| RESENHA | It: A Coisa – Stephen King

Oii gente. Tudo bom com vocês? No mês passado em um longo, mas fascinante projeto literário contemplei o livro It – A Coisa de Stephen King. A Vivi (O Senhor dos Livros) me convidou para fazer parte do projeto #LendoACoisa que aceitei por dois motivos: primeiro porque é sempre bom ter alguém com quem partilhar uma leitura e segundo pois esta leitura já era um desejo antigo de realizar. De modo que durante mais ou menos três meses me afundei nos horrores de Derry através dos olhos de sete corajosas crianças-adultas: Bill, Richie, Beverly, Ben, Mike, Eddie e Stan. Sete pessoas que conheceram o mais profundo medo e através do poder da amizade lutaram contra ele. Por isso neste 31 de Outubro, minha resenha será esta obra fantástica de Stephen King.

baixar-livro-it-a-coisa-stephen-king-em-epub-mobi-e-pdf

Título: It – A Coisa
Titulo Original: It
Autor: Stephen King
Editora: Suma das Letras
Ano: 1986
Avaliação: 👑 👑 👑 👑 👑 💜
Encontre: Skoob || Amazon || Saraiva || Submarino

Mas é bom pensar assim por um tempo no silêncio limpo da manhã, pensar que a infância tem seus segredos doces e confirma a mortalidade, e que a mortalidade define toda a coragem e todo o amor. Pensar que o que já ansiou pelo futuro também precisa olhar para trás, e que cada vida faz sua própria imitação da imortalidade: uma roda.
• Bill Denbrough.

SINOPSE: Durante as férias escolares de 1958, em Derry, pacata cidadezinha do Maine, Bill, Richie, Stan, Mike, Eddie, Ben e Beverly aprenderam o real sentido da amizade, do amor, da confiança e… do medo. O mais profundo e tenebroso medo. Naquele verão, eles enfrentaram pela primeira vez a Coisa, um ser sobrenatural e maligno que deixou terríveis marcas de sangue em Derry. Quase trinta anos depois, os amigos voltam a se encontrar. Uma nova onda de terror tomou a pequena cidade. Mike Hanlon, o único que permanece em Derry, dá o sinal. Precisam unir forças novamente. A Coisa volta a atacar e eles devem cumprir a promessa selada com sangue que fizeram quando crianças. Só eles têm a chave do enigma. Só eles sabem o que se esconde nas entranhas de Derry. O tempo é curto, mas somente eles podem vencer a Coisa. Em ‘It – A Coisa’, clássico de Stephen King em nova edição, os amigos irão até o fim, mesmo que isso signifique ultrapassar os próprios limites.

Diferente de quase todas as pessoas que já leram It – A Coisa (e apesar de ser o Dia das Bruxas) não considero este livro como terror propriamente dito. Na verdade, sinto-o mais como um livro criado aos moldes da realidade fantástica. Isto, porque o livro não chegou a me aterrorizar visto que nas cenas de maior frenesi não senti nem medo e nenhum tipo de aflição. Mas muito embora neste ponto narrativa não tenha sido suficiente não posso afirmar que influenciou em minha opinião final sobre a leitura. Pois apesar de não ter sido aterrorizada pela obra, fiquei sim horrorizada pelas atitudes de quase todos os personagens. De certo modo, considero que o livro de King procurava muito mais horrorizar o leitor monstrando-lhe as profundezas das maldades humanas, do que aterroriza-lo com um monstro no fim do túnel.

