Arquivo da tag: capas

(Anatomia Literária) Trilogia A Maldição do Vencedor – Marie Rutkoski

Oi Corujinhas, tudo bom com vocês? Hoje é dia de mais um Anatomia Literária, que acabou se tornando uma das categorias favoritas aqui no blog. Eu fico muito feliz com o retorno que estou recebendo, porque não esperava as menções perguntas que recebo de tanta gente. Fico ainda mais animada por saber que é algo que vocês apoiam e gostam de ver aqui  no blog.

Sem mais delongas, o anatomia de hoje é voltado para a trilogia A Maldição do Vencedor da Marie Rutkoski que terminou por se tornar uma das minhas melhores leituras do ano passado, ao qual recomendo muito para vocês.

Vamos começar?

┌──────── ∘°❉°∘ ────────┐
Capas
└──────── °∘❉∘° ────────┘

a maldiçao do vencedorA primeira capa, assim como as outras duas, apresenta a personagem principal, Kestrel, com referências claras não somente ao seu povo – características físicas – assim como pelas suas roupas, que por sua vez fazem referência ao seu status social definido como financeiro. A adaga na mão da protagonista é uma alusão a sua pouca participação na política, como se Kestrel não possuísse relevância para esse contexto. Além disso, nota-se a mão por cima do rosto e a boca entreaberta que revelam sinais de aflição podendo ser associada à duas coisas; o medo que Kestrel tem de ser subjugada às vontade de seu pai que almeja que a filha seja uma donzela (significado reforçado pela cor rosa que significa pureza, delicadeza e feminilidade); e a paixão que Kestrel passa a nutrir por Arin.

o crime do vencedorA segunda capa possui os mesmos elementos, muito embora sejam dotados de significados diferentes. Aqui o vestido de Kestrel passa a ser azul, sinônimo de depressão e frieza que representa os novos desafios da protagonista tem e a tristeza que sente em estar longe de seus amigos e familiares, e claro, do mal entendido com Arin. Em ambas as mãos, Kestrel traja uma espada, que simboliza sua participação maior (que uma adaga) e mais ativa (as duas mãos) nos jogos políticos. Sua expressão é de determinação, afinal se tornou alguém que agora sabe exatamente o que planeja fazer.

O Beijo Do VencedorPor fim, a última capa também apresenta os mesmos elementos da anterior mas com uma simbologia oposta. Kestrel não segura mais a espada pois observa o jogo político ao longe. Nessa obra, ela está muito mais voltada a usar suas habilidades mentais, de modo que não precisa mais tentar aparentar força pela luta corporal. O vestido tem um tom verde associado a renovação e plenitude, algo que Kestrel alcança verdadeiramente nessa obra, muito embora aqui esteja em dúvidas sobre os caminhos que lhe levaram a vitória, como pode ser visto em seu rosto.

┌──────── ∘°❉°∘ ────────┐
Curiosidades
└──────── °∘❉∘° ────────┘

❉ Para escrever sua personagem, Marie Rutkoski disse em entrevista que ela nunca sabia exatamente como Kestrel pensava, de modo que gostava da ideia de deixar a cargo à cargo do leitor suas interpretações.
❉ As cenas favoritas da autora eram do jogo Morder e Picar

 

Espero que tenham gostado. Beijos.

( LISTA ) 05 livros com capas bonitos e conteúdos feios.

Oi Corujinhas. Hoje é dia de mais uma lista aqui no blog em parceria com a Keth (Parabatai Books). Nessa ano vamos fazer listas metadinhas, que se completam a medida que vocês lerem ambos os posts. Deve rolar boas listas por aqui então fiquem de olho nos dois blogs. A primeira lista será espelhada, pois enquanto eu farei uma livros com capas bonitas e conteúdos feios, a Keth fará o inverso, então não deixem de conferir a lista dela.

O objetivo dessa lista será falarmos de livros que tem aquelas capas lindas, mas o conteúdo não agrada tanto assim. Muito embora eu acredite que alguns escolhidos podem causar revolta, devo dizer que será uma lista de conteúdo mais pessoal, de modo que vocês estão livres e desimpedidos para descordar da minha pessoa. Aliás, também gostaria de pedir que vocês deixassem nos comentários livros que vocês compraram pela capa, mas a hora de ler foi aquela decepção.

Vamos começar?

nao pare1. Não Pare – FML Pepper.

A capa de Não Pare é uma das minhas favoritas. Muito embora não goste tanto de obras com fotografias, por certo que todas as referências presentes na capa do livro de FML Pepper, fazem dela bem atrativa. Mas é uma pena que o conteúdo da obra não seja tão bom assim.

