Arquivo da categoria: New Adult

( Resenha ) Boa Noite – Pam Gonçalves

Pam Gonçalves é certamente uma das maiores booktubers do brasil. Acompanho-a desde o começo e ela foi responsável por me apresentar algumas das minhas melhores leituras da vida. De modo que quando foi anunciado a publicação de obrar fiquei com muita vontade de ler. Mas a oportunidade surgiu apenas anos mais tarde e mesmo assim, todas as temáticas do livro, não deixaram de ser importantes e atuais para o mundo e para o brasil que vivemos hoje.

Título: Boa Noite | Autora: Pam Gonçalves | Editora: Galera Record | Páginas: 240 | Ano: 2016 | Avaliação: ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ | Encontre: Saraiva | Skoob | Amazon 
Boa NoiteSinopse: Alina quer deixar seu passado para trás. Boa aluna, boa filha, boa menina. Não que isso seja ruim, mas também não faz dela a mais popular da escola. Agora, na universidade, ela quer finalmente ser legal, pertencer, recomeçar. O curso de Engenharia da Computação – em uma turma repleta de garotos que não acreditam que mulheres podem entender de números -, a vida em uma república e novos amigos parecem oferecer tudo que Alina quer. Ela só não contava que os desafios estariam muito além da sua vida social. Quando Alina decide deixar de vez o rótulo de nerd esquisitona para trás, tudo se complica. Alina não tinha como prever que seria tragada para o meio de tudo aquilo nem que teria a chance de fazer alguma diferença. De uma hora para outra, parece que o que ela mais quer é voltar para casa.

O primeiro livro de Pam Gonçalves tem uma temática New Adult construído através de uma garota que precisa encarar as novas dificuldades postuladas pela fase adulta. Apesar de começar em um esteriótipo – a garota impopular que deseja alcançar um status social -, a obra se desenvolve de uma maneira quase inovadora trazendo problemas reais o mundo da personagem. Muito embora, eu não possa dizer que ficaria amiga de Alina, algumas de suas atitudes lembraram a mim mesma, principalmente no que diz respeito a necessidade de aceitação. Sua trajetória em deixar isto para trás determina o tom do livro, pois mesmo abordando assuntos variados, Pam nunca deixa de lado a construção que Alina tem quando voltada para si mesma.

Entretanto, pensando um pouco na narrativa, posso dizer que não foi um livro nem amado nem odiado por mim. São bons temas para si tratar ao mesmo tempo que são temas excessivos para colocar em um único livro com páginas contadas. Pam tem uma escrita interessante, sentimental mas que não foca em algo para evoluir verdadeiramente. Assim, esse se torna o problema principal da obra. O multifoco da autora em ser representativa, trouxe um livro de meia-representatividade.

Em primeiro plano, as abordagens são necessárias. Ainda ainda mais se explanarmos o sentido cultural que o Brasileiro – de uma forma generalizada – tem em observar o feminino e os locais que se encontra. O feminismo é visto como uma doença, as mulheres como objetos e tudo aquilo que é diferente como errado. Inserir em uma obra pensamentos que desmitifiquem essa realidade soa absurdo de tão real, de tão necessário. Desse modo, superficialmente a obra equilibra vida real com imaginária trazendo situações que podemos vivenciar ou ver vivenciadas por outras garotas.

“Sabe o que acontece com as garotas como eu que falam que foram estupradas por um cara como ele? Vão dizer que eu merecia. Que eu deveria agradecer. 

Todavia, devemos observar que a ficção, por mais que seja “de mentirinha”, precisa ter um bom posicionamento para convencer principalmente quando colocada em prática de uma realidade. Se toma como foco abordar uma questão, não se coloca e depois abandona-a, mas sim questiona, oferece intervenção ou pelo menos evolução. Todos os assuntos abordados pela Pam ficaram soltos,  o que acabou sendo um ponto desastroso em uma história que tinha tudo para ser perfeita.

Boa Noite é uma obra necessária por trazer sororidade ao mundo, visto que precisamos que as mulheres se apõem ao invés de se julgarem. Entretanto, não indico para quem precisa de algo para pensar. O livro não traz soluções ou crítica com afinco, apenas abre margem para que assuntos como este sejam pelo menos levados em consideração da nossa sociedade.

(Resenha) Meu Romeu – Leisa Rayven – Livro 01

Nunca fui o tipo de pessoa que gosta de New Adult, mas Meu Romeu me chamou atenção desde o princípio e nada disso tem haver com a prerrogativa Shakespeariana que traz em seu título. Três anos depois do meu primeiro contato com a obra, posso dizer que a história foi sim excelente muito embora não tenha alcançado minhas expectativas.

Título: Meu Romeu | Título Original: Bad Romeu | Autor: Leisa Rayven| Editora: Globo Alt | Ano  2015| Páginas: | Avaliação: ⭐⭐⭐| Encontre: Skoob| Saraiva | Amazon

meu romeu

Sinopse: Cassie está prestes a realizar o grande sonho: estrelar um espetáculo na Broadway. O que ela não esperava era ter que enfrentar o reencontro com o ex-namorado, que será novamente protagonista ao seu lado, em uma peça cheia de romance e cenas quentes. Trabalhar com Ethan traz o passado à tona, e lembra a Cassie que o que existe entre eles vai muito além de simples química.

O amor não pode ser encontrado onde ele não existe, nem pode ser escondido onde ele realmente está.

Leisa Raven tem uma escrita boa, porém um livro mediano. Com poucas descrições físicas, muito sentimentalismo e grandes personagens, Leisa não consegue o principal que é a manutenção de um bom enredo. O maior ponto do livro e pior, paradoxalmente, é a escrita versus narrativa da autora. Muito embora Rayven consiga deixar o leitor atento as necessidades de suas personagens, na hora de criar o principal (o enredo) a autora se perde na superficialidade do erotismo.  Assim, apesar da escrita se excelente para nos fazer crer nos sentimentos dos personagens, o enredo torna-se fútil.