E, quase sem querer, em uma espécie de pensamento paralelo, Eddie descobriu uma das grandes verdades de sua infância. Os adultos são os verdadeiros monstros, pensou ele.
• Eddie Kaspbrak

Ler um livro gigantesco, por mais que a leitura seja fluída, requer certa disciplina. É um livro que dispõe tempo e precisa ser muito bem escrito para que o leitor sinta-se motivado para continuar. It – A Coisa têm essa característica pois me fez querer virar a página e dar continuidade a leitura. Apesar de ser um calhamaço, a obra possui a qualidade de ser muito bem produzida em que mal me dei conta das páginas virando. Se eu contasse só os dias que passei lendo o livro sem levar em consideração outras que li ao finalizar cada uma das cinco partes, demorei no máximo sete dias para finalizar a obra. Por esse motivo, se você tem medo da quantidade de páginas que formam It não se preocupe. O livro é  super gostoso de ler.

Ainda levando em consideração os aspectos de composição da obra, estes ajudam à dar uma certa leveza ao livro. Divido em cinco partes King criou uma ponte densa entra cada uma, mas que se assemelham às que os autores criam em séries de livros separados. Você sabe que tem muito mais história por vir, mas o que lhe foi contato naquela parte por enquanto é o suficiente permitindo dar uma pausa na obra para então retomá-la sem problemas em um momento seguinte. Aqui se insere um dos pontos que mais gostei na obra de King que eram as pequenas retomadas que ele fazia relembrando pontos importantes para que nada fosse perdido. Consegui ter uma dimensão maior de tudo, ao relembrar e dar maior crédito à algumas coisas que de primeira passaram despercebidas.

Talvez, pensou ele, não existam coisas como amigos bons ou ruins. Talvez existam só amigos, pessoas que ficam ao seu lado quando você se machuca e que ajudam você a não se sentir muito sozinho. Talvez valha a pena sentir medo por eles, sentir esperança por eles e viver por eles. Talvez valha a pena morrer por eles também, se chegar a isso. Não amigos bons. Não amigos ruins. Só pessoas com quem você quer e precisa estar; pessoas que constroem casas no seu coração.
• Eddie Kaspbrak

Em relação aos personagens, It – A Coisa conseguiu me fazer ter uma sensação que pouquíssimos livros já o fizeram. Apesar da sobrenaturalidade que envolve todos os personagens, também é possível perceber a realidade que cada um possuí. Começando pelo lado infantil, as crianças realmente aparentam ser crianças. Existem muitas obras infantis em que os pequenos parecem muito mais adultos que crianças da sua idade. King, por outro lado, conseguiu explorar com genialidade os medos e as personalidades dos integrantes do Clube dos Otários de modo que estes nunca fugiram dos pensamentos comuns à sua idade durante boa parte da obra. Boa parte, pois, ao mesmo tempo que percebemos esta característica, também é possível observar que as crianças amadurecem ao longo do livro e vão cada vez mais demonstrando quais personalidades irão assumir quando adultos.

Por falar em adultos, King também fez um trabalho fantásticos com não só os Otários mas como também com os outros personagens que permeiam a obra. Há uma diferença absolutamente palpável entre eles onde cada um tem sua personalidade e seu modo de ser de maneira que não da para confundir suas falas e ações. King construiu um mundo de pessoas divergentes umas das outras em seus medos, angústias, paixões e desafios. Derry se torna uma cidade quase real pois cada um de seus habitantes realmente poderiam existir e estar ao nosso lado.

Acho que é isso que queremos dizer quando falamos sobre a persistência da memória, isso ou alguma coisa assim, uma coisa que você vê na hora certa do ângulo certo, uma  imagem que desperta emoções como um motor. Você vê tão claramente que todas as coisas que aconteceram no meio-tempo somem.
Se o desejo é o que fecha o círculo entre o mundo e a vontade, então o círculo fechou.
• Bill Denbrough.

Emocionalmente, apesar de não ter sentido medo durante a leitura de A Coisa posso dizer que fui tocada pelas palavras de King em diversos pontos. Nessa história criada para horrorizar o leitor, os moradores de Derry cumpriram seu papel mostrando o quão cruel um ser humano pode ser. Desde ao que mães podem fazer para proteger seus filhos à o que pais podem fazer para maltrata-los, King traça uma linha em qual expõe os seres humanos modo nu e cru. Eu senti raiva, vergonha e medo do que os homens são capazes de fazer. It me deu um sentimento de que quase todos somos vis e cruéis quando temos a oportunidade. Somos feitos de carne, ossos e maldade. Como se esperassemos uma brecha, um motivo para ser atrozes.