O que mais me irrita no livro de Pepper é o looping eterno que a autora coloca entre os protagonistas. Muito embora seja uma história com um baita potencial, o romance é o que lhe estragam, pois sempre corremos em círculos: Nina confia em Richard > Nina descobre que Richard lhe enganou > Nina foge> Richard vai atras de Nina > Nina descobre que Richard fez tudo para lhe salvar > Nina confia em Richard. Ah e isso não é spoiler. Vai ocorrer a cada 60 páginas.

2. A Rainha Vermelha – Victoria Aveyard.transferir (2)

A Rainha Vermelha, muito embora desperte muitas opiniões diversas, é uma capa que unanimemente é considerada bela. Entretanto, muitos também – inclusive eu – consideram esse livro uma cópia de muitos outros (Sombra e Osso e A Seleção), além de ter umas das piores protagonistas da história.

Um fato entre os livros de fantasia da qual muitos autores parecem não dispostos a crer é que uma mocinha empoderada é diferente de uma mocinha arrogante. No caso de Mare, ela se aproxima muito do segundo módulo, e se não contarmos uma grande enrolação da parte da autora para os acontecimentos, o livro fica enjoativo por conta da personagem.

A Seleção3. A Seleção – Kiera Cass.

Todas as capas da trilogia A Seleção são realmente muito lindas. A ideia das garotas se vestirem iguais enquanto uma delas se destaca combina perfeitamente com o livro. Mas acontece que para mim, nessa história aconteceu o maior clássico dos livros de fantasia: a autora focou no romance e esqueceu de todo o resto.

Não tenho absolutamente nada contra romances, mas quando um livro apresenta uma proposta além costumo esperar um pouco mais da história. Kiera Cass criou uma ótima base para sua distopia, mas tudo aquilo que a envolve não foi elaborado, pois a autora focou-se tanto no romance que esqueceu do restante.

quando a noite cai4. Quando A Noite Cai – Carina Rissi

Eu sempre gosto das capas dos livros da Carina Rissi, principalmente quando se trata de livros independentes. Muito embora seja bem simples, essa capa têm tanto significado em suas particularidades que é uma das minhas favoritas.

Entretanto, esse livro foi uma decepção. Por ser fã da autora e pela premissa da obra, eu esperava algo que não tivesse tanto cara de mais do mesmo. Mas a obra de Rissi foi semelhante a assistir um filme bem sessão da tarde: você sabe o que está por vir, mas nem por isso fica animada. É o pior tipo de clichê: o que enrola mais que o raio.

the kiss of deception5. The Kiss Of Deception – Mary E. Pearson

The Kiss Of Deception era uma leitura que eu esperava muito. Muito disso, se deve a capa da obra que vamos combinar, é uma das mais lindas da Darkside. Entretanto, acabei tendo vários problemas com a leitura. Uma delas, foi a escrita de Pearson que achei muito lenta. Mas a principal ressalva se aplica a protagonista e sua personalidade de aspectos infantis e um tanto ingênuos de mais. Houve um momento do livro que eu quis dar uns tapas nela e dizer: sério, minha filha? Tu realmente não achava que tuas ações resultariam nisso?

Não dá!


Então é isso Corujinhas. Espero que tenham gostado do post. Não esqueçam de conferir o da Keth. Beijos.

(Anatomia Literária) Capa e Curiosidades Sobre a Série Game Of Thrones

Oi Amores. Como foi o fim de semana prolongado? Eu fiz algumas leituras e estou muito satisfeita com o tipo de conteúdo que venho produzindo para o blog. Espero que vocês gostem das novidades que vem nos próximos meses, principalmente para 2019.

Mas deixando as novidades de lado, hoje vamos à mais um Anatomia Literária. sobre a série As Crônicas de Gelo e Fogo do George R. R. Martin, conhecida popularmente como Game Of Thrones. Assim como os anatomias anteriores, eu vou focar apenas nas capas da série principal. Como a série ainda não está finalizada, pode rolar uma parte dois desse anatomia então nele irei inserir os outros livros da série.

Vamos começar?

