Arquivo da categoria: Terror

| RESENHA | Mestre das Chamas – Joe Hill

Oii Corujinha, tudo bom? Esses últimos meses do ano têm sido recheados de grandes leituras. Mestre das Chamas de Joe Hill foi com certeza uma delas. Em uma ficção científica — mas intrigantemente classificado também como terror — o autor cria um universo apocalíptico onde o medo e a incerteza são peças chaves para o enredo.

MestreChamas_CapaWEB_1

Título: Mestre das Chamas
Título original: The Fireman
Autor: Joe Hill
Editora: Arqueiro
Páginas: 592
Ano: 2017
Avaliação: 👑 👑 👑 👑
Encontre: Skoob | Amazon | Saraiva

Sinopse: Ninguém sabe exatamente como nem onde começou. Uma pandemia global de combustão espontânea está se espalhando como rastilho de pólvora, e nenhuma pessoa está a salvo. Todos os infectados apresentam marcas pretas e douradas na pele e a qualquer momento podem irromper em chamas. Nos Estados Unidos, uma cidade após outra cai em desgraça. O país está praticamente em ruínas, as autoridades parecem tão atônitas e confusas quanto a população e nada é capaz de controlar o surto. O caos leva ao surgimento dos impiedosos esquadrões de cremação, patrulhas autodesignadas que saem às ruas e florestas para exterminar qualquer um que acreditem ser portador do vírus. Em meio a esse filme de terror, a enfermeira Harper Grayson é abandonada pelo marido quando começa a apresentar os sintomas da doença e precisa fazer de tudo para proteger a si mesma e ao filho que espera. Agora, a única pessoa que poderá salvá-la é o Bombeiro – um misterioso estranho capaz de controlar as chamas e que caminha pelas ruas de New Hampshire como um anjo da vingança. Do aclamado autor de A estrada da noite, este livro é um retrato indelével de um mundo em colapso, uma análise sobre o efeito imprevisível do medo e as escolhas desesperadas que somos capazes de fazer para sobreviver.

Comecei Mestre das Chamas com uma pitada de incerteza sobre o que poderia me esperar no caminho. Conheci o livro através de uma resenha fantástica da Bia do blog Literatura Estrangeira (clique aqui para ler a resenha dela também) e fiquei com a obra na cabeça desde então. Em tempos cada vez mais assombrosos onde parece que estamos sempre a beira de um colapso, ler um livro que retrata o apocalipse parece ser obrigatório. É como vislumbrar o poder que a humanidade têm de ser bondosa e gentil ao mesmo tempo que é capaz de atrocidades para salvar a própria pele. Por isso, ao me deparar com a narrativa de Joe Hill sabia que teria um caminho permeado por verdades cruéis sobre quem somos e o que podemos ser. O livro não é apenas uma estória do mundo acometido pelo caos, mas uma quase história de porque esse caos existe.

Existe algo de terrivelmente injusto no fato de morrer no meio de uma boa história, antes de  ter oportunidade de ver como tudo acaba. Em certo sentido, claro, eu acho que todo mundo sempre morre no meio de uma boa história. Da sua própria história. Ou da história dos seus filhos. Ou dos netos. A morte é sempre dureza para os viciados em narrativas.

Joe Hill tem uma narrativa ao mesmo tempo lenta e fluída. Aquele tipo que você vai ler durante horas sem cansar, mas que vai precisar de tempo para diregir o que esta sendo contado. Usando de uma linguagem comum e referências maravilhosas, em uma camada superficial Joe dá um mundo comum apesar da doença que se espalha. É perceptível aqui como o autor tenta ligar o leitor à narrativa como se dissesse: Hey, esse mundo aqui um dia foi o seu. Foi uma maneira absurdamente brilhante de conectar os fatos presentes no livro à vida do leitor. Quando você percebe a camada de referências entende-se também como parte da história. Poderia ser sua mente fazendo ligações aqui e lá.

A morte e a ruína são o ecossistema preferido do homem. Já leu sobre a bactéria que prospera dentro dos vulcões, bem à margem da rocha fervente? Somos nós. A humanidade é um germe que prospera bem na fronteirada catástrofe.