Querida Cassandra, às vezes, não é questão de consertar o que está quebrado. Às vezes, é questão de recomeçar e construir algo novo. Algo melhor

A história se desenrola em passado e presente para que entendamos como Cassie e Ethan foram modificados pelas suas trajetórias. Cassie foi minha personagem favorita por todas nuances que a personagem conseguiu trazer. Sem se perder no estereotropismo típico demais (personagens com sentimentos excessivos), Cassie tem a dose certa de timidez no passado e de amargura no presente. A garota foi construída para se tornar independente das amarras sociais, ao mesmo tempo que não consegue se desvencilhar dos medos de não ser aceita. Os motivos de Cassie são aprofundados e muito antes de uma personagem, enxergamos à nós ou as nossas amigas.

Infelizmente, o mesmo não pode ser dito de Ethan. Nunca gostei de personagens que fazem o esteriótipo bad-boy com bom coração e para Ethan isso não foi diferente. O engraçado é que se Rayven consegue revelar os segredos sentimentais de Cassie à luz do existencial, com Ethan a coisa não flui o personagem se torna só mais um exemplar masculino do gênero. Não consegui acreditar nas suas emoções e muito entender os motivos que pareceram infantis.

Uma opinião não precisa ser verdade para mais ninguém no mundo além de você. Para de tentar agradar a porra de todo mundo e diga o que você pensa.

Meu Romeu tem uma proposta interessante, mas um desenvolvimento que deixa a desejar. Muito embora não descarte a possibilidade de ler os próximos livros da trilogia, tenho que admitir que minhas intenções estão em baixa. Leisa Rayven tinha um mundo brilhante é uma pena que os seus reflexos não conseguiram chegar até os recantos mais profundos da obra.

 

( Resenha ) Em Casa Para O Natal – Cally Taylor

Minhas caras Corujinhas. Na vida as coisas podem acontecer como um turbilhão mesmo quando tudo parece estar acontecendo as mil maravilhas. Nossa história de hoje será sobre uma mulher que precisa aprender à se amar e encontrar seu destino através de suas próprias pernas.

Em Casa Para o Natal

Titulo: Em Casa Para O Natal
Titulo Original: Home for Christmas
Autora: Cally Taylor
Editora: Bertrand
Páginas: 350
Encontre: Skoob| Amazon| Saraiva
Avaliação:⭐ ⭐ ⭐ ⭐

Sinopse: Ela tem a vida quase perfeita. Seu único desgosto é nunca ter ouvido as três palavras mágicas: eu amo você. Beth Prince sempre adorou contos de fadas e acredita que está prestes a viver um final feliz: tem o emprego dos sonhos em um charmoso cinema independente e um namorado maravilhoso chamado Aiden. Ela faz parte de um grupo privilegiado de pessoas que trabalha com o que ama, e o entusiasmo pelos filmes intensifica a busca por seu próprio “felizes para sempre”. Só há um problema: nenhum homem jamais declarou seu amor por ela. E, apesar de acreditar que Aiden é o príncipe encantado, a protagonista desconfia de que ele tem medo de dizer “eu amo você”. Desesperada para escutar essas palavras mágicas pela primeira vez, ela resolve assumir as rédeas do destino — e acaba se arrependendo. Com Em casa para o Natal, Cally Taylor brinda o leitor com uma deliciosa comédia romântica que tem como pano de fundo o espetacular universo do cinema e os tempos festivos do Natal. 

Às vezes sinto como se houvesse algo errado comigo. Se não, por que os homens tomam tudo o que ofereço e depois me dão um pé na bunda? É como se eu não fosse boa o suficiente ou algo do gênero. Às vezes tenho a sensação de que quanto mais eu corro atrás do amor, mais rápido ele foge de mim.

Ler livros de comédia romântica é um desafio para mim. Isto, porque eu nunca consigo rir onde deveria acabando por terminar o livro com aquela sensação li errado, vou ter que ler de novo. Por isso sempre evitei novos autores para livros deste tipo fixando apenas naqueles que já estava acostumada. Até que em dezembro, numa linda promoção das lojas americanas, adquiri um exemplar de Em Casa Para O Natal de Cally TaylorUm dos meus projetos era até resenhá-lo para o natal, mas sabe como é a preguiça foi mais forte (kkk). De modo que acabei lendo ele somente em Fevereiro. E, para minha surpresa, foi uma leitura super gratificante que me deixou bastante satisfeita no final.

Como o bom chik-lit que é, Em Casa Para O Natal tem uma leitura que é pautada pela simplicidade de uma moça atrapalhada. Apesar do clichê clássico do gênero, nossa heroína acaba por ter uma personalidade bem complexa que vai além do esperado. Diferente da maioria, Beth não chega a ser uma mulher dotada de força e independência mas sim o oposto: ela precisa da aprovação de outras pessoas para se sentir mais plena. Chega à ser assustadora essa necessidade da personagem pois demonstra como o ser humano consegue ser frágil e insatisfeito consigo mesmo. Por isso, a partir disto, a autora toma para si a necessidade de mostrar a evolução da personagem. De frágil e desamparada, Beth transforma-se numa mulher independente para lutar por aquilo que deseja.

Um dos meus pontos favoritos da história foram os personagens secundários que carregaram a leveza na obra e os ensinamentos à serem passados para Beth. Tanto seu par romântico, como sua melhor amiga e também sua mãe trazem algo de novo a protagonista. O amor não deve ser fantasioso, a amizade não deve ter mentiras e a força de uma mulher está naquilo que ela – por si própria – é capaz de conquistar.

Em Casa Para O Natal deve ser um livro tomado sem nenhuma expectativa. Não é um livro de romance apesar de ele existir dentro da obra. É um livro sobre amadurecimento, sobre se encontrar. Um livro que realmente pode ser lido em todas as épocas do ano.

| RESENHA | O Ódio Que Você Semeia – Angie Thomas.

