Arquivo da tag: destaque

( Resenha ) Boa Noite – Pam Gonçalves

Pam Gonçalves é certamente uma das maiores booktubers do brasil. Acompanho-a desde o começo e ela foi responsável por me apresentar algumas das minhas melhores leituras da vida. De modo que quando foi anunciado a publicação de obrar fiquei com muita vontade de ler. Mas a oportunidade surgiu apenas anos mais tarde e mesmo assim, todas as temáticas do livro, não deixaram de ser importantes e atuais para o mundo e para o brasil que vivemos hoje.

Título: Boa Noite | Autora: Pam Gonçalves | Editora: Galera Record | Páginas: 240 | Ano: 2016 | Avaliação: ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ | Encontre: Saraiva | Skoob | Amazon 
Boa NoiteSinopse: Alina quer deixar seu passado para trás. Boa aluna, boa filha, boa menina. Não que isso seja ruim, mas também não faz dela a mais popular da escola. Agora, na universidade, ela quer finalmente ser legal, pertencer, recomeçar. O curso de Engenharia da Computação – em uma turma repleta de garotos que não acreditam que mulheres podem entender de números -, a vida em uma república e novos amigos parecem oferecer tudo que Alina quer. Ela só não contava que os desafios estariam muito além da sua vida social. Quando Alina decide deixar de vez o rótulo de nerd esquisitona para trás, tudo se complica. Alina não tinha como prever que seria tragada para o meio de tudo aquilo nem que teria a chance de fazer alguma diferença. De uma hora para outra, parece que o que ela mais quer é voltar para casa.

O primeiro livro de Pam Gonçalves tem uma temática New Adult construído através de uma garota que precisa encarar as novas dificuldades postuladas pela fase adulta. Apesar de começar em um esteriótipo – a garota impopular que deseja alcançar um status social -, a obra se desenvolve de uma maneira quase inovadora trazendo problemas reais o mundo da personagem. Muito embora, eu não possa dizer que ficaria amiga de Alina, algumas de suas atitudes lembraram a mim mesma, principalmente no que diz respeito a necessidade de aceitação. Sua trajetória em deixar isto para trás determina o tom do livro, pois mesmo abordando assuntos variados, Pam nunca deixa de lado a construção que Alina tem quando voltada para si mesma.

Entretanto, pensando um pouco na narrativa, posso dizer que não foi um livro nem amado nem odiado por mim. São bons temas para si tratar ao mesmo tempo que são temas excessivos para colocar em um único livro com páginas contadas. Pam tem uma escrita interessante, sentimental mas que não foca em algo para evoluir verdadeiramente. Assim, esse se torna o problema principal da obra. O multifoco da autora em ser representativa, trouxe um livro de meia-representatividade.

Em primeiro plano, as abordagens são necessárias. Ainda ainda mais se explanarmos o sentido cultural que o Brasileiro – de uma forma generalizada – tem em observar o feminino e os locais que se encontra. O feminismo é visto como uma doença, as mulheres como objetos e tudo aquilo que é diferente como errado. Inserir em uma obra pensamentos que desmitifiquem essa realidade soa absurdo de tão real, de tão necessário. Desse modo, superficialmente a obra equilibra vida real com imaginária trazendo situações que podemos vivenciar ou ver vivenciadas por outras garotas.

“Sabe o que acontece com as garotas como eu que falam que foram estupradas por um cara como ele? Vão dizer que eu merecia. Que eu deveria agradecer. 

Todavia, devemos observar que a ficção, por mais que seja “de mentirinha”, precisa ter um bom posicionamento para convencer principalmente quando colocada em prática de uma realidade. Se toma como foco abordar uma questão, não se coloca e depois abandona-a, mas sim questiona, oferece intervenção ou pelo menos evolução. Todos os assuntos abordados pela Pam ficaram soltos,  o que acabou sendo um ponto desastroso em uma história que tinha tudo para ser perfeita.

Boa Noite é uma obra necessária por trazer sororidade ao mundo, visto que precisamos que as mulheres se apõem ao invés de se julgarem. Entretanto, não indico para quem precisa de algo para pensar. O livro não traz soluções ou crítica com afinco, apenas abre margem para que assuntos como este sejam pelo menos levados em consideração da nossa sociedade.

( Lista ) Livros para começar a ler

Oi Corujinhas.

Antes de iniciar as resenhas, eu estava lendo ]os comentários aqui no blog e acabei notando que muitas pessoas sempre me dizem que têm vontade de começar a ler um gênero, mas nunca encontrou uma obra que chamasse atenção ou teve uma experiência negativa com uma obra que estragou o gênero.

Assim, como meu desejo com o blog é expandir a literatura, o post de hoje tem como propósito indicar livros que favoritei nos meus gêneros favoritos para que vocês encontrem novos caminhos no meio literário. Vou tentar colocar escolhas não óbvias para que vocês conheçam obras ao invés de permanecermos nas indicações corriqueiras.

Caso vocês tenham indicações para mim em gêneros que eu não coloquei, como biografia ou poesia. também são muito bem vindas.

Espero que gostem.

a desconstruçao de mara dyer1. Fantasia.

Sinopse: Um grupo de amigos… Uma tábua Ouija… Um presságio de morte. Mara Dyer não estava interessada em mensagens do além. Mas para não estragar a diversão da melhor amiga justo em seu aniversário ela decide embarcar na brincadeira. Apenas para receber um recado de sangue. Parecia uma simples piada de mau gosto… até que todos os presentes com exceção de Mara morrem no desabamento de um velho sanatório abandonado. O que o grupo estaria fazendo em um prédio condenado? A resposta parece estar perdida na mente perturbada de Mara. Mas depois de sobreviver à traumática experiência é natural que a menina se proteja com uma amnésia seletiva. Afinal, ela perdeu a melhor amiga, o namorado e a irmã do rapaz. Para ajudá-la a superar o trauma a família decide mudar para uma nova cidade, um novo começo. Todos estão empenhados em esquecer. E Mara só quer lembrar. Ainda mais com as alucinações – ou seriam premonições? – Os corpois e o véu entre realidade, pesadelo e sanidade se esgarçando dia a dia. Ela precisa entender o que houve para ter uma chance de impedir a loucura de tomá-la….