Mas apesar de ter gostado do modo como o autor conduziu seu enredo tenho que admitir que senti uma certa proscastinada em suas páginas. O livro poderia facilmente ter umas cem páginas a menos. Entendo que boa parte dessa procrastinação foi a criação de aliserce da obra mais seguro da obra ou a enfatização de certos pensamentos, mas também percebo que o mesmo efeito teria sido produzido de uma forma ou de outra.

Desespero é apenas um sinônimo de consciência, e demolição é quase o mesmo que arte.

Em relação aos personagens, foi interessante ver como a abordagem de suas ações foi comum. Todas as decisões tomadas foram frutos de algo que realmente poderia ter acontecido. Ao ler livros, uma coisa que me irrita bastante é quando o personagem toma uma decisão bem viajada, daquele tipo que qualquer um pode notar que se fosse na vida real não teria sido feita. Então fico feliz em dizer os personagens de Mestre das Chamas não se entregam à esse erro. Pelo contrario, suas ações — idiotas ou não — provém dos pensamentos de personalidades verossímeis sendo guiadas pelo medo e pelo instinto de sobrevivência.

O medo não tende a fazer as pessoas moderarem seu uso de táticas extremas.

O medo é uma das — se não a — condição mais pura do homem. O medo nos faz crianças tolas que precisam de um guia ou adultos cruéis que faram de tudo para sobreviver. Quando estamos amendrontados viramos um produto do instinto de sobrevivência. A racionalidade se extingue e somos dominados pela vontade simples e pura de continuar vivendo. É exatamente isso que Joe Hill vai expor em seu apocalipse. O medo é o elemento central que irá guiar todos os outros, pois sempre que existe uma criança tola existe um adulto cruel para lhe guiar. Hill demonstra como ficamos a mercê de qualquer pessoa querendo acreditar que tudo aquilo é para o nosso bem ou tudo que fazemos é para o bem de quem amamos.

Mas aí penso, ué, mesmo antes da Escama do Dragão a maioria das vidas humanas era injusta, brutal, cheia de perda, tristeza e confusão. A maioria das vidas humanas era e é curta demais. A maioria das pessoas passou a vida faminta e descalça, fugindo de uma guerra aqui, de uma fome ali, de uma epidemia aqui, de uma enchente acolá. Mas as pessoas mesmo assim precisam cantar. Até mesmo um bebê que não come há dias para de chorar e olha em volta quando ouve alguém cantar de alegria. Quando você canta, é como dar de beber à quem tem sede. Uma gentileza. Isso faz você brilhar.

Mas se Joe nos mostra o lado fraco da humanidade, ele também nos mostra como supera-lo. Foi tocante ler cenas de compaixão em meio à tanta raiva. Desvendar que se para dez pessoas horríveis existe uma que se levanta contra. O medo não possui somente um lado. Com ele vem também a coragem para lutar por um dia melhor. Não precisamos nos ajoelhar, como também devemos lutar por quem acreditamos. Alguns de personagens nos guiam a acreditar nisso. Harper, por exemplo, tanto quer proteger seu filho como também zelar pelas pessoas que conheceu. A monstruosidade lhe faz ter medo, mas o amor lhe da coragem.

A sua personalidade não é só uma questão do que você sabe, mas do que os outros sabem sobre você. Você é uma pessoa com sua mãe, outra com seu par, e uma terceira com seu filhoou filha. Essas outras pessoas criam você tanto quanto você mesmo se cria, elas lhe dão seu acabamento. Quando você se vai, aqueles que deixou para trás guardam a mesma parte sua que sempre tiveram.

Em meio a todos esses contextos, Mestre das Chamas é um livro supreendene pela proeza de nos fazer pensar. O mundo acabou pela primeira vez em água e pela segunda pode ser em chamas. Mas ambos talvez tenham em comum a maldade do homem como sua própria ruína. Não é a natureza em si que nos matará, mas a verdadeira natureza do homem que sempre o conduz rumo à sua destruição. A diferença entre viver ou morrer esta em quem todos iremos ser quando este tempo chegar.