Ler um livro que fala sobre preconceito no mundo intolerante de hoje é assustadoramente real. Tenho feito um punhado de leituras com esse tema durante os últimos meses e todos os livros me impactaram de alguma forma. O Ódio Que Você Semeia não foi diferente colocando-se entre os melhores. A história é um perfeito manifesto em virtude de todas pessoas que necessitam saber que suas vozes devem ser ouvidas.

image

Título: O Ódio Que Você Semeia
Título Original: The Hate U Give
Autora: Angie Thomas
Editora: Galera Record
Ano: 2017
Avaliação: 👑 👑 👑 👑 👑
Encontre: Skoob || Saraiva || Submarino || Amazon

Thug Life era sigla de The Hate U Give Little Infants Fucks Everybody, “o ódio que você passa pras criancinhas fode com todo mundo”

Sinopse: Uma história juvenil repleta de choques de realidade. Um livro necessário em tempos tão cruéis e extremos. Starr aprendeu com os pais, ainda muito nova, como uma pessoa negra deve se comportar na frente de um policial. Não faça movimentos bruscos. Deixe sempre as mãos à mostra. Só fale quando te perguntarem algo. Seja obediente. Quando ela e seu amigo, Khalil, são parados por uma viatura, tudo o que Starr espera é que Khalil também conheça essas regras. Um movimento errado, uma suposição e os tiros disparam. De repente o amigo de infância da garota está no chão, coberto de sangue. Morto. Em luto, indignada com a injustiça tão explícita que presenciou e vivendo em duas realidades tão distintas (durante o dia, estuda numa escola cara, com colegas brancos e muito ricos – no fim da aula, volta para seu bairro, periférico e negro, um gueto dominado pelas gangues e oprimido pela polícia), Starr precisa descobrir a sua voz. Precisa decidir o que fazer com o triste poder que recebeu ao ser a única testemunha de um crime que pode ter um desfecho tão injusto como seu início. Acima de tudo Starr precisa fazer a coisa certa. Angie Thomas, numa narrativa muito dinâmica, divertida, mas ainda assim, direta e firme, fala de racismo de uma forma nova para jovens leitores. Este é um livro que não se pode ignorar.

A verdade gera uma sombra na cozinha; pessoas como nós em situações assim viram hashtags, mas raramente conseguem ter justiça. Mas acho que todos esperamos que essa vez chegue; a vez em que tudo vai acabar da forma certa.

O Ódio Que Você Semeia está entre as melhores leituras que realizei esse ano. Pensar em racismo, remete a pensar em que tipo de sociedade iremos deixar para nossos filhos visto quão perigoso o mundo está hoje e quem apoiamos para ocupar os cargos de poder. Pensar em racismo é ligar a TV e ver as notícias de atentados em todos os lugares do mundo ou crianças sendo ensinadas a odiar aqueles que lhe são diferentes. Ler um livro como de Angie Thomas é ver que tipo de legado estamos dispostos a deixar para trás.

— Todo mundo está com raiva porque Um-Quinze não foi acusado — explico —, mas também porque ele não é o primeiro a fazer uma coisa assim e se safar. Sempre acontece, e as pessoas vão continuar se rebelando até mudar. Então, o sistema ainda está semeando ódio, e todo mundo ainda está se fodendo?
Papai ri e me dá um soco na mão.
— Minha menina. Olha a boca suja, mas, é, é isso. E a gente nunca vai parar de se foder enquanto isso não mudar. Essa é a chave. Tem que mudar.

O Ódio Que Você Semeia foi um livro diferente do que eu esperava para ele. Quando leio livros que abordam temas mais pesados sempre penso que eles vão vir recheados de carga dramática sem alívios cômicos. Mas o livro de Thomas fugiu a regra ao se mostrar tenso nas horas certas e dramático nas horas certas, mas também fazer uso de uma linguagem fácil repleta de humor. Thomas conseguiu mostrar com perfeição que não é preciso ser pesado para falar sobre assuntos polêmicos, pois estes estão inseridos em todos os lugares de nossas vidas idependente de qualquer situação. Mais do que isso, Thomas cria um mundo adolescente real onde desenvolve uma narrativa que mistura a vida e a tecnologia. O mundo geek, o mundo nerd, o mundo que vivemos está representado dentro deste livro. Nunca antes eu tinha lido uma obra com tantas interações da internet ou citações atuais dentro de uma obra. É como se a autora colocasse para todos verem que o racismo pode estar em todas plataformas. Não nego que às vezes de forma um tanto forçada, sim, mas que definitivamente fazem sentido dentro do contexto do livro.

Papai alega que as casas de Hogwarts são gangues, na verdade. Têm suas próprias cores, seus esconderijos e estão sempre brigando umas com as outras, como gangues. Harry, Rony e Hermione nunca deduram um ao outro, assim como integrantes de gangues. Os Comensais da Morte têm tatuagens iguais. E veja Voldemort. Eles têm medo de dizer o nome dele. Falando sério,o papo de “Aquele Que Não Pode Ser Nomeado” é a mesma coisa quedar um nome de rua para ele. É coisa de gangue mesmo.

Os personagens são diferentes um dos outros de modo que não dá para confundi-los. Por uns, criei certa antipatia enquanto por outros sinto como se fosse amiga de infância. Tal dualidade me proporcionou maior proximidade com a história. Consigo enxergar ali as pessoas ao meu redor: a garota que tem medo, o homem que percebeu os erros do seu passado, a menina que por estar tão acostumada aquilo que não percebe suas atitudes racistas, a mãe… um irmão… um amigo… Tantos personagens com medos, aflições e alegrias diferentes que produziram efeitos variados de amor e ódio durante a leitura.

Mas é engraçado como funciona com os adolescentes brancos. É maneiro ser negro até ser difícil ser negro.

Starr é uma personagem extremamente cativante. A garota é uma adolescente comum com à qualquer menina de sua idade. Mas com uma pitada que não existe à outras adolescentes fora do mundo “negro: Todas as garotas têm medo de apresentar o namorado ao pai, mas Starr tem que apresentar um namorado que acima tudo é branco; Todas as garotas sofrem com crise de autoconhecimento, mas Starr tem que aprender a ser uma pessoa diferente para não ser taxada como do gueto. Dessa forma, a medida que vamos nos afundando na vida de Starr e a conhecendo melhor, é possível entender o seu medo e o porquê de estar tão presa aos estigmas da sociedade. Não é fraqueza que a menina colocou em si mesma e sim uma barreira gigantesca que o mundo atira em suas costar. Starr poderia ser normal, se as pessoas não lhe olhassem diferente.

