Todos os posts de Jessica Rabelo

Meu nome é Jessica, mas todos me chamam de Jess. Sou apaixonada por livros, filmes, músicas e séries. Amo escrever e gosto de imaginar o mundo como um livro em constante evolução. Sou estudante de Letras, Português e esperem que em breve uma nova editora vai surgir no pedaço.

( Resenha ) A Heroína da Alvorada – Alwyn Hamilton – Livro 03

No terceiro livro da série A Rebelde do Deserto, Alwyn Hamilton presenteia o leitor com o uma obra espetacular que fecha com chave de ouro uma trilogia que ficou marcada como uma das melhores que tive o prazer de ler.

Título: A Heroína da Alvorada | Título Original: Hero At The Fall| Autora: Alwyn Hamilton | Editora: Seguinte | Páginas: 384| Ano: 2018 | Avaliação: ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ ❤ | Encontre: Skoob | Saraiva | Amazon
A Heroína da AlvoradaSinopse: No último volume da trilogia A Rebelde do Deserto, Amani vai se deparar com a escolha mais difícil que já teve que fazer: entre si mesma e seu país.
Quando a atiradora Amani Al-Hiza escapou da cidadezinha em que morava, jamais imaginava se envolver numa rebelião, muito menos ter de comandá-la. Depois que o cruel sultão de Miraji capturou as principais lideranças da revolta, a garota se vê obrigada a tomar as rédeas da situação e seguir até Eremot, uma cidade que não existe em nenhum mapa, apenas nas lendas — e onde seus amigos estariam aprisionados.
Armada com sua pistola, sua inteligência e seus poderes, ela vai atravessar as areias impiedosas para concluir essa missão de resgate, acompanhada do que restou da rebelião. Enquanto assiste àqueles que ama perderem a vida para soldados inimigos e criaturas do deserto, Amani se pergunta se pode ser a líder de que precisam ou se está conduzindo todos para a morte certa.

“— Tudo o que sou, entrego a você, e tudo o que tenho é seu. Porque o dia da nossa morte não será amanhã”

Engraçado que, as vezes, quando estamos lendo livros muito bons, temos um momento de epifania em que paramos e pensamos: Caramba, estou lendo algo extraordinário! Se eu disser que essa sensação me aconteceu enquanto eu lia A Heroína da Alvorada, seria um eufemismo.

A narrativa de Alwyn Hamilton é maravilhosa. A autora conseguiu pontuar as diversidades dos personagens, reinventar seu romance e ainda sim não perder o foco da guerra iminente. Entre reviravoltas e romances, Hamilton desenvolve sonhos e esperanças, que estão perdidas ao longe destoadas pelas perdas recentes dos rebeldes. Nunca o lema “Uma nova alvorada, um novo deserto” fez tanto sentido: A alvorada tem que vir para que o deserto se erga novamente nas mãos de Ahmed e enfim o mundo de Amani se torne novo e cheio de possibilidades.

“Éramos todos mais egoístas que Ahmed. Por isso ele nos liderava. E estava certo. Não estávamos na rebelião por nós mesmos. Mas pelo que poderíamos fazer pelo futuro. O resto de nós podia morrer pela causa. Mas Ahmed precisava viver.”

Falando em diversidade, os personagens foram muito bem construídos. Amani evoluiu muito no decorrer das obras, mas nesta adquiriu um brilho especial. Acho que finalmente consegui me apegar a garota, pois senti verdade em suas atitudes. Amani tem medo, mas não abaixa a cabeça. Ela sabe que seus companheiros estão ansiosos por ela, por suas decisões, mesmo que isso possa causar suas mortes. Mas mesmo assim, a cada momento em que é derrotada, Amani se reergue e tenta de novo: segue em frente, por mais difícil que possa parecer.

Os personagens secundários são igualmente cativantes. Shazad ainda é minha favorita, mas diria que Jin e Hala ganharam um espaço no meu coração. O Sultão continua tendo bons motivos, e apesar de toda sua crueldade é impossível não entender suas motivações. Ahmed, continua como um idealizador, mas agora uma nova faceta é revelada. A humanidade que está presente em cada suspiro, em cada decisão que precisa tomar.

“Era uma vez um garoto do mar que se apaixonou por uma garota do deserto.”

Mas o meu ponto favorito na trama foi a mitologia criada por Hamilton, tão bem elaborada que acredito que nunca mais vou ver o céu da mesma maneira. Os deuses, a magia e tudo que envolve a criação do mundo foram muito bem pensados. Alwyn não reduz seu mundo a fatos isolados, mas usa dos seus próprios recursos para engrandecer sua obra. A finalização é arrebatadora. Hamilton não somente apresente uma conclusão como o que acontece depois no bom estilo historiadora. O último capítulo deixa o sentimento de esperança que acalenta apesar de todo acontecido.

A Heroína da Alvorada é uma obra fantástica. Um finalização épica para uma trilogia que evoluiu a cada livro. E sempre que observar as estrelas irei pensar: Uma Nova Alvorada, Um Novo Deserto. 

 

 

 

(Algo à Ver) A Favorita – Yórgos Lánthimos

Lançado ano passado com grandes repercussão na mídia, A Favorita é um filme extraordinário que critica a realeza britânica do seculo XVIII. Sem cair no historicismo comum as películas do gênero, Yórgos Lánthimos conduz um espectral de cores e ilusões para demonstrar a riqueza da futilidade da corte da rainha Anne.

Título: A Favorita | Título Original: The Favourite |Diretor: Yórgos Lánthimos | Distribuição: Fox Searchlight Pictures | Elenco: Emma Stone, Olivia Colman e Rachel Weisz | Duração: 1h44m| Ano: 2019| Avaliação: 🎬 🎬 🎬 🎬

250px-The_Favourite (1)Sinopse: Na Inglaterra do século 18, Sarah Churchill (Rachel Weisz), a Duquesa de Marlborough, exerce sua influência na corte como confidente, conselheira da Rainha Ana (Olivia Colman). Seu posto privilegiado, no entanto, é ameaçado pela chegada de Abigail (Emma Stone), nova criada que logo se torna a queridinha da majestade e agarra com unhas e dentes essa oportunidade única de voltar a ser uma lady da sociedade. Em um jogo de gato e rato, as duas vão brigar pela preferência da rainha e os privilégios que vem com ela. 