Branca de Neve Tem Que Morrer2. Suspense

Sinopse: Numa noite chuvosa de novembro, Rita Cramer é empurrada de uma passarela e cai em cima de um carro em movimento. Pia e Bodenstein, da delegacia de homicídios, têm um suspeito: Manfred Wagner. Onze anos antes, a filha de Manfred desaparecera, sem deixar pistas, e um processo baseado em provas circunstanciais condenou Tobias, filho de Rita Cramer, a dez anos de prisão. Logo após cumprir a pena, Tobias retorna à sua cidade natal e, repentinamente, outra garota desaparece. Os acontecimentos do passado parecem repetir-se de maneira funesta. Pia e Bodenstein se deparam com um muro de silêncio. As investigações transformam-se numa corrida contra o tempo, iniciando uma verdadeira caça às bruxas. 

montanha da lua3. Romance de Época.

Sinopse: Há séculos uma verdade acompanha cada herdeiro do ducado de Bousquet: A Maldição dos Hallinsons. Conta-se que a tragédia os acompanha, levando à morte as esposas em seu primeiro ano de matrimônio. Octávio Hallinson Segundo sofre as consequências de não seguir estes ensinamentos. Viúvo, isolou-se da sociedade, fugindo da responsabilidade de casar-se novamente para providenciar um herdeiro para seu título.  Mical Baudelaire Nashgan sempre foi uma mulher decidida, enfrentando as ordens de sua tia e negando-se a seguir o protocolo que obrigava mulheres a procurar maridos apenas por posse de títulos e dinheiro e não por amor. O posicionamento contraditório aos costumes afastou os candidatos, tornando-a uma das únicas solteironas que sua província conheceu. A mais bela dentre elas. Uma tragédia a coloca frente aos perigos da floresta aos pés da Montanha da Lua e seu futuro torna-se incerto e assustador.

uma curva na estrada4. Drama.

Sinopse: A vida do subxerife Miles Ryan parecia ter chegado ao fim no dia em que sua esposa morreu. Missy tinha sido seu primeiro amor, a namorada de escola que se tornara a companheira de todos os momentos, a mulher sensual que se mostrara uma mãe carinhosa. Uma noite Missy saiu para correr e não voltou. Tinha sido atropelada numa rua perto de casa. As investigações da polícia nada revelaram. Para Miles, esse fato é duplamente doloroso: além de enfrentar o sofrimento de perder a esposa, ele se culpa por não ter descoberto o motorista que a atropelou e fugiu sem prestar socorro. Dois anos depois, ele ainda anseia levar o criminoso à justiça. É quando conhece Sarah Andrews. Professora de seu filho, Jonah, ela se mudou de Baltimore para New Bern na expectativa de refazer sua vida após o divórcio. Sarah logo percebe a tristeza nos olhos do aluno e, em seguida, nos do pai dele. Sarah e Miles começam a se aproximar e, em pouco tempo, estão rindo juntos e apaixonados. Mas nenhum dos dois tem ideia de que um segredo os une e os obrigará a tomar uma decisão difícil, que pode mudar suas vidas para sempre.

reiniciados5. Ficção Científica.

Sinopse: As lembranças de Kyla foram apagadas, sua personalidade foi varrida e suas memórias estão perdidas para sempre. Ela foi reiniciada. Kyla pode ter sido uma criminosa e está ganhando uma segunda chance, só que agora ela terá que obedecer as regras. Mas ecos do passado sussurram em sua mente. Alguém está mentindo para ela, e nada é o que parece ser. Em quem Kyla poderá confiar em sua busca pela verdade?

 

Espero que tenham gostado corujinhas. Até a próxima.
Beijos.

    .

(Algo à ver) Vingadores: Ultimato – Joe e Anthony Russo

Há dez anos, uma franquia ousada surgia no cinema. Os irmãos Russo iniciaram sua jornada para construir filmes interligados que culminariam com a batalha contra Thanos. Desde então, vinte e dois filmes foram lançados. Alguns excelentes, outros nem tanto. Mas todos carregados de um sentimento de pertencimento à algo maior. Agora, com o lançamentos do último filme da primeira grande saga, a série Os Vingadores alcançam um novo patamar de excelência, nos deixando ansiosos para o que podemos esperar nos anos seguintes do MCU.

Obs: Essa resenha não terá spoilers, mas algumas observações sobre o filme serão realizadas.
Título: Os Vingadores – Ultimato | Título original: The Avangers – End Game | Direção: Joe & Anthony Russo | Elenco: Robert Downey Jr, Chris Evans, Chris Hemsworth, Scarlett Johansen, Mark Ruffalo, Paul Rudd, e Jeremy Renner | Distribuição: Marvel | Duração: 3h08m | Avaliação: 🍿 🍿 🍿 🍿

Uma questão que nos faz amar o cinema, costuma ser as finalizações de séries que amamos apesar da dor que sentimos pela certeza que não retornaremos a ver nossos personagens queridos. Harry Potter, O Senhor dos Anéis e Logan são provas vivas que as vezes o fim é só o começo para uma lembrança de um tempo inesquecível que passamos à frente das telonas. Não obstante, o mesmo podemos esperar do culmino de dez anos do “Marvel Comics Universe”. Foi uma longa jornada que nos fez rir, chorar e lutar ao lado de nossos heróis favoritos no cinema. Vingadores: Ultimato consegue alcançar a excelência e nos deixar, ao mesmo tempo, tristes e ansiosos para o que está por vir.

