Arquivo da tag: leitura

( Anatomia Literária ) Capa e curiosidades sobre a saga Crepúsculo

Olá Corujinhas. Bem vindos à mais um Anatomia Literária dessa vez voltado aos livros da Stephanie Meyer e sua série mais famosa: Crepúsculo. O anatomia de hoje é para todos vocês, mas principalmente à linda Aline do blog Amor Literário que gentilmente respondeu meu pedido sobre quais livros vocês gostariam de ver por aqui. Então sem mais delongas vamos lá?

 

Lembrando que o post envolve explicações da história: caso não tenha visto o filme ou lido o livro e tenha vontade este post conterá spoiler.

✩───────── ✾ ────────── ✩
Capas
✩───────── ✾ ────────── ✩

A saga Crepúsculo foi lançada aqui no Brasil pela editora Intrínseca. Fazendo bastante sucesso entre os jovens, principalmente as garotas, por abordar de modo diferente a relação entre humanos e o sobrenatural é certo que Stephanie Meyer abriu as portas para o boom do gênero no Brasil. A saga foca inteiramente na relação de Bella Swan com o vampiro Edward Cullen e também as capas fazem alusão a essa relação. Foi bem inteligente da editora manter as capas originais que foram muito bem conceituadas além de serem lindas de morrer, pois vamos combinar, mesmo quem não gosta da saga sentira vontade de fazer um quadro com elas. Eu me ative apenas aos 04 primeiros Iivros já que esta é a série original da autora.

image

A saga se inicia com o livro homônimo, Crepúsculo. Como toda as capas da série o fundo é preto que representa a obscuridade do que Bella não sabe sobre Edward. A primeira vista parece que a capa reproduz uma cena do livro/filme onde os protagonistas conversam e Edward pega uma maçã que escorrega da bandeija da moça. Apesar de claramente ser Edward que está segurando a fruta na capa (percebam que as mãos são brancas como osso, descrição dada por Meyer sobre a cor dos vampiros), a intepretação da capa é na verdade sobre a tentação que Bella causa em Edward. Ela é como uma maçã vermelha e suculenta que Edward tem nas mãos, mas ao invés de prova-la ele tenta protegê-la a todo custo. Outra interpretação a capa é que tanto a maçã como as mãos são referências à Bella que mesmo sabendo do proibido entrega-se à Edward.

image

O segundo livro, Lua Nova é de longe minha capa mais bonita. Aqui o fundo também representa a todos os sentimentos de dor que Bella sente quando Edward vai embora deixando-lhe sozinha. Durante todo o livro, Bella sente-se desafazer-se com a falta de seu amado. A flor murchando representa a perda constante de pedaços da garota que não se conforma com a perda do amado. Apesar disso, Bella mantém esperança de que um dia Edward volte. No topo da capa, uma das pétalas está levantada como essa pequena parte dela não pudesse se deixar abater como todas as outras. As manchas vermelhas na pálida flor representam um ritual de passagem, o que era completamente puro, talvez não mais o seja.
image

Em Eclipse o fundo vêm para determinar o risco da perda de tudo aquilo que os Cullen e Bella conquistaram pela perseguição de um antigo inimigo. Bella ainda é frágil em um receptáculo humano. A fita que simboliza a fragilidade de sua vida está mais uma vez se desfazendo, muito embora não por sua culpa mas pelas decisões que precisa tomar. Note que a fita só permanece unida por dois fios enquanto todos os outros foram partidos. Os fios representam Edward e Jacob, os dois amores que lutam por Bella mas que também se tornaram seus alicerses no decorrer desse livro e seus anteriores. A fita também mostra que Já não há mais pureza, a inocência deixou de existir e o tempo de decisão e de escolhas. A autora afirma que a capa com uma fita vermelha cortada representa não só a escolha de Bella entre Edward e Jacob e os perigos enfrentados, como também significa também que ela pode acabar com sua vida como humana.
image

Por fim, em Amanhecer Bella finalmente faz parte do jogo ao se tornar uma vampira. Ela deixa para trás o status de fragilidade para virar a rainha que assume as rédeas da situação. A escuridão do medo por sua família não a impedem de ver o tabuleiro. Principalmente lhe ajudam a manter o foco para salvar sua filha Renesmee, que dessa vez é o ponto fraco de Bella mostrada atrás dela como um peão usado pelos seus inimigos para desastabiliza-la, afinal sua cor é diferente como se Renesmee fosse uma rival de sua mãe. Mas no jogo com os Volturi, Bella enxerga o próprio reflexo bem como sua importância naquele jogo. Uma segunda interpretação pode ser que as duas peças representam que Bella pode se transformar em rainha atravessando o tabuleiro, quer dizer, transformando-se em vampira.

Em todas as capas há um jogo de três cores: Preto, branco e vermelho. O preto além de tudo já citado, também representa o lado sobrenatural que contextualiza toda a obra. O branco é a pureza oposta à esse sobrenatural já que realmente nada é o que parece. Já o vermelho é rubro como sangue e simboliza a fragilidade presente em toda saga começando pela humanidade de Bella até o hibridismo de Renesmee. Quanto aos títulos, estes representam as fases da vida de Bella: Crepúsculo é o evento do fim do dia quando o sol está se pondo e representa a beleza do vislumbre da escuridão que ela encontra em Edward; A Lua Nova significa que essa é a fase mais negra d3 sua vida; Eclipse quer dizer que mesmo quando tudo devia ser claro, ainda à quem deseje escuridão; E Amanhecer o título quer dizer que depois da noite (lua nova/eclipse), vem o dia após tantos desafios.

