Arquivo da tag: espinhos

| L.I.S.T.A. | 05 Livros Para Ler Este Ano

Oi gente! Como vão? Vou finalmente retornar as listas com cinco livros para ler esse ano. Aqueles livros que temos necessidade de ler seja porque vai no cinema ou mesmpo que desejamos muito contemplar a leitura. Essa lista tem muita cara de janeiro, mas como eu sou universitária meu ano literário começa nas férias e por isso vou aproveitar para ler bastante.

Confira as respostas abaixo.

1. Corte de Espinho e Rosas da Sarah J. Maas.

Esse é um livro que tenho enrolado para ler porque queria ler ele físico. Porém deste ano não passa! Preciso ser ele e consequentemente seu sucessor Névoa e Fúria.

image

Sinopse: Depois de anos sendo escravizados pelas fadas, os humanos conseguiram se libertar e coexistem com os seres místicos. Cerca de cinco séculos após a guerra que definiu o futuro das espécies, Feyre, filha de um casal de mercadores, é forçada a se tornar uma caçadora para ajudar a família. Após matar uma fada zoomórfica transformada em lobo, uma criatura bestial surge exigindo uma reparação. Arrastada para uma terra mágica e traiçoeira que ela só conhecia através de lendas , a jovem descobre que seu captor não é um animal, mas Tamlin, senhor da Corte Feérica da Primavera. À medida que ela descobre mais sobre este mundo onde a magia impera, seus sentimentos por Tamlin passam da mais pura hostilidade até uma paixão avassaladora. Enquanto isso, uma sinistra e antiga sombra avança sobre o mundo das fadas e Feyre deve provar seu amor para detê-la… Ou Tamlin e seu povo estarão condenados.

2. The Kiss Of Deception de Mary E. Pearson.

Outro livro que tenho bastante vontade de ler e que está na lista desse ano é este da série As Crônicas de Amor e Ódio que me parece ser um ótimo livro, ainda mais agora que descobri que o livro não é tão romântico quanto aparenta.

image

Sinopse: Tudo parecia perfeito, um verdadeiro conto de fadas menos para a protagonista dessa história. Morrighan é um reino imerso em tradições, histórias e deveres, e a Primeira Filha da Casa Real, uma garota de 17 anos chamada Lia, decidiu fugir de um casamento arranjado que supostamente selaria a paz entre dois reinos através de uma aliança política. O jovem príncipe escolhido se vê então obrigado a atravessar o continente para encontrá-la a qualquer custo. Mas essa se torna também a missão de um temido assassino. Quem a encontrará primeiro.

3. Loney de Andrew Michael Hurley.

Esse livro eu descobri no blog da Cris (Platarforma 9¾) e desde então me pego querendo ler ele. Finalmente, esse ano, vou realizar essa leitura que deve ser incrível.

image

Sinopse: Quando os restos mortais de uma criança são descobertos durante uma tempestade de inverno numa extensão da sombria costa da Inglaterra conhecida como Loney, Smith é obrigado a confrontar acontecimentos terríveis e misteriosos ocorridos quarenta anos antes, quando ainda era criança e visitou o lugar. À época, a mãe de Smith arrastou a família para aquela região numa peregrinação de Páscoa com o padre Bernard, cujo antecessor, Wilfred, morrera pouco tempo antes. Cabia ao jovem sacerdote liderar a comunidade até um antigo santuário, onde a obstinada sra. Smith crê que irá encontrar a cura para o filho mais velho, um garoto mudo e com problemas de aprendizagem. O grupo se instala na Moorings, uma casa fria e antiga, repleta de segredos. O clima é hostil, os moradores do lugar, ameaçadores, e uma aura de mistério cerca os desconhecidos ocupantes de Coldbarrow, uma faixa de terra pouco acessível, diariamente alagada na alta da maré. A vida dos irmãos acaba se entrelaçando à dos excêntricos vizinhos com intensidade e complexidade tão imperativas quanto a fé que os levou ao Loney, e o que acontece a partir daí se torna um fardo que Smith carrega pelo resto da vida, a verdade que ele vai sustentar a qualquer preço.

4. O Silêncio dos Inocentes de Thomas Harris.

Meu gênero favorito é o suspense. A maioria dos meus livros são de suspense. E mesmo assim, eu nunca li esse livro. Dá para acreditar? Esse ano eu mudo isso.

image

Sinopse: Cinco mulheres são brutalmente assassinadas em diferentes localidades dos Estados Unidos. Para chegar até o sanguinário assassino, uma jovem treinada pelo FBI entrevista o Dr. Hannibal Lecter, um brilhante psiquiatra, cuja mente está perigosamente voltada para o crime. Ao seguir as pistas apontadas por Lecter, a jovem se vê envolvida numa teia mortífera e surpreendente.

5. Brooklyn de Cólm Tóibín.

Esse livro possuí um filme que nunca assisti. Mas através de um trailer presente no meu DVD de Jogos Vorazes – A Esperança – Parte Dois, eu conheci o livro que dizia que tinha base no filme homônimo. Desde então tenho muita vontade de ler a obra.

image

Sinopse: No início dos anos 1950, a Irlanda não oferece futuro para jovens como Eilis Lacey. Sem encontrar emprego, ela vive na pequena Enniscorthy com a mãe viúva e a irmã Rose. Mas eis que o padre Flood lhe faz uma oferta de trabalho e moradia no Brooklyn, Estados Unidos. De início apavorada com a ideia de sair do ninho familiar, ela acaba partindo rumo à América. Triste e solitária em seu novo mundo, a tímida Eilis acaba por estabelecer uma rotina de trabalho diurno e estudo noturno na faculdade de contabilidade. No baile semanal da paróquia, conhece um jovem de origem italiana que aos poucos entra em sua vida. Mas quando começa a se sentir mais livre e segura, Eilis é obrigada a voltar, por algumas semanas, para Enniscorthy. E ali ela se vê, mais uma vez, diante de uma escolha que poderá modificar sua vida.