O longa inicia vinte dias após o estalar dos dedos em Guerra Infinita. Tony Stark (Robert Donwey Jr) está preso no espaço sem água e comida, ao passo que Natasha Rommanoff (Scarlett Johansen) e Steve Rogers (Chris Evans) lideram uma espécie de resistência contra o titã na terra. Começando sua jornada com a morte pairando em suas cabeças, o caminho traçado pelos protagonista é de redenção e confirmação.

A primeira hora de filme é um tanto maçante, o que não me permite dar nota máxima à película. A reunião dos personagens em prol da reconstrução da equipe é um tanto longa demais, algo que certamente poderia ser contornado. Entretanto, talvez não devêssemos culpar apenas os diretores por esta construção ser o ponto principal da falha, em vista que os irmãos Russo ficaram impossibilitados de criar um primeiro momento espetacular. Afinal, a Marvel está fechando um ciclo de dez anos que têm como principais personagens os fãs. E se por um lado, os fãs são os mais fáceis de agradar pois estão à frente dos seus personagens favoritos, por outro a necessidade que ainda se tem de que os personagens sejam idênticos aos dos quadrinhos, seja por sua história, seja por seus poderes, limitam o sentido totalitário da franquia. Se tornou necessário deixar espaço para que, principalmente, os seis vingadores originais brilhassem, antes da aventura ser realmente iniciada.

Mas quando finalmente o Ultimato engrena, somos levados à um ritmo frenético de emoções que vão desde a mais alta felicidade ao maior dos temores. O filme consegue equilibrar os pontos de humor (sem saturar como em Thor Ragnarok) com as cenas de ação. Apesar da pouca extrapolação da narrativa, a qualidade estética e visual é grandiosa. As batalhas são bem coreografadas para que os heróis tenham seu tempo de tela e possam garantir a consolidação de suas faces, mesmo que poucas, na narrativa.

Por certo que Vingadores se tornou uma espécie de patrimônio cultural. Assim, exatamente como todos os outros filmes da Marvel podemos inserir Ultimato na categoria dos Blockbuster, como um grande espetáculo que tem uma função de agradar sem grandes provocações. Esse é claro, é o grande papel de Marvel Comics no cinema mundial, ao qual tem sua primeira grande finalização de uma forma competente que agradara os fãs e mesmos aqueles que não acompanharam seu universo.

Os trinta minutos finais foram os mais instigantes do filme. Algumas cenas são para rir, outras para aplaudir e algumas para chorar. A força feminina e negra, foram exaltadas e novos caminhos foram abertos. E apesar das perdas, finais felizes foram construídos pelas lembranças deixadas para trás. Em resumo, Os Vingadores: Ultimato deixará marcado em nossos corações o fim épico de uma era que está apenas começando.

 

( TAG ) Mulheres Que Mudaram O Mundo – Original

Oi Corujinhas, faz tempo que não respondo uma tag e como estou cada vez mais me aprofundando em feminismo, resolvi criar uma para exaltar as mulheres que mudaram o  mundo, associando livros maravilhosos à elas – já que não existe um elogio melhor. Para fazer escolhi moças de variadas áreas e assim conseguir apresentar livros com vários estilos também. 

Espero que gostem.

Resultado de imagem para boa noite pam gon̤alves1. Malala Yousef РUm livro que te inspira a lutar por outras pessoas.

Lido recentemente, Boa Noite de Pam Gonçalves foi uma obra que me marcou muito por aludir a problemáticas necessárias para o convívio. É interessante perceber que a Pam trabalhou diversos temas no enredo, mas principalmente a necessidade que nós precisamos dar mais valor a sororidade, ou seja, a união e aliança entre mulheres, baseado na empatia e companheirismo, em busca de alcançar objetivos em comum.

Nunca julgue uma dama pela aparencia2. Amelia Earhart – Um livro que te motiva a conquistar o mundo.

Um dos motivos pelos quais adoro romances de época é a força de suas protagonistas. Apesar da irrealidade, é interessante perceber como todas elas burlam o sistema e se tornam muito mais do que o esperado. Uma obra que me deu certeza disso foi Nunca Julgue Uma Dama pela aparência de Sarah MacLean, onde nossa heroína, Georgiana Pearson, nos mostrar que é possível lutar para ser mais forte que os esteriótipos e ter o mundo na palma de sua mão.

a bela ou a fera3. Nadia Comaneci – Seu primeiro livro favoritado.

Antes mesmo de conhecer esse mundo literário e suas demasiadas manifestações, quando eu era criança a obra A Bela Ou A Fera de Anna Flora me marcou profundamente. Tanto, que ainda me recordo de suas primeira frases e quase toda sua história. Ana é uma personagem cativante que tenta entender o mundo dos adultos e seu crescimento. Eu indico esse livro não somente aos pequenos, mas também aos adultos que gostariam de lembrar todas as incógnitas – muito importantes – de quando eram crianças.

a hospedeira4. Suu Kyii – Um livro que manifesta a verdadeira democracia.

Existem poucos livros que definem a democracia como fonte principal no enredo. A maioria vai justamente pelo lado contrário, afirmando que seria justamente a perda da democracia que faz a sociedade se perder. A Hospedeira de Stephanie Meyer é um exemplo de como a democracia deveria funcionar através das almas. Justas por natureza, as almas tem um sistema baseado nas escolhas. Muito embora subjuguem a humanidade, se entendermos as almas como organização social percebemos a grandeza que as cerca.

simon vs a agenda do homo sapiens5. Jeanne Manford – Um livro pela igualdade LGBT+.

Simon Vs A Agenda do Homo Sapiens é um dos melhores livros com temática LGBT+ que tive o prazer de ler. Muito embora seja mais voltado mais ao Gay do que as outras bases da comunidade, a obra é um manifesto pela igualdade. As cenas são marcantes e as ideologias proposta pela autora não são pesadas, no sentido de imporem alguma coisa. Na verdade tudo surge de maneira muito natural, até porque Becky entende que não existem diferenças entre pessoas gays ou héteros. Somo todos humanos capazes de amar e sermos amados.

