Arquivo da tag: editora verus

( Resenha ) O Rei Corvo – Maggie Stiefvater – Livro 04

Caras Corujinhas, Como vocês devem ter notado, eu dei uma sumida nos últimos dias. Isso se deve ao fato que a vida na faculdade está intensa. Mas não desistam de mim pois estou me preparando para dar conta de tudo e tenho que fé que vai dar certo. Então atrasadamente, preparem-se para se afundar em uma narrativa de tirar o folêgo que vai envolvê-los para proporcionar um final épico à uma saga maravilhosa.

Essa resenha não contem spoiler dos livro anterior. Pule a sinopse.

Título: O Rei Corvo | Título original:  The Raven King | Autora: Maggie Stiefwater | Editora: Verus | Páginas:  378 | Ano2018 |Avaliação: ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ |Encontre: Skoob | Amazon | Saraiva

o rei corvo

SINOPSE: O aguardado volume final da Saga dos Corvos, uma conclusão espetacular à história mítica e sombria criada por Maggie Stiefvater. Nada que está vivo é seguro. Nada que está morto é confiável. Há anos Gansey iniciou uma jornada para encontrar um rei perdido. Um a um, ele atraiu seus amigos para essa missão: Ronan, que rouba coisas de sonhos; Adam, cuja vida já não é sua; Noah, cuja vida não é mais vida; e Blue, que ama Gansey… e tem certeza de que está destinada a matá-lo. O fim já começou. Sonhos e pesadelos estão convergindo. Amor e perda são coisas inseparáveis. E a busca pelo rei se recusa a ser fixada em um caminho. A busca pelo rei adormecido vai chegar ao fim em Henrietta — mas não sem perdas, desejos, revelações e uma verdade brutal. Com O rei Corvo, Stiefvater conclui uma verdadeira obra-prima.

Era mais fácil discernir o herói do vilão quando só a vida e a morte estavam jogo. Todo o resto entre as duas ficava mais difícil.

Maggie Stiefvater é uma das melhores autoras que eu tive o prazer de ler nos últimos anos. Muito embora não possa chamar seus livros de perfeitos, existe um tipo de mágica na escrita que somente Stiefvater tem. É uma autora de poesia narrada, onde os sentimentos ganham lugar de destaque e os personagens uma projeção que os faz saltar das páginas e se tornem palpáveis.

Em O Rei Corvo eu tive um paradoxo à leitura. Gostei bastante da finalização e como sempre adorei as escrita de Maggie. Contudo, ao mesmo tempo, houve uma construção exageradamente demorada para o alcance do clímax de leitura. A autora se preocupou em dar base à história, mas algumas cenas poderiam ter sido cortadas e deixado o livro mais objetivo. Como vocês sabem, tenho um certo problema com procrastinação e foi isso que senti nesse livro. Tanto que está não foi a primeira vez que tentei ler a obra. Na verdade, houve um período em que li mas abandonei faltando cem páginas para o final (não propositalmente, mas sabe quando você está lendo vai dormir e não vê motivos para continuar a leitura no dia seguinte?). E até minha vontade para ler a obra foi minguando. Exceto pela semana passada onde eu disse: não vou ler. E eu li, e fora isso gostei.

Ele era um rei. Havia chegado o ano em que ele morreria.

Dependendo de onde você comece a história ela diria a respeito…” Com essa frase, Maggie introduz cada pedaço fundamental para construção do livro e torna-se um tipo de história mesclada em que nenhuma é mais importante que a outra. Se existe algo que faz sentido em obras, é quando o autor dá voz aos personagens mesmos os mais “insignificantes”. E claro, Maggie faz isso com brilhantismo. Cada um dos personagens tem um papel no futuro dos Garotos Corvos e do Rei Corvo. Blue Sargent tem um futuro… Richard Gansey tem uma previsão de morte… Ronan Linch tem um segredo… Adam Parissh tem um destino. Mas não podemos sugerir apenas a importância dos personagens principais, porque Maura prevê o futuro deles, Artemus conhece o rei, Gwenllian tem muita loucura e o Homem Cinzento tem novos caminhos à traçar. Dessa forma, Maggie desconstrói um enredo que poderia ter sido traçado apenas por protagonista. A grandeza do livro se enquadra na permissão que a autora se dá de mostrar as peças de um quebra-cabeça dotado de intensidade.