Durante toda a leitura de A Coisa, não posso contar em dedos quantas vezes situações desesperadoras foram criadas, não pelo monstro e sim pela própria humanidade. Racismo, sexismo, violência, intolerância… Sentimentos que repetiram-se continuamente durante a leitura provocando-me a pensar que todos somos a própria Coisa no mundo. Nos alimentamos da tristeza dos nossos semelhantes de modo à sermos a doença que fere o mundo. Um tumor que cresce à medida que fazemos a maldade como que tambem fechamos os olhos ao que acontece ao nosso redor.

Essa qualidade da imaginação deixava os alimentos muito suculentos. Os dentes da Coisa destroçavam carne dura de tantos terrores exóticos e medos voluptuosos: eles sonhavam com animais noturnos e lamas em movimento; contra a própria vontade, eles contemplavam abismos infinitos.
• A Coisa

Mas, ao mesmo tempo em somos o câncer do mundo, It também nos mostra que somos a cura através de Bill, Richie, Beverly, Mike, Eddie e Stan. O amor e amizade sempre poderão nos salvar de qualquer mal se deixarmos que ele faça isso. Curamos quando ficamos unidos e nos deixamos ser curados. Essa é a maior lição de A Coisa. É a percepção de que sim existe coisas maiores que nós que puxam ou para o bem ou para o mal. Tais formas porém apenas nos dão as ferramentas para que possamos agir, mas apenas se acreditarmos no que fazemos é que conseguiremos encontrar o caminho para longe das mazelas e da escuridão.

Ler It – A Coisa foi sem dúvidas diferente de tudo que eu esperava que poderia acontecer. Fui levada do medo à esperança e deixada as margens de uma humanidade terrível mas também sonhadora. É um livro que sempre vou lembrar de ter lido por ter me dado muito mais do que um monstro, mas ter me mostrado quem são os verdadeiros. Somos nós, ao mesmo tempo que podemos ser a luz no fim do túnel, basta olharmos para quem somos e assim nos perguntar se estamos fazendo juz à crianças que éramos um dia.

Você não precisa olhar para trás para ver essas crianças; parte de sua mente vai vê-las para sempre, vai viver com elas para sempre, vai amar com elas para sempre. Elas não são necessariamente a melhor parte de você, mas já foram o depósito de tudo que você poderia se tornar.
• Bill Denbrough

Anúncios

| RESENHA | Corte de Névoa e Fúria — Sarah J. Maas — Livro Dois.

Sarah J. Maas é uma das minhas autoras favoritas na escrita fantástica. Ler seus livros é sempre ser levado por uma enxurrada das mais fortes emoções. De certa forma, eles me fazem lembrar os motivos pelo quais meu blog tem o nome inverso do meu gênero favorito. Por que quando você lê uma ficção fantástica absurdamente bem escrita percebe que não existe limites para as emoções e para o inimaginável. Corte de Névoa e Fúria é com certeza meu livro favorito da autora até então entrando também para a minha lista para das melhores fantasias de todo os tempos. Pois, ele me fez crer ainda mais no poder do fantástico e da ficção.

download.png

 

Título: Corte de Névoa e Fúria
Titulo Original: A Court Of Winds And Mist
Autor: Sarah J. Maas
Editora: Galera Record
Ano: 2016
Avaliação: 👑 👑 👑 👑 👑 💜
Encontre: Skoob || Amazon || Saraiva || Submarino

 