︻︼︻︼︻ ︻︼︻︼︻ ︻︼︻︼︻

Gostaram?

Não vou marcar nenhum blog para fazer, mas adoraria ver as respostas de vocês caso façam. Então se for fazer deixa um comentário. Mil beijos.

| Personalidades Exemplares | Jorgh Ancrath – O Príncipe Insano Da Trilogia Dos Espinhos

Oii gente. Estive pensando em uma série de coisas que mudam a vida dos leitores. Vários livros nos tocam de muitas maneiras pois cada um deles tem algo que nos faz sentir como especial. Uma dessas coisas são os personagens que fazem da nossa leitura especial pois nos fazem pensar no que viemos fazendo. E por esse motivo resolvi fazer uma série de post na categoria “Personagens Sensacionais”, para falar sobre essas magníficas personas criadas nos livros. Para inaugurar, escolhi um personagem afrontoso, cruel mas também lutador e sofrigo da Trilogia dos Espinhos. Jorg Honório Ancrath que nos mostra o que é crescer buscando vingança.

Quinze anos! Se estivesse com quinze anos não estaria devastando vilarejos!
Quando chegasse aos quinze anos já seria rei.
– Prince Of Thornes.

image

Para começar, se você acredita que todos os melhores personagens são bons e não tem distúrbios de personalidade para à quase psicopatia eu lhe afirmo que está redondamente enganado. Os melhores personagens são aqueles que nos fazem crer que são reais através defeitos e erros, mesmo, que às vezes pareçam tão hediondos que seu primeiro contato seja o de virar a cara. Pois esses, em grande maioria, pois possuem uma história maior que nos irá contar o os levou a serem assim.

Honório Jorg Ancrath é um desses personagens.

Em sua décima primavera, Jorg viu sua mãe e seu irmão serem brutalmente assassinados sem poder fazer absolutamente nada quanto a isso. Jogado aos arbustos de uma roseira-brava aos espinhos que lhe rasgavam a pele e inseriam o veneno, ouviu enquanto sua mãe era estuprada e seu irmão era em suas palavras “quebrado como um boneco”. Depois de uma dura recuperação, Jorg fugiu e anos mais tarde já estava liderando assassinos com um único objetivo de conseguir o que era seu por direito: o trono do império.

image

Sem um pingo de moralidade e piedade, Jorg faz aquilo que acha ser necessário e o que gosta para ter o respeito dos seus companheiros e conseguir os seus meios. Percebemos o quão claramente que Jorg não tem afeição à ninguém e que ele vê as pessoas a sua volta como um meio para chegar ao fim. Isto torna Jorg um inesperado personagem que afirma que categoricamente que não está procurando ser um herói. Ele fará de tudo pra conseguir o que quer.

Deixe um homem jogar xadrez e diga a ele que todos os peões são seus amigos. Diga que ambos os bispos são santos. Faça-o lembrar de dias felizes à sombra das torres. Deixe-o amar sua família e veja-o perder tudo.
– Prince Of Thornes.

O que mais me deixa impressionada com o Príncipe dos Espinhos é como ele realmente É tudo aquilo que diz ser depois que a vida e as roseiras bravas que lhe ensinou a trilhar esse caminho. Seus passos são guiados pelas sombras do passado e seu desejo de vingança é a maior causa de toda a escuridão que lhe torna tão insano. Jorg desitiu de acreditar em algo maior, para ele, sua família morreu e isso basta para saber que não existe nada maior que a justiça e lei dos homens.

Há algo frágil dentro de mim que se romperia antes de se curvar. Algo pontudo que perfura todas as palavras suaves que um dia eu possuí. Não creio que o Conde Renar tenha colocado uma arma dentro de mim no dia que mataram minha mãe – ele tão somente desambainhou a lâmina. Parte de mim ansiava por uma rendição, desejava aceitar o presente que Lundist me oferecia.
Eu decepei esse pedaço de minha alma que, por bem ou por mal, morreu naquele dia.
– Prince Of Thornes.

Mas apesar de toda a imperfeição que Jorg emana, existe um pingo, aquele 1% de humanidade no seu coração, que sera percebido com uma clareza maior em King Of Thornes. Na segunda obra da trilogia, Jorg está mais velho e consequentemente mais sábio. Ele se sente culpado, não pelas mortes que cometeu – a nescessidade e o prazer que retira delas é forte de mais para isso -, mas sim pelas pessoas que ao longo do caminho não conseguiu proteger como também pelas ações relacionadas ao império que teve que tomar.

Cada passo que Jorg da na jornada pela busca a se tornar imperador, é um passo a mais para a compreensão dos porquês do personagem. Jorg não tem medo, não tem dívidas ou dúvidas. Seu amadurecimento é a sua força e seu desejo de tornar supremo é sua espada. Jorg é um dos meus personagens favoritos, pois ele me mostra cada pedaço da humanidade, cada ferida, cada sentimento que nos torna quem somos e define quem queremos ser.

Eu não sou ele porque nós morremos um pouco todos os dias e gradualmente nascemos outra vez, homens diferentes, homens mais velhos com as mesmas roupas, com as mesmas cicatrizes.
– King Of Thornes.

Espero que tenham gostado.
Beijos
Jess.