Ao traçar as linhas dos personagens principais, Maggie consegue mais uma vez quebrar o que sabemos deles sem perder suas personalidades. Blue Sargent mostra sua insegurança, muito embora não seja uma garota insegura. Blue é fruto de uma casa cheia de mulheres fortes, e como tal possui a solidez mas que não significa falta de maleabilidade. Blue tem medos, segredos e anseios que precisam ser superado. Richard Gansey III é um dos personagens que mais gosto na narrativa. Ele é rico, tem uma mente sagaz e a impetuosidade da riqueza. Mas não possui revolta tão comum aos personagens com tais características, e sim uma família que lhe ama tanto de escolha quanto de sangue. Seu relacionamento com Blue é construído de forma tão clara que percebemos Gansey como um homem e não mais como um menino a medida que as páginas evoluem.

Ronan Lynch e Adam Parissh são personagens opostos entre si e a Blue e Gansey. Enquanto Ronan é fogo incapaz de controlar seus sentimentos, Adam foi quebrado pelas escolhas do seu passado que o glorificaram para ser algo mais mas também o reduziram pela mediocridade do passado. Ronan segue um caminho de força e Adam de redenção, e juntos eles elevam o significado de amor e família.

A questão era que todos estavam próximos demais da situação. Eles haviam estado próximos demais da situação durante meses. Estavam tão próximos que era difícil dizer se eles eram ou não a situação em si.

Maggie Stiefvater não cria nada de comum para a finalização da Saga Os Garotos Corvos. São livros de promessas, de começos e de fins. Livros sobre amizade e sobre amor. Sobre antura e temperança. Mas principalmente, livros mais que indicados para quem deseja algo que nos desafia a pensar em algo mais.

 

 

 

 


( Resenha ) Lirio Azul, Azul Lírio – Maggie Stiefwather – Livro 03

A série Os Garotos Corvos está fazendo parte da minha vida de uma maneira marcante. Quando li o primeiro livro da série, eu sabia que essa leitura seria diferente de tudo aquilo que conheci. Mas Maggie Stiefvater conseguiu ir além e provar que as histórias não precisam ser iguais, e que o simples pode se tornar extraordinário.

Está resenha não conterá spoilers do livro anterior.
Para isso pule a sinopse.
Titulo: Lírio Azul, Azul Lirio | Título Original : Li | Série: Os Garotos Corvos 02 |Autora: Maggie Stiefvater| Editora Galera Record| Ano: 2016 | Avaliação ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ ⭐️ | Encontre: Skoob | Saraiva | Amazon

transferir (1)Sinopse: Blue Sargent encontrou coisas. Pela primeira vez na vida, ela tem amigos em quem pode confiar e um grupo ao qual pertencer. Os garotos corvos a acolheram como se ela fosse um deles. Os infortúnios deles tornaram-se dela e vice-versa. O problema de coisas encontradas, porém, é a facilidade com que podem se perder. Amigos podem trair. Mães podem desaparecer. Visões podem iludir. Certezas podem se desfazer. Em Lírio azul, azul lírio, o leitor vai descobrir para onde Blue, Gansey, Adam, Ronan e Noah serão levados em sua jornada para encontrar o lendário rei galês Glendower.

 

O coração de um covarde não é um prêmio, mas o homem de valor merece o seu capacete reluzente.