Vox6. Maria Quitéria – Um livro contra a desigualdade de gênero.

Também entre meus lidos recentemente, Vox de Cristina Dalcher demonstra a importância da luta pela igualdade de gênero nos caminhos para silenciar a  mulher em demasiadas ocasiões. No obstante a realidade que conhecemos, Dalcher imprimi  no texto a importância da luta, do reconhecimento dos privilégios e a necessidade de se usar a voz quando necessário. É uma obra avassaladora, muito parecida com a sociedade que temos hoje.

a resposta7. Solitude (Guadalupe) – Um livro pela igualdade racial. 

Acho que já devo ter falado dessa obra um milhão de vezes para vocês, mas pensando em igualdade racial não tem como deixar de citar A Resposta, um dos melhores livros que tive o prazer de ler. Narrado no auge da segregação dos Estados Unidos da América, A Resposta tem um significado imenso sobre a natureza do racismo e a problemática dele. Não somente pelas quatro protagonistas, mas por cada pedaço desse mundo voltado a expor as injustiças raciais.

   


Beijos. Até mais. 

( RESENHA ) Sete Pinturas: A Lenda do Fim do Mundo – Landulfo Almeida

Conheci o livro Sete Pinturas: A Lenda do Fim do Mundo no final do ano passado. Como sempre, ignorei a sinopse e olhei diretamente para a capa procurando algo que me chamasse atenção. Pelo título, poderia jurar que se tratava de um livro de romance. Dessa forma, para meu total espanto, quando pus os olhos na imagem de divulgação havia um homem armado, despertando o desejo de entender os aspectos visuais que invocam a obra. E posso dizer que, mesmo tendo demorado mais que o previsto para realizar leitura do livro, valeu a pena cada minuto que passei na Floresta Amazônica.

Título: Sete Pinturas: A Lenda do Fim do Mundo  | Autor: Landulfo Almeida | Publicação independente | Páginas: 408| Ano: 2018 | Avaliação: ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ ❤| Encontre: Skoob | Amazon

51A-bR7vaYLSinopse: Em um passado distante, estranhas pinturas rupestres são encontradas em uma caverna oculta no coração da Amazônia. Considerado sagrado pelos índios, o local está associado a uma lenda ancestral e a uma descoberta fantástica. Ao longo dos anos o segredo é mantido por uma única família e confere a ela grande poder e fortuna. Nos dias atuais, apenas dois homens, Raphael Roman Dummas e Marcos Cleanfield, têm completo conhecimento sobre a verdadeira natureza da descoberta e ambos têm interpretações diferentes sobre a lenda e suas ramificações. A morte, sem explicação científica, de milhares de pássaros e uma tentativa de assassinato alteram o equilíbrio pacífico de forças sustentado até então por Raphael e Marcos.  Dois amigos, Daniel e Érica, criados em um orfanato como irmãos, sem perceber são catapultados ao epicentro do conflito e se verão cada vez mais embrenhados em uma rede de intrigas e espionagem.  Uma mulher misteriosa, dotada de habilidades incomuns, um inimigo desconhecido, atentados, estranhos eventos naturais, paixões e morte farão com que alianças sejam criadas e destruídas. Dilemas éticos e morais, e a dificuldade de definir onde está a verdade permeiam a história e cada decisão de seus personagens. Na floresta amazônica, durante um confronto repleto de ação, uma revelação aterradora transformará a luta entre Raphael e Marcos em uma batalha pela salvação da humanidade.

Posso contar nos dedos quantos livros nacionais realmente me trouxeram leituras impactantes. Muitas dessas obras, são escondidas sob o véu do anonimato. Ou seja, os autores publicam-se de forma independente, e não importa quanto talento possuam, as editoras deixam que o dinheiro fale mais alto. Não cabe a mim julgar, mas posso dizer que Landulfo Almeida é a prova que muitas vezes talento está escondido atrás dos holofotes, ao invés de à frente deles. O autor é dono de uma escrita poderosa, relevante que criam um misto de surpresas incapazes de deixar o leitor desatento às suas páginas. Sete Pinturas é uma pérola da escrita nacional, calcada para ser inesquecível por aqueles que se deixarem ir além das obras mais famosas.

Sete Pinturas é narrado em terceira pessoa e sempre tive um afinco maior com obras das quais os autores prezam por detalhar imagens, sentimentos e consequentemente situações. Landulfo tem uma escrita detalhista, um tanto rebuscada, mas fluida que ajudam e muito na criação do cenário. Mas principalmente, preenchem as lacunas necessárias a construção do enredo, que por sua vez é muito bem intrincado. Inicialmente, parece que nada faz sentido, até que sucessivamente as peças se encaixam para surpreender o leitor  seguindo um caminho longe do esperado.

Mas o ponto alto da obra, foram os personagens e os dilemas morais compatíveis ao da sociedade atual. Os personagens são palpáveis, cheios de dualidade. Não podemos em ambos, Raphael e Marcos separadamente, mas sim nos dois juntos como parte de um todo. Ambos são carismáticos a ponto de envolverem o leitor em um jogo de mocinho e vilão. Poucas vezes, falando da literatura como um todo, vi personagens tão bem elaborados. E muito embora não sejam apenas eles os donos da trama, para mim. todo brilho e louros da obra são direcionados as suas aparições.

Sete Pinturas: A Lenda do Fim do Mundo é uma obra sensacional dotada de peculiaridades que deixaram o leitor de queixo caído. Eu recomendo bastante essa obra, não somente pelo suspense, mas por toda a brasilidade que ele apresenta.

 

( Resenha ) Arquidata: A Dama da Espada e O Segredo do Medalhão – Raquel Cassiano – Livro Um.

Quando surgiu a oportunidade de ler o livro de Raquel Cassiano, a sinopse prontamente me agradou, e muito embora alguns pontos não tenham me agradado tanto, foi uma leitura excepcional de uma série que promete ficar cada vez melhor.