Eu sempre gosto de ver os filmes indicado ao Oscar depois das premiações. Diferente de todos os seres humanos que conheço, acho mais produtivo assistir após os comentários pois me mantenho mais atenta aos detalhes do filme. O que, para o caso de A Favorita, foi realmente muito bom. Talvez, se já não tivesse tantos detalhes colocados à minha frente, minha experiência não teria sido tão maravilhosa.

favouriteAinda não havia assistido nenhuma composição de Yórgos Lánthimos, mas fiquei encatada com o magistério de sua direção. A fotografia do filme é impecável, dentro de um estilo barroco pelas suas constantes dualidades. O claro e o escuro conversam entre si, onde nem mesmo ambientes com grandiosas janelas iluminam os cantos. Isto ajuda a definir um pouco da trama que tem como foco demonstrar a obscuridade das relações entre os membros da corte.

Com um papel solene, Rachel Weisz brilha na pele da inexorável Sarah Churchill. Engradecida pelas vestimentas e porte, Rachel oscila entre as peculiaridades da personagem ganhando destaque por sua evolução. Não atrás, Emma Stone como Abigail Hill (sua prima) demonstra porque de ser uma das atrizes mais promissoras de sua geração. Se no seu começo ela inicia como doce e ingênua, no fim está forte e implacável disposta a tudo para conseguir o que deseja.

Mas se alguma das atrizes deve ganhar o destaque pela atuação será Olivia Colman (Rainha Anne). Apesar da sua limitação à uma cadeira de rodas e dos poucos ambiente aos quais aparece, Colman imprimi no telespectador um sentimento de inquietude, raiva e pena ao mesmo tempo. Suas atitudes são controversas ao mesmo tempo que fazem sentido quando entendemos a necessidade de Anne em ser amada.

the_favourite_1-5968624Dessa maneira, o filme se equilibra entre o que as primas rivais são capazes de fazer para lhe conquistar Anne e sua moral duvidosa dos membros da corte. Pois muito embora possamos perceber o trabalho de Lánthimos para criar um cenário luxuoso, o contraste com as palavras ácidas e de baixo calão da corte demonstram grandes enlaces de futilidades.

Os nobres estão mais dispostos a saciar seus desejos do que entender as necessidades do povo. Entre eles, Nicholas Hout como Harley consolida esse espectro. Seus entraves são feitos para mostrar poder, não por qualquer tipo de preocupação com o país.

A Favorita tem o fim alongado em demasiado, mas isso não atrapalha o sentimento que atinge o espectador ao final através de cada uma das personagens. Abigail nos mostra como é perigoso ter tudo que desejamos, enquanto Sarah é o ponto principal de força feminina entre as três protagonistas. Entretanto, será de Anne o principal mote: o quão imperfeitos nós somos principalmente se devastados pela dor.

( RESENHA ) Vox – Christina Chalder

Quando comecei a ler Vox já esperava uma leitura impactante sobre a força machista e opressora presente em nossa sociedade. Mas sinceramente, acho que não imaginava a quantidade de referências ao que vem acontecendo diariamente principalmente no Brasil. Assim sendo, muito embora Vox não tenha sido uma leitura perfeita, o livro vale a pela pela importância e necessária crítica moral. 

Título: Vox | Título Original: Vox| Autora: Christina Chalder | Editora: Arqueiro| Páginas: 320| Ano: 2018 | Avaliação: ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ | Encontre: Skoob | Saraiva | Amazon

VoxSinopse: Uma distopia atual, próxima dos dias de hoje, sobre empoderamento e luta feminina.
O SILÊNCIO PODE SER ENSURDECEDOR #100PALAVRAS
O governo decreta que as mulheres só podem falar 100 palavras por dia. A Dra. Jean McClellan está em negação. Ela não acredita que isso esteja acontecendo de verdade.
Esse é só o começo…
Em pouco tempo, as mulheres também são impedidas de trabalhar e os professores não ensinam mais as meninas a ler e escrever. Antes, cada pessoa falava em média 16 mil palavras por dia, mas agora as mulheres só têm 100 palavras para se fazer ouvir.
…mas não é o fim.
Lutando por si mesma, sua filha e todas as mulheres silenciadas, Jean vai reivindicar sua voz.

“Houve muitas vezes em que eu quis culpá-lo, mas não posso. Os monstros não nascem assim, nunca. Eles são feitos, pedaço por pedaço e membro por membro, criações  artificiais de loucos que, como o equivocado Dr. Frankenstein, sempre acham que sabem mais.”

Desde que O Conto da Aia foi relançado em formato de série, parece ter havido um estopim da literatura como fonte de alerta social, principalmente no que diz respeito as mulheres. E não é para menos, se considerarmos as perspectivas que surgem no horizonte onde governos de esquerda e manifestações ideológicas assumem papeis de destaque aliados à uma palavra assustadora: extremismo. Cristina Dalcher, ciente do papel social da literatura e dos perigos que essa ideologia oferecem aos direitos femininos, presenteia o leitor com uma obra impactante, ou melhor, provocadora por ser completamente plausível. 

“Com seis anos, Sonia deveria ter um exército de dez mil lexemas, soldados que se reúnem, ficam em posição de sentido e obedecem as ordens dadas por seu cérebro maleável. Deveria, se os três elementos básicos (leitura, escrita e aritmética não estivessem reduzidos à um: aritmética básica. Afinal de contas, um dia minha filha deverá fazer compras e cuidar da casa, ser uma esposa dedicada e obediente. Para isso, é preciso aprender matemáticas, não soletracão. Ela não precisa de literatura. Muito menos da voz.”

Narrado em primeira pessoa, o livro se equilibra entre flashes passados e momentos presentes. Dalcher nos mostra como a sociedade evoluiu – ou melhor, retrocedeu ao ponto das mulheres perdem não somente a voz mas também os direitos civis. Passamos a ser desacreditadas, impugnadas à ignorância do sexo frágil que desumaniza o feminino.

Desumaniza, pois a mulher deixa de ser uma “pessoa” para ser vista como um “objeto” reprodutivo cujo o único dever é gerar filhos e cuidar da casa. Um pensamento arcaico, que já deveria ter sido destruído com a virada dos anos e a chegada do movimento feminista, mas que sofre com os constantes rebaixamentos: “mi-mi-mi”, dito por pessoas que não enxergam ou fecham os olhos para o vigor da luta. 

“– Vocês não fazem ideia, senhoritas. Absolutamente nenhuma ideia. Estamos a um passo de voltar à pré-história, meninas. Pensem nisso. Pensem onde vocês vão estar, onde suas filhas vão estar, quando os tribunais atrasarem os relógios. Pensem em expressões como “permissão do cônjuge” e “consentimento paterno”. Pensem em acordar um dia e descobrir que não têm voz em nada. – Ela faz uma pausa depois de cada uma das últimas cinco palavras, com os dentes trincados.”