Anúncios

| RESENHA | It: A Coisa – Stephen King

Oii gente. Tudo bom com vocês? No mês passado em um longo, mas fascinante projeto literário contemplei o livro It – A Coisa de Stephen King. A Vivi (O Senhor dos Livros) me convidou para fazer parte do projeto #LendoACoisa que aceitei por dois motivos: primeiro porque é sempre bom ter alguém com quem partilhar uma leitura e segundo pois esta leitura já era um desejo antigo de realizar. De modo que durante mais ou menos três meses me afundei nos horrores de Derry através dos olhos de sete corajosas crianças-adultas: Bill, Richie, Beverly, Ben, Mike, Eddie e Stan. Sete pessoas que conheceram o mais profundo medo e através do poder da amizade lutaram contra ele. Por isso neste 31 de Outubro, minha resenha será esta obra fantástica de Stephen King.

baixar-livro-it-a-coisa-stephen-king-em-epub-mobi-e-pdf

Título: It – A Coisa
Titulo Original: It
Autor: Stephen King
Editora: Suma das Letras
Ano: 1986
Avaliação: 👑 👑 👑 👑 👑 💜
Encontre: Skoob || Amazon || Saraiva || Submarino

Mas é bom pensar assim por um tempo no silêncio limpo da manhã, pensar que a infância tem seus segredos doces e confirma a mortalidade, e que a mortalidade define toda a coragem e todo o amor. Pensar que o que já ansiou pelo futuro também precisa olhar para trás, e que cada vida faz sua própria imitação da imortalidade: uma roda.
• Bill Denbrough.

SINOPSE: Durante as férias escolares de 1958, em Derry, pacata cidadezinha do Maine, Bill, Richie, Stan, Mike, Eddie, Ben e Beverly aprenderam o real sentido da amizade, do amor, da confiança e… do medo. O mais profundo e tenebroso medo. Naquele verão, eles enfrentaram pela primeira vez a Coisa, um ser sobrenatural e maligno que deixou terríveis marcas de sangue em Derry. Quase trinta anos depois, os amigos voltam a se encontrar. Uma nova onda de terror tomou a pequena cidade. Mike Hanlon, o único que permanece em Derry, dá o sinal. Precisam unir forças novamente. A Coisa volta a atacar e eles devem cumprir a promessa selada com sangue que fizeram quando crianças. Só eles têm a chave do enigma. Só eles sabem o que se esconde nas entranhas de Derry. O tempo é curto, mas somente eles podem vencer a Coisa. Em ‘It – A Coisa’, clássico de Stephen King em nova edição, os amigos irão até o fim, mesmo que isso signifique ultrapassar os próprios limites.

Diferente de quase todas as pessoas que já leram It – A Coisa (e apesar de ser o Dia das Bruxas) não considero este livro como terror propriamente dito. Na verdade, sinto-o mais como um livro criado aos moldes da realidade fantástica. Isto, porque o livro não chegou a me aterrorizar visto que nas cenas de maior frenesi não senti nem medo e nenhum tipo de aflição. Mas muito embora neste ponto narrativa não tenha sido suficiente não posso afirmar que influenciou em minha opinião final sobre a leitura. Pois apesar de não ter sido aterrorizada pela obra, fiquei sim horrorizada pelas atitudes de quase todos os personagens. De certo modo, considero que o livro de King procurava muito mais horrorizar o leitor monstrando-lhe as profundezas das maldades humanas, do que aterroriza-lo com um monstro no fim do túnel.

E, quase sem querer, em uma espécie de pensamento paralelo, Eddie descobriu uma das grandes verdades de sua infância. Os adultos são os verdadeiros monstros, pensou ele.
• Eddie Kaspbrak

Ler um livro gigantesco, por mais que a leitura seja fluída, requer certa disciplina. É um livro que dispõe tempo e precisa ser muito bem escrito para que o leitor sinta-se motivado para continuar. It – A Coisa têm essa característica pois me fez querer virar a página e dar continuidade a leitura. Apesar de ser um calhamaço, a obra possui a qualidade de ser muito bem produzida em que mal me dei conta das páginas virando. Se eu contasse só os dias que passei lendo o livro sem levar em consideração outras que li ao finalizar cada uma das cinco partes, demorei no máximo sete dias para finalizar a obra. Por esse motivo, se você tem medo da quantidade de páginas que formam It não se preocupe. O livro é  super gostoso de ler.