┌──────── ∘°❉°∘ ────────┐
Capas
└──────── °∘❉∘° ────────┘

As Crônicas de Gelo e Fogo ou simplesmente Game Of Thrones ganhou popularidade em 2011 com o lançamento da série produzida pela HGBO. A história volta-se para o continente de Westeros e os países para-lá-do-mar-estreito, com dois desenvolvimentos ao mesmo tempo: o primeiro, é direcionado ao Trono de Ferro e a luta dos candidatos que desejam tomar Os Sete Reinos; e o segundo, é direcionado a guerra dos humanos contra Os Outros. A série é composta com cinco livros e diversos spin-offs, e pode ser encaixada nos gêneros dramático – pela carga política – e fantástico – pelo uso de criaturas sobre humanas.

A Guerra dos Tronos traz como pano de fundo a imagem da muralha, localizada ao norte dos sete reinos que cumpre o papel de separar o país do terreno dos selvagens. Trabalhada em tons escuros, demonstra as paisagens do norte que sempre são cobertas de neve e os terrores que se escondem além da muralha. Além disto, é possível observar homens logo abaixo do título, que estão montados a cavalo. Eles representam os soldados que da Patrulha da Noite. E temos também os corvos que são os mensagens oficiais de Westeros. Em termos mais subliminares, a capa representa muito bem os medos que estão por vi através da neve e a família Stark através da muralha (Stark significa forte em inglês) que tem papel fundamental nesse primeiro livro. O título é um prenúncio da guerra que acontecerá no reino. 

O segundo livro, intitulado A Fúria dos Reis, é uma alusão a batalha dos cinco reis que se inicia após a morte do rei Robert. Na capa, temos a representação da capital d’Os Sete Reinos, Porto Real, sendo velada por um anão. Deve-se notar que não há imagem do castelo, mas sim das vielas do lugar aludindo ao jogo dos Tronos: um jogo perigoso onde nada é o que parece. O anão é Tyrion Lannister que nesse livro figura como conselheiro real, a Mão do Rei. Tyrion traja um gibão e um cajado que representam seu papel como governante não reconhecido. Mas o principal ponto a se ressaltar é a forma com que a sombra de Tyrion se estende no chão, maior que ele, que revela o poder e a influência que muitos não observam.

Em A Tormenta das Espadas, a representação está voltada quase que completamente as guerras que estão acontecendo dentro de Westeros. Pode parecer estranho, mas deve-se notar que o foco da capa é mostrar uma floresta em um emaranhado. O soldado faz-se presente como se estivesse fugindo de algo, mas suas maiores ameaças são as faias da floresta que representam o perigo do inesperado. Dessa forma, o medo é daquilo que ele pode ver mas que compreende e mas não pode deixar para trás. O título, A Tormenta das Espadas, significa tempestade de guerra, pois a chuva violenta chama-se Tormenta.

O Festim dos Corvos tem uma mudança significativa no contexto da capa. Dessa vez temos uma locação do livro, assim como no primeiro, mas que a primeira vista não parece ser tão contextualizada. Trata-se do castelo de Pyke, onde os homens de ferro habitam. O motivo é que esse segundo livro tem um apelo maior as outra Casas principalmente as Ilhas de Ferro. Além disso, a ponte corrediça demonstra o desiquilíbrio dos mais poderosos do reino e o rio de lama (segredos) que se espreita por baixo. O título significa as mortes que voam sobre os habitantes, e as notícias que as aves trazem de todos os lugares.

Por fim, A Dança dos Dragões também foge do padrão das capas apresentando cores mais vivas que nos seus anteriores. Considerando a leitura do livro, diria que a mudança se trata da esperança que se abre no horizonte. Daenerys Targeryen se tornou uma peça principal no Jogo dos Tronos, muito embora ainda esteja longe de Westeros. Contudo ela ainda não controla seus dragões, tanto que Drogon está lhe “peitando” na capa. E para se tornar a rainha que deseja, Danny precisa apreender a controlar seu dragão e, principalmente, aprender a Dança dos Dragões, ou seja, o jogo dos tronos.

┌──────── ∘°❉°∘ ────────┐
Curiosidades
└──────── °∘❉∘° ────────┘

 

1. George R. R. Martin disse em uma entrevista que se inspirou em suas tartarugas para escrever a série.
2. Sua maior inspiração foi Stan Lee e os quadrinhos o quarteto fantástico.
3. Livros das Crônicas de Gelo e Fogo têm juntos 12.012.000 caracteres.
4. Martin se inspirou em uma muralha real para escrever a série. De acordo com ele, sua imaginação via seres obscuros vindo para além da muralha.
5. O linguista David Peterson criou a língua Dothraki que consiste em mais de 3000 palavras.

Então é isso Corujinhas. Espero que tenham gostado das curiosidades que trouxe para vocês. Deixem dicas para os próximos Anatomias se quiserem algo especial. Beijos.