Esse é o problema. Nós deixamos as pessoas dizerem coisas, e elas dizem tanto que se torna uma coisa natural para elas e normal para nós. Qual é o sentido de ter voz se você vai ficar em silêncio nos momentos que não deveria?

Os personagens secundários são igualmente cativantes. Começando pela família de Starr consigo perceber neles duas coisas: a primeira é a imagem inicial de que eles juntos são felizes e fortes como em um comercial de margarina. Sorriem e se apoiam sempre querendo o melhor e dando força um para o outro. Mas eu também percebo que esses personagens possuem uma carga dramática imensa para compor esse misto de felicidade exarcebaba e preocupações: O pai de Starr, Maverick foi preso e perdeu os primeiros anos do nascimento de sua filha além de ter tido um filho fora do casamento. Assim sua família teve que lidar com sua ausência em anos difíceis tendo o amparo de um tio para seguir em frente; Seven, meio irmão de Starr, tem que lidar com o fato de sua mãe namorar o chefe da gangue do bairro e ver elas e suas irmãs à mercê dessa situação. Dessa forma, ao mesmo tempo que Angie mostra situações difíceis, também ressalta como eles são uma família como qualquer outra. Como ser negros não significa que eles tem que ser uma família miserável, destruída e sem destino certo. Porque esse é apenas mais um estereótipo que a sociedade os envolveria.

Logo cedo, eu aprendi que as pessoas cometem erros, e você tem que decidir se os erros são maiores do que seu amor por elas.

Vale ressaltar também a evolução que Starr consegue ter no livro. Ela começa como uma personagem amedrontada para então se tornar uma personagem corajosa. Starr aprende como usar sua voz e os motivos pelos quais ela merece ser ouvida. Ela deixa para trás a dupla identidade para então se encontrar e ser à si mesma em seus dois mundos.

— Ter coragem não quer dizer que você não esteja com medo, Starr — diz ela. — Quer dizer que você segue em frente apesar de estar com medo. E você está fazendo isso.

Esse livro de Angie Thomas foi tudo que eu não esperava e mais um pouco. É sim uma das leituras mais gratificantes do ano. É um apelo para que todos nós percebamos por quais caminhos estamos percorrendo e demonstrando às nossas crianças. Um manifesto pela igualdade que nos deixa com raiva, emocionados e felizes. Mas principalmente que nos motiva a lembrar de Gandhi e sermos as mudanças que queremos e podemos ser no mundo.

Às vezes, as coisas dão errado mas o importante é continuar fazendo o certo.

| RESENHA | Coraline — Neil Gaiman.

Olá leitores como vão? Hoje a resenha está saindo mais tarde, mas livros mais psíquicos merecem não. É o mês das bruxas e as leituras estão à todo vapor. Contudo, como eu dei uma pequena pausa no terror para ler Corte de Névoa e Fúria com algumas amigas, a resenha de hoje é de um dos meus queridinhos do passado. Coraline do Neil Gaiman que foi o primeiro livro nessa linha ficção psicológica que li e que até hoje me assombra.

image

 

Título: Coraline
Autor: Neil Gaiman
Editora: Rocco
Ano: 2002
Avaliação: 👑 👑 👑 👑 👑 💜
Encontre: Skoob || Amazon || Saraiva || Submarino.

 

SINOPSE:A história de Coraline é de provocar calafrios. A narrativa dá muitas voltas e percorre longas distâncias, criando um ‘outro’ mundo onde todos os aspectos de vida são pervertidos e desvirtuados para o macabro. Ao mesmo tempo sutil e cruel, o autor gosta de desafiar as imagens simples dos livros infantis tradicionais. No livro, a jovem Coraline acaba de se mudar para um apartamento num prédio antigo. Seus vizinhos são velhinhos excêntricos e amáveis que não conseguem dizer seu nome do jeito certo, mas encorajam sua curiosidade e seu instinto de exploração. Em uma tarde chuvosa, a menina consegue abrir uma porta que sempre estivera trancada na sala de visitas de casa e descobre um caminho para um misterioso apartamento ‘vazio’ no quarto andar do prédio. Para sua surpresa, o apartamento não tem nada de desabitado, e ela fica cara a cara com duas criaturas que afirmam ser seus “outros” pais. Na verdade, aquele parece ser um “outro” mundo mágico atrás da porta. Lá, há brinquedos incríveis e vizinhos que nunca falam seu nome errado. Porém a menina logo percebe que aquele mundo é tão mortal quanto encantador e que terá de usar toda a sua inteligência para derrotar seus adversários.

Coraline é o tipo de livro infantil que todos sabemos que foi feito para um adulto ler. Somente nós, jovens e adultos conseguimos entender por entre as linhas da história criada tanto para encantar como para assombrar por Neil Gaiman. É um livro que conduzido através da sutileza que relembra os medos da infância e os desejos mais profundos do seu coração. Todos nós em algum momento da vida já pensamos em querer morar em um mundo perfeito. Um mundo onde não há cobranças e tudo é extremamente divertido. Um mundo onde as pessoas são incríveis e nada de ruim pode nos alcançar. Neil Gaiman te mostra que esse mundo talvez exista e que talvez ele esteja ali dentro do seu armário. E para entrar nele, você só precisa girar a chave e pagar o preço que ele exige.

Dono de uma linguagem sutil e poética, Neil Gaiman escreve um livro grandioso com simplicidade. Ele te diz o básico para que com aliadas à essas informações sua própria mente termine de criar as situações e as imagens. Gaiman brinca então com seu próprio imaginário. Você é dono do monstro atrás da porta que é moldado como um Frankstein; feito de variadas partes do seu próprio medo. Assim Gaiman cria uma história onde tudo é possível buscando nossas raízes em uma escrita sutilmente tenebrosa.