✩───────── ✾ ────────── ✩
Curiosidades
✩───────── ✾ ────────── ✩

 

✩ O livro favorito de Bella e Edward é O Morro dos Ventos Uivantes que pode ser ligada de modo paralelo à história: Westcliff não pode casar-se com Catherine pela disparidade social envolvendo os dois.

Quando Stephenie Meyer ela chamava os protagonistas apenas “ele” e “ela”, devido a grande dificuldade em decidir o nome dos protagonistas. O nome Edward foi inspirado nos livros de Jane Austen, e Isabella foi o nome que ela daria para a própria filha.

Por ser pequena e muito parecida fisicamente com Bella, Emily Browning foi a primeira atriz a ser cotada para viver a personagem. Mas ela recusou e então Kristen Stewart foi escalada.

Para Edward, Henry Cavill que na época fazia The Tudors foi cotado. Mas o ator de 25 anos parecia inapropriado para interpretar um adolescente de 17.

Nas primeiras 24 horas em que o livro “Amanhecer” ficou à venda, mais de 1,3 milhões de exemplares foram vendidos.

Meyer afirmou que as músicas do Muse, banda britânica de rock alternativo, serviram de inspiração para escrever os livros da saga.

O vampiro Carlisle Cullen conquistou a primeira posição de personagem de ficção mais rico, de acordo com a revista Forbes. Com 370 anos, Cullen é médico e tem uma fortuna estimada em US$ 34,1 bilhões.

A ideia do livro veio de um sonho que a autora teve em 02 de junho de 2003: Nele, duas pessoas estavam tendo uma intensa conversa em meio a uma floresta. Uma dessas pessoas era uma garota comum, a outra era fantasticamente bonita, brilhante e um vampiro. Eles estavam discutindo as dificuldades pelas quais estavam passando por: A) estarem se apaixonando B) Ele ter um uma atração muito particular pelo sangue da garota e estava tendo dificuldades de não matá-la imediatamente.

✩───────── ✾ ────────── ✩

Então Corujinhas, esse foi o anatomia literária desse mês espero que tenham gostado. Em breve vai rolar bem mais para vocês. Se quiserem deixar sugestões fiquem super à vontade que vou pesquisar para dar à vocês. Beijos.

( Livrosofia ) Uma Questão de Gênero

Oi Corujinhas. Tudo bom?? Hoje é um dia super especial que marca a volta do meu, do seu, do nosso Livrosofia (👏). Ah como estava com saudade de conversar sobre livros e leituras com vocês. Mas também precisava descansar meus dedos um pouquinho certo? Na volta desta categoria vou falar um pouco sobre construção de gêneros literários, para em breve levantar uma questão mais da literatura de como se inaugurou os gêneros e as primeiras resoluções sobre eles.

Na literatura clássica sabemos que existe uma quantidade enorme de gêneros da poesia à prosa que fazem dela tão diversificada. Mas por uma visão menos conservadora e mais atual é bem certo que os subgêneros do Romance trabalham como modelos na construção dos livros que costumeiramente lemos. Este gênero é classificado como qualquer obra literária que apresenta narrativa em prosa, normalmente longa, com fatos criados ou relacionados a personagens, que vivem diferentes conflitos ou situações dramáticas, numa sequência de tempo relativamente ampla. A partir do que se concebe por Romance, como uma grande árvore genealógica, surgem ramificações denominadas subgêneros que por sua ver irão criar mais subs fazendo assim uma grande cadeia de classificação. De imediato existe a divisão de conto versus novela seguidos da não-ficção e ficção. Neste post, irei tomar apenas este último para conteúdo.

Dentro das Ficções existem cinco grandes divisões que caracterizam os demais subgêneros. O Romântico, o Suspense, a Fantasia, o Terror e a Ficção Científica. Quando lemos demais de um mesmo gênero podemos ressaltar semelhanças entre os livros que partilham uma mesma construção de enredo caracterizando-os como pertencentes à uma família ou a outra. Na fantasia entram os elementos fantásticos para revelar a disputa entre o herói e o vilão; no romance o casal se conhece, se apaixona, se separa, mas em n’s casos retomam; no suspense o vilão é o que aparenta mais inocência; no terror a luta é contra o mal personificado. Mas, por mais óbvias que esses enredos pareçam, como não perceber uma camada mais afundo em cada um deles que o torna tão especial?

A grande questão dos gêneros contemporâneos não é o que se espera em sua obviedade, mas o que pode-se encontrar em seu cerne. Depois de tanto tempo lendo obras diversas criei certa expectativa entre os gêneros que acabam por definir também o que espero dos livros. Por não ler sinopses tento não julgar pela capa ou pelo título, mas é quase impossível não o fazer pelo gênero. Acabo entendendo gêneros como uma necessidade de explorar questões próprias à eles.

Começando pelas Fantasias é certo que o universo ambientado esta sempre permeado pelos jogos de poder. Mesmo que se trate de uma luta entre o bem e o mal, entre o certo e o errado, vê-se sempre disputas pelo controle de algo em seu enredo. O poder é uma versão de política onde quem controla o mundo controla à todos. Em Harry Potter e Percy Jackson esta luta se dá entre duas pessoas, já em Game Of Thrones e A Maldição do Vencedor os reinos é que tomam forma como denominadores disputas. Dessa maneira, disputas de poder são sempre centralizadas em sua história.

O Drama vem de forma mais reflexiva para nos fazer pensar em nossa existência. Em realidade para nos fazer entender nossas ações e seus significados. Em vários livros com essa temática, suas personagens são levadas a situações extremas dentro da psiquê. Pelo conflito que provoca, é um gênero pautado para provocar a queda e sucessetivamente superação quando se entende o que se é verdadeiramente.