( Anatomia Literária ) Capa e Curiosidades de Academia de Vampiros.

Oiii Corujinhas lindas. Hoje é dia de mais um seu, um meu, um nosso Anatomia Literária. Estava com uma saudade enorme de desvendar os segredos das capas e curiosidades sobre o rosto dos livros. Para começar com chave de ouro o post de hoje foi uma sugestão da Lara do blog Amor Literário e Recomendações, que respondeu um pedido sobre quais séries ou livros vocês gostariam de ver. Espero que tanto ela como todos amém esse post. Vamos começar?

◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥
As Capas
◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥
image

A série Academia de Vampiros possui 06 obras com teor sobrenatural. Foi lançada no Brasil pela editora Agir e bombou, afinal de contas esteve em alta na época em que os sobrenaturais de caninos afiados faziam sucesso no nosso país e mundo afora. As fotos utilizadas nas capas Brasileiras são as mesmas originas americanas. Mas o detalhe importante, que tenho que admitir que fiquei confusa com a decisão da editora, foi o fato que eles modificaram um pouco da ordem entre elas de modo que elas não são compatíveis. Correlacionando Brasil e EUA, no Br a capa 1 equivale à 3 e vice-versa. As outras permanecem as mesmas.

Os títulos das obras não foram mudados, apenas os segundo, mas sinceramente eu prefiro o nacional que dá mais sobriedade da obra. Na ordem de publicação: Vampire Academy se tornou Academia de Vampiros — O Beijo das Sombras; Frostbite (ulceração produzida pelo frio) se tornou Aura Negra; Shadow Kiss (O Beito das Sombras) virou Tocada pelas Sombras; Blood Promise manteu o significado virando Promessa de sangue. Spirit Bound (Espírito Ligado) que mudou provavelmente por semântica para Laços do Espírito; Last Sacrifice que manteve como O Último Sacrifício.

Em relação aos personagens apontados nas capas, é curioso descobrir que a própria autora teve dificuldade de entender quem é quem — e vamos combinar que esta é uma situação bastante engraçada. De qualquer modo, não existe muitas semelhanças entre os personagens e as representações, então tentar descobrir quem é quem é mera especulação. Em O Beijo das Sombras, Promessas de Sangue, Tocada Pelas Sombras e O Último Sacrifício vemos Rose a protagonista série. Em Aura Negra novamente temos Rose acompanhada por Cristhian, pois ele sem olhos vermelhos não pode ser Dimitri e é muito novo para ser Isaiaah. Em Laços de Espírito é Lissa e Dimitri. E por fim as capas são unânimes ao mostrar abaixo dos rosto os portões da Academia.

◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥
Curiosidades
◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥

🔸 Em 2014 o livro foi adaptado para os cinemas pelo estúdio Diamond com Zoey Deutch no papel principal.

🔸 O livro envolve mitologia e tem como personagens diversas espécies de vampiros sendo estes vivos, mortos e híbridos.

🔸Humanos também estão presente com poderes na série sendo chamados de alquimistas, possuem diversos truques e técnicas e uma tatuagem no rosto que lhe dão proteção. Mas na mitogia original alquimistas são cientistas que tentam transformar prata em ouro.

◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥◣◥◤◢◤◢◣◥

Então amores, esse foi o Anatomia Literária de hoje. Espero que tenham gostado. Se quiserem ver mais posts como estes basta clicar na aba da categoria aqui do lado. Beijos.

| ANATOMIA LITERÁRIA | Capas e curiosidades sobre a trilogia Jogos Vorazes.

Oii gente. Tudo bom com vocês? Hoje é dia de mais um anatomia literária e espero que vocês estejam gostando dessas novas abas do blog. Caso queiram dar uma sugestão sobre livros que poderiam falados, deixem nos comentários que os farei com todo carinho. No post de hoje, como na semana retrasada eu falei sobre livros esquecidos mas divinamente maravilhosos, fiquei inspirada e resolvi fazer o anatomia literária de hoje sobre a trilogia Jogos Vorazes que por algum motivo nunca falei aqui no blog. Mas essa trilogia tem um lugar muito especial no meu coração porquê além de ter sido um dos primeiros livros que li antes de ver os filmes, foi que me iniciou no universo das distopias ao quais eu devo ter lido umas sete ou outro trilogias do tipo.