SINOPSE: O aguardado segundo volume da saga iniciada em Corte de Espinhos e Rosas, da mesma autora da série Trono de Vidro. Nessa continuação, a jovem humana que morreu nas garras de Amarantha, Feyre, assume seu lugar como Quebradora da Maldição e dona dos poderes de sete Grão-Feéricos. Seu coração, no entanto, permanece humano. Incapaz de esquecer o que sofreu para libertar o povo de Tamlin e o pacto firmado com Rhys, senhor da Corte Noturna. Mas, mesmo assim, ela se esforça para reconstruir o lar que criou na Corte Primaveril. Então por que é ao lado de Rhys que se sente mais plena? Peça-chave num jogo que desconhece, Feyre deve aprender rapidamente do que é capaz. Pois um antigo mal, muito pior que Amarantha, se agita no horizonte e ameaça o mundo de humanos e feéricos.

— Quando se passa tanto tempo presa na escuridão, Lucien, se percebe que a escuridão passa a olhar de volta.

Ler um livro de Sarah J. Maas é sempre saber que virá um mar de emoções. A autora que é dona de uma escrita poética e detalhista, tem o dom de transportar-nos para mundo que criou. Sabemos sempre que devemos esperar o inesperado e que a palavra impossível não existe em seu vocabulário. E mesmo sabendo de tudo isso, não pude deixar de me surpreender com as diversas reviravoltas presentes em Corte de Névoa e Fúria. Foi muito melhor do que poderia imaginar. Sarah J. Maas superou minhas expectativas transformando o mundo criado aos moldes de A Bela e Fera em algo muito maior.

Aquela garota que precisava ser protegida, que desejara estabilidade e conforto… ela morrera Sob a Montanha. Eu morrera, e não houve ninguém para me proteger daqueles horrores antes que meu pescoço se partisse. Então, eu mesma o fiz. Eu não iria, não poderia abrir mão daquela parte de mim que despertara e se transformara Sob a Montanha.

Apesar de agora estar com Tamlin sem a ameaça de Aramantha, Feyre inicia sua jornada nessa obra de forma bastante parecida com a do livro anterior. Ela esta depressiva, quebrada e sem forças para continuar lutando por si. Vive em prol de outra pessoa esquecendo gradualmente de como ser feliz à medida que é sufocada pelo peso de tudo à sua volta. A diferença é que se antes Feyre estava infeliz pelas dificuldades financeiras de sua família, agora ela está infeliz pelo peso do sangue em suas mãos. Conforme os dias passam, tudo piora pois Tamlin não entende suas necessidades — ou finge não entender — e a envolve em um palácio de super-proteção transformando a Corte Primaveril em nada mais que um grande calabouço.

À questão não é se amava você, é o quanto. Demais. Amor pode ser um veneno.

 

Tamlin não é mais o mesmo ou talvez apenas agora mostre quem é o verdadeiro feérico que estava escondido abaixo da máscara. Se ele foi quebrado ou não assim como Feyre enquanto estava Sob A Montanha não faz exatamente diferença, pois de uma forma ou de outra Tamlin agora é apenas uma sombra grotesca do homem que foi ou aparentava ser. Em uma breve analogia com A Bela e a Fera Tamlin pode ser tanto a Fera do conto original por ter com Feyre em um relacionamento abusivo, como também o Gaston da versão animada Disney por ser simplesmente egocêntrico de mais para dar valor aos sentimentos e medos da Feyre quando acredita que apenas os seus são relevantes.

 

Eu parecia… Parecia que o ódio, o luto e o desespero tinham me devorado viva, como se eu estivesse, de novo, faminta. Não por comida, mas… mas por alegria e vida…

Juntos, Feyre e Tamlin enredam em um amontoado de situações agonizantes e precárias. Feyre está tão desesperada para sair da escuridão que a consome que aceita o que Tamlin lhe dá sem se dar conta que com isso está apenas reiterando com mais força as armas que ele usa para mantê-la sob controle. Mas a verdade é que Feyre nunca foi um bicho de estimação ou um ornamento bonitinho para se sentar em um trono e ser admirada. Dessa forma, Feyre não poderia suportar tal prisão por muito tempo chegando à um ápice de raiva, dor e desespero.