A série iniciada em Os Garotos Corvos e continuada em Ladrões de Sonhos, ganha novos ares. Existem certos determinantes que podem nos fazer gostar ou não de uma determinada série. Para mim, a renovação dos contextos sempre é um ponto favorável, pois a mesmice costuma ser enfadonha. De modo que é sempre bom encontrar autores que não somente tenham coragem de criar, mas que também possam recria-las e transforma-las em algo maior.

Nesse terceiro livro, Maggie Stiefvater reune os aspectos principais das obras anteriores. Pegando como exemplo três peças importante apresentadas no livro um, podemos notar a maldição de Blue Sargent ainda existe, o espírito de liderança de Gansey III está presente e o atormentado Adam Parrish continua em dubiedade para o bem ou para o mal. Mas se antes nós tínhamos coisas comuns a medida do possível, agora absolvemos concepções mais abrangentes das “tarefas” que permeiam cada um. Blue quer enfretar seu destino. Gansey que ser bem mais que o líder. E Adam não está disposto a ser condenado com tanta facilidade. Temos Ronan Lynch sem parte da rebeldia pelo entendimento de que o mundo não é só seu. E o doce Noah Czern tem muito mais a oferecer que um espírito sem cor. Dessa forma, Maggie refaz cada personagem e cada segredo para que a imprevisibilidade seja parte de seu mundo.

Mas tal recontagem, não impõe dizer que os desenvolvimentos realizados nos volumes anteriores são perdidos, mas sim refeitos à novos significados. Nas resenha de Ladrões de Sonhos, havia comentado que Maggie criou duas obras que não tinham relação uma com a outra de uma forma mais geral. Isso porque a autora cria em nos livros anteriores construções. Como se os outros fossem os alicerces da casa que será construída.

Ao dar vida a Lírio Azul, Azul Lírio, Maggie estabelece pontos convergentes a história. O principal deles é ver que os grupo d’Os Garotos Corvos e Blue Sargent estão se tornando uma coisa só. Suas ações parecem sincronizadas e como a própria autora diz: eles estão apaixonados uns pelos outros, de modo que suas vidas estão entrelaçadas. A amizade está mais forte do que nunca mesmo com todos os empecilhos que surgem em seu caminho.

Como se não bastasse tudo isso, Maggie ainda trabalha com a quebra dos esteriótipos. O garoto rico não busca uma meta por não ter uma família que não o ama. O rapaz gay não é a alma mais alegre do grupo (vale ressaltar que a Maggie trabalho muito bem a sexualidade nesse livro). A menina feminista não é uma arrogante que acredita não precisar de ajuda para nada. O cara que tem uma família cruel não é o bandido, até porque a maldade não está perfeitamente definida.

Dessa forma, com todos esses elementos aliados a personagens secundários inesquecíveis (mulheres da Rua Fox, 300 eu amo vocês) Maggie Stiefvater cria uma obra espetacular. Ela mostra ao leitor que segredos e finais bombástico não são tudos dentro de uma obra. Com uma narrativa poderosa e envolvente, a autora abre portas para um quarto livro que promete ultrapassar as vias do magnífico.

Amizade do tipo inabalável. Uma amizade que você podia contar para valer. Que poderia passar pelas maiores dificuldades e voltar mais forte que antes.

( Resenha ) Ladrões de Sonhos – Maggie Stiefvather – Livro 02

Minhas caras Corujinhas. Existem muitos segredos esperando para serem revelados. Em Ladrões de Sonhos Maggie Stiefvater vai te mostrar que o primeiro passo de tudo é acreditar no inacreditável que tudo pode se tornar possível.

ladrões de sonhos

Titulo: Ladrões de Sonhos
Titulo Original: The Dreams Thieves
Série: A Saga dos Corvos #02
Autora: Maggie Stiefvater
Editora: Verus
Páginas: 429
Ano: 2014
Avaliação: ⭐ ⭐ ⭐ ⭐
Encontre: Skoob | Amazon | Saraiva