Assim sendo, Dalcher também é certeira ao conceber três tipos de ideologias que fundamentam a formação do novo mundo. O homem machista; a mulher consciente de seus direitos; e a mulher que descrimina uma luta ao seu favor. Assim sendo, somos levados à ver outra parcela da nossa sociedade atual que não tem coragem de levantar sua voz ou pelo menos reconhecer seus privilégios.

E é assim que Dalcher nos apresenta sua protagonista. Jean não lutava por seus direitos, sequer via o voto como necessidade social. Ela estava estagnada na sociedade deixando que os outros – a maioria extremista – decidissem seu futuro. Foi dolorido ver como Jean se comportava e enxergá-la como reflexo dos meus amigos ou parentes próximos. Isto, vem acompanhado do medo. Medo que a percepção do futuro cada vez mais próximo só aconteça quando o extremo estiver em voga, ou que a negação continue até depois disso. Pois Jean só entende o que aconteceu depois de ter perdido tudo.

“Tento me convencer de que não é minha culpa. Eu não votei no Myers. Na verdade eu não fui votar.”

O sistema político da obra também foi muito bem construído. Se você pensar na ideologia civil, os pilares fomentadores da sociedade deveriam ser colocados em duas bases: a política, que rege os direitos e deveres civis; a comunidade que põe as leis em prática.

Entretanto, uma avaliação mais atenta, nota-se que a civilização é moldada quase que exclusivamente pelos fundamentos religiosos. Seja na pública ou privado, a religião define os parâmetros de comportamento onde o resultado é comumente encontrado em assuntos simples que passam a ser considerados tabus, ao passo que assuntos tabus se tornam corriqueiros. Assim, é fácil entender porque a mulher tem uma visão ameaçada. Pois no sentido religioso, o homem foi feito para comandar (o provedor) e a mulher para servir (procriadora). E assim como O Conto da Aia, será a religião que molda o universo de Cristina Dalcher de maneira arcaica e ortodoxa. 

“É difícil identificar contra o que – ou quem – estávamos protestando. Sam Myers era uma opção terrível para presidente. Jovem e inexperiente em políticas importantes, com formação militar de um ano no curso preparatório de oficiais da reserva na época de faculdade, Myers fez sua corrida presidencial apoiado em duas muletas. Bobby, seu irmão mais velho e senador de carreira, dava os conselhos práticos, um monte de bosta. A outra muleta era o reverendo Carl, fornecedor de votos, o homem a quem as pessoas ouviam. Anna Myers, bonita e popular, não prejudicava a campanha, se bem que no final a campanha a prejudicou. Muito. Nossa única esperança.”

Além disso, ainda cito como chocantes os trechos que imitavam a realidade agravando o sentimento de pertencimento ao universo inexistente. Se pensarmos que o livro foi lançado ano passado e algumas declarações polemicas saíram este ano, Dalcher quase que previu os rumos sociais de como a sociedade extrema parece começar. As manifestações sociais femininas sendo desvalorizadas. A bancada religiosa que tenta ditar o mundo através das passagens bíblicas. Os muros construídos ao redor de países ricos e politizados. O homem como peça central do silenciamento. As mulheres em diferentes estágios de aceitação.

“As Bíblias ainda são permitidas, se forem do tipo certo. A de Olívia é rosa; a de Evan é azul. Você nunca os vê trocar, nunca vê o livro azul nas mãos de Olivia.”

Entretanto, alguns pontos da obra acabaram por  ficar desconexos. O romance que surgiu parece algo descartável que, por um acaso, reforça um esteriótipo ruim sobre a mulher feminista (Selecione, mas pode conter spoilers “Jean é casada e mantém um relacionamento fora do casamento o que ratifica  a mulher como “puta” quando liberta“). Além disto, o final da obra pareceu fácil de mais, onde todos conseguiram um final feliz e nem todas as repostas foram concluídas.

Mas, pesando as partes ruins e boas, ainda sim Vox foi uma leitura genial. Eu recomendo esse livro para mulheres, homens que precisem de um choque de realidade. É uma leitura necessária que nos abre os olhos para uma das possibilidades que o futuro tão próximo de nós. 

(Anatomia Literária) Trilogia A Maldição do Vencedor – Marie Rutkoski

Oi Corujinhas, tudo bom com vocês? Hoje é dia de mais um Anatomia Literária, que acabou se tornando uma das categorias favoritas aqui no blog. Eu fico muito feliz com o retorno que estou recebendo, porque não esperava as menções perguntas que recebo de tanta gente. Fico ainda mais animada por saber que é algo que vocês apoiam e gostam de ver aqui  no blog.

Sem mais delongas, o anatomia de hoje é voltado para a trilogia A Maldição do Vencedor da Marie Rutkoski que terminou por se tornar uma das minhas melhores leituras do ano passado, ao qual recomendo muito para vocês.

Vamos começar?

┌──────── ∘°❉°∘ ────────┐
Capas
└──────── °∘❉∘° ────────┘

a maldiçao do vencedorA primeira capa, assim como as outras duas, apresenta a personagem principal, Kestrel, com referências claras não somente ao seu povo – características físicas – assim como pelas suas roupas, que por sua vez fazem referência ao seu status social definido como financeiro. A adaga na mão da protagonista é uma alusão a sua pouca participação na política, como se Kestrel não possuísse relevância para esse contexto. Além disso, nota-se a mão por cima do rosto e a boca entreaberta que revelam sinais de aflição podendo ser associada à duas coisas; o medo que Kestrel tem de ser subjugada às vontade de seu pai que almeja que a filha seja uma donzela (significado reforçado pela cor rosa que significa pureza, delicadeza e feminilidade); e a paixão que Kestrel passa a nutrir por Arin.

o crime do vencedorA segunda capa possui os mesmos elementos, muito embora sejam dotados de significados diferentes. Aqui o vestido de Kestrel passa a ser azul, sinônimo de depressão e frieza que representa os novos desafios da protagonista tem e a tristeza que sente em estar longe de seus amigos e familiares, e claro, do mal entendido com Arin. Em ambas as mãos, Kestrel traja uma espada, que simboliza sua participação maior (que uma adaga) e mais ativa (as duas mãos) nos jogos políticos. Sua expressão é de determinação, afinal se tornou alguém que agora sabe exatamente o que planeja fazer.

O Beijo Do VencedorPor fim, a última capa também apresenta os mesmos elementos da anterior mas com uma simbologia oposta. Kestrel não segura mais a espada pois observa o jogo político ao longe. Nessa obra, ela está muito mais voltada a usar suas habilidades mentais, de modo que não precisa mais tentar aparentar força pela luta corporal. O vestido tem um tom verde associado a renovação e plenitude, algo que Kestrel alcança verdadeiramente nessa obra, muito embora aqui esteja em dúvidas sobre os caminhos que lhe levaram a vitória, como pode ser visto em seu rosto.