Título: Arquidata – A Dama da Espada e O Segredo do Medalhão | Autora: Raquel Cassiano | Editora: Chiado Books| Páginas: 333 | Ano: 2018 | Avaliação: ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ | Encontre: Skoob | Saraiva 

AF_ArquidataSinopse: A jovem, pode-se dizer, não teve muita sorte na vida….Ainda criança, foi encontrada no mar sem nenhuma lembrança de quem era, de onde vinha ou de como chegara até ali. O nome que, supostamente era seu, estava num lenço encontrado em suas roupas, do qual ela nada sabia. Acabou sendo deixada em Aura, uma cidade pequena, mas muito inquieta. Enviada ao orfanato local, a menina sem memória tem de se adaptar as condições quase sub-humanas de sua nova vida atendendo aos desmandos da Senhora Oliver, a dona do lugar. Uma mulher que apesar do nome doce, era tão amarga quanto fel. Ranzinza, rude e mesquinha ela dedicava seus dias a fazer da vida dos internos um inferno. Gaia, como árvore no deserto, sobrevive ao descaso e amargura da velha senhora. Seu prêmio? Trabalhar, como criada, na escola de  Vale Verde, a única da cidade. Lá, mais uma vez, ela se depara com humilhações e maus tratos, até que conhece Meredith Walorne, uma professora destemida e misteriosa que fará sua vida pacata e sem expectativas tomar um rumo inesperado.

A narrativa de Raquel Cassiano é sem dúvidas o ponto mais forte desse livro. Fluída e ao mesmo tempo madura, Arquidata – A Dama da Espada e O Segredo do Medalhão se torna aquele livro que você lê em uma sentada. Narrado em terceira pessoa, o livro nada em situações que nos levam a refletir sobre diversos assuntos necessários ao círculo mundial,  além de nos imergir em uma aventura sobre coragem e amizade. É certo que eu esperava dizer uma maior exploração na ambientação do livro, mas ainda sim o espaço da narrativa é bem utilizado para criar uma boa dinâmica entre os dois.

Por falar em assuntos necessários, Cassiano tem um foco muito interessante no trabalho infantil e nas condições que este é realizado. Foi um ponto importante para a construção do enredo, principalmente no que se refere aos personagens e suas personalidades dando-nos visão do significado futuro de suas atitudes.

Apesar disso, não posso dizer que gostei dos personagens a ponto de me apegar à algum deles. Mas acredito que seja em virtude do meu olhar pessoal do que realmente para com obra. Gaia, por exemplo, foi um contraponto. Alguns autores costuma imprimir uma personalidade mais forte para crianças, e mesmo que seja parte do enredo, isso costuma dar uma certa “adultificação” ao personagem que particularmente não gosto. Algo que se perpetuou mesmo com enquanto Gaia ficava mais velha.

O arco narrativo do livro se desenvolve em certas fases, que acompanham Gaia desde sua chegada na cidade. Embora a primeira fase seja um tanto lenta, a segunda atinge o ápice do livro finalmente apresentando as questões que nos levam a leitura. Apesar disso, achei o final um tanto adrupto. Como se faltasse respostas. Mas isso deve-se ao fato de ser o primeiro livro de uma série.

Arquidata – A Dama da Espada e O Segredo do Medalhão é uma obra interessante de uma série que deve alcançar boas proporções. Para todos aqueles que amam fantasia é um livro maravilhoso e para quem começar  o gênero.

(Resenha) Amada Imortal – Cate Tiernan – Livro 01

Ler Amada Imortal estava nos meus planos à anos por conta do título e da capa. E fico satisfeita de não ter lido a sinopse que não ajuda muito em revelar qual o verdadeiro propósito da história. Mas apesar de ser surpreendente, alguns pontos críticos me fizeram ter um pé atrás com os próximos livros da trilogia. Pois apesar da premissa muito interessante, o desenvolvimento não conseguiu esta à sua altura.

Título: Amada Imortal | Título original: Immortal Beloved| Série: Amada Imortal 01 | Autora: Cate Tiernan| Editora: Galera Record| Páginas: 280| Ano: 2012| Avaliação: ⭐ ⭐  | Encontre: SkoobSaraivaAmazon

 

amada-imortal-cair-das-trevas-inimigo-sombrio-cate-tiernan-D_NQ_NP_738211-MLB20510785078_122015-F.jpgSinopse: Primeiro livro da bem-sucedida trilogia, mistura fantasia sobre imortais a uma história moderna de uma jovem em busca de si mesma e de redenção. Questões de identidade e moralidade aparecem na trama, protagonizada pela imortal Nastasya. Nascida em 1551, acostumada a beber e sair para baladas cada vez mais loucas, ela perdeu o rumo. Suas conexões com outros imortais, interessados apenas em suas habilidades mágicas, a fazem partir em busca de um propósito. E o encontra em uma espécie de clínica de reabilitação para os de sua espécie, onde conhece um pouco mais sobre o próprio passado e cria importantes laços para o futuro.

A coisa boa de ser imortal é que não dá pra beber até morrer literalmente, como acontece com alguns universitários. A coisa ruim de ser imortal é que não dá pra beber até morrer literalmente, então você acorda na manhã seguinte, ou talvez dois dias depois, e sente tudo o que não precisaria sentir se tivesse tido a sorte de morrer.

Narrado em primeira pessoa, a escrita de Cate Tiernan é dotada de simplicidade. No princípio, há certa demora no desenvolvimento pois os capítulos iniciais são voltados a fuga de Nastasya. Somente depois da sexagésima página o enredo principal se desenvolve. Entretanto, Cate peca em dar mais notoriedade ao romance que ao enredo principal.