•••°•°°••°°°••°°••°•••°°°•••°•°°••°°°••°°••°•••
AS CAPAS
•••°•°°••°°°••°°••°•••°°°•••°•°°••°°°••°°••°•••

image

As capas têm um significado bem claro para quem já fez leitura dos livros ou assistiu aos filmes que são muito fiéis. Mas antes de falar sobre as capas diretamente vamos falar um pouco sobre o tordo, porque ele é o elemento central de todas elas. Antes de existirem os Jogos Vorazes, houve uma guerra entre os distritos contra o poderio do Capitol. Estes criaram pássaros mutantes, bestantes chamados Jabberjays que poderiam gravar qualquer conversa e as reproduzi-las. Mas quando os Distritos descobriram pássaros, começaram a falar coisas sem sentido quando os pássaros estavam presentes. Quando o Capitol viu que os bestantes estavam ficando sem valor, os abandonou nas florestas, pensando que não conseguiriam sobreviver, mas os machos cruzaram com fêmeas da espécie Mockingbird, dando origem a uma nova raça que foi batizada como Mockingjays que apesar de não reproduzirem palavras, repetia-as em forma de melodia.

Dessa maneira, ao ver a representação Katniss como tordo nas capas de Jogos Vorazes, também podemos aludir que há aqui uma representação de coragem e esperança que permeia todos os livros e que vão sendo transformados a medida que a história evolui. Na primeira capa, o tordo é um broche como se fosse apenas uma ideia e não ago real. Suas asas estão pressas e ele parece aprisionado pelos círculos que representam a submissão dos distritos e o poder da Capitol sobre todos. Já na capa de Em Chamas, o tordo está se tornando real. O ouro que lhe cobria, deu lugar à um pássaro entalhado no bronze que faz força para se livrar da pressão e do domínio do Capitol. Nesse livro Katniss percebe que o Capitol não é tão poderoso assim se rebelando de vez contra suas regras. Por esse motivo, no terceiro livro além do azul da esperança, o pássaro já é verdadeiro despido de qualquer artificio. Suas asas estão completamente abertas e o poder que o Capitol tinha foi quebrado, onde os círculos aparecerem despedaçados.

As capas de Jogos Vorazes são umas das mais bem conceituadas que já vi. Todos os elementos condizem com os livros, não acabando apenas na visualização, mas também do sentimento empírico que elas trazem. Cada capa, mostra como Katniss evoluiu durante os livros deixando de lado suas inseguranças para se tornar o rosto se uma revolução, nos mostrando que a esperança é sim mais forte do que o medo.

•••°•°°••°°°••°°••°•••°°°•••°•°°••°°°••°°••°•••
CURIOSIDADES.
•••°•°°••°°°••°°••°•••°°°•••°•°°••°°°••°°••°•••

🔸 O pássaro Mockingbird que cruza com o Jabberjay é um pássaro de verdade que conhecemos pelo nome de rouxinol.

🔸  Quando Suzanne Collins era pequena, ela era fanática por mitologia grega e sua inspiração original para Jogos Vorazes foi o mito de Teseu e o Minotauro, que ela morria de medo quando era criança.

🔸 A flor da qual Katniss ganhou o seu nome também é conhecida como “ponta de flecha” e seu sobrenome, Everdeen, Everdene, do livro Longe Desse Insensato Mundo, de Thomas Hardy. Collins diz que “ambas as mulheres são muito diferentes, mas as duas lutam com o coração”.

🔸 Suzanne Collins não tinha a intenção de que Jogos Vorazes virasse uma trilogia. Mas quando ela chegou ao fim do primeiro livro, soube que tinha que haver uma sequência porque percebeu que Katniss seria punida por quase comer as amoras-cadeado.

🔸 Collins disse que as partes mais difíceis de escrever nos livros foram as mortes e a violência entre os personagens tão jovens.

🔸 A autora espera que as pessoas que leem os livros ou assistem aos filmes perguntem a si mesmas questões sobre elementos da história que podem ser relevantes para as suas próprias vidas, como dar valor a todas as suas refeições e ter consciência política.

🔸 Collins leu vários livros sobre sobrevivência e usou os conhecimentos do seu pai sobre caçada quando escreveu a trilogia. Seu pai cresceu durante a Grande Depressão e a sua família dependia principalmente de caça para sobreviver.

•••°•°°••°°°••°°••°•••°°°•••°•°°••°°°••°°••°•••

Esse foi o Anatomia Literária. Espero que vocês tenham gostado. Em breve sairá um novo post dessa série. Beijos.

PS: Minha amiga, parceira e praticamente irmã Keth topou quando eu a convidei para fazer também suas anatomias. Vejam também a postagem dela clicando aqui.