

image

Então vamos aos melhores desse ano. Foi difícil escolher pois eu gostei de vários e dá um aperto no coração escolher apenas cinco. Porém o desafio foi aceito (entendedores entenderão a referência) e escolhi os 5 melhores livros de 2016. Rufem os tambores…

Primeiro Lugar: Caixa de Pássaros de Josh Malerman.

Acho que não havia como escolher outro. Caixa de Pássaros foi um livro tão magnífico que as vezes eu ainda me pego pensando na obra. O autor conseguiu fazer eu me afeiçoar a cada pedacinho da obra , e apesar do final ser aberto, eu fiquei absmada e satisfeita com a maneira com o qual Malerman conduziu a obra.

image

Segundo Lugar: Desaparecido Para Sempre de Harlan Coben.

Foi o livro que mais me surpreendeu do autor até hoje. E olha que superar alguns antigos é bem difícil. Mas Desaparecido Para Sempre foi extasiante já que até o fim as revelações vieram acontecendo e sempre ainda maiores que suas antecessoras.

image

Terceiro Lugar: Os Segredos de Colin Bridgerton de Julia Quinn.

Eu sou apaixona pelas obras desta mulher. Se você ainda não leu algum livro dela, acredite, você precisa. E comece pelos Bridgertons que se tornaram minha família de época favorita. E principalmente, me fez torcer e shipar o casal Penelope e Colin desse quarto livro que foi inesquecível.

image

Quarto lugar: Para Sempre Alice de Lisa Genova.

O livro mais emocionante de 2015. Nele eu entendi coisas que não entendia sobre a doença. Me indentifiquei e chorei bastante com as palavras da autora.

image

Quinto lugar: O Orfanato da Senhorita Peregrine Para Crianças Peculiares de Ramson Riggs.

A última escolha foi o livro de Riggs que foi um brilhante começo para sua serie. Também é um livro pelo qual me apaixonei, já que tanto a escrita do love como a historia apresentada são impressionantes.

image

Continuar lendo Retrospectiva Literária 2016.