O Terror possuí os medos da sociedade personificados. O terror costuma horrorizar seus leitores em uma amostra perfeita das verdadeira atrocidades do ser humano. O objetivo é horrorizar o leitor lhe mostrando que o mal não é feito de criaturas monstruosas, mas do próprio homem que é possui essa natureza.

Já nos caminhos da Ficção Cienifica, pode-se ressaltar que ela segue pelo mesmo viés existencialista do Drama, muito embora não apele para situações extremas sendo bem mais sútil que o irmão. Pois existencialismo da sci-fi é mundial enquanto o do drama é pessoal. O gênero costuma usar da tecnologia como perigo para a sociedade pois estamos cada vez mais à sua mercê. O espaço das relações humanas perde cada vez mais espaço para o mundo virtual e como não pensar no que o mundo pode se tornar quando cada vez mais frios ficamos?

E por fim o Romântico que envolve de modo tão simbolicamente as questões sentimentais. Esse gênero é provalvelmente o que melhor costurado por seu empirismo. O amor é tão abrangente que pode ser encontrado em diversos lugares. O Romântico desenrola-se através pela nem tão simples perguntas do que nos faz amar, como amamos e porque merecemos ser amados. Entre familias, casais e amigos cada livro busca a ponte para responder essa questão.

Gêneros Literários Contemporâneos não podem ser rotulados apenas pelo óbvio mas devem ser entendidos pelas perguntas que trazem. Mas obviamente nunca conseguirei expressar ao fundo tudo sobre gêneros. Cada livro é traz uma coisa nova mantendo a literatura em uma constante mutação. Entender uma pequena peça de sua construção é somente um passo para sua compreensão.

Esse foi o Livrosofia de hoje. Espero que tenham gostado. Em breve terá bem mais.

( Resenha ) Perdido Em Marte · Andy Weir

Olá Corujinhas. Apertem os cintos e vejam se o veiculo especial está em perfeito que hoje nossa viagem será pelas terras vermelhas de um planeta longínquo em uma aventura pela sobrevivência de um astronauta.

perdido em marte

Título: Perdido Em Marte
Título original: The Martian
Autora: Andy Weir
Editora: Arqueiro
Páginas: 336
Ano: 2014
Avaliação: ⭐⭐⭐⭐
Encontre: Skoob | Amazon | Saraiva

Sinopse: Há seis dias, o astronauta Mark Watney se tornou a décima sétima pessoa a pisar em Marte. E, provavelmente, será a primeira a morrer no planeta vermelho. Depois de uma forte tempestade de areia, a missão Ares 3 é abortada e a tripulação vai embora, certa de que Mark morreu em um terrível acidente. Ao despertar, ele se vê completamente sozinho, ferido e sem ter como avisar às pessoas na Terra que está vivo. E, mesmo que conseguisse se comunicar, seus mantimentos terminariam anos antes da chegada de um possível resgate. Ainda assim, Mark não está disposto a desistir. Munido de nada além de curiosidade e de suas habilidades de engenheiro e botânico e um senso de humor inabalável , ele embarca numa luta obstinada pela sobrevivência. Para isso, será o primeiro homem a plantar batatas em Marte e, usando uma genial mistura de cálculos e fita adesiva, vai elaborar um plano para entrar em contato com a Nasa e, quem sabe, sair vivo de lá. Com um forte embasamento científico real e moderno, Perdido em Marte é um suspense memorável e divertido, impulsionado por uma trama que não para de surpreender o leitor.

Então, esta é a situação: estou perdido em Marte. Não tenho como me comunicar com a Hermes nem com a Terra. Todos acham que estou morto. Estou em um Hab projetado para durar 31 dias.
Se o oxigenador quebrar, vou sufocar. Se o reaproveitador de água quebrar, vou morrer de sede. Se o Hab se romper, vou explodir. Se nada disso acontecer, vou ficar sem alimento e acabar morrendo de fome.
Então, é isso mesmo. Estou ferrado.

Quando encontrei o livro Perdido Em Marte já tinha visto uma uma porção de vezes. Sempre fui um tanto aficionada por ficções cientificas de modo que me apaixonei pela película. De modo que mesmo antes de começar o livro já tinha expectativas sobre o que poderia me aguardar bem como certezas sobre o caminho percorrido por Mark Watney. Mas como todos sabem, expectativa e realidade são oposto de modo que fico feliz em dizer que, mesmo sabendo o que me aguardava, o livro foi maravilhoso e de certa forma surpreendente.

Perdido Em Marte é narrado em primeira pessoa a principio. O autor busca exploras as primeiras resoluções de Mark de como é estar sozinho a beira da morte. Vale ressaltar que apesar da primeira parte ser praticamente um monólogo, a narrativa é super bem humorada deixando tudo mais leve. Mesmo com suas profundas reflexões, Mark mantém, a cabeça no lado engraçado de tudo como forma para não entrar em desespero. Muito bem construído como um personagem sólido e corajoso para enfrentar as loucuras do que esta por vir.

A leitura é envolta de muita ciencia que acontece de modo quase real. Todos os cálculos e testes envolvidos são tão bem sustentados pela ciência que torna a leitura verídica à ponto de você parar e pensar: se pudesse ser realmente testado, teria dado certo. Dessa forma, não só a sobrevivência de Mark ganha mais sentido, como a realidade da Nasa o estar ajudando aliado as maiores mentes do mundo. E é justamente essa constante ajuda de todos que faz de Perdido Em Marte uma leitura sensacional. Muito além de uma ficção cientifica, -este livro é um misto emoções cruamente humanas que nos faz querer ajudar o próximo mesmo que isto nos custe alguma coisa. É coragem de se arriscar para trazer alguém para casa sã e salvo mesmo contra todas as expectativas. Somos feitos de compaixão, mesmo que as vezes acreditemos que o mundo só tem maldade.