Ainda levando em consideração os aspectos de composição da obra, estes ajudam à dar uma certa leveza ao livro. Divido em cinco partes King criou uma ponte densa entra cada uma, mas que se assemelham às que os autores criam em séries de livros separados. Você sabe que tem muito mais história por vir, mas o que lhe foi contato naquela parte por enquanto é o suficiente permitindo dar uma pausa na obra para então retomá-la sem problemas em um momento seguinte. Aqui se insere um dos pontos que mais gostei na obra de King que eram as pequenas retomadas que ele fazia relembrando pontos importantes para que nada fosse perdido. Consegui ter uma dimensão maior de tudo, ao relembrar e dar maior crédito à algumas coisas que de primeira passaram despercebidas.

Talvez, pensou ele, não existam coisas como amigos bons ou ruins. Talvez existam só amigos, pessoas que ficam ao seu lado quando você se machuca e que ajudam você a não se sentir muito sozinho. Talvez valha a pena sentir medo por eles, sentir esperança por eles e viver por eles. Talvez valha a pena morrer por eles também, se chegar a isso. Não amigos bons. Não amigos ruins. Só pessoas com quem você quer e precisa estar; pessoas que constroem casas no seu coração.
• Eddie Kaspbrak

Em relação aos personagens, It – A Coisa conseguiu me fazer ter uma sensação que pouquíssimos livros já o fizeram. Apesar da sobrenaturalidade que envolve todos os personagens, também é possível perceber a realidade que cada um possuí. Começando pelo lado infantil, as crianças realmente aparentam ser crianças. Existem muitas obras infantis em que os pequenos parecem muito mais adultos que crianças da sua idade. King, por outro lado, conseguiu explorar com genialidade os medos e as personalidades dos integrantes do Clube dos Otários de modo que estes nunca fugiram dos pensamentos comuns à sua idade durante boa parte da obra. Boa parte, pois, ao mesmo tempo que percebemos esta característica, também é possível observar que as crianças amadurecem ao longo do livro e vão cada vez mais demonstrando quais personalidades irão assumir quando adultos.

Por falar em adultos, King também fez um trabalho fantásticos com não só os Otários mas como também com os outros personagens que permeiam a obra. Há uma diferença absolutamente palpável entre eles onde cada um tem sua personalidade e seu modo de ser de maneira que não da para confundir suas falas e ações. King construiu um mundo de pessoas divergentes umas das outras em seus medos, angústias, paixões e desafios. Derry se torna uma cidade quase real pois cada um de seus habitantes realmente poderiam existir e estar ao nosso lado.

Acho que é isso que queremos dizer quando falamos sobre a persistência da memória, isso ou alguma coisa assim, uma coisa que você vê na hora certa do ângulo certo, uma  imagem que desperta emoções como um motor. Você vê tão claramente que todas as coisas que aconteceram no meio-tempo somem.
Se o desejo é o que fecha o círculo entre o mundo e a vontade, então o círculo fechou.
• Bill Denbrough.

Emocionalmente, apesar de não ter sentido medo durante a leitura de A Coisa posso dizer que fui tocada pelas palavras de King em diversos pontos. Nessa história criada para horrorizar o leitor, os moradores de Derry cumpriram seu papel mostrando o quão cruel um ser humano pode ser. Desde ao que mães podem fazer para proteger seus filhos à o que pais podem fazer para maltrata-los, King traça uma linha em qual expõe os seres humanos modo nu e cru. Eu senti raiva, vergonha e medo do que os homens são capazes de fazer. It me deu um sentimento de que quase todos somos vis e cruéis quando temos a oportunidade. Somos feitos de carne, ossos e maldade. Como se esperassemos uma brecha, um motivo para ser atrozes.

Durante toda a leitura de A Coisa, não posso contar em dedos quantas vezes situações desesperadoras foram criadas, não pelo monstro e sim pela própria humanidade. Racismo, sexismo, violência, intolerância… Sentimentos que repetiram-se continuamente durante a leitura provocando-me a pensar que todos somos a própria Coisa no mundo. Nos alimentamos da tristeza dos nossos semelhantes de modo à sermos a doença que fere o mundo. Um tumor que cresce à medida que fazemos a maldade como que tambem fechamos os olhos ao que acontece ao nosso redor.