┌──────── ∘°❉°∘ ────────┐
Curiosidades
└──────── °∘❉∘° ────────┘

❉ Para escrever sua personagem, Marie Rutkoski disse em entrevista que ela nunca sabia exatamente como Kestrel pensava, de modo que gostava da ideia de deixar a cargo à cargo do leitor suas interpretações.
❉ As cenas favoritas da autora eram do jogo Morder e Picar

 

Espero que tenham gostado. Beijos.

( Resenha ) O Destino de Tearling – Erika Johansen – Livro 03

O último de Erika Johansen me trouxe sentimentos dúbios. Engraçado pensar que nem sempre as séries nota máxima são as que nos marcam. Pois muito embora a finalização da série iniciada em A Rainha de Tearling não tenha sido como eu esperava, sua história foi marcante pelas certezas sobre o futuro que Johansen apresentou.

Título: O Destino de Tearling| Título Original: The Fate of the Tearling| Autora: Erika Johansen| Editora: Plataforma 21 | Páginas: 360| Ano: 2018| Avaliação: ⭐️ ⭐️ ⭐️  | Encontre: Skoob | Saraiva | Amazon

transferir (3).jpgSinopse: Desde que assumiu o trono de Tearling, Kelsea Glynn passou de princesa inexperiente a rainha destemida. Sua busca por justiça fez com que todo o reino mudasse com ela, mas quando os inimigos que fez ao longo do caminho ameaçam destruir seu povo, ela toma uma decisão inimaginável: se rende à Rainha Vermelha em troca de salvar Tearling. Sem as safiras, sem seus homens de confiança e trancafiada em Mortmesne, Kelsea precisa de novo recorrer ao passado, às experiências de mulheres que viveram antes dela, buscando em suas histórias a saída para uma situação impossível. O jogo está para terminar, e o futuro de Tearling será revelado de uma vez por todas. Com O Destino de Tearling, Erika Johansen traça o clímax inesquecível dessa aventura cheia de magia e emoção.

“Andava por Tear havia mais de trezentos anos e às vezes sentia que não era um homem, só uma coleção de fases, vários homens diferentes com suas próprias vidas.”

Erika Johansen tem uma narrativa extensa e bastante significativa. Muito embora em O Destino de Tearling o desenvolvimento tenha sido mais lento e mais divagador que os outros livros, a história alcançou um teto brilhante que se equilibra entre as indagações dos múltiplos narradores e o jogo político que os cerca. Mas, ironicamente, o maior problema da autora foi o enredo que mesmo sendo construído à perfeição, em seus últimos momentos parece ter sido concluído em um infarto fulminante.

Embora esse final funcione para algumas pessoas, a conclusão da trilogia para mim acabou ficando aberta de mais, mesmo que – ironicamente – não houvesse quaisquer possibilidades de maiores explicações. Entretanto, não pude deixar de notar que a autora deixou o instigante para optar por uma saída fácil permitida pelo contexto narrativo de um modo geral, mas que se perde quando focamos nas particularidades. As respostas que eu esperei não vieram, o que me deixou frustada já que as esperei no decorrer da trilogia.

“Não haveria mais magia, não mais; a realidade era aquela carroça poeirenta, deslizando inexoravelmente para a frente levando-a para longe de casa.”

Partindo dessa análise, você pode se perguntar: Mas Jessica, porque mesmo assim esse livro (a série) valeu a pena?

Bom, a resposta parece concentrada na “obra secundária” concentrada dentro do enredo principal. Na resenha de A Invasão de Tearling, eu fiz um um longo comentário sobre o mundo pré-Kelsea e as implicações dele, que foram minhas partes favoritas na trama. Nesse último volume, Erika dá continuidade ao que aconteceu após a Travessia mas dessa vez expondo os motivos que quebraram o Tearling. Neste ponto, a autora nos presenteia com um texto impecável que denota porque uma sociedade recomeçada do zero nunca conseguiria alcançar a utopia imaginada por William Tear. Algo que se aplicaria à nossa sociedade que parece acreditar que podemos começar de novo sem corrigir os erros do passado, o que seria impossível. 

Embora seja um comentário duro, o fato é que a sociedade possuí uma grande ilusão sobre o significado de política. O sonho utópico é quase uma constante entre os seres humanos que veem o sitema como uma saída para os desastres. Isto é natural devido não somente ao discurso político como ao religioso, pelos quais somos levados a acreditar que se apenas os justos vivessem e governassem sobre o planeta, teríamos uma sociedade igualitária. E apesar de entender o significado dessa questão e concordar com ela, claramente temos um problema na prática pois devemos presumir que uma sociedade não pode começar do zero e dar certo, já os vícios que acompanham os homens não serão esquecidos. Assim sendo, Johansen traça uma linha excepcional ressaltando a necessidade da cura antes da criação do novo mundo. Não somos nós capazes de decidir quem é merecedor de estar ou não em uma sociedade justa, mas sim a própria evolução da sociedade que deve alçar seus habitantes aos conhecimentos que evocam justiça e igualdade.

“O erro da utopia é presumir que tudo vai ser perfeito. A perfeição pode ser a definição, mas nós somos humanos, e mesmo para a utopia levamos nossas dores, erros, invejas e desgostos.”

Outro ponto que merece destaque são os personagens que conseguiram se tornar algo a mais na trama e carregaram bons significados para o enredo. De certa forma, não parece existir apenas um protagonista na trama, mas variados que erguem uma boa parede de personalidades que juntas erguem os pilares do livro.

O Destino de Tearling  é uma obra com defeitos, mas que cumpre seu papel em finalizar a trilogia. Eu indico essa série para momentos que vocês desejarem refletir, pois muito embora a fantasia faça parte da obra, é apenas um meio para um fim, não a construção  totalitária do enredo.

( RESENHA ) O Demologista – Livro Um

Sempre acreditei que existe um problema comigo ao ler um livro propriamente dito com o terror. Muito embora considere o gênero assustador para o cinema, certamente não consigo sentir o climax de tensão nas obras quando inseridas na literatura. Dessa forma, muito embora a religiosidade e a fantasia tenham me agradado na obra de Andrew Pyper, O Demonologista não cumpriu a missão de me deixar assustada em meio ao seu enredo. Entretanto, muito embora esse problema não tenha sido alcançado, a leitura teve mais altos que baixos e se tornou uma das minhas obras favoritas no gênero.