O custo da minha sobrevivência deve ter sido de centenas de milhões de dólares. Tudo para salvar um botânico bobão. Para que se dar o trabalho? Tudo bem, eu sei qual é a resposta. Em parte, pode ser o que eu represento: progresso, ciência e o futuro interplanetário com o qual sonhamos há séculos. Mas, na verdade, fizeram isso porque todo ser humano tem um instinto básico de ajudar os outros. Talvez não pareça ser assim às vezes, mas é verdade. Se um excursionista se perde nas montanhas, as pessoas organizam uma busca. Se um trem colide, as pessoas fazem fila para doar sangue. Se um terremoto arrasa uma cidade, as pessoas em todo o mundo mandam suprimentos de emergência. Isso é tão fundamentalmente humano que é encontrado em todas as culturas, sem exceção. Sim, existem babacas que não se importam, mas são uma ínfima minoria. E, por causa disso, bilhões de pessoas ficaram do meu lado.

 

O que me incomodou na leitura foi a demora com o qual as passagens foram realizadas que tiveram muito o aspecto de procrastinação. Cenas demoradas que sim, serviram para mostrar partes da sobrevivência do personagem principal, mas que também deixaram o livro mais tedioso de ser lido. Essa leitura de quase uma semana poderia ser facilmente tragada para uma três se o autor não tivesse criado tantas e tantas situações para dificultar a vida de seu personagem principal.

Mas críticas à parte, Perdido Em Marte é uma leitura divertida que agracia os fãs do gênero com um personagem inesquecível, tiradas inteligentes e muita ciência. Se você gosta desses três elementos, está é uma obra excelente para você.

| TAG | Cinco Tons Literários

Oii gente. Como vocês sabem esse mês estou em campanha de Novembro Azul para conscientização do câncer de próstata, mas também indo além e tentando informar que todo tipo de câncer deve ser diagnosticado o mais breve possível. Por isso a tag de hoje foi criada justamente para contemplar esse mês. A tag de hoje está sendo feita em parceria com a Vivi do blog O Senhor dos Livros, então não esqueçam de ver o dela depois.

Vamos lá?

1. Azul prussiano.
Um livro que se passe em um país exótico (fictício ou não).
image

Feita de Fumaça e Osso com certeza se passa em um lugar exótico que por sua causa eu fiquei com bastante vontade de conhecer. Contando a história da jovem Karou, o livro se passa a princípio na República Tcheca nos dando paisagens magníficas cheias de magia. Eu super recomendo esse livro pois é uma das melhores trilogias fantásticas que já li. Quem sabe ano que vem não resolvo fazer uma releitura?

2. Azul Royal.
Um livro que tenha realeza.
image

O livro Sombra E Ossos de Leigh Bardugo é envolvido em um mundo de reis e rainhas. Ele conta a história de Alina, que vive em um mundo dominado pelo medo. Eles lutam contra inimigos criados por uma fenda mística criados por uma misteriosa escuridão que também criou uma fenda onde esses monstro abitam. A história se desenrola a partir do poder que Alina descobre possuir e que é uma esperança de finalmente libertação para seu povo.

3. Azul Marinho.
Um livro que tenha passagens em alto-mar.
image

Engraçado como somente agora eu percebi que a maioria dos livros que li não possuem passagens em alto mar. Pode até envolver aviões, mas passagem em alto-mar é difícil de modo que só consigo pensar em um livro. A Fúria dos Reis de George R. R. Martin possui passagens em alto-mar quando narradas pelo ponto de vista do personagem Davos Seaworth que é capitão da frota de um dos candidatos a rei Staniss Baratheon. Além disso, por ser um livro que lida com dois continentes, durante o decorrer dos seguintes há uma grande quantidade de passagens que são feitas em alto-mar. Inclusive batalhas e viagens.

4. Azul Turquesa.
Um livro que seja precioso para você.
image

Um dos meus livros favoritos de toda vida (que eu cito sempre que surge uma oportunidade) é O Sol É Para Todos de Harper Lee. Ele conta a história de um advogado negro que esta à defender um homem negro acusado de estupro nos Estados Unidos em 1950 (época de apartheid). Contado através de sua filha, Scout a história se desenrola trazendo à tona várias situações preconceito racial ou não. É um livro que todos deveriam ler.

5. Azul Bebê.
Um livro que seja leve e divertido.
image

Ler Perdida da Carina Rissi foi uma experiência única. Eu gostei de mais do modo com o qual a autora trabalhou a história nos apresentando uma personagem que é engraçada na medida certa. Fazendo jus ao gênero comédia romântica, Carina Rissi criou um livro divertido ao extremo que nos faz rir, nos faz se apaixonar, e nos deixa pedindo mais.

°•°•°•°•°°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°

Então amores, essa foi a tag de hoje, espero que tenham gostado. Não esqueçam de passar no blog da Vivi para ver a tag que ela apresentou também. E não se esqueçam: contra o câncer, a prevenção é o melhor remédio. Beijos.

| TAG | Estelar.

Oii amores. Tudo bom com vocês? Hoje é dia de tag nova aqui no blog que é de minha autoria e espero muito que vocês gostem. Vou tentar responder com livros que li esse ano e que já tenha feito resenha para que vocês possam conferir ou que virão a ter resenha em breve. Então vamos lá?