Sinopse: Ladrões de sonhos, o segundo volume da Saga dos Corvos, traz de volta a imaginação selvagem e as reviravoltas eletrizantes que somente uma autora original como Maggie Stiefvater é capaz de criar. Ao lado de Blue, os garotos corvos — o privilegiado Gansey, o torturado Adam, o espectral Noah e o sombrio e perigoso Ronan — continuam sua busca pelo lendário rei galês Glendower. Mas suas explorações enfrentam um duro contratempo conforme segredos, sonhos e pesadelos começam a enfraquecer a linha ley — um canal invisível de energia que conecta lugares sagrados e que pode levá-los até o rei. Será por isso que a floresta mística de Cabeswater sumiu inexplicavelmente? Quem é o misterioso Homem Cinzento e por que ele está procurando o Greywaren, uma relíquia que permite tirar objetos de sonhos? E o que isso tem a ver com o indecifrável Ronan? Conforme Blue e os garotos corvos procuram respostas a essas e outras questões, o perigo que os envolve se torna cada vez mais real, e será preciso apostar todas as fichas nessa aventura enigmática.

Esta resenha não conterá spoilers do livro anterior.

Com sua narrativa poética e personagens singulares, Maggie Stiefvater conduz um livro diferente de tudo. Aliados as novas descobertas, Os Garotos Corvos possuem um ciclo devastador de mistério, aspereza, amor e solidão traçando caminhos que levam tanto eles como o leitor para além do que se possa imaginar.

Às vezes, algumas raras vezes, um segredo permanece desconhecido porque é algo grande demais para a mente guardar. Estranho demais, vasto demais, aterrorizador demais para ser contemplado. Todos nós temos segredos na vida. Nós os guardamos ou temos alguns guardados de nós, jogamos ou somos jogados. Segredos e baratas — é o que restará no fim de tudo.

Os Garotos Corvos foram evoluídos. Gansey parece mais isolado dos amigos durante sua busca por Glendower, mas isso não o torna frívolo. Eu diria que ele apenas se tornou pensativo pois sua busca se tornou que o desejo pela recompensa e sim pelas verdades que deseja descobrir. Adam que sempre foi um personagem ansiador pelo poder esta divido pela percepção que suas ações podem prejudicar os amigos. De longe, Adam foi o personagem mais forte, que ao tentar lutar contra o passado, prejudica seu futuro mesmo que não precise ser transformado em um vilão para isto. Blue foi um tanto controversa, muito embora continue perspicaz e independente, mas de todos eu diria que foi a que menos cresceu. Noah está instável pela inconstância  da linha ley, mas vai se tornando mais corajoso a medida que o livro passa, o que é surpreendente se levarmos em consideração suas atitudes no volume anterior. Já Ronan é ainda mais imersivo em seu próprio mundo, mas se antes ele parecia ter necessidade de guia agora caminha para uma independência quase que sem limites.

Por esses motivos, meu ponto favorito da história é a peculiaridade dos personagens. Eu poderia completar dizendo que não são clichês do gênero, mas com certeza estaria mentindo. A questão porém não é eles o serem, mas o modo como vão para além disto. É uma visão que você tem do livro anterior mas acredito que só pude ter uma visão clara e aperfeiçoada do que foram os personagens de Maggie durante essa obra. Cada um apresentou uma mudança significativa em sua personalidade que o fez se tornar ainda mais palpável, pois quanto mais denso um determinado personagem se constrói, mais força ele toma dentro da narrativa.

Ele podia se lembrar de toda sorte de nomes para ela agora, e todos pareciam mais adequados. Estrada das fadas. Caminho espiritual. Linha de canções. O velho caminho. Linha de dragões. Caminho dos sonhos. O caminho dos corpos.