Na verdade, o romance assume o papel principal dentro do livro. Engraçado como esse é um problema comum a maioria dos autores, principalmente dentro do gênero sobrenatural. Não me entendam mal, eu gosto do romance. Mas quando ele é equilibrado com os outros viés da trama. Afinal, se fosse para ler romance por romance, eu procuraria um drama ou chick-lit. De modo que parte da minha decepção com o livro foi a perda de história e o favorecimento de casal, quando na verdade a vida de Nastasya e seus poderes imortais pediam maior destaque e elaboração.

O romance em si não chega a ser dos mais apaixonante. Mas talvez seja porque o livro se nortei pelo clichê do gênero gato e rato adicionado ao passado sombrio. De forma que o casal protagonista não me faz vibrar quando juntos, mas quando separados se tornam outros quinhentos. Cate construiu personalidades muito fortes que – literalmente – levaram anos para serem construídas.

Nastasya, apesar da idade, tem uma personalidade um tanto infantil mesmo tendo passado por muitas provações. Mas isso pode ser explicado pois a protagonista não criou responsabilidades ao se impedir de amar e ter relações com mortais. Rein, por outro lado, é dúbio e tem um passado pesado quando descobrimos. O que coloca um ponto fantástico sobre os moldes de sua personalidade em termos de quem ele é e o que pode se tornar. Mas (essa resenha é cheia de poréns infelizmente), a autora não consegue finalizar e dar continuidade a isso de maneira satisfatória, quebrando mais uma vez a narrativa. Pois o final pareceu jogado e as personalidades mudadas. Foi estranho perceber como tudo pareceu em vão, salvo algumas poucas coisas.

Amada Imortal foi um livro de mais baixos do que altos. A autora tinha uma grande história em mãos que foi mal desenvolvida a ponto de se tornar facilmente esquecível. Não me vejo lendo os próximos volumes da série num futuro próximo. Recomendo que a leitura seja feita sem expectativas para aqueles que desejam tirar suas próprias conclusões.

O principal nessa vida é não ser bom o tempo todo. É ser tão bom quanto se pode ser. Ninguém é faz a coisa certa o tempo todo. Não é assim que a vida é.

(Resenha) O Aliciador – Donato Carissi

Em meu primeiro contato com o autor italiano Donato Carissi, a apresentação vem através de um jogo onde o mais cruel dos homens está dando as cartas. Para entender a mente do criminoso, precisamos nos despir de qualquer humanidade e enxergar – através dessas páginas – as escolhas que os seres-humanos fazem quando não estão sendo observados.

Título: O Aliciador | Título original:  Il Suggeritore| Série: Mila Vasquez| Autor: Donato Carissi| Editora: Record| Páginas: 434| Ano: 2009| Avaliação: ⭐ ⭐ ⭐  | Encontre: SkoobSaraivaAmazon

22029588Sinopse: O criminologista Goran Gavila e a equipe de homicídios enfrentam um caso perturbador, que exige toda a habilidade dos policiais do Esquadrão Especial: seis braços direitos são desenterrados em um bosque, cinco meninas entre 9 e 13 anos estão desaparecidas. Liderada por Gavila e pelo Capitão Roche, a equipe segue as pistas do caso e, um a um, os corpos das garotinhas emergem, deixando evidente que o culpado é um serial killer cuja frieza e ferocidade não têm limites. As esperanças de que uma sexta menina esteja viva provocam uma corrida contra o tempo, mas as pistas, em vez de levarem a equipe ao culpado, revelam-se parte de um plano friamente arquitetado pela mente cruel e brilhante do assassino, que parece estar sempre um passo à frente. Em cada cena de crime, novas evidências levam os detetives a acreditar que não se trata de apenas um, mas de vários assassinos, agindo em conjunto. É quando se junta a eles a investigadora Mila Vasquez, especialista em casos de sequestro.Aos poucos a polícia descobre que seu alvo é capaz de assumir as aparências mais variadas, colocando-os à prova incessantemente. Nesse caso, cada vez que o mal vem à luz, traz consigo um agouro, obrigando os detetives a enfrentar sobretudo a escuridão que carregam dentro de si. A investigação se transforma em um jogo de pesadelos habilmente velados, um desafio contínuo.

Mila acreditava que cada um tem seu caminho. Um caminho que leva para casa, para as pessoas mais caras, as quais somos mais ligados. Em geral, o caminho é sempre esse, aprendido na infância, e cada um o segue a vida inteira. Mas algumas vezes esse caminho se quebra. Às vezes recomeça em outro lugar ou, depois de desenhar um percurso tortuoso, retorna ao ponto em que tinha se quebrado. Ou fica em suspenso. As vezes, porém, ele se perde na escuridão.

Donato Carissi tem um narrativa que causa estranheza em seus prós e contras. Apesar de ter gostado da escrita do autor no modo com qual ele expunha os detalhes técnicos do livro em todas suas gamas factuais, o decorrer da narrativa em ganchos reduzia o impacto destes pois constantemente quebrava o ritmo da leitura. Existem autores que sabem trabalhar com narrativas em diversos pontos de vista, mas não posso dizer que Carissi se enquadra nesse time. As cenas colocadas entre os capítulos e dentro deles, muitas vezes não faziam sentido na complexidade da obra e me deixavam com um ponto de interrogação enfeitado na testa.

Outro problema que tive com a narrativa foi a mecanicidade que tudo pareceu transcorrer. Sempre gostei de obras que sejam bem detalhadas, mas isso exige certo grau de sentimentalismo se não acaba por se tornar maçante. Muito embora o livro em si seja dotado de fatos que deixam a história mais próxima do real (o que eu achei o máximo), o modo com o qual eles transcorreram foi pasmem. Mesmo tendo terminado o livro no período de dois dias, admito que foi com bastante esforço para manter a concentração e descobrir a verdade por trás da brutalidade dos assassinatos contra crianças inocentes.

As crianças não veem a morte, porque sua  vida dura um dia, da hora em que acordam a hora em que vão dormir.