•••°•°°••°°°••°°••°•••°°°•••°•°°••°°°••°°••°••
image

1. Estrela Polar.
— Um livro que te ensinou novos caminhos.

Livros que contém ensinamentos são os melhores. É muito boa a sensação de ler um livro e em um dado momento parar a leitura e perceber que estamos lendo algo extraordinário. Uma obra que me causou estremecimento esse ano foi A Resposta de Kathryn Stockett. Um livro que me ensinou muito mais do que só o preconceito, mas também sobre o respeito e coragem e como isso falta aos seres humanos.

image

2. Ursa Maior.

— O maior livro que você já leu.

Esse mês eu tive o prazer de ler It – A Coisa do Stephen King e finalmente entendi o porque dele tem a necessidade de escrever para lá de mil páginas. Ao ler It – A Coisa eu admito que esperava algo extremamente assustador pela monstruosidade de Pennywhise. Contudo o que encontrei foi sintomas da própria humanidade se deteriorando. Foi um livro que me fez enxergar todas as faces do seres humanos, mas principalmente todos os tipos de coragem que devemos ter. Esse livro não foi somente o maior livro em páginas que já li, mas também um dos de maior significado pessoal na minha vida.

.
image

3. As Três Marias.
— Uma trilogia que conquistou seu coração

Apesar de ainda não ter lido todos, A Maldição do Vencedor tem tudo para conquistar meu coração. Seus elementos, desde sua narrativa como seus personagens, fazem meu coração palpitar. Já conquistou meu coração no primeiro livro e deve me arrebatar nos próximo

 

 

.
image

4. Estrela solar.

— O livro mais forte desse ano

Quando eu penso em livros que são bastante fortes, penso também em livros que farão parte da minha vida de algum modo. Eu sofri com o bullying durante algum tempo e toda vez que leio um livro sobre o assunto fico profundamente mexida. A Lista Negra de Jennifer Brown me tocou tão profundamente que chorei, me revoltei, critiquei e me apaixonei por seus personagens durante a história. Ler esse livro me mostrou dois lados de uma mesma moeda, mas como tudo é superável mesmo que não seja esquecido.

image

5. Constelação
— Série que começou e que parece maravilhosamente bem construída.

Me rendi ao charme e a beleza de Corte de Espinhos e Rosas de modo irreparável. Apesar de só ter colocado os pés nas cortes de Prythian, com certeza sei que vou amar a série criada por Sarah J. Maas. É um mundo novo com detalhes que o tornam um dos livros mais bem construídos que eu já li. As descrições são ricas e o personagens bem trabalhados.

 
image

6. Buraco Negro.
— Um livro que quando acabou te deixou destruído(a).

Os Treze Porquês de Jay Asher me deixou destruída com toda a certeza. Quando finalmente (ou infelizmente) finalizei a leitura, me senti órfã e ao mesmo tempo impotente. Como se eu mesma não pudesse ter ajudado Hannah. Como se eu fosse um dos seu motivos.

 

 
image

7. Estrela cadente.

— Um livro que cruzou o seu caminho por acaso.

Sabe quando você tem um amigo que te presenteia com um livro maravilhoso, mas que: a) vocês nunca tinham ouvido falar dele e b) se você visse em uma livraria passaria direto. Até Você Ser Minha da Samantha Hayes segue esse prospecto. Ganhei de presente da minha amiga Keth, mas nunca tinha o visto e com certeza não o compraria pela capa. E mesmo assim se tonou uma ótima leitura que tenho orgulho de ter na estante.

image

8. Vênus: Estrela Dalva.
— Um livro que parecia ser uma coisa de longe, mas que de perto foi totalmente diferente.

Antes Que Eu Vá da Lauren Oliver, apesar de ainda querer um epílogo, foi um dos melhores livros que li esse ano. Narrado em primeira pessoa, este livro conseguiu mexer com meu coração pelo simples fato de ter sido diferente de tudo que eu esperava para ele. Pelo título eu imaginava um livro muito sessão da tarde. Contudo a obra se mostrou muito mais do que isso com um intricamento de acontecimentos que fazem tudo fazer sentido e não ser resumido à uma única pessoa.

•••°•°°••°°°••°°••°•••°°°•••°•°°••°°°••°°••°•••

Essa foi a tag de hoje. Espero que tenham gostado. Se quiser repetir no seu blog/instagram/canal fiquem a vontade. Beijos. Até a próxima.

| NOTÍCIAS | Projeto Bardos Está No Ar

Oii amores, tudo bem com vocês? Hoje é dia de uma notícia estrondosa que tenho certeza que vocês vão amar pois todos amamos histórias e bons contadores delas certo? O projeto Bardo foi criado por diferentes pessoas de diferentes mundos para contarem histórias com diferentes temas. Os Bardos se definem como “aqueles que, em meio ao caos do dia-a-dia, se dedicam aos contos. Temos nossos dias de luta, e nossas Noites de Bardo.”
image

Encontre Os Bardos em seu:

🔸 Blog: Noite do Bardo.
🔸 Instagram: @Instabardos.
🔸 Facebook: Página dos Bardos.
🔸 Twitter: @noitedobardo.

Os Bardos também tem um blog separado para discussão e análises dos seus contos pelos seus leitores, o que eu achei bárbaro. Basta acessar o segundo blog deles chamado Clube do Bardo e fazer sua crítica ou sugestão aos quais eles aceitam numa boa. Não deixe de acessar.

•••°•°°••°°°••°°••°•••°°°•••°•°°••°°°••°°••°•••

Particularmente, apesar de não ser fã de histórias para blogs por não achar que a plataforma foi feita para tal, fiquei encantada com a iniciativa. No Brasil encontrar bons contadores de história é muito difícil pois muitas vezes o dinheiro e a influência ganham do talento e os escritores que mereciam ficam a margem dos que estão mamando na fama. Contar histórias é uma tarefa difícil. Além de singelamente ajudar na divulgação desse projeto incrível, só posso dizer aos escritores Bardos que lhes desejo todo sucesso com muitas histórias por vir.

| LIVROSOFIA | Amadurecimento literário.