Porque o ódio era melhor que sentir nada; porque ira e ódio eram o combustível duradouro na escuridão infinita de meu desespero.

Quem me acompanha aqui no blog sabe que desde Corte de Espinhos e Rosas eu torcia para que Rhysand ganhasse mais destaque durante os volumes seguintes. De modo que para minha completa alegria, Rhys aparece em dado momento de Corte de Névoa e Fúria como um bálsamo para Feyre lhe abrindo os olhos ao que anda acontencendo no mundo fora do véu criado por Tamlin. Rhys fornece perguntas e respostas que Tamlin nunca lhe daria. Há perigo vindo em direção à Prithyan e Feyre com seu novo corpo e seus novo dons pode ser a única que poderá impedir a ruína dos reinos feéricos e humanos. Mas para isso, Feyre precisará treinar tais dons e fortifica-se pois quando a ameaça chegasse ela precisaria estar pronta para o que fosse necessário.

 

Você disse que eu deveria ser uma arma, não um peão, mas os dois parecem a mesma coisa para  mim. A única diferença é quem os empunha.

Como uma leitora fanática por suspenses em geral, durante boa parte da obra fiquei com um pé atrás em relação ao Rhys mesmo sendo completamente apaixonada por ele. Contudo, à medida que ia passando as páginas, Rhysand conquistou não só meu amor como minha confiança. Sarah construiu uma relação profunda entre os personagens principais. As cenas entre Rhys e Feyre são muito bem formuladas. Os diálogos e ações entre ambos vêm cheios dos mais variados sentimentos. A química entre os dois é palpável e passei boa parte do livo torcendo por um beijo ou qualquer coisa que me mostrasse o quão certo era aquele romance. Mas ao mesmo tempo em que pedia mentalmente por isso, sabia que não era a hora certa para acontecer. Ambos precisariam estar realmente prontos e inteiros.

Há dias bons e ruins para mim… mesmo agora. Não deixe que os dias ruins vençam.

Posso afirmar que Feyre e Rhysand foram remédios um para o outro. Feyre começa o livro frágil e desolada, mas com ajuda de Rhys se torna novamente — e até bem mais que antes — a mulher feérica empoderada ciente de seus desafios, escolhas e erros que sabemos que ela é. Feyre se reconstrói aos poucos pois a liberdade é sua bênção mas é a compreensão o seu alicerse. Já Rhys, por debaixo da máscara de Grão-Senhor da Corte de Noturna, esconde um feérico que tem muito mais medos e bondades do que podemos esperar. Reconstrói-se com a ajuda de Feyre ao perceber que o amor não é somente perda ou dor, é também amizade e cumplicidade. Rhys é intenso, arrebatador e altruísta capaz de se sacrificar por aqueles que ama. Com certeza é meu personagem favorito de toda a série pois ao enxergar sua alma percebi o quão humano este feérico pode ser.

Talvez amem tanto o lugar para onde vão que vale a pena. Talvez continuem voltando até que reste apenas uma estrela. Talvez essa única estrela faça a viagem para sempre, com a esperança de que um dia, se continuar voltando com frequência, outra estrela a encontre de novo.

Corte de Névoa e Fúria traz novos personagens além de nos trazer de volta alguns do passado. O mais engraçado é que desde o primeiro livro eu torcia para que certas pessoas também tivessem sua vez à encontrar um par no universo de Maas. E pelo andar da carruagem é bem provável que isso aconteça mesmo. Não somente pelas portas que ficaram em aberto ao fim deste segundo livro, como também pela complexidade singular que cada personagem — novo ou antigo — apresentou durante a obra. Não acredito que Sarah deixaria esses personagens de lado então é só esperar pelos spin-offs que tenho certeza se tratar de cada um.

O poder não pertencia aos Grão-Senhores. Não mais.
Ele pertencia a mim; assim como eu só pertencia a mim, como meu futuro era meu para decidir, para forjar.