Os personagens são bem construídos apesar de me revelarem pouca empatia. Mila, apelido de Maria Helena, é uma policial forte que tem traços perturbadores a revelar. Corajosa, tem disposição a fazer de tudo para encontrar os desaparecidos e apesar de aparentar grande quantidade presunção, não vejo isso como um problema já que esse é um aspecto importante para quem busca fazer extraordinários. Apesar disso, assim como com Goran, Stern, Bóris e Sarah (os outros componentes da equipe) não posso dizer que torci por ela. A falta de emoção do autor comprometeu meu grau de aproximação. O robotismo não me fez ver cada um deles reais.

O que me agradou no livro contudo, foi a permissão que o autor nos deu de imaginar as coisas a medida que a equipe avançava no caso. Por estarmos falando de serial killer, no gênero é mais fácil receber as coisas mastigadas. Somos levados a ver tudo através de binóculos: vemos como se estivéssemos de perto, mas estamos separados por um mar de distância. Aqui, ao contrário, podemos perceber que o autor vai inserindo perguntas que serão respondidas mais à frente, mas que abrem um espaço para que o leitor tente encontrar suas respostas tornando o livro desafiante.

Outro ponto que achei positivo, foi a maneira com o qual as peças foram colocadas. O livro tem vários pontos desencadeadores de ações, a começar pelas meninas sequestradas e mortas que estão sempre a apontar mistérios escondidos. Contudo, como nem tudo são flores, o final acabou ficando mau costurado apesar da crescente perfeita. Donato pareceu não saber como terminar e jogou duas de três peças a grande esmero inserindo dois outros contextos que pelo tom da obra ficaram perdidos. Apesar de que um grande segredo revelado ao fim tenha sido bastante forte e verossímil, o modo com o qual o assassino foi capturado e o epílogo deixaram a desejar pois despedaçou o que poderia ser um fim magnífico. A lição do livro fica, mas tudo mais que poderíamos manter se tornou obsoleto.

Mais do que os sucessos, são as tragédias humanas que unem  as pessoas

Deixando de lado os problemas de narrativa e finalização, posso ressaltar que a prerrogativa do livro é pesada mas bastante válida. Muito embora o título revele pelo menos 40% da obra, é interessante notar como Carissi constrói o Aliciador para que este tenha um papel ativo em sua história mesmo estando tão “longe”. Palavras são fortes e podem despertar os mais terríveis sentimentos. O ser humano contudo não é fraco, mas precisa de empurrãozinho para ceder ao lado obscuro da natureza. O que somos capazes de fazer quando ninguém está olhando define quem somos. Pois é a sensação de poder, de nunca sermos descobertos, é o que nos faz atroz.

O Aliciador é um livro com falhas, mas que vale a pena pelo conceito abordado por Donato Carissi em suas mais de quatrocentas páginas. Todos homens são capazes de escolher e todos podemos ser influenciáveis, mas o que nos define é a capacidade de dizer não para todo mal que causamos no mundo.

(Resenha) Antes de Casar – Bárbara Machado

Ler livros do gênero Chick-Lit nunca foi exatamente o meu forte. Não que eu não goste dos livros do gênero, mas sempre tenho a sensação de mais do mesmo da qual não consigo me livrar e acabo me decepcionando um pouco. Contudo, ao ler Antes de Casar da Bárbara Machado (convencidíssima pela Vivi do O Senhor dos Livros) fiquei apaixonada pela leitura justamente pela autora ir por um caminho que jamais imaginaria.

Título: Antes de Casar | Autor: Bárbara Machado| Publicação Independente | Páginas: 292| Ano: 2016 | Avaliação: ⭐⭐⭐⭐⭐| Encontre: SkoobSite da Autora

aea07539b7Sinopse: Catarina era uma jovem mulher que tinha tudo planejado: o casamento perfeito, o homem ideal, finalmente a vida adulta e independente que tanto almejava. Até que, de um dia para o outro, tudo muda: o casamento não passa de um sonho, o príncipe vira sapo e a brutalidade da vida adulta se mostra bem diante de seus olhos. De volta ao mundo dos solteiros, Catarina se redescobre como indivíduo e percebe que, a não ser que se torne tão desapegada quanto os homens que passam por sua vida, seu coração continuará sendo partido. Mas será que suas aventuras entre mesas de bar e festas agitadas podem substituir o antigo sonho de um final feliz? Entre altos e baixos que fazem parte da transição da juventude para a vida adulta, Catarina vai aprender que o amor não é bem como ela imaginava

Eu reconheci, na marra, a importância da autoestima e da dignidade. Finalmente compreendi que a minha felicidade não poderia jamais depender de outra pessoa.

Com uma narrativa leve e dotada de profundas reflexões, Bárbara Machado conduz um livro com bastante humor sem jamais perder a verossimilhança com o mundo em que vivemos. Acredito que esse tenha sido um dos meus pontos favoritos na obra, pois a autora se preocupou em dar o tom de realidade ao livro que instantaneamente aproxima-nos da protagonista. Além disto, a ambientação do livro na cidade de Vitória no Espírito Santo dá um charme a mais a história, não só de reconhecimento por se passar em nosso país, mas pelo status cidade do interior que poucas vezes vejo na literatura brasileira contemporânea.

Mas o que mais me deixou encantada pelo livro de Machado, foi a protagonista Catarina. por diversos motivos que vão desde a construção da personagem até os ensinamentos que ela vai acumulando ao longo da história. De primeira, é interessante notar como esta não se prende a esteriótipos, que na verdade não dão as caras no livro. Simpática e bem-humorada, Catarina é fã de Harry Potter, O Senhor dos Anéis e tantas outras séries que fazem a cabeça do mundo geek. Mas isso não significa que Catarina seja tímida – espírito comum as mocinhas que apresentam tais gostos – mas justamente ao contrário. Espontânea, ama sair com os amigos e ir aos bares de sua cidade. O que imprime na personagem um tipo de personalidade diferente e fascinante.