Essa qualidade da imaginação deixava os alimentos muito suculentos. Os dentes da Coisa destroçavam carne dura de tantos terrores exóticos e medos voluptuosos: eles sonhavam com animais noturnos e lamas em movimento; contra a própria vontade, eles contemplavam abismos infinitos.
• A Coisa

Mas, ao mesmo tempo em somos o câncer do mundo, It também nos mostra que somos a cura através de Bill, Richie, Beverly, Mike, Eddie e Stan. O amor e amizade sempre poderão nos salvar de qualquer mal se deixarmos que ele faça isso. Curamos quando ficamos unidos e nos deixamos ser curados. Essa é a maior lição de A Coisa. É a percepção de que sim existe coisas maiores que nós que puxam ou para o bem ou para o mal. Tais formas porém apenas nos dão as ferramentas para que possamos agir, mas apenas se acreditarmos no que fazemos é que conseguiremos encontrar o caminho para longe das mazelas e da escuridão.

Ler It – A Coisa foi sem dúvidas diferente de tudo que eu esperava que poderia acontecer. Fui levada do medo à esperança e deixada as margens de uma humanidade terrível mas também sonhadora. É um livro que sempre vou lembrar de ter lido por ter me dado muito mais do que um monstro, mas ter me mostrado quem são os verdadeiros. Somos nós, ao mesmo tempo que podemos ser a luz no fim do túnel, basta olharmos para quem somos e assim nos perguntar se estamos fazendo juz à crianças que éramos um dia.

Você não precisa olhar para trás para ver essas crianças; parte de sua mente vai vê-las para sempre, vai viver com elas para sempre, vai amar com elas para sempre. Elas não são necessariamente a melhor parte de você, mas já foram o depósito de tudo que você poderia se tornar.
• Bill Denbrough

| RESENHA | Coraline — Neil Gaiman.

Olá leitores como vão? Hoje a resenha está saindo mais tarde, mas livros mais psíquicos merecem não. É o mês das bruxas e as leituras estão à todo vapor. Contudo, como eu dei uma pequena pausa no terror para ler Corte de Névoa e Fúria com algumas amigas, a resenha de hoje é de um dos meus queridinhos do passado. Coraline do Neil Gaiman que foi o primeiro livro nessa linha ficção psicológica que li e que até hoje me assombra.

image

 

Título: Coraline
Autor: Neil Gaiman
Editora: Rocco
Ano: 2002
Avaliação: 👑 👑 👑 👑 👑 💜
Encontre: Skoob || Amazon || Saraiva || Submarino.

 

SINOPSE:A história de Coraline é de provocar calafrios. A narrativa dá muitas voltas e percorre longas distâncias, criando um ‘outro’ mundo onde todos os aspectos de vida são pervertidos e desvirtuados para o macabro. Ao mesmo tempo sutil e cruel, o autor gosta de desafiar as imagens simples dos livros infantis tradicionais. No livro, a jovem Coraline acaba de se mudar para um apartamento num prédio antigo. Seus vizinhos são velhinhos excêntricos e amáveis que não conseguem dizer seu nome do jeito certo, mas encorajam sua curiosidade e seu instinto de exploração. Em uma tarde chuvosa, a menina consegue abrir uma porta que sempre estivera trancada na sala de visitas de casa e descobre um caminho para um misterioso apartamento ‘vazio’ no quarto andar do prédio. Para sua surpresa, o apartamento não tem nada de desabitado, e ela fica cara a cara com duas criaturas que afirmam ser seus “outros” pais. Na verdade, aquele parece ser um “outro” mundo mágico atrás da porta. Lá, há brinquedos incríveis e vizinhos que nunca falam seu nome errado. Porém a menina logo percebe que aquele mundo é tão mortal quanto encantador e que terá de usar toda a sua inteligência para derrotar seus adversários.

Coraline é o tipo de livro infantil que todos sabemos que foi feito para um adulto ler. Somente nós, jovens e adultos conseguimos entender por entre as linhas da história criada tanto para encantar como para assombrar por Neil Gaiman. É um livro que conduzido através da sutileza que relembra os medos da infância e os desejos mais profundos do seu coração. Todos nós em algum momento da vida já pensamos em querer morar em um mundo perfeito. Um mundo onde não há cobranças e tudo é extremamente divertido. Um mundo onde as pessoas são incríveis e nada de ruim pode nos alcançar. Neil Gaiman te mostra que esse mundo talvez exista e que talvez ele esteja ali dentro do seu armário. E para entrar nele, você só precisa girar a chave e pagar o preço que ele exige.