 

Corte De Névoa e Fúria tem tudo para estar entre as melhores leituras que realizei esse ano. Não consigo definir e falar de tudo que senti durante a obra ou com certeza passaria a eternidade escrevendo essa resenha. Apenas posso dizer que sua leitura vale muito à pena. Entendo que algumas pessoas simplesmente não gostam de triângulos amorosos, mas quero acreditem em mim que de certo modo esse livro não se trata disso. Se trata de quem somos e quem podemos ser, mas principalmente de que tipo de amor escolheremos para fazer parte de nossas vidas.

| RESENHA | Coraline — Neil Gaiman.

Olá leitores como vão? Hoje a resenha está saindo mais tarde, mas livros mais psíquicos merecem não. É o mês das bruxas e as leituras estão à todo vapor. Contudo, como eu dei uma pequena pausa no terror para ler Corte de Névoa e Fúria com algumas amigas, a resenha de hoje é de um dos meus queridinhos do passado. Coraline do Neil Gaiman que foi o primeiro livro nessa linha ficção psicológica que li e que até hoje me assombra.

image

 

Título: Coraline
Autor: Neil Gaiman
Editora: Rocco
Ano: 2002
Avaliação: 👑 👑 👑 👑 👑 💜
Encontre: Skoob || Amazon || Saraiva || Submarino.

 

SINOPSE:A história de Coraline é de provocar calafrios. A narrativa dá muitas voltas e percorre longas distâncias, criando um ‘outro’ mundo onde todos os aspectos de vida são pervertidos e desvirtuados para o macabro. Ao mesmo tempo sutil e cruel, o autor gosta de desafiar as imagens simples dos livros infantis tradicionais. No livro, a jovem Coraline acaba de se mudar para um apartamento num prédio antigo. Seus vizinhos são velhinhos excêntricos e amáveis que não conseguem dizer seu nome do jeito certo, mas encorajam sua curiosidade e seu instinto de exploração. Em uma tarde chuvosa, a menina consegue abrir uma porta que sempre estivera trancada na sala de visitas de casa e descobre um caminho para um misterioso apartamento ‘vazio’ no quarto andar do prédio. Para sua surpresa, o apartamento não tem nada de desabitado, e ela fica cara a cara com duas criaturas que afirmam ser seus “outros” pais. Na verdade, aquele parece ser um “outro” mundo mágico atrás da porta. Lá, há brinquedos incríveis e vizinhos que nunca falam seu nome errado. Porém a menina logo percebe que aquele mundo é tão mortal quanto encantador e que terá de usar toda a sua inteligência para derrotar seus adversários.

Coraline é o tipo de livro infantil que todos sabemos que foi feito para um adulto ler. Somente nós, jovens e adultos conseguimos entender por entre as linhas da história criada tanto para encantar como para assombrar por Neil Gaiman. É um livro que conduzido através da sutileza que relembra os medos da infância e os desejos mais profundos do seu coração. Todos nós em algum momento da vida já pensamos em querer morar em um mundo perfeito. Um mundo onde não há cobranças e tudo é extremamente divertido. Um mundo onde as pessoas são incríveis e nada de ruim pode nos alcançar. Neil Gaiman te mostra que esse mundo talvez exista e que talvez ele esteja ali dentro do seu armário. E para entrar nele, você só precisa girar a chave e pagar o preço que ele exige.

Dono de uma linguagem sutil e poética, Neil Gaiman escreve um livro grandioso com simplicidade. Ele te diz o básico para que com aliadas à essas informações sua própria mente termine de criar as situações e as imagens. Gaiman brinca então com seu próprio imaginário. Você é dono do monstro atrás da porta que é moldado como um Frankstein; feito de variadas partes do seu próprio medo. Assim Gaiman cria uma história onde tudo é possível buscando nossas raízes em uma escrita sutilmente tenebrosa.

