( Resenha ) A Coroa Escarlate – Cinda Williams Chima – Livro 04

Último livro da série Os Sete Reinos, A Coroa Escarlate foi uma ótima conclusão para uma série extraordinária. Com o retorno de seus maravilhosos personagens, Cinda Williams Chima conseguiu entregar um final que excede as expectativas, muito embora não tenha todas as respostas.

A Coroa EscarlateTítulo: A Coroa Escarlate | Autora: Cinda Williams Chima | Editora: Suma | Ano: 2016 | Páginas:  456| Encontre: AmazonSkoob

Sinopse: Há mil anos, dois jovens amantes foram traídos – Alger Waterlow foi condenado à morte e Hanalea, rainha de Fells, a uma vida sem amor.
Agora, mais uma vez, o reino de Fells está à beira de se desintegrar. Para a jovem rainha Raisa ana’Marianna, manter a paz é quase impossível. A tensão entre os magos e os clãs atingiu o limite. Os reinos vizinhos veem Fells como uma presa fácil, e a maior esperança de Raisa é unir seu povo contra um inimigo em comum – mas esse inimigo talvez seja o homem por quem está apaixonada.
Emaranhado em uma complexa rede de mentiras e tênues alianças, o antigo dono de rua Han Alister agora é parte do Conselho dos Magos. Navegar pela mortal política dos sangues azuis nunca foi tão perigoso – e Han parece fazer inimigos por todos os lados. Sua única aliada é a rainha, e, apesar dos riscos, é impossível ignorar o que sente por ela.
Então Han descobre um segredo guardado há séculos, algo poderoso o bastante para unir o povo de Fells. Mas será que ele sobreviverá por tempo suficiente para salvar o reino?
Uma verdade mascarada há mil anos por uma terrível mentira vem à tona nesta emocionante conclusão da épica série de fantasia Os Sete Reinos.

É um tanto impossível começar a ler uma série de fantasia e não esperar algo épico na sua finalização. Para a série Os Setes Reinos essa expectativa cresceu gradualmente apesar dos altos e baixos que os três livros proporcionaram. Isto porquê Cinda Williams Chima tem uma narrativa diferenciada para o gênero. Ela permite que os personagens fluam através de seus pensamentos focando mais em suas estratégias do que em suas emoções. Dessa forma, o livro torna-se mais interessante pois permite perceber certa inteligência da autora ao construir os universos e os personagens.

Falando em personagens, posso dizer que o ponto alto do foi a construção final de Han e Raisa. Nas obras anteriores, toda mitologia envolvida nas terras d’Os Sete Reinos já havia sido explorada pela autora; dessa forma, ao invés de usar mais do mesmo, Chima priorizou transcender os protagonistas para que finalmente caminhassem juntos em busca de soluções para os perigos enfrentados.

Entretanto, ao mesmo tempo que ambos cresceram como pessoa, suas jornadas foram inconsistente às suas personalidades o que quebrou o espírito da narrativa. Principalmente para Raisa. Se antes a herdeira de Fells estava disposta a lutar para conquistar seu direito, agora fica a mercê das circunstâncias sempre esperando que algo mude para que não precise tomar uma atitude.

Apesar disso, ainda sim a leitura da obra vale a pena se comparamos como a política e a história de Fells com as nossas. A maneira como o mundo se molda através de mentira para dar aos vencedores a versão de heróis soa bastante parecida com diversos momentos de nosso próprio mundo.

Com uma grande série nas mãos, me despeço de Os Sete Reinos satisfeita pela leitura. O potencial da história foi alcançado e apesar das falhas, todos os seus questionamentos e incertezas tornam a leitura épica à sua maneira.

4