Neil Gaiman também cria bastante profundidade em seus personagens mesmo se tratando de um livro curto. Com frases pequenas, mas muito dito nelas, cada um consegue se tornar inesquecível ao seu modo. Ao criar dois mundos diferentes, Gaiman cria personagens que também são muito diferentes. Há tanta dualidade em cada um que é impossível não se pegar pensando no que cada pessoa esconde. Se o limite entre o real e o imaginário é uma porta, então talvez o limite entre uma boa pessoa e uma má sejam as convenções sociais. Em um mundo onde não há regras, cada um de nós poderíamos ser o que quiséssemos seja bom ou não. Tal perspectiva é deixada a vista do leitor durante todo o livro. Para que ele perceba e se pergunte o que é ou não real em nosso mundo.

Coraline
é um livro que marcou minha vida como leitora e como pessoa. Neil Gaiman é um dos maiores nomes da fantasia porque trás o mundo real de forma sutil para dentro de suas páginas. Ler este livro é como abrir o armário dos medos e finalmente enfrentá-los.

| RESENHA | Entre E O Agora E O Nunca – J. A. Redmerski – Livro Um.

Olá tudo bom com você? Bom dia, boa tarde ou boa noite seja a hora que você esteja lendo este post. Mês passado fiz um post explicando um pouco sobre o Desafio Literário Cultura e como prometido vou começar a postar resenhas das minhas leituras este mês. Como não pretendo postar na ordem de leitura, então vou postar primeiro as leituras mais frescas em minha mente. Para começar será do livro Entre O Agora E O Nunca de J. A. Redmerski. Estou lendo esse livro para cumprir o ítem Um livro em que o protagonista foge.

 — Acho que o amor nunca acaba de verdade quando a gente ama alguém — digo, e vejo um pensamento passar por seus olhos. — Acho que quando você se apaixona, quando ama de verdade, é amor pra vida inteira. Todo o resto são só experiências e ilusões.
– Andrew.

 

 Download-Livro-Entre-o-Agora-e-o-Nunca-J.-A.Redmerski-em-ePUB-mobi-e-PDF

Título: Entre O Agora E O Nunca
Título Original:
Autora: J. A. Redmerski
Editora:
Ano:
Avaliação:
Encontre: Skoob || Amazon || Saraiva || Submarino.

 

SINOPSE; Camryn Bennett é uma jovem de 20 anos que desistiu do amor desde que Ian, seu namorado, morreu num acidente de carro há um ano. Sua melhor amiga, Natalie, é a única capaz de animá-la. Mas a relação entre as duas fica abalada quando o namorado de Nat revela à Camryn que está apaixonado por ela. Perdida, sem saber o que fazer, Camryn vai para rodoviária e pega o primeiro ônibus interestadual, sem se importar com o destino. Com uma carteira, um celular e uma pequena bolsa com alguns itens indispensáveis, Camryn embarca para Idaho. Mas o que ela não esperava era conhecer Andrew Parrish, um jovem sedutor e misterioso, a caminho para visitar o pai, que está morrendo de câncer. Andrew se aproxima da companheira de viagem, primeiro para protegê-la, mas logo uma conexão irresistível se forma entre os dois. Camryn tenta lutar contra o sentimento, já que jurou nunca mais se apaixonar desde a morte de Ian. Andrew também tenta resistir, motivado pelos próprios segredos. Narrado em capítulos que alternam as vozes de Andrew e Camryn, Entre O Agora e O Nunca é uma história de amor e sexo, na qual os personagens testam seus limites, exploram seus desejos e buscam o caminho que os levará à felicidade.

 Detesto te dizer isso, mas na vida as merdas acontecem mesmo. Você precisa superar. Derrotar isso fazendo coisas que te deixam feliz. – Camryn.

Uma coisa que todos sabemos quando lemos livros é que a bagagem que trazemos influenciam bastante no decorrer da história. De certa forma, podemos chamar isso de Maturidade Literária onde de certa forma, com cada leitura enriquecendo a nossa mente, acabamos por nos ater mais as novidades do que de histórias passadas. Histórias essas que no fundo da nossa mente sabemos que gostaríamos mais se tivéssemos lidos um pouco antes ou talvez um pouco. Talvez seja por esse motivo que a história de Entre O Agora E O Nunca não me cativou tanto deixando-me com uma sensação um tanto amarga que minha mente não consegue mais lidar com clichês adolescentes. A leitura, ao qual posso dizer que foi fácil mas não fluída, muitas vezes deixou a desejar. E mesmo não considerando a obra ruim, não conseguir deixar de me incomodar com vários pontos da leitura.

 Não sou maria vai com as outras. Nunca fui. Mas com certeza topo me tornar alguém que não sou por algumas horas se isso vai ajudar a me misturar, em vez de parecer a esquisita e chamar a atenção. – Camryn.

Começando pela narrativa, posso dizer que senti certa dualidade de emoções ao passo que ia passando pelas palavras de Redmeski. A princípio gostei do modo como a autora conduziu a história. Há profundidade em Camryn que a deixa com uma personalidade mais plausível, muito embora tal personalidade seja mais identificável em uma garota de 16 anos do que de 20, mas como nem todos são iguais e nem amadurecem ao mesmo tempo, a gente releva. Por tal motivo, devido a sua profundidade, Camryn foi de longe que eu mais gostei. De tão verossímil pude enxergar com mais clareza suas atitudes e seus pensamentos. Mas ao mesmo tempo que amei Camryn, eu fiquei apática em relação a Andrew porque ele é o típico mocinho sexy e rock and roll dos Young Adult. Perfeito e sem defeitos aparentes, Andrew me deixou com aquele pensamento para a autora que pode ser resumido em “na boa, você esta mesmo tentando me convencer que esse cara existe?”. E, acho que vocês ja me conhecem o suficiente para saber que o meu tipo favorito de personagem é o palpável. Ele precisa de defeitos, defeitos reais, que lhe deem essa aparência verossímil.

 Aprendi há muito tempo que o futuro e a vida são meus, e não posso me forçar a viver do jeito que outra pessoa quer que eu viva. – Andrew.