Título: O Demonologista| Título Original: The Demonologist | Autor: Andrew Pyper | Editora: Darkside Books | Páginas: 358 | Ano: 2015| Avaliação: ⭐ ⭐ ⭐ ⭐  | Encontre: Skoob | Saraiva | Amazon

514ehk26JfL._SY445_QL70_.jpgSinopse: “A maior astúcia do Diabo é nos convencer de que ele não existe”, escreveu o poeta francês Charles Baudelaire. Já a grande astúcia de Andrew Pyper, autor de O Demonologista, é fazer até o mais cético dos leitores duvidar de suas certezas. E, se possível, evitar caminhos mal-iluminados. O personagem que dá título ao best-seller internacional é David Ullman, renomado professor da Universidade de Columbia, especializado na figura literária do Diabo – principalmente na obra-prima de John Milton, Paraíso Perdido. Para David, o Anjo Caído é apenas um ser mitológico. Ao aceitar um convite para testemunhar um suposto fenômeno sobrenatural em Veneza, David começa a ter motivos pessoais para mudar de opinião. O que seria apenas um boa desculpa para tirar férias na Itália com sua filha de 12 anos se transforma em uma jornada assustadora aos recantos mais sombrios da alma. Enquanto corre contra o tempo, David precisa decifrar pistas escondidas no clássico Paraíso Perdido, e usar tudo o que aprendeu para enfrentar O Inominável e salvar sua filha do Inferno. Este é um daqueles livros que você não consegue largar até acabar a última página, ainda que vá precisar de muita coragem para seguir em frente. O Demonologista ganhou o Prêmio de Melhor Romance do International Thriller Writers Award (2014), concorrendo com autores como Stephen King. Entrou em diversas listas de melhores livros de 2013, foi finalista do Shirley Jackson Award (2013) e do Sunburst Award (2014), chegou ao topo da lista dos mais vendidos do jornal canadense Globe and Mail e foi publicado em mais de uma dezena de países.

“Um homem razoavelmente promissor, abençoado por uma sorte melhor que a maioria, mas ainda assim uma ruína, a testemunha da morte de uma criança, um suicídio violento.”

O Demonologista é um livro essencialmente pautado sobre a fé cristã. É interessante perceber que os caminhos traçados pelo autor, muito embora tenham grande referência aos poemas de John Milton, Paraíso Perdido, também são coniventes com a religião, principalmente dentro dos preceitos católicos que fluem na comunidade e invocam nossas noções sobre inferno e céu.

Entretanto o autor não cai no pragmatismo ao entregar uma obra sobre bem-e-mal, pois Pyper busca constantemente definir que o místico que nos envolve – e consequentemente o mundo -, como vindouro do crédito que ressaltamos à determinada coisa. Assim a fé deixa de ser simbólica e se torna palpável no sentido acionário da coisa: O Demônio acredita em você, mas precisa que você acredite nele para que possa agir.

Assim sendo, encontrar as referências bíblicas que dão vida ao livo, também é encontrar um pouco dos caminhos feitos pela humanidade e sua constante busca na crença em algo maior que lhe dê alento as provações da vida. Olhando de fora o significado de fé (esquecendo o que acredito sobre a mesma), posso perceber que socialmente a teologia é quase sempre erguida no que o homem acredita e deixa de acreditar, definindo também a natureza divergente das religiões existentes no planeta. Assim, se o crível é o principal do livro, se torna quase que um dos motivos da jornada do autor está na passagem de um homem descrente, para um homem com fé.

❝Não se pode permitir que o impossível leve vantagem sobre o possível. Você resiste ao medo negando-o.❞

Falando em David, acho que poucas vezes vi um personagem masculino escrito por um homem que realmente tivesse interesse em expôr um pouco do sentimentalismo do personagem. Os autores que me perdoem, mas sempre percebo um tom grosseiro nos personagens masculinos ou algo voltado quase que exclusivamente para a inteligência. Como se os sentimentos fossem o que menos importasse. Mas ao construir David, Pyper faz exigência das emoções para salientar os questionamentos do personagem. O que realmente faz todo sentido, se pararmos para pensar que David não somente tem um grande medo de acreditar, quanto grandes certezas do amor que sente pela filha; algo não palpável, mas ainda sim existente.

Assim, o autor cria um misto de emoções que convergem bem na narrativa, mas que se perdem ao chegarmos no final. Como ressaltei no inicio da resenha, Pyper não consegue causar medo, algo corroborado principalmente pelo final. O autor cria algo surpreendente sim, mas que não parece se enquadrar ao sentido da trama. Entretanto, foi anunciado que O Demonologista deve ter uma continuação, então talvez devemos esperar algumas explicações e um fechamento melhor da obra no(s) próximo(s) livros.

O Demonologista é uma leitura que eu recomendo tanto para aqueles que tem e que não tem fé. Não é uma obra doutrinadora, por assim dizer, mas sim um livro diferente do esperado que nos dá questionamentos interessantíssimos para nos fazer desde nossa capacidade à superar os desafios, até as crenças que nos trouxeram até aqui.

—  Há coisas neste mundo que a maioria de nós nunca vê, acabo por falar. —  Nós nos treinamos para não vê-las, ou tentamos fingir que não vimos se elas ocorrem. Mas há uma razão para o fato de, não importa o quão sofisticadas ou primitivas, todas as religiões terem demônios. Algumas podem ter anjos, outras não. Um Deus, deuses, Jesus, profetas — a figura de autoridade máxima varia. Há muitos tipos diferentes de criadores. Mas o destruidor sempre toma, essencialmente, a mesma forma. O progresso do homem tem sido, desde o início, frustrado por provadores, mentirosos corruptores. Criadores de pragas, loucura, desespero. A experiência demoníaca é a única verdade universal de todas as experiências religiosas do homem.❞

 

( TAG ) Mulheres Que Mudaram O Mundo – Original

Oi Corujinhas, faz tempo que não respondo uma tag e como estou cada vez mais me aprofundando em feminismo, resolvi criar uma para exaltar as mulheres que mudaram o  mundo, associando livros maravilhosos à elas – já que não existe um elogio melhor. Para fazer escolhi moças de variadas áreas e assim conseguir apresentar livros com vários estilos também. 

Espero que gostem.

Resultado de imagem para boa noite pam gon̤alves1. Malala Yousef РUm livro que te inspira a lutar por outras pessoas.

Lido recentemente, Boa Noite de Pam Gonçalves foi uma obra que me marcou muito por aludir a problemáticas necessárias para o convívio. É interessante perceber que a Pam trabalhou diversos temas no enredo, mas principalmente a necessidade que nós precisamos dar mais valor a sororidade, ou seja, a união e aliança entre mulheres, baseado na empatia e companheirismo, em busca de alcançar objetivos em comum.