37419057_2077458305638069_2488810931010666496_nDentre todos os ensinamentos que Antes de Casar tem a oferecer, o mais importante e o mais relevante para em nossa atualidade. é o papel da mulher dentro de um relacionamento, mas principalmente para consigo. Catarina antes era dependente do namorado, a ponto de mudar aspectos de sua personalidade para agrada-lo. A grande sacada do livro, se dá quando Cat começa a perceber que um homem não pode ser mais importante que ela e que se alguém for amá-la deve ser como ela é. Esse tipo de perspectiva – principalmente para mim que tenho as relações de poder no namoro como um dos meus objetos de estudo – é essencial como respirar. Catarina aprende o que todas as mulheres deveriam saber, que nenhum homem nem ninguém devem ser mais importantes que nós mesmos.

Abrasador e de certo modo imprevisível – sério, eu praticamente não adivinhei nada do que estava por vir – Antes de Casar é uma leitura necessária a todas as pessoas independente do sexo. Um livro que nos mostra que nos amar antes de amar os outros e tê-los como pontes de felicidade mas não objeto único desta, é o caminho mais certo para o alcance da plenitude e da felicidade.

( Resenha ) Lirio Azul, Azul Lírio – Maggie Stiefwather – Livro 03

A série Os Garotos Corvos está fazendo parte da minha vida de uma maneira marcante. Quando li o primeiro livro da série, eu sabia que essa leitura seria diferente de tudo aquilo que conheci. Mas Maggie Stiefvater conseguiu ir além e provar que as histórias não precisam ser iguais, e que o simples pode se tornar extraordinário.

Está resenha não conterá spoilers do livro anterior.
Para isso pule a sinopse.
Titulo: Lírio Azul, Azul Lirio | Título Original : Li | Série: Os Garotos Corvos 02 |Autora: Maggie Stiefvater| Editora Galera Record| Ano: 2016 | Avaliação ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ ⭐️ | Encontre: Skoob | Saraiva | Amazon

transferir (1)Sinopse: Blue Sargent encontrou coisas. Pela primeira vez na vida, ela tem amigos em quem pode confiar e um grupo ao qual pertencer. Os garotos corvos a acolheram como se ela fosse um deles. Os infortúnios deles tornaram-se dela e vice-versa. O problema de coisas encontradas, porém, é a facilidade com que podem se perder. Amigos podem trair. Mães podem desaparecer. Visões podem iludir. Certezas podem se desfazer. Em Lírio azul, azul lírio, o leitor vai descobrir para onde Blue, Gansey, Adam, Ronan e Noah serão levados em sua jornada para encontrar o lendário rei galês Glendower.

 

O coração de um covarde não é um prêmio, mas o homem de valor merece o seu capacete reluzente.

A série iniciada em Os Garotos Corvos e continuada em Ladrões de Sonhos, ganha novos ares. Existem certos determinantes que podem nos fazer gostar ou não de uma determinada série. Para mim, a renovação dos contextos sempre é um ponto favorável, pois a mesmice costuma ser enfadonha. De modo que é sempre bom encontrar autores que não somente tenham coragem de criar, mas que também possam recria-las e transforma-las em algo maior.

Nesse terceiro livro, Maggie Stiefvater reune os aspectos principais das obras anteriores. Pegando como exemplo três peças importante apresentadas no livro um, podemos notar a maldição de Blue Sargent ainda existe, o espírito de liderança de Gansey III está presente e o atormentado Adam Parrish continua em dubiedade para o bem ou para o mal. Mas se antes nós tínhamos coisas comuns a medida do possível, agora absolvemos concepções mais abrangentes das “tarefas” que permeiam cada um. Blue quer enfretar seu destino. Gansey que ser bem mais que o líder. E Adam não está disposto a ser condenado com tanta facilidade. Temos Ronan Lynch sem parte da rebeldia pelo entendimento de que o mundo não é só seu. E o doce Noah Czern tem muito mais a oferecer que um espírito sem cor. Dessa forma, Maggie refaz cada personagem e cada segredo para que a imprevisibilidade seja parte de seu mundo.

Mas tal recontagem, não impõe dizer que os desenvolvimentos realizados nos volumes anteriores são perdidos, mas sim refeitos à novos significados. Nas resenha de Ladrões de Sonhos, havia comentado que Maggie criou duas obras que não tinham relação uma com a outra de uma forma mais geral. Isso porque a autora cria em nos livros anteriores construções. Como se os outros fossem os alicerces da casa que será construída.

Ao dar vida a Lírio Azul, Azul Lírio, Maggie estabelece pontos convergentes a história. O principal deles é ver que os grupo d’Os Garotos Corvos e Blue Sargent estão se tornando uma coisa só. Suas ações parecem sincronizadas e como a própria autora diz: eles estão apaixonados uns pelos outros, de modo que suas vidas estão entrelaçadas. A amizade está mais forte do que nunca mesmo com todos os empecilhos que surgem em seu caminho.

Como se não bastasse tudo isso, Maggie ainda trabalha com a quebra dos esteriótipos. O garoto rico não busca uma meta por não ter uma família que não o ama. O rapaz gay não é a alma mais alegre do grupo (vale ressaltar que a Maggie trabalho muito bem a sexualidade nesse livro). A menina feminista não é uma arrogante que acredita não precisar de ajuda para nada. O cara que tem uma família cruel não é o bandido, até porque a maldade não está perfeitamente definida.

Dessa forma, com todos esses elementos aliados a personagens secundários inesquecíveis (mulheres da Rua Fox, 300 eu amo vocês) Maggie Stiefvater cria uma obra espetacular. Ela mostra ao leitor que segredos e finais bombástico não são tudos dentro de uma obra. Com uma narrativa poderosa e envolvente, a autora abre portas para um quarto livro que promete ultrapassar as vias do magnífico.

Amizade do tipo inabalável. Uma amizade que você podia contar para valer. Que poderia passar pelas maiores dificuldades e voltar mais forte que antes.