Oii gente, tudo bom com vocês?! Hoje é dia de mais um livrosofia, segundo post dessa série e admito que tenho me segurado para não ir postando tudo de uma vez. Já tive maravilhosas ideias minhas e de amigos para construção de postagens e por isso sei que esta série vai ter uma longa vida. Além disso, de vez em quando vou postar alguns trabalhos das minhas aulas de literatura aplicada da faculdade, pois já que somos leitores e nossa good vibes é literatura, nada mais justo que compartilhar com vocês algumas coisinhas sobre gêneros e quem sabe discussões sobre os papéis dos personagens e da própria literatura em contextos humanos. Então, como recadinho se vocês tiverem alguma ideia de discussões para essa aba, fiquem a vontade para comentar ou mandar um email. Eu adoraria saber mais um pouco sobre o que vocês gostariam de ver aqui no blog.

image

Na semana passada falei um pouco sobre indicações literárias e como cada leitura é diferente para cada pessoa. Por isso, o livrsofia de hoje será sobre a bagagem que o leitor carrega e que vai aumentando com as situações ao longo do tempo. Mais especificamente será sobre o amadurecimento literário que todos nós temos a medida que vamos mergulhando cada vez mais no mundo dos livros.

Em todas as fazes de nossa vida, a medida que passamos por diversas situações, vamos aprendendo e evoluindo com elas. No mundo literário as coisas funcionam da mesma maneira, onde, através de cada obra, nossas formas de ver os livros vão mudando e se reinventando. Os leitores, principalmente os de longa data, podem perceber que certos tipos de obras não são mais tão prazerosas ou significativas como poderiam ter sido se houvesse sido lidas em uma época passada ou mesmo em uma futura. Os livros que lemos por obrigação nos tempos de escola não nos dizem muita coisa talvez pelo simples fatos de não estarmos preparados para eles. E os livros menos trabalhados, que não chegam a trazer uma história realmente bem construída as vezes parecem deixar uma sensação de nostalgia onde sentimos saudades de uma época onde sabemos que esta história funcionaria melhor. Não que isto se aplique a todas as obras, mas em parte delas, naquelas em que não conseguimos sentir seu impacto porque não estamos mais ou não chegamos ao momento de entender elas em sua plenitude.

O amadurecimento literário ocorre gradualmente sem ao menos nós percebemos. A medida que os componentes literários das obras vão se tornando mais importantes passamos a ter uma maior criticidade com o que estamos lendo. Assim, vamos ganhando personalidade crescendo em nossas leituras reconhecendo o novo do que já havia sido dito. Dessa forma, ao pensar que existe variados tipos de livros pois existem variados tipos de pessoas, inserimos aqui que existem variados tipos de leitores porque quando eles amadureceram literariamente o fizeram de modo diferente um dos outros.
image

Essa evolução gradual ocorre porquê o leitor começa a sentir necessidade de uma maior construção na história tanto a favor de seu enredo como também de seus personagens. Não que busquemos isso arduamente, mas sim sendo algo que simplesmente acontece com todos porque nossa mente se torna mais complexa e para nos manter interessados também precisamos de livros mais complexos.

Amadurecer é tornar-se mais desenvolvido e complexo. É criar uma identidade, ser mais crítico e ponderado. No mundo literário, crescer é muito mais que começar a ler obras “intelectuais” ou mundialmente conhecidas. É principalmente discernir o que nos fazia feliz na literatura do início do que nos faz feliz hoje. É se tornar crítico não para os padrões da sociedade, mas aos nossos próprios criando assim autenticidade e reconhecimento sobre nossas leituras.

| RESENHA | Até Você Ser Minha – Samantha Hayes

Oii pessoas. Tudo bom com vocês? No mês passado devido as minhas leituras da #MLi2017 e do Desafio Literário Cultura que está rolando aqui no blog, fiz diversas leituras maravilhosas de livros que não estavam e que estavam na minha TBR. Hoje vou fazer resenha de um desses livros que esteve presente nesses meus dois momentos literários: na MLi2017 foi o meu escolhido para compor Um livro de capa azul e no desafio literário compõe o tópico um livro narrado por dois pontos de vistas.
image

 Título: Até Você Ser Minha
Título Original: Until You’re Mine
Série: Scott e Fisher #01
Autor: Samantha Hayes
Editora: Intrínseca
Páginas: 336
Ano: 2015
Avaliação: 👑 👑 👑 👑

 

Sinopse: A assistente social Claudia Morgan-Brown está prestes a realizar o sonho de sua vida: vai dar à luz uma menininha. Apesar da ausência do marido ao longo da gravidez – James é oficial da Marinha e fica semanas e até meses longe de casa –, ela mal pode esperar para segurar seu bebê nos braços após várias tentativas e perdas. Porém, as diversas tarefas de Claudia, além da responsabilidade de cuidar dos gêmeos Oscar e Noah, filhos do primeiro casamento de James, deixam o casal preocupado. A próxima partida de James se aproxima, e eles decidem contratar uma babá. Zoe Harper quer muito o emprego. Com as melhores recomendações, ela conquista os gêmeos e se muda para o lar do casal. Mas Claudia logo percebe que a mulher tem outros motivos para se aproximar da família. As suspeitas de Claudia se transformam em verdadeiro terror quando começa a ocorrer uma série de ataques brutais a mulheres grávidas na cidade. Imersos em problemas familiares, os investigadores Lorraine Fisher e Adam Scott são forçados a deixar suas questões de lado e correr contra o tempo para encontrar o assassino antes que ele cometa mais um crime. Uma narrativa repleta de reviravoltas, Até você ser minha traz os desejos humanos mais intensos e mostra quão longe alguém pode chegar para conseguir o que quer.