Dizer que Maggie Stiefvater tem uma maneira única de contar seria um eufemismo. Ao narrar em terceira pessoa por inúmeros personagens diferentes, a autora sequencia os atos de modo encadeado para que estes se tornem quase que um processo químico onde nada se perde, tudo se transforma. Conceitos que foram apresentados são refeitos. Existe uma redução do que parecia ter sido importante e um aumento aos pequenos detalhes que não havíamos dado importância. É fantástico perceber o crescimento da história, muito embora deva ressaltar que esse segundo livro toma muito mais a característica de obra única do que continuação. Isto porque o foco da história teve uma mudança significativa.

Ao iniciar Ladrões de Sonhos você percebe que o primeiro plano de narrativa não está mais na busca por Glendower, mas sim na revelação feita por Ronan no volume anterior. Eu não tinha maiores explicações do porque havia ocorrido essa mudança de foco, de modo que no início fiquei confusa pois tive a sensação que Maggie havia perdido a linha de raciocínio. Contudo, ao perceber a obra como um todo nata-se que tal mudança foi bastante necessária já que apenas através dela o arco de explicações referentes aos acontecimentos desse volume pudessem serem plenamente concluídos e assim não comprometessem o entendimento geral da saga do leitor.

Em uma postagem no tumblrStiefvater comentou sua saga não havia começado com Os Garotos Corvos e Blue Sargent; mas sim com Ladrões de Sonhos, e Ronan Lynch. Dessa maneira Ladrões de Sonhos é anterior ao primeiro volume da série. Pode parecer estranho que Maggie tenha optado por começar sua saga do segundo volume e então retornar ao primeiro, mas vejo como uma ótima criação de fluidez a saga. O que não foi explicado no primeiro livro é feito no segundo, e o que poderia causar estranheza no leitor neste,  já havia sido devidamente explicado no primeiro. Portanto, estamos lidando com uma obra muito mais estruturada em termos narrativos, conectivos e explicativos que apesar de começar e terminar aqui, é fundamental para compreensão de tudo que já aconteceu e tudo que está por vir.

Naquele momento, Blue estava um pouco apaixonada por todos eles. Pela magia deles. Pela busca deles. Pela voracidade e pela estranheza deles. Seus garotos corvos.

Ladrões de Sonhos foi um livro que mudou minha perspectiva sobre A Saga dos Corvos. Maggie Stiefvater conseguiu dar uma continuação e um recomeço maravilhoso de todos os modos que podemos pensar. Apesar da minha confusão inicial, tudo que foi adicionado deixou um gosto de quero mais. Acredito que a partir desse ponto, essa saga tem tudo para se tornar uma das favoritas da vida. Afinal de contas, tenho a impressão que além das diversas surpresas que esse livro vai me trazer, a narrativa e os personagens devem continuar sendo tão espetacularmente peculiares.

A questão sobre Ronan Lynch, Adam havia descoberto, era que ele não gostava de — ou não conseguia — se expressar com palavras. Então cada emoção tinha de ser soletrada de alguma outra maneira. Um punho, um fogo, uma garrafa. (…) e ele precisava extravasar sozinho com seu corpo. Pela janela traseira, Adam viu Ronan pegar uma pedra no acostamento e jogá-la no mato

( Resenha ) Quando A Noite Cai · Carina Rissi

Minhas sonhadoras Corujinhas, fechem seus olhos e deitem em suas camas pois hoje vamos navegar através de sonhos e descobrir uma história de amor mais forte que a morte.

image

Título: Quando A Noite Cai
Autora: Carina Rissi
Editoras: Verus
Páginas:
Ano: 2017
Avaliação: ⭐⭐⭐
Encontre: Skoob | Amazon | Saraiva

 