Em relação a narrativa devo dizer que fiquei em um certo hiato. Não foi a melhor das narrativas da minha vida, mas também não foi das piores – tanto que finalizei o livro ao invés de abandona-lo. Minha parte favorita, foi com certeza as reflexões que a autora fez sobre a vida, aos quais vocês podem ver minhas frases favoritas espalhadas por este post. Também gostei do modo com o qual a autora conduziu sua história. É um clichê respeitado que segue o caminho não tão óbvio para a conclusão, mas também não surpreendente e mesmo assim ainda foi o mais acertado. Porém, ao mesmo tempo que gostei dessa condução, também me senti incomodada pelo linguajar usado pela autora para descrever cenas de cunho sexual. Achei um tanto pesado mesmo para um livro que envolve sexo. Em opinião o romance deixou de daquela doçura que possuía ao abusar de uma linguagem com maior cara de pornográfica.

 Se você fica se prendendo no passado, não consegue seguir em frente. Se passa muito tempo planejando o futuro, você se empurra pra trás ou fica estagnada no mesmo lugar a vida toda. — Seus olhos encontram os meus. — Viva o momento — ele diz,  como se estivesse dizendo algo sério — aqui, onde tudo está certo, vá com calma e limite suas más lembranças e você chegará ao seu destino, seja qual for, muito mais rápido e com menos acidentes de percurso. – Andrew.

E para finalizar essa enxurrada de críticas sinceras, quero apenas ressaltar que essa opinião é minha e muito pessoal. Se você quer ler esse livro simplesmente vai fundo. Apesar de que eu senti falta de algumas coisas, talvez você leia e depois pense que eu sou apenas uma louca 😂. Mas como o meu juramento oficial de blogueira me diz que eu devo dizer a verdade nada além da verdade, ressalto que se ninguém vê igual nem todos leram igual. Por isso te desejo uma ótima leitura ou caso já tenha lido, ótimas lembranças.

Sinto que estou fazendo tudo certo; pela primeira vez em muito tempo, sinto que minha vida está voltando aos eixos, só que seguindo um rumo bem diferente, cujo destino eu desconheço. Não sei explicar… só que, bem, como eu disse: sinto que está certo. – Camryn

| RESENHA | O Lado Bom Da Vida – Mathew Quick.

image

“Não quero ficar no lugar ruim, onde; ninguém acredita no lado bom das coisas, no amor ou em finais felizes”.

Pat é um homem de trinta e poucos anos que esta internado em uma clínica psiquiátrica, por conta do tempo separados. E o que ele quer mais que tudo na vida? Reencontrar Nikki, sua linda e amada esposa. Aos poucos, vamos descobrindo um pouco sobre como era a vida de Pat, que agora depois que saiu da clínica psiquiátrica, ou como ele chama, lugar ruim e está morando com os seus pais.

O começo da narrativa do livro é bem divertido sendo todo em primeira pessoa então sabemos as opniões de Pat e seus pensamentos, assim aos poucos vamos juntando informações sobre sua vida e o motivo pelo qual ele foi parar no lugar ruim, já que era um cidadão comum. Ele busca ser uma pessoa melhor, e fazer tudo que agrade Nikki, pois deseja muito que termine logo o tempo separados.

Pat malha muito, lê os livros dos quais ela gosta, (Nikki é professora de Literatura), muda seus hábitos e suas palavras numa tentativa desesperada para que ela volte. Enquanto pratica isso em sua vida, ao mesmo tempo ele tenta se socializar mais voltando à falar com um velho amigo seu, e indo à jogos de futebol americano com seu irmão, já que seupai não pode mais ir pois foi expulso dos jogos em estádio. Pat também descobre coisas que aconteceram em sua família enquanto estava no lugar ruim e finge que toma os seus remédios além das consultas com seu psicológo indiano.

É desse modo, na sua corrida para reconquistar Nikki, que Pat conhece Tifany, uma mulher, assim como ele muito complicada psicologicamente.

Em vários momentos do livro, pensei que Nikki não existia, era fruto da imaginação dele, pois todos de sua familia e seus amigos se recusam a falar sobre ela além de não haver nenhuma foto deles nas paredes da casa. Mas ela existe, só que eles mantém um misterio, pois há um receio de Pat ter um surto psicótico. Com o passar da história, fiquei absmada com o que aconteceu para Pat passar um tempo em uma clínica psiquiátrica buscando obsesivamente ser e fazer tudo o que Nikki gostava e queria que ele fosse.

Quando havia lido sobre o livro, confesso que fiquei receosa em fazer à leitura, pois parecia um romance de arrependimentos sobre o seu amor perdido. Mas não é nada disso. Pat é um personagem singular, sua visão de mundo as vezes beira a inocência. Ele diz que ama assistir filmes, mais que agora não vai assitir mais pois esta disposto a viver o filme da sua vida.

Isto sem contar os nomes dos capítulos que são incríveis, como: Um fogo laranja entra na minha cabeça, A rosquinha de concreto,” Cheios de lava derretida“…

A relacão que ele tem com a sua familia, o seu pai uma pessoa de difícil convivência. Seu terapeuta e suas conversas, as citaçães do que o seu amigo Dani dizia que também estava com ele no lugar ruim, o fanatismo pelo futebol, a obsesão pelo corpo perfeito, e sua amiga muito perturbada Tiffany tornam o livro como algo à mais. Uma narração fabulosa, situações muito engraçadas e comoventes nos faz ter admiração pela honestidade de Pat, onde em momento algum ele pensa em desistir de Nikki. Além da amizade muito estranha com Tiffany, uma personagen difícil e inusitada. Pat nos presenteia com o filme da sua vida, e seu otimismo colosal.

Título: O Lado Bom da Vida
Título Original: Silver Linings Playbook
Autor: Mathew Quick
Editora: Intrínseca
Avaliação: 🌟🌟🌟🌟🌟

| RESENHA | Quase um Romance – Megan Maxwell

Sinopse: Desde a perda dos pais e o fim de um relacionamento complicado, Rebecca tem levado uma vida solitária. No entanto, quando esbarra em Pizza – uma cachorrinha abandonada que parece precisar tanto de afeto quanto ela –, a jovem pressente que sua vida está prestes a mudar. Paul Stone é campeão de Moto GP, e pai de Lorena, uma menina encantadora que ele cria sozinho. Administrar a carreira e a família não é um trabalho fácil, ainda mais quando as mulheres em seu redor parecem interessadas apenas no piloto famoso, e não no homem real. Quando os dois se esbarram – com uma ajudinha de Pizza e Lorena –, Paul tem certeza de que encontrou o que vinha procurando há muito tempo. Já Rebecca não está assim tão disposta a abrir espaço em sua vida para uma nova relação, mas como resistir à amizade, aos sorrisos e aos olhares de Paul?

quase-um-romance-minha-vida-literaria1

Esse livro estava na minha lista de leitura e foi um daqueles que Não esperamos nada dele. Comecei a lê-lo e ele começou a me prender. A Rebecca é uma ótima profissional, embora seu chefe tenha um grande preconceito por ela ser uma mulher. Ela só não esperava que o cachorro que ela achou e ficou fosse mudar sua vida radicalmente. Ela acaba conhecendo Paul um piloto de MotoGT quando se esbarrando em sua cidade. Nesse meio tempo muita coisa muda em suas vidas.