Neil Gaiman também cria bastante profundidade em seus personagens mesmo se tratando de um livro curto. Com frases pequenas, mas muito dito nelas, cada um consegue se tornar inesquecível ao seu modo. Ao criar dois mundos diferentes, Gaiman cria personagens que também são muito diferentes. Há tanta dualidade em cada um que é impossível não se pegar pensando no que cada pessoa esconde. Se o limite entre o real e o imaginário é uma porta, então talvez o limite entre uma boa pessoa e uma má sejam as convenções sociais. Em um mundo onde não há regras, cada um de nós poderíamos ser o que quiséssemos seja bom ou não. Tal perspectiva é deixada a vista do leitor durante todo o livro. Para que ele perceba e se pergunte o que é ou não real em nosso mundo.

Coraline
é um livro que marcou minha vida como leitora e como pessoa. Neil Gaiman é um dos maiores nomes da fantasia porque trás o mundo real de forma sutil para dentro de suas páginas. Ler este livro é como abrir o armário dos medos e finalmente enfrentá-los.

| ANATOMIA LITERÁRIA | Capa e curiosidades sobre A Vila dos Pecados.

Oii gente. Tudo bom com vocês? Hoje é dia de mais um Anatomia Literária e se você quiser ver os posts anteriores basta clicar na aba de mesmo nome procurando aqui ao lado na categoria “Bloguices”. Como é mês de Halloween e estou nessas postagens mais trevosas, nada mais justo que fazer um post relacionado a autora brasileira, Soraya Abuchaim, mais conhecida como Dark Queen que têm ganhado leitores com suas histórias sombrias e de muito mistério. Como também sou apaixonada pelas capas de suas obras, o Anatomia Literária de hoje será sobre A Vila dos Pecados, lançamento 2017 da editora coerência.

Vamos começar??

•••°•°°••°°°••°°••°•••°°°•••°•°°••°°°••°°••°•••
A CAPA
•••°•°°••°°°••°°••°•••°°°•••°•°°••°°°••°°••°•••
image

A capa de A Vila dos Pecados é uma das mais bonitas que tenho na estante. Além de bela por ser bem feita e planejada, a capa possui elementos simbólicos que trazem a tona alguns artifícios do livro em um primeiro momento. Como não falei com o capista, não tenho certeza se entendi os elementos da forma que deveria, mas como uma boa leitora ao a namorar a capa fiquei imaginando respostas sobre tudo que estava ali presente.

O livro possuí uma cor esverdeada mais morta que traz uma sensação de mistério maior à quem à vê. Além disso, o verde escolhido foi uma cor fria e juntamente com as folhagens representam uma floresta que envolve a vila dando a perspectiva de isolamento tão característica de Ponta Poente. O caminho que leva a vila, por sua vez, não é definido por uma estrada remontando a sensação de que é proibido. O caminho esta manchado de sangue que cresce gradualmente a medida que vai se aproximando do leitor, dando a impressão de que cada vez que você se aproxima de Ponta Poente à descobre e seus pecados se tornam mais evidentes. E por fim, mas não menos importante, a vila no centro é pequena, mas de certa forma inexpugnável. Tanto pela aparência de uma cidade rústica de pedras (que eu diria também ser uma alusão ao século XX que se passa a história) como também a forma comm que as casas estão posicionadas bem coladas dando uma aparência de muralha e reforçando assim, a ideia dos segredos e das alianças contra o padre Alfonso (e ao leitor) que existem dentro da vila.

•••°•°°••°°°••°°••°•••°°°•••°•°°••°°°••°°••°•••
CURIOSIDADES.
•••°•°°••°°°••°°••°•••°°°•••°•°°••°°°••°°••°•••

🔸 A ideia inteira do livro surgiu porque Soraya Abuchaim queria escrever sobre uma vila, ambiente ao qual ela gosta bastante.

🔸 O processo de criação do livro começou com a ideia geral da obra e então partindo para uma esquematização dos capítulos. Mas a autora mudou no meio do caminho de ideia e brinca afirmando que ao finaliza-lo ele jánão tinha mais nada haver com a proposta original.