Dono de uma linguagem sutil e poética, Neil Gaiman escreve um livro grandioso com simplicidade. Ele te diz o básico para que com aliadas à essas informações sua própria mente termine de criar as situações e as imagens. Gaiman brinca então com seu próprio imaginário. Você é dono do monstro atrás da porta que é moldado como um Frankstein; feito de variadas partes do seu próprio medo. Assim Gaiman cria uma história onde tudo é possível buscando nossas raízes em uma escrita sutilmente tenebrosa.

Neil Gaiman também cria bastante profundidade em seus personagens mesmo se tratando de um livro curto. Com frases pequenas, mas muito dito nelas, cada um consegue se tornar inesquecível ao seu modo. Ao criar dois mundos diferentes, Gaiman cria personagens que também são muito diferentes. Há tanta dualidade em cada um que é impossível não se pegar pensando no que cada pessoa esconde. Se o limite entre o real e o imaginário é uma porta, então talvez o limite entre uma boa pessoa e uma má sejam as convenções sociais. Em um mundo onde não há regras, cada um de nós poderíamos ser o que quiséssemos seja bom ou não. Tal perspectiva é deixada a vista do leitor durante todo o livro. Para que ele perceba e se pergunte o que é ou não real em nosso mundo.

Coraline
é um livro que marcou minha vida como leitora e como pessoa. Neil Gaiman é um dos maiores nomes da fantasia porque trás o mundo real de forma sutil para dentro de suas páginas. Ler este livro é como abrir o armário dos medos e finalmente enfrentá-los.

Caixa de Pássaros: Não Abra Os Olhos – Josh Malerman

Romance de estreia de Josh Malerman, Caixa de pássaros é um thriller psicológico tenso e aterrorizante, que explora a essência do medo. Uma história que vai deixar o leitor completamente sem fôlego mesmo depois de terminar de ler. Basta uma olhadela para desencadear um impulso violento e incontrolável que acabará em suicídio. Ninguém é imune e ninguém sabe o que provoca essa reação nas pessoas.

image

Mas ela se pergunta se não há outra tampa acima daquela, e depois mais uma. Encaixotados, pensa. Para sempre.

Ao começar Caixa de Pássaros eu não tinha ideia de absolutamente de quase nada que poderia acontecer no livro. Já que eu não tenho costume de ler sinopses e muitas das vezes, quando um livro soa atraente pelo nome e capa, eu me recuso a ver o que pessoas falam sobre ele (tentando não criar muitas expectativas), tudo que eu sabia é que sobre a história era que A): se tratava de livro de terror e que B): ele seria narrado em terceira pessoa tanto no presente quando no passado.

Ao iniciar o livro, depois da influência de um áudio da minha amiga Jane, posso dizer que a história tem dois pontos de partida, ambos narrados pela personagem principal: Malorie. O primeiro, contado no presente, é a partida dela e de seus dois filhos (chamados apenas de Garoto e Menina) da casa onde ambos se escondiam para uma travessia em um rio que os levaria a algum lugar seguro. E o segundo, narrado cinco meses antes é a descoberta de sua gravidez e ao mesmo tempo uma notícia assombrosa que corre o mundo: pessoas estão cometendo suicídio (e até matando entes queridos) após verem alguma coisa. Nesse ponto da história entendi a primeira coisa sobre o livro, dita em sua capa: “Não Abra Os Olhos”. A ordem dada pelo autor soa impossível re ser cumprida ao mesmo tempo necessária para a sobrevivência dos personagens. Mas ao mesmo tempo em que percebi o significado da ordem, fiquei confusa em como Malorie poderia encontrar um lugar seguro sendo que o que vinha acontecendo tinha veias de ser global.

Assim, já nesse comecinho de livro, mas especificamente após esses dois primeiros capítulos, o autor põe na cabeça do leitor as duas perguntas que vão persegui-lo durante toda o trajeto do livro: O que pode ser tão horrível ou tão persuasivo a ponto de fazer uma pessoa se matar? Como Malorie pode saber que existe algum lugar seguro onde ela possa criar seus filhos para que eles sejam livres e sem medo de enxergar? Dessa forma o autor cria um mundo assombroso por ele ser simplesmente agoniante. Ao mesmo tempo que você deseja que os personagens fiquem seguros, não tem como não desejar que alguém possa simplesmente ir lá fora e te contar o que a está acontecendo, o que são as criaturas. E essa agonia é tão profunda que é impossível deixar de ler o livro buscando uma explicação para o que parece inexplicável.