Ganhado de presente de aniversário pela minha amiga Keth (Parabatai Books) nós lemos o livro juntas. Keth como sempre acabou a obra primeiro e pacientemente esperou que eu terminasse. Ao fim, ambas ficamos bastante surpresas com o final, muito embora não tenha sido com as mesmas coisas. Enquanto Keth ficou pasma com a revelação da persona assassina, fiquei abismada com a reviravolta em relação à uma personagem que parecia tudo, menos aquilo.

A construção do livro de Hayes foi uma coisa inexplicável. A autora conseguiu construir um crime perfeitamente bem elaborado. Os pedaços parecem encaixáveis e de cara o prólogo deixa aquela sensação de que “você” saber quem é e quais são da persona má. Tudo isto, para que no final a autora surpreenda mostrando aquele famoso não era isso meu caro, você está errado. E muito embora os motivos do vilão não tenham sido difíceis de decifrar, houve um impacto ao fim das páginas que me deixou abismada. De certa maneira, sendo resumido em uma única frase dita pela minha mãe: Ele não dá a capacidade de gerar filhos, aqueles que são capazes de roubar os filhos de outras pessoas.

As duas parsonagens principais tem vidas e histórias muito diferentes. Cláudia é uma mulher que perdeu vários rebentos ao longo dos anos, mas nunca desistiu do sonho de ser mãe. Agora com dois filhos adotivos, um marido que a ama e uma gravidez no oitavo mês de gestação, Cláudia tem tudo que sempre quis, muito embora ao mesmo tempo tenha medo de perder o que já foi conquistado. Zoe, por outro lado esta fracassada interna e profissionalmente. Ela não tem mais onde morar, sua companheira não deseja mais sua estada e assim como Claudia, quer ficar gravida, mas a tão sonhada notícia positiva nunca dá as caras. Destruída, os pensamentos de Zoe sempre retornam a gravidez que não tem e que seu interior grita desesperadamente que precisa conseguir.

Esta obra criada por Samantha Hayes foi maravilhosa. Antes de mais nada, esse livro trata sobre a angústia e sobre o sentimento de derrota que traz a tona os desejos das mulheres que não conseguem engravidar. Seus personagens e seu mundo estão rodeados pela incerteza. O medo de ser a próxima vítima está a porta e os horrores que cada personagem esconde são muito mais sombrios do que pode-se aparentar a primeira vista.

| NOTÍCIAS | Lançamento: O Inominável – Gustavo Lopes

Gustavo Lopes é um novo autor brasileiro que lida com temas difíceis e um tanto pesados. Com suas obras publicadas de forma gratuita no Wattpad e no Luvbook, Lopes traz um mundo de tensão e mistério em seu livro O Inominável.

image

SINOPSE: Um grupo de amigos, estudantes do ensino médio, encontram um livro, jamais visto até então na biblioteca de sua escola, e resolvem provar a veracidade de seu conteúdo, instruções para um ritual aparentemente inofensivo e extremamente tentador. Motivados por um histórico de bullying e a promessa de um fim definitivo para os seus problemas, Andreia, Augusto “Bolinha”, Davi e Thalita partem em uma jornada sem retorno, rumo à escuridão inominável que habita em seus corações.

Não perca a oportunidade de ler o livro de estreia do autor. Faça login nas plataformas e adiquira seu exemplar.

| RESENHA | A Resposta – Kathryn Stockett – Histórias Cruzadas.

Oii gente! Tudo bom com vocês? Há uns dois anos mais ou menos eu vi um filme chamado Histórias Cruzadas. Durante muito tempo, fiquei abismada com a força que o ele possuía e sobre o que ele falava. Segregação. Uma palavra feia; uma mancha na história não só dos estadunidenses, mas também na de todo o Mundo. Será mesmo que as pessoas de cor precisavam ser tratadas com tamanho desrespeito? Será mesmo que elas são diferentes que nós? Será mesmo que elas devem ser tratadas como inferiores? A resposta, é claro, é não. Elas não mereciam nada daquilo. A cor da pele não nos faz diferente. Somos todos seres humanos feitos de carne, ossos e sentimentos.

Então, lá estava eu assistindo um filme que falava justamente desse tipo de abominação e refletindo sobre como era a vida de uma mulher negra trabalhando para uma mulher branca em tempos de racismo legalizado. Mas pensando melhor, trabalhando não, criando o filho de uma mulher branca enquanto é sujeitada à humilhações. Entretanto, certamente não foi apenas isto que me deixou com vontade de ler a obra e sim a verdade que estava sendo contada. Ninguém nunca se deu o trabalho de perguntar a uma empregada como ela sentia, como era ser uma negra criando um mulher branca enquanto seus filhos eram cirados por outra pessoa. E muito além do filme brilhante, posso afirmar com toda a certeza, que foi esta pergunta me fez ler o livro que só posso chamar de extraordinário.

image

Título: A Resposta
Título Original: The Help
Autora: Kathryn Stockett
Editora: Bertrand
Ano: 2010
Avaliação: 👑👑👑👑👑💜
Encontre: Skoob || Amazon || Saraiva || Submarino.