Fazendo com que essa história tenha romance e suspense, Rebecca acaba descobrindo uma exportação de drogas e isso pode afetar seus parentes e amigos próximos. Temendo isso ela resolve cuidar das coisas do jeitinho dela.

Esse livro me surpreendeu muito achei bem interessante o enredo e desenvolvimento. Indico ele pra todos que amam um romance divertido e com um leve toque de supense.

Título: Quase Um Romance
Autor: Megan Maxwell
Editora: Suma de Letras
Número de Páginas: 232
Ano de Publicação: 2016
Avaliação:

| RESENHA | O Cobiçado: Rohan Sen – Mari Scotti – O Cobiçado Primeira Temporada

Oii gente! Tudo bom com vocês? Espero que o ano tenha se iniciado com ótimas leituras para vocês. Hoje vou fazer a primeira resenha de 2017, no caso a minha primeira resenha, e ela vai ser bastante diferente. Isto por que a ocasião pede e também porque leitores, o livro trata de romance e de música. Então vou adicionar algumas passagens musicais a medida que for falando mais sobre a obra. Espero que gostem…

image

Sinopse: Vinte e quatro mulheres à sua disposição. Um coração incapaz de ceder. Rohan Sen é o vocalista da banda Four River, que ficou famosa em todo o mundo depois que ele foi deixado no altar em rede nacional. Galã em tempo integral e solteiro convicto, Rohan deixou de acreditar no amor e tudo ia bem até ele aceitar participar de “O Cobiçado”, um reality show em que ele é o prêmio. Aillen Kern é uma menina doce que entregou seu coração para o luto depois que seu noivo morreu. Seu único consolo é o amor pela música que permanece vivo e encontra na voz rouca de seu ídolo, Rohan Sen, um alívio para sua dor. Ela só não imaginava que um um dia iria conhecê-lo e participar de um reality show para encontrar algo que ela nunca mais quis procurar: um novo amor.

Não acreditava em pessoas que precisavam ferir com palavras para aliviar suas próprias dores. Acreditava no diálogo ou em compor músicas para afogar as mágoas.
– Rohan

Dentre todos os vários tipos de livros que tenho a oportunidade de ler, aqueles que tocam os sentimentos mais profundos ou que envolvem muito mais do que as histórias simples aparentam são os meus favoritos. E assim percebo que cada livro ao seu modo, é moldado para passar uma mensagem ao seu final seja ela clara ou não. Este livro me passou a mensagem do “acredite” pois em seu decorrer, a cada passagem e cada palavras, percebi a dificuldade de Rohan e Aillen à acreditarem em uma paixão. Dele por pensar que todas as mulheres são fúteis na busca apenas de fama e dinheiro. Dela por acreditar que jamais pode deixar alguém ocupar o lugar de seu noivo há muito morto em alto mar. Então, a medida que o livro avança, é possível perceber com clareza os sentimentos por debaixo das inseguranças, o desafio de ambos em aceitar o que sentem um pelo outro.

O coração do cantor deu um salto. O passado e o presente se misturaram como se pudessem dar um nó em seus pensamentos. Sentia-se em uma avalanche, pois todos os muros que havia criado ao seu redor pareciam feitos de gelo fino, podendo ruir a qualquer instante. Confiar exigia coragem e deixar-se vulnerável a uma mulher novamente.
– Rohan

Quando eu comecei a leitura de O Cobiçado há mais ou menos três dias eu mal podia esperar pela história que me esperava. Pois depois da leitura de A Seleção e de filmes com essa temática (disputas por um coração que não quer ser disputado), eu imaginava uma história que acabou se mostrando outra e muito melhor do que minha pouca imaginação. E obviamente eu devia esperar algo assim, pois Mari Scotti nunca me decepcionou. Mas como uma leitora que gosta de bancar a detetive, eu quis desvendar o livro todo nas primeiras páginas, e quebrei a cara. Pois apesar de não ter me surpreendido, a história foi bem elaborada não me deixando descobrir quase nada além do final.

O livro se passa no Brasil (hehê adoro!) e tem como cenário principal uma casa praiana onde as garotas selecionadas de cada parte do país para ficam hospedadas. O programa se passa em um mês com digamos que fases para que o cantor elimine as candidatas. Aillen começa o programa como a Misteriosa onde ninguém, nem mesmo Rohan sabe sua verdadeira identidade, chamando atenção do público. O cantor só consegue ver seus olhos sem lhe reconhecer e por eles tenta ler o que seu rosto não mostra através do brilho que as pupilas de Aillen possuem.

Quando a luz dos olhos meus,
E a luz dos olhos teus,
Resolvem se encontrar.
Ai que bom que isso é meu Deus
Que frio que me dá,
O encontro desse olhar.
– Tom Jobim – Pela Luz Dos Olhos Teus.

Assim de maneira gentil, sem toques apenas pelas palavras doces ou alfinetadas que Aillen e Rohan trocam, é notável o início do sentimento. Aquela faísca que surge entre duas pessoas e que só aumenta com a necessidade de estar perto. É apaixonante ver como eles se dão bem. Mas mais ainda, como Aillen e Rohan vão deixando suas barreiras para trás. Pois as palavras e os olhares vão quebrando as suas desconfianças.