Sinopse: Briana Pinheiro sabe que não é a pessoa mais sortuda do mundo. Sempre que ela está por perto algo vai mal, especialmente no trabalho. Por isso é tão difícil manter um emprego. E a garota realmente precisa de grana, já que a pensão da família não anda nada bem. Mas esse não é o único motivo pelo qual Briana anda perdendo o sono. Quando a noite cai e o sono vem, ela é transportada para terras distantes: um mundo com espadas, castelos e um guerreiro irlandês que teima em lhe roubar os sonhos… e o coração. Depois de ser demitida — pela terceira vez no mês! —, Briana reúne coragem e esperanças e sai em busca de um novo trabalho. É quando Gael O’Connor cruza seu caminho. O irlandês de olhar misterioso e poucas palavras lhe oferece uma vaga em uma de suas empresas. Só tem um probleminha: seu novo chefe é exatamente igual ao guerreiro dos seus sonhos. Enquanto tenta manter a má sorte longe do escritório, Briana acaba por misturar realidade e fantasia e se apaixona pelo belo, irresistível e enigmático Gael. Em uma viagem à Irlanda, a paixão explode e, com ela, o mundo de Briana, pois a garota vai descobrir que seu conto de fadas está em risco — e que talvez nem mesmo o amor verdadeiro seja capaz de triunfar…

Não era qualquer olhar, mas aquele que devassa a alma, que não é capaz de fugir nem de esconder nada, pois a intensidade destróitodas as barreiras.

 

Carina Rissi é uma das minhas autoras nacionais favoritas e seus chick-lits sempre me fazem chorar de rir. Quando A Noite Cai é o sétimo livro que leio da autora. Normalmente não costumo comparar obras com semelhantes, mas quando se trata de autores, não consigo evitar comparar a construção de um livro para outro. Por esse motivo acredito que não caí de amores por este livro. Depois de tantas obras lidas da autora e sabendo da sua capacidade de surpreender, eu realmente esperei muitos mais elaboração em certos aspectos e me decepcionei com este livro.

Dona de uma escrita fluída e divertida, Rissi continua me fazendo rir bastante, o que é incomum já que poucos autores conseguem esse efeito. Dosado de maneira correta, existe leveza e dureza nas horas que ambas as coisas precisam acontecer. Por isso, a narrativa do livro  se torna bem construída por dar ao leitor ao leitor aquilo que ele precisa sem nocauteá-lo com elementos desnecessários. Nesse ritmo, ela vai nos apresentando seus personagens que vêm de modo cativante. Em meio a contextos, que variam as situações mais cômicas aos escuros segredos dos personagens, o livro se desenolve de modo rico e criativo não somente pelo humor, mas também por toda mitologia envolvida.

Essa é a diferença entre fantasia e realidade: a vida te frustra a todo instante enquanto a fantasia te entorpece com suaves doses de falsas esperanças.

Contudo, estamos falando de um romance, certo? E por esse motivo acabei não gostando tanto do livro. Apesar de ter amado conhecer Briana e Gael separadamente, juntos não tive o mesmo efeito. Não consegui shippar o casal de modo que não me perdi nas linhas e muito menos soltei coraçãozinhos pelos olhos. Por se tratar quase que um amor à primeira vista, acabei não tendo a emoção de me apaixonar por eles ao mesmo tempo que ambos o faziam. Foi como observar de longe o amor de dois passarinhos: é muito fofo, mas apenas isso. O romance foi a parte mais fraca do enredo, onde senti o muito do mesmo e bem pouca originalidade.

O que mais me agradou no livro, foram os sonhos de Briana e toda mitologia envolta deles. Esta em especial foi muito bem aprofundada onde fiquei de queixo caído com algumas histórias e louca para conhecer a Irlanda (mais um país para lista ☺). E quanto aos sonhos, foram muito bem criados, e para uma história contada em tão poucos capítulos — são oito ou nove que cumprem esse papel —, foram suficientes para não apenas dar mais amparo a história principal como também atiçar ainda mais a curiosidade do leitor.

Quando A Noite Cai foi uma leitura gostosa mesmo se tratando de um clichê. É um livro para quem gosta de romance e drama, mas principalmente de alegrias e boas risadas. É um livro de ficção para todas as idades e claro, para todos aqueles que amam um bom conto de fadas.