SINOPSE: Três mulheres especiais estão prestes a dar um passo extraordinário… Skeeter, 22 anos de idade, acabou de voltar para a casa dos pais após graduar-se na universidade Ole Miss. Possui um diploma, mas o ano é 1962, a cidade é Jackson, no Mississippi, e sua mãe não vai sossegar até ver a filha com um anel de noivado no dedo. Aibileen é uma empregada que já está criando sua décima sétima criança branca. Algo mudou dentro dela depois da perda do filho, morto enquanto seus patrões faziam vista grossa. Aibileen é devotada à menininha de quem cuida, apesar de saber que ambas correm um sério risco de se magoarem nessa relação. Minny finalmente encontra serviço – sua boca suja não a permite ficar muito tempo em um emprego – trabalhando para uma mulher que acabou de chegar à cidade e por conta disso não sabe da reputação da criada. Embora bastante diferentes umas das outras, essas mulheres vão unir forças num projeto clandestino que colocará todas em perigo. Por quê? Porque estão se sentindo sufocadas pelos limites e pelas regras que as norteiam e pela época em que vivem. E também porque limites, algumas vezes, foram feitos para serem ultrapassados. Em vozes perfeitamente recriadas, Kathryn Stockett nos apresenta três mulheres fora de série cuja determinação de dar início a um movimento transforma uma cidade e a maneira como as mulheres — mães, filhas, empregadas domésticas, amigas — veem umas as outras. Romance profundamente enternecedor, tocante, cheio de humor e esperança, A Resposta é uma história atemporal e universal sobre os limites que respeitamos e sobre aqueles os quais precisamos ultrapassar.
image

Se eu fosse definir uma palavra que define A Resposta seria FORTE. Apesar de saber o que me esperava durante a leitura, pois já havia visto o filme, ler o livro me causou um impacto maior. Porque no filme podemos apenas tentar imaginar quais são os sentimentos dos personagens. Mas no livro conseguimos sentir cada um pois estão exposta nus e crus pois tudo que foi posto na obra veio para nos fazer sentir tudo a nossa volta. E, com minhas mais sinceras palavras, só posso dizer que foi foda! Passei do limite da raiva ao desespero, da revolta à tristeza. Kathryn deu vida aos personagens de modo tão verdadeiro, que me tornei melhor amiga de Aibileen, Minny e Skeeter vendo como elas evoluiram no livro me fazendo a evoluir também.

Narrado em primeira pessoa pelas três mulheres, o livro que tinha tudo para ser confuso foi bem desenvolvido. Stockett criou personagens muito diferentes uma da outra de modo que não da pra confundir quem esta narrando. Não somente pelo nome da narradora que precede as partes, mas pelo modo com o qual cada uma apresenta seu ponto de vista. Aibileen é sábia e está sempre motivada a pensar no que acontece à sua volta. Minny é bem espirituosa criando uma bolha de alegria em sua realidade escura. Já Skeeter é doce, mas também pragmática constantemente se perguntando o motivo das coisas serem como são. Além disto, a autora se preocupou em reduzir palavras e motivar erros (como por exemplo o verbo estar conjulgado como tou e tava) o que exemplificava bem as diferenças de escolaridade entre as mulheres. Vale ressaltar que apesar de possuir um estilo de escrita brilhante, o livro não é fácil de ler. Não chega a ser uma leitura fluída pois envolve muita reflexão. De algumas tomadas a outra é necessário parar e tentar absorver a obra. Mas mesmo não possuindo aqua fluidez de você não sentir as páginas irem embora, o livro continua impossível de deixar de lado. Precisamos saber o que vai acontecer, quais serão as consequências.

O que mais me deixou encantada com leitura de A Resposta foram as personagens colocadas. Não somente das principais, mas também das secundárias. Cada uma possuía seus medos e seus segredos tornando a leitura mais verossímil:

image

• Aibileen com toda sua honestidade demonstra um lado da mulher negra de 1960 que não conhecemos, pois ela é sonhadora e ela acredita que nem todas as pessoas são más. Cuida como uma devota a sua Nenezinha da vez May Mobley provando que amor não tem cor ensinando a criança a verdade que sabe que sua menininha vai esquecer ao se tornar uma adulta branca: Ela é boa, ela é corajosa, ela é especial, mas acima de tudo elas são iguais de cor diferente;

image

• Minny tem a força que costumeiramente vemos nas representações negra da literatura e do cinema, mas também é mais do que isso. Minny tem suas aflições. Ela quer um futuro melhor para seus filhos embora os ensine que a justiça esta do lado dos brancos e não dos negros. Ao mesmo tempo, apesar de toda sua raiva dos brancos, aprende com sua patroa Célia Foot que nem todos à desprezam e que uma boa amizade vem dos lugares mais improváveis.

image

• Skeeter teve a coragem de ver além do seu mundo. Que enxergou nas atitudes das pessoas à sua volta a pior natureza do ser humano. Ao mesmo tempo, em que tentava transparecer ser a mulher perfeita da sociedade. A mulher que queria um marido embora também quisesse ser independente. A mulher que não ligava ou pelo menos fingia não ligar para os absurdos de sua melhor amiga Hilly Holbrook, tão vil e mesquinha e ao mesmo tempo tão real que é impossível não sentir vergonha de seus atos tão bons representantes do horror da nossa sociedade.

A Resposta de Kathryn Stockett foi um livro que me marcou profundamente. Não somente por falar do racismo em uma época que este era chamado bom senso, mas por ter a característica atemporal de lembrar o ser humano do quão cruel ele pode ser, ao mesmo tempo que nos conduz a pensar no caminho que estamos tomando hoje. Qualquer um sabe que o racismo ainda existe enraizado no seio de uma sociedade com mania de supremacia branca. Mas Stockett nos ensina através de Aibileen, Skeeter e Minny que com um pouco de coragem é possível abrir os horizontes e atravessar os limites para construir um mundo melhor.

image