Sentia como se a garota tivesse o poder de ler através dele e sugar apenas verdades de suas reações e palavras. Era constrangedor, e simples, como muito desejou em sua vida.
– Rohan

Aillen é uma personagem daquelas que eu gosto mas não sinto afinidade. Gosto porque eu entendo seu lado. O fato dela acreditar que trairá se se apaixonar ou se envolver com outro homem. Pois de certa maneira Juliano (o noivo) não a deixou, mas foi tirado dela de uma maneira praticamente brutal. Os sentimentos não morreram ou tiveram sem fim, eles apenas não conseguiram seguir seu curso, se mantendo apenas nas memórias, no coração e nos sonhos da garota.

Dormi sozinha acordei.
Cantando a nossa canção.
Canção que eu só escutei.
Num sonho que eu não lembrei.
Mas juro havia paixão.
– Zélia Duncan – Breve Canção de Sonho.

Mas ao mesmo tempo que percebo esse lado dela, também enxergo um lado infantil. Um lado que julga as pessoas e não gosto muito disso. Aillen não espera explicações, ela tira conclusões. E isso me deixou irritada algumas vezes pois acredito que todas pessoas merecem uma chance de falarem o acontecido independente do que vemos. Nossos olhos enxergam coisas que na realidade não é necessariamente verdade. Interpretamos de mais e essa interpretação da garota me irritou.

Rohan tinha uma fama de ser um lobo em pele de cordeiro, era um Don Juan disfarçado de Príncipe Encantado. Mas, a Cinderela dele, como todos sabiam, sempre teria cabelos loiros. As ruivas e as morenas nada mais eram do que as irmãs desprezadas da princesa dos contos de fadas. Ele não lhes direcionaria nem ao menos um segundo olhar.
– Aillen.

Já Rohan. Ahh meu… Se você nunca leu um livro da Mari Scotti não sabe o crush literário que te espera. Pois ela tem a capacidade de fazer você se apaixonar por mais defeitos que uma pessoa tem. E eu me apaixonei por ele. Rohan é libertino e muitos homens são. Mas ele sofreu ao ser deixado no altar. Diferente de Aillen, Rohan perdeu alguém para a vida, mas sim sofreu uma desilusão amorosa tão forte que o deixou fechado, frio e desconfiado até a raiz dos cabelos. Eu consigo entender mais suas desconfianças do que as de Aillen o que me fez gostar muito mais de suas passagens. Rohan aos poucos reaprende a confiar e melhor ainda, reaprende o que é um amor de verdade.

Sentia como se a garota tivesse o poder de ler através dele e sugar apenas verdades de suas reações e palavras. Era constrangedor, e simples, como muito desejou em sua vida.
– Rohan

O livro de Mari Scotti se tornou minha segunda obra favorita da autora. Eu fiquei super satisfeita com seu final, apaixonada por seu cantor e emocinada com vários personagens. Apesar de ter demorado um pouquinho para engrenar na leitura, o livro superou minhas expectativas e sinceramente não tenho como exigir mais do que isso. Estou ansiosa para a próxima temporada de O Cobiçado na RPTV pois eu sei que será um sucesso.

Titulo: O Cobiçado – Rohan Sen
Série: O Cobiçado – Primeira Temporada
Autora: Mari Scotti
Editora: Independente
Ano: 2016
Avaliação: 🌟🌟🌟🌟🌟

Continuar lendo | RESENHA | O Cobiçado: Rohan Sen – Mari Scotti – O Cobiçado Primeira Temporada

Quando Uma Garota Entra Em Um Bar – Helena S. Paige.

“Então você se arrumou toda para uma noite de amigas, daquelas onde só as mulheres participam, mas suas amigas mudaram de planos sem avisar e, agora, você está sozinha em um bar superbacana, arrumada e perfumada, e sem saber bem para onde ir… O que você faz? Aproveita que já está por ali, pede uma tequila e dá uma boa olhada no yuppie que está na mesa ao lado? Ou pede uma cerveja e vai pra perto do palco arrebatar o baterista? Pode ser que você prefira uma paquera com o rapaz de botas de bico fino e músculos trabalhados que está encostado à parede. Ou, quem sabe, tomar um café com o bombeiro que está cuidando da segurança dos clientes e que, neste instante, está verificando o funcionamento do extintor… E isso tudo só pra começar! A escolha é sua — e você tem um mundo de possibilidades nesta noite que parecia começar mal! Só não espere que esta experiência seja como outra qualquer, porque esta noite ficará definitivamente marcada em sua memória de erotismo e paixão. Divirta-se com esta definitiva experiência sensual onde você, e só você, terá o controle de seu próprio prazer!”

image

Eu não sei dizer exatamente o que esperava para este livro mas com certeza não era isso. Embora o subtítulo tenha um conteúdo claro, não foi exatamente eu que decidi como a noite terminou pois algumas de minhas escolhas não me levaram aonde eu queria. Ou melhor, eu escolhi, mas os pensamentos da personagem (que ironicamente deveriam ser meus já que o livro é narrado em segunda pessoa) teoricamente me fizeram mudar de escolha, ou seja, não decidi porcaria nenhuma.

O livro tem personagens interessantes que por quesito de personalidade se diferenciam entre si, mas fazendo vista grossa, percebi que faltarou desenvolvimentos em muitos lugares que acabaram por deixar um espaço gigantesco no conteúdo do livro. Porque muitas das vezes eu tive a sensação parecida com um déjà vu, em que com certeza eu já tinha visto tudo aquilo antes. E no final houve uma falha muito grande da autora em relação a escrita do último capítulo. Porque há uma quebra nas conexões que as escolhas que fizemos para um fechamento digno delas. Como se um pedaço do livro que eu escolhi nunca tivesse acontecido. Assim torna a leitura desconexa.

Quando Uma Garota Entra Em Um Bar é um livro diferente e uma ideia espetacular, mas que porém deveria ter sido melhor pensado e melhor escrito. Porque o final é imutável, independente do caminho que se tenha escolhido passar.

Titulo: Quando Uma Garota Entra Em Um Bar.
Título Original: A Girls Walks Indo A Bar
Autora: Helena S. Paige
Ano: 2013
Editora: Novo Conceito
Avaliação: 🌟🌟