( Resenha ) Predestinadas · As Crônicas das Irmãs Bruxas · Livro 03

Olá feiticeiras Corujinhas. Depois de muitos anos, finalmente as bruxas estão retornando ao poder, mas confiança não é uma opção pois os segredos que elas escondem podem devastar verdadeiramente todo o mundo. Será que estamos preparadas para esta conclusão?

download (2)Título: Predestinadas
Título original:
 Sister’s Fate
Série: As Crônicas das Irmãs Bruxas
Autora: Jessica Spotswood
Editora: Arqueiro
Páginas: 288
Ano: 2015
Avaliação: ⭐ ⭐ ⭐ ⭐
Encontre: Skoob | Amazon | Saraiva

Sinopse: Cate Cahill acabou de ser apagada da memória de Finn, o grande amor de sua vida. A responsável por essa traição foi Maura, uma de suas irmãs, e Cate está certa de que nunca vai conseguir perdoá-la. Enquanto isso, Tess, a caçula, está às voltas com visões cada vez mais assustadoras. Como se não bastasse, a Nova Inglaterra vem sendo tomada por uma febre mortal sem precedentes. Preocupada, Cate quer ajudar a todos, mas é impossível fazer isso sem revelar seus poderes e, assim, aumentar a fúria dos Irmãos da Fraternidade, os implacáveis caçadores de bruxas. Em meio a desavenças com suas aliadas em potencial, Cate terá que se desdobrar para conseguir prestar o auxílio que deseja, proteger Tess e Finn e lutar por uma nova ordem que permita que as bruxas sejam representadas no governo de sua cidade e não precisem mais se esconder. Predestinadas é o desfecho de uma saga permeada de delicadeza, cores, magia e fortes emoções. As irmãs Cahill terão que enfrentar os maiores desafios de sua vida, e o amor que sentem uma pela outra será fundamental nessa jornada.

Nunca achei que existiria em algo em mim, algo pequeno, obscuro e vergonhoso, que ficaria contente em ferir minha própria irmã.

Com o final arrebatador de Amaldiçoadas eu esperava bastante da continuação da série iniciada em Enfeitiçadas. Maura havia se provado a mais egoísta de todas as pessoas, Tess perdeu sua inocência muito embora ainda pareça pequena e assustada e Cate tomou para si uma raiva grotesca que poderia lhe fazer causar danos àqueles que ela sempre tentou proteger. A ideia base para fazer Predestinadas funcionar (uma sociedade machista em todas vertentes que podemos pensar) também estava bem alinhada prometendo criar grandes conflitos. Por esses motivos, apesar de não poder dizer que não foi uma boa conclusão para uma trilogia especial, senti que faltou a maior propagação de quase tudo nas páginas desse livro. Quer dizer, a autora focou tanto em uma parte da obra que pareceu se esquecer da outra acabando por deixar o livro descompassado.

A narrativa de Spotswood continua firme e decidida. Uma coisa muito atraente em sua escrita é o fato que ela não enrola e nem alonga mais do que o necessário em seus cenários sejam eles descritivos, sejam eles emocionais. Eu gosto dessa brandura, acho que ajuda o livro a fluir com mais facilidade mesmo que seja um pouco incomum que os autores utilizem desse artificio. A autora consegue prender o leitor a narrativa de modo que nos permite sentir tudo e ver tudo ao mesmo tempo.

Assim como na narrativa, Jessica tem um trato especial quantos aos personagens. Minha personagem favorita continua sendo Tess com toda sua meiguice, inteligência e força. Apesar de ainda não gostar de Maura, não posso negar que o ceguismo da personagem de sempre querer ser a mais amada e notável das irmãs foi muito bem trabalhado. Cate, que antes tinha medo até da própria sombra passou a ser uma mulher mais forte e mais confiante, não somente pelos dissabores do passado mas também, e talvez principalmente, porque aquilo que ela precisa lutar. Desse modo, Spotswood consegue criar uma evolução ótima para as três personagens sem nunca perder o compasso em favor de uma ou de outra.

Mas o grande charme dos personagens, entretanto, está nos secundários que roubam a cena. Fynn continua um cavalheiro, muito embora pareça ter bem mais atividade na história. Sache e Rory abalam a trama com suas tiradas engraçadas. Mas é Irmã Inez, a maior ameaça dentro da fraternidade, que dá um gostinho a mais na obra. Poucas vezes encontrei uma vilã tão convincente que eu não somente odiei, como entendi suas necessidades. Poderosa e com uma mente brilhante, Irmã Inez demonstra o real significado do ser radical e do desejo de vingança.

O que me incomodou, e bastante, na trama. Foram às coisas terem acontecido rápido de mais em termos de história. Apesar da narrativa fluída de Spotswood, a autora não conseguiu dar a profundidade que o livro precisava em contexto maior que apenas o esperado. Tornou-se previsível pelo fato que o final é pautado pelo caminho que foi mais fácil e não pela tentativa de qualquer inovação.

Apesar do fator negativo, a leitura de As Crônicas das Irmãs Bruxas vale super a pena por todos os ensinamentos que a autora coloca em suas páginas bem como as críticas sociais que ela faz a sociedade machista que vivemos. A grande a justificativa do livro é mostrar que a força vem dos lugares que mais duvidamos onde a união nos matém fortes para lutarmos por tudo aquilo que desejamos e contra todos aqueles que nos oprimirem.