Nunca julgue uma dama pela aparencia2. Amelia Earhart – Um livro que te motiva a conquistar o mundo.

Um dos motivos pelos quais adoro romances de época é a força de suas protagonistas. Apesar da irrealidade, é interessante perceber como todas elas burlam o sistema e se tornam muito mais do que o esperado. Uma obra que me deu certeza disso foi Nunca Julgue Uma Dama pela aparência de Sarah MacLean, onde nossa heroína, Georgiana Pearson, nos mostrar que é possível lutar para ser mais forte que os esteriótipos e ter o mundo na palma de sua mão.

a bela ou a fera3. Nadia Comaneci – Seu primeiro livro favoritado.

Antes mesmo de conhecer esse mundo literário e suas demasiadas manifestações, quando eu era criança a obra A Bela Ou A Fera de Anna Flora me marcou profundamente. Tanto, que ainda me recordo de suas primeira frases e quase toda sua história. Ana é uma personagem cativante que tenta entender o mundo dos adultos e seu crescimento. Eu indico esse livro não somente aos pequenos, mas também aos adultos que gostariam de lembrar todas as incógnitas – muito importantes – de quando eram crianças.

a hospedeira4. Suu Kyii – Um livro que manifesta a verdadeira democracia.

Existem poucos livros que definem a democracia como fonte principal no enredo. A maioria vai justamente pelo lado contrário, afirmando que seria justamente a perda da democracia que faz a sociedade se perder. A Hospedeira de Stephanie Meyer é um exemplo de como a democracia deveria funcionar através das almas. Justas por natureza, as almas tem um sistema baseado nas escolhas. Muito embora subjuguem a humanidade, se entendermos as almas como organização social percebemos a grandeza que as cerca.

simon vs a agenda do homo sapiens5. Jeanne Manford – Um livro pela igualdade LGBT+.

Simon Vs A Agenda do Homo Sapiens é um dos melhores livros com temática LGBT+ que tive o prazer de ler. Muito embora seja mais voltado mais ao Gay do que as outras bases da comunidade, a obra é um manifesto pela igualdade. As cenas são marcantes e as ideologias proposta pela autora não são pesadas, no sentido de imporem alguma coisa. Na verdade tudo surge de maneira muito natural, até porque Becky entende que não existem diferenças entre pessoas gays ou héteros. Somo todos humanos capazes de amar e sermos amados.

Vox6. Maria Quitéria – Um livro contra a desigualdade de gênero.

Também entre meus lidos recentemente, Vox de Cristina Dalcher demonstra a importância da luta pela igualdade de gênero nos caminhos para silenciar a  mulher em demasiadas ocasiões. No obstante a realidade que conhecemos, Dalcher imprimi  no texto a importância da luta, do reconhecimento dos privilégios e a necessidade de se usar a voz quando necessário. É uma obra avassaladora, muito parecida com a sociedade que temos hoje.

a resposta7. Solitude (Guadalupe) – Um livro pela igualdade racial. 

Acho que já devo ter falado dessa obra um milhão de vezes para vocês, mas pensando em igualdade racial não tem como deixar de citar A Resposta, um dos melhores livros que tive o prazer de ler. Narrado no auge da segregação dos Estados Unidos da América, A Resposta tem um significado imenso sobre a natureza do racismo e a problemática dele. Não somente pelas quatro protagonistas, mas por cada pedaço desse mundo voltado a expor as injustiças raciais.

   


Beijos. Até mais. 

( Resenha ) Garotas de Neve e Vidro – Melissa Bashardoust

Engraçado como mesmo inicialmente não gostando de determinado gêneros, acaba gostando de algumas obras o que te leva a ir atrás de outras. Depois da leitura de As Crônicas Lunares, fiquei ansiosa para ler outras releituras que trouxessem um manifesto diferente dos clássicos infantis. Nesse interim conheci a obra Garotas de Neve e Vidro através do canal Geek Freak e me interessei pela leitura. E sinceramente, foi uma das melhores obras que li nesse começo de ano sendo um manifesto não só pelo feminismo, mas pelo amor fraternal ameaçado.

Título: Garotas de Neve e Vidro | Título Original: Girls Made of Snow and Glass | Autora: Melissa Bashardoust| Editora: Plataforma 21 | Páginas: 424 | Ano: 2018 | Avaliação: ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ | Encontre: Skoob | Saraiva | Amazon

Garotas de Neve e VidroSinopse: Mina é filha de um mago cruel e sua mãe está morta. Aos dezesseis anos, seu coração nunca bateu apaixonado por ninguém – na verdade, ele jamais bateu de forma alguma, e Mina sempre achou esse silêncio normal. Ela nunca suspeitou que o pai arrancara seu coração e, no lugar, colocara um coração de vidro. Então, quando Mina chega ao castelo de Primavera Branca e vê o rei pela primeira vez, ela cria um plano: ganhar o coração dele, tornar-se rainha e finalmente conhecer o amor. A única desvantagem desse plano, ao que tudo indica, é que ela se tornará madrasta. Lynet tem quinze anos e é a imagem de sua falecida mãe. Um dia, ela descobre a verdadeira razão disso: a partir da neve, um mago a criou à semelhança da rainha morta.
Mas, apesar de ser a projeção visual perfeita da falecida rainha, Lynet preferiria ser forte e majestosa como sua madrasta, Mina. E Lynet realiza seu desejo quando o pai a torna rainha dos territórios do sul, tomando assim o lugar de Mina. A madrasta, então, começa a olhar para a enteada com algo que se assemelha ao ódio, e Lynet precisa decidir o que fazer – e quem quer ser – para ter de volta a única mãe que de fato conheceu… ou simplesmente vencer Mina de uma vez por todas. Garotas de Neve e Vidro traça a relação de duas mulheres fadadas a serem rivais desde o princípio – a não ser que redescubram a si mesmas e deem novo significado à história que lhes foi imposta.

Melissa Bashardoust possuí uma escrita fascinante. Muito embora esteja lidando com universo pautado em um conto enraizado nos primórdios da sociedade-contemporânea (Quem não conhece a Branca de Neve?), a autora influi para construir algo inteiramente novo em termos simbólicos e conceituais. O enredo transcende do irreal ao real criando um misto de emoções verdadeiras e palpáveis. Melissa não parece disposta a apenas narrar uma porção de acontecimentos que levam seus personagens a chegarem em determinado lugar, mas sim a refletir sobre assuntos diversos que recriam a vida e o tempo, que muito embora sejam a parte do nosso, refletem nosso medos, anseios e sonhos.