Porque eu queria marcar alguém dessa forma. Continuar existindo mesmo depois do fim. E me peguei pensando que os alquimistas não tinham entendido. Não existia um elixir da vida que trouxesse a imortalidade. É o amor que torna alguém imortal.

| RESENHA | Garota Online – Zoé Sugg – Série Garota Online – Livro Um

Título: Garota Online
Título Original: Girl Online
Série: Garota Online – Livro Um
Autora: Zoe Sugg
Editora: Verus
Avaliação: 🌟🌟🌟
Onde Comprar:

image

Sinopse: Garota Online – Penny tem um segredo. Com o nickname Garota Online, ela escreve um blog no qual desabafa seus sentimentos mais íntimos sobre amizade, meninos, os dramas do colégio, sua família maluca e os ataques de pânico que começaram a dominar sua vida. Quando as coisas vão de mal a pior, sua família a leva para Nova York, onde ela conhece Noah, um garoto lindo que toca guitarra, e com quem ela parece ter muito em comum.  De repente, Penny percebe que está se apaixonando — e escreve sobre cada momento dessa história em seu blog, de maneira anônima. Só que Noah também tem um segredo, que ameaça arruinar o disfarce de Penny para sempre. Garota Online é um livro encantador, que traduz exatamente o que significa crescer e se apaixonar na era digital.

Quando você chora na frente de alguém, quando mostra seu lado mais vulnerável, demonstra que realmente confia na pessoa.

Quando eu comecei a ler Garota Online sabia que ia ser um livro que me causaria uma sensação nostálgica. Do tipo em que somos jovens (ainda sou jovem, mas não mais teen) e amamos aquele livro ao qual a personagem principal meio que nos representa, pois 90% dos adolescentes já se sentiu desengonçado como se estivesse sempre no lugar errado e na hora errada. Penny lembra exatamante essa garota. Uma garota que tem o talento nata para se meter em confusão e se sentir como um peixe fora do aquário. Por isto, apesar da história ser bobinha e previsível,  ela foi  bem gostosa e divertida de ler.

Mas depois me perguntei se, às vezes, as amizades não são como roupas, e quando começam a causar desconforto, não é porque fizemos alguma coisa errada. Significa que crescemos, e elas não servem mais para a gente.

Penny é o tipo de personagem que em outra ocasião eu não gostaria. Ela é insegura de uma maneira que as vezes eu possuía aquela vontade básica de entrar no livro só para dar uns tapas na cara dela. Mas lembrando de mim mesma como adolescente percebo que muito de mim era como Penny. As vezes eu levava coisas pequenas à sério de mais e fazia logo um dilúvio em uma tampinha de xarope. Mas acho que grande parte de nós já passou por isso. A adolescência é aquela fase em que tudo é exagerado. E a personagem principal de Garota Online me lembrou justamente isso.

Existem pessoas que você se apaixona oficialmente segundos depois de conhecer.

Acho que o único ponto que realmente me incomoda no livro de Zoe é a falta de algo mais para a história. Todo livro que leio, independente do que se trata, para me fazer simplesmente ama-lo, precisa de uma abordagem diferente dentro daquilo esperado para ele. E Garota Online não me surpreende nem me chama atenção nesse quesito. A linguagem que autora uza é sim engraçada e leve, mas os fatos do desenrolar é tão sessão da tarde que é impossível não descobrir livro durante todo o livro. E muito embora eu tenha demorado apenas sete horas para finalizar a história, não posso negar que isto me deixou as vezes entediada com a leitura onde várias vezes empurrei com a barriga.

Às vezes você precisa encarar seus medos, para perceber que eles não são reais.

Por esses motivos considero Garota Online uma boa leitura. Não é surpreendente e com certeza não é algo completamente novo. Mas mesmo assim é uma leitura fluída e gostava de uma tarde e que traz a nostalgia de volta.