Além disso, o autor também faz um percurso muito bem trabalho sobre a imaginação e as emoções dos personagens. Dando ao leitor a liberdade para interpretar o que os personagens tocam, mostrando como o medo pode mudar uma pessoa, torna-la distante, fria e reclusa. Mas também deixa-la, contraditoriamente, mais corajosa sempre superando os limites do seu próprio medo.

Eu gostei imensamente desse livro mesmo que o final tenha deixado um ponto em aberto. Ler ele me fez explorar os sentidos além da visão (admito: tentei ficar um tempo me forçando a não olhar alguma coisa e não consegui). Mas principalmente, o livro me fez imaginar diversas criaturas diferentes para tentar descobrir o que não devia olhar. Tentar descobrir os limites da minha sanidade.

Eu super recomendo este livro. É vibrante, é angustiante, é assombroso. É impossível fechar os olhos até termina-lo.

Titulo: Caixa de Pássaros
Título Original: Bird Box
Autor: Josh Malerman
Ano: 2014
Editora: Intrínseca.
Avaliação: 🌟🌟🌟🌟🌟

Você diz a si mesma que esperou quatro anos porque estava com medo de perder a casa para sempre. Diz a si mesma que esperou quatro anos porque queria treinar as crianças primeiro. Mas nada disso é verdade. Você esperou quatro anos porque aqui, nesta viagem, neste rio, onde loucos e lobos a espreitam, onde as criaturas podem estar por perto, NESTE DIA você terá que fazer uma coisa que não faz há muito: mais do que quatro anos. Hoje você vai ter que abrir os olhos. Ao ar livre.

O Orfanato Da Senhorita Peregrine Para Crianças Peculiares – Ramson Riggs – Livro Um.

Tudo está à espera para ser descoberto em O orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares. Nossa história começa com uma horrível tragédia familiar que lança Jacob, um rapaz de 16 anos, em uma jornada até uma ilha remota na costa do País de Gales, onde descobre as ruínas do Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares. Enquanto Jacob explora os quartos e corredores abandonados, fica claro que as crianças do orfanato são muito mais do que simplesmente peculiares. Elas podem ter sido perigosas e confinadas na ilha deserta por um bom motivo. E, de algum modo, por mais impossível que pareça, ainda podem estar vivas.

image

Eu fiquei super encantada e comprometida com a história desse livro. Ele é bem dinâmico e incapaz de ser deixado de lado. Sem contar que sua diagramação foi bem peculiar mesmo. Nunca tinha visto um livro que usasse de fotos originais ilustrar um enredo que fala justamente do sobrenatural.

Ramson Riggs me surpreendeu pois eu não esperava muito da história. Muito embora eu já tivesse ouvido falar várias vezes que era realmente bom, por esse motivo eu estava apreensiva quanto ao livro. Quer dizer, muitos dos livros que as pessoas me recomendaram com aquele você precisa desse livro foram questionáveis. Mas O Orfanato (kkk não dá para escrever o nome do livro toda hora que é gigante) cumpriu exatamente o papel que tinha prometido e assim me fez ficar apaixonada pela história.

Jacob é um adolescente que apesar de ter tudo que o dinheiro pode comprar sofre por ser incompreendido pelos pais. Fúteis, tenho a impressão que ambos os adultos não entendem o filho porque não se dão ao trabalho de fazer isso já que estão mais preocupados com o que as pessoas ao redor vão dizer. A única pessoa que parecia querer o bem de lo Jacob era seu avô porém o jovem se afastou dele durante muitos anos por não acreditar no que ele dizia até o dia fatídico de sua morte.

Uma das coisas que mais me impressionou nesse livro além de tudo foi como o Jacob ia descobrindo sobre o que seu avô lhe contava e seu passado. Eu esperava que certas coisas acontecessem de cara, porém, elas evoluíram na medida certa deixando um espaço continuo para reflexão. É um livro maravilhoso que valeu muito a pena a leitura.

Titulo Original: Miss Peregrine’s Home for Peculiar Children
Autor: Ramson Riggs
Ano: 2013
Editora: LeYa
Avaliação: 🌟🌟🌟🌟🌟