Suas personagens são exemplos de tal determinância. Lynet, a protagonista secundária da obra (Mina certamente é a moral), tem uma espécie de relutância em aceitar aquilo que lhe impõem. O que me fez gostar imediatamente da personagem, pois sua força é bem estruturada na maneira com o qual foi criada envolta de uma psicologia reversa: treinada para ser uma perfeita dama da sociedade, Lynet quer algo mais que se tornar uma garota de porcelana, deixando para trás as semelhanças com a mãe (antiga rainha) a fim de criar algo maior para si. Além disso, Lynet não faz o clássico garota badass que termina sendo arrogante e não poderosa. Mas a personagem cresce e muito durante a trama por saber ouvir o que aqueles ao seu redor têm a lhe dizer.

Mina, por outro lado, foi uma personagem mais desenvolvida ao seu emocional. O modo como a rainha estabelece relações com os outros personagens cresceu de modo gradativo e doloroso. Mina deseja proximidade, sobretudo amor. Entretanto, mas não consegue pelos abusos mentais mentais e verdades “absolutas” dados pelo pai: Mina tem um coração de vidro, é incapaz de amar de alguém. Dessa forma, tudo que Mina deseja é que vejam sua beleza e a amem por ela, sem nunca mostrar seu verdadeiro já que não consegue suportar a ideia de lhe odiarem. Dessa forma, a construção da personagem vai para além do que conhecemos sobre um vilão, se é que podemos classificar a madrasta nesse ponto. Mina se torna muito mais aprofundada que um esteriótipo, de modo a aprender a ter confiança em si mesma e fugir das ideias arcaicas do seu passado.

“Estava ciente demais que era um espelho que a amava, e espelhos viam apenas a superfície.” 

Minha ressalva a obra foi a inconstância da narrativa que a deixou pesada. Li poucas páginas com a impressão que estava lendo muitas. Isso se deve a carga dramática que muitas vezes se tornou excessiva na trama, passando um aspecto incongruente com a proposta.

Ademais, Garotas de Neve e Vidro está entre as melhores obras que li neste ano. A autora toca em temas importantes, mas principalmente quebra a rivalidade feminina que já não deveria existir entre nós. Se você ainda não sabe o que é sororidade – palavra tão marcante em nosso contexto atual, essa obra é um perfeito conceito disto. 

(Fictisney) Branca de Neve e Os Sete Anões

Oi Corujinhas lindas. Finalmente vamos entrar na parte que eu mais esperava no Fictisney que é falar um pouco mais das animações produzidas pelo estúdio e seus afiliados. Muito embora saiba que a Disney tem grandes produções de séries e filmes, vou focar primeiramente nas animações que são responsáveis pela minha grande paixão pela produtora. Vou tentar ir na ordem cronológica e esses posts serão diferentes do Algo à Ver. Em vez de resenhar as películas, vou dar uma opinião breve, falar sobre as músicas e curiosidades envolvendo os filmes e as produções.

Espero que gostem.

╔═══════ ≪ ∘°❉°∘ ≫ ═══════╗
O Filme
╚═══════ ≪ °∘❉∘° ≫ ═══════╝

Branca de Neve e os Sete Anões foi a primeira animação à ser lançada em formato de longa-metragem pelo estúdio Walt Disney, sendo baseada no conto clássico “Branca de Neve” dos Irmãos Grymm. Ainda hoje é um dos maiores sucessos do estúdio, principalmente por conta dos musicais.

kisspng-seven-dwarfs-snow-white-mickey-mouse-winnie-the-po-snow-white-and-the-seven-dwarfs-5ac57c55ced363.8998201415228918618472.jpg

O filme iniciou sua pré-produção em 1934. O script inicial possuía vinte e uma páginas roteirizadas pela equipe de Richard Creedon, que desejava que as situações fossem engraçadas não havendo a obscuridade do conto original. Foi Walt Disney quem sugeriu que os anões – seus personagens favoritos no projeto – tivessem nomes e personalidades idênticos. Os nomes dos foram selecionados a partir de um grupo de cerca de cinquenta nomes dos quais foram eleitos os que conhecemos hoje: Mestre, Zangado, Atim, Soneca, Dengoso, Feliz e Dunga, que foi o último a ser escolhido mas se tornou o mais popular dos anões.

Dalva de Oliveira
Dalva de Oliveira

Os desenhos que compunham as animações, foram de responsabilidade do artista conceitual Albert Hurter. As canções foram compostas por Frank Churchill e Larry Morey. As mais famosas são Eu Vou, cantada pelos anões e Sonhando Assim, dueto cantado pelos protagonistas. No Brasil, a canção foi interpretada por Dalva de Oliveira.

No que diz à respeito da construção do enredo, Walt Disney queria que a história focasse bem mais nos anões, mas ficou decidido que se trataria da relação entre a Rainha Má e Branca de Neve. O foco na doce princesa fez bastante sucesso com o público, de modo que ainda nos tempos de hoje, Branca de Neve está no hall dos maiores sucessos da Disney.

Apesar disso, Snow Winter não é uma das minhas princesas favoritas, assim como seu filme não foi algo marcante para mim. Sempre gostei de personagens mais fortes ou pelo mais engraçadas. De modo que a sobriedade da princesa nunca me chamou tanta atenção. Mas claro que devemos ressaltar que o filme é reflexo da sociedade americana de 1937 quando foi lançado. Por ser dono de uma produtora recente, Walt Disney necessitava agradar o público à espera de uma donzela subserviente. Entretanto, apesar dessas ressalvas não posso deixar de observar os louros do filme que tem uma grande relevância não somente em favor da sua produção inovadora aos parâmetros tecnológicos da época, como também no caminho que abriu para a chegada das novas animações.

╔═══════ ≪ ∘°❉°∘ ≫ ═══════╗
Curiosidades
╚═══════ ≪ °∘❉∘° ≫ ═══════╝

❉ Branca de Neve e os Sete Anões foi relançado oito vezes nos anos de 1944, 1952, 1958, 1967, 1975, 1983, 1987 e 1993.
❉ No seu quinquagésimo aniversário em 1987, a Disney lançou um romance oficial da história, escrito pela autora infantil Suzanne Weyn.
❉ Em 1993, tornou-se o primeiro filme a ser totalmente digitalizado para arquivos digitais, alterado e gravado de volta ao filme.
Regina-the-evil-queen-regina-mills-35300006-2355-3143.jpg❉ O filme teve um arrecadamento total de US$ 418.200.000 milhões no seu lançamento original e relançamentos sendo uma das dez maiores bilheterias de todos os tempos.
❉ No Brasil, filme foi exibido na televisão aberta apenas uma vez na Sessão de Sábado, da Rede Globo no dia 25 de dezembro de 2010, cerca de 72 anos depois de sua estreia nos cinemas brasileiros.
❉ Houve um total de 106 performances na Broadway com a produção musical da Disney, Snow White and the Seven Dwarfs, (também conhecido como Snow White Live!)
❉ Os personagens de Branca de Neve ganharam vida na série americana Once Upon a Time, tendo Ginnifer Goodwin no papel de Branca de NeveJosh Dallas como Príncipe Encantado e Lana Parrilla como a Rainha Má.
❉ Em 2016, o estúdio anunciou um novo filme sob seu título de desenvolvimento, Rose Red, um spin-off em live-action que será contado sob o ponto de vista da irmã de Branca de Neve, Red Rose.

Espero que tenham gostado meus amores.
Beijos.

 

 

( Resenha ) A Invasão de Tearling – Érica Johansen – Livro Dois

O segundo livro da trilogia escrita por Érica Johansen atingiu um novo patamar deixando a promessa de uma grande finalização. A história evoluiu para nos deixar com água na boca e promover uma leitura inesquecível de uma série que pode entrar para as melhores que já li.

Esta resenha não terá spoiler.
Para garantir isto pule a sinopse.

Título:  A Invasão de Tearling | Título Original: The Invasion of the Tearling| Autora: Érica Johansen | Editora: Suma| Páginas:  400 | Ano:  2017|  Avaliação: ⭐️ ⭐️ ⭐️ ⭐️ ⭐️ ❤️ | Encontre: Skoob | Saraiva | Amazon

transferir (1).jpgSinopse: Kelsea Glynn é a rainha de Tearling. Apesar de ter apenas dezenove anos e nenhuma experiência no trono, Kelsea ficou rapidamente conhecida como uma monarca justa e corajosa. No entanto, o poder é uma faca de dois gumes. Ao interromper o comércio de escravos com o reino vizinho e tentar conseguir justiça para seu povo, ela enfurece a Rainha Vermelha, uma feiticeira poderosa com um exército imbatível. Agora, à beira de ver o Tearling invadido pelas tropas inimigas, Kelsea precisa recorrer ao passado, aos tempos de antes da Travessia, para encontrar respostas que podem dar ao seu povo uma chance de sobrevivência. Mas seu tempo está acabando… Nesta continuação de A rainha de Tearling, a incrível heroína construída por Erika Johansen volta para outra aventura cheia de magia e reviravoltas.

“Eu acho que esse é o ponto crítico do mal neste mundo, Majestade; os que se sentem no direito de fazer o que quiserem, de ter o que quiserem. Pessoas assim nunca se perguntam se têm direito. Não consideram o custo para ninguém além de si mesmas.”

A narrativa de Érika Johansen é peculiar. Somos trajados por uma escrita diferenciada, cadenciada e com descrições que fundamentam e parafraseiam a trama. Mesmo se tratando de uma fantasia com uma personagem adolescente, seu texto envolve pouca ação e quase nenhum romance, onde a política se sobressai. Parece algo que George R. R. Martin teria escrito, com o diferencial que Johansen tem os pés fixados em nosso mundo – e não na alta-fantasia -, para recriar a realidade que conhecemos para torná-la algo mais.

Mas muito embora a política de Tearling seja um dos grandes focos da trama, esse livro em questão trata bem mais do passado do que da atualidade. A Invasão de Tearling vai ser pautada dentro dos episódios que levaram à construção do país e, consequentemente ao seu declínio. Assim sendo, Johansen traz explicações sobre A Travessia, fato muito falado mas pouco explicado no livro anterior, mas aonde estão alocados os princípios para a fundação da sociedade utópica idealizada por William Tear que se tornou “do passado”, distópica e tão mais próxima do que o futuro nos reserva hoje.

“Nós sempre pensamos que sabemos o que coragem quer dizer. Se eu fosse escolhido, nós dizemos, eu atenderia ao chamado. Eu não hesitaria. Até o momento que chega nossa vez, e aí percebemos que as exigências de verdadeira coragem são bem diferentes do que tínhamos imaginado, muito tempo antes, naquela manhã clara em que nos sentimos corajosos.”

O livro recomeça alguns dias depois de onde A Rainha de Tearling foi finalizado. Kelsea Glynn está lidando com as consequências de suas escolhas. É bom ressaltar que Johansen não cria uma princesa irreal, que não entende os problemas de suas ações ou que os descobre depois de ser tarde de mais. Mas sim uma personagem sábia, criada para ser rainha que coloca seu povo em primeiro lugar. Por esse motivo, diria que Kelsea é uma das minhas personagens favoritas. Sua presença e sua força são verdadeiras, e suas ideias políticas poderiam realmente dar certo.

Mas como havia aludido anteriormente, o livro tem um foco maior nos acontecimentos pré-Tearling. Na primeira obra existem algumas menções à fatos do nosso presente que haviam causado estranhamento. Como uma sociedade medieval poderia ter acesso aos livros de J. K. Rowling? A única explicação seria ser uma sociedade póstuma. De modo que a pergunta mudou para: como a nossa sociedade moderna mudou para uma sociedade medieval?

Assim, com a prerrogativa de Kelsea precisar entender o antes para enfim conquistar um futuro glorioso, somos apresentados à visões do passado pelos olhos de Lily. Foi doloroso acompanhar a história e adianto a vocês que conteúdos pesados – cenas de violência e estupro – surgiram na trama.

O mundo futurístico manifesta-se como um aprofundamento da sociedade patriarcal. Os homens literalmente dominaram o mundo através dos preceitos religiosos tornando-se donos da mulheres. Lily é casada e tem grande estabilidade econômica. Entretanto, tem que suportar as ameaças veladas do marido que ter os filhos que Lily não deseja. Tudo mundo quando ela descobre um movimento, idealizado por William Tear em busca de um horizonte melhor.

Dessa forma, entre presente e passado Joahansen insere um belo paradoxo que envolve as ações de ambas as mulheres: será que o futuro glorioso, quando liderado por alguém de visão, pode ser seguro?

“O sucesso de uma grande migração humana depende do encaixe de muitas peças individuais. Deve haver descontentamento comum status quo desagradável, talvez até intolerável. Deve haver idealismo para motivar o movimento, uma crença poderosa em uma vida melhor além do horizonte. Deve haver grande coragem diante de probabilidades terríveis. Mas, mais do que tudo, toda migração precisa de um líder, a figura indispensável e carismática que até homens e mulheres apavorados vão seguir sem pestanejar em direção ao abismo.”

A Invasão de Tearling é uma obra surpreendente, cheia de política e desafios. Eu não somente indico o livro para os fãs do gênero, como digo que para todos aqueles que precisam de um vislumbre de para onde a sociedade atual está nos levando, esta obra é um horizonte assustador.