🔸 A autora colocou no livro alguns elementos relacionados ao clima pois acredita que ele compõe bem a história. Em A Vila dos Pecados sempre que o clima fica mais tenso, mais pesado o clima fica.

🔸 Os elementos importantes na trama são os segredos. Abuchaim disse que gosta de aprofundar sobre o que as pessoas escondem pois isso mexe com ela já que acredita que os seres humanos não são tudo que contam.

🔸 Nesse sentido, Soraya também acredita que o ponto central de seu livro não é o assassino mas sim os fatos que os levaram até ali e suas motivações.

🔸 Soraya Abuchaim disse em uma entrevista (a este blog hehe), que o pecado é relativo. O que pode ser pecado para um, não necessariamente será para outro. De certa forma, cada um sabe o que é ou não proibido.

•••°•°°••°°°••°°••°•••°°°•••°•°°••°°°••°°••°•••

Bem gente, esse foi o Anatomia Literária de hoje e eu espero que tenham gostado. Em breve sairão novos posts especialmente para vocês. Beijos.

| CONTO | Os Tentáculos da Escuridão

Você esta de pé dentro do quarto observando as sombras tomarem conta do ambiente. O tempo parece passar mais rápido enquanto os últimos raios de sol desaparecem e os desenhos negros escorrem pelo chão. Dali à alguns segundos o quarto mergulha em um escuridão quase total com apenas alguns raios de luar atravessando a penumbra. Você então fecha os olhos e pressiona seu corpo contra a parede. Encolhe-se escorregando lentamente até o chão colocando o queixo sobre o joelho abraçando suas pernas. A partir daí você sabe que a única coisa que pode fazer é aguardar que Aquilo venha embora esteja rezando para que seus pesadelos não ganhem vida novamente naquela noite. Você precisa de um pouco de paz. Precisa que Aquilo não venha. Precisa que nada aconteça para aparentar estar bem de modo que todos fiquem convencidos a lhe tirarem desse lugar e lhe levarem para casa.

Sem aviso prévio, um som se espalha pelo ambiente ao mesmo tempo que frio inunda o quarto, mas suas mãos esquentam e ficam suadas. Você sente que aperta os olhos ao mesmo tempo que uma lágrima solitária escorre a força pelas pálpebras fechadas. Não existe ninguém que você possa chamar, que poderá lhe socorrer quando Aquilo chegar. Você sabe disso, porque não é primeira vez que Aquilo lhe aparece. Se fosse não estaria presa naquele quarto. Sabe disso, porque quando Aquilo chegar somente você vai ouvir seus passos e sentir o cheiro que emana. Apenas você vai ver quando estiver inerte na eternidade criada a partir do instante em que ver sua aparência negra e monstruosa. Porque somente você realmente pode vê-lo pois é única pessoa que pode lhe dar o que Aquilo mais deseja.

Mas então, quando tudo parece perdido, uma coisa nova acontece. A porta do quarto se abre e um homem de cabelos castanhos aparece na moldura porta. É seu pai que está com um olhar perturbado, mas determinado dizendo que irá apanhar suas coisas pois está na hora de você sair daquele lugar não importa o que qualquer outra pessoa pense. Seu pai não lhe dá tempo para pensar e quando você se dá conta já está sob em uma cadeira de rodas com uma mochila cor de sangue colocada sobre o colo. Você não entende porque ele está te levando para o exterior sendo que tudo que já fizeram com você foi te trancar naquele lugar pois todos diziam que era ali que você deveria ficar. Para se tratar e se recuperar até que pudesse ser uma pessoa normal. Sua segurança não estava garantida fora daquele prédio. Lhe diziam isso porquê achavam que mais uma vez você tentaria machuchar a si mesma. Mas eles não entendiam que machucar à si mesma talvez fosse sua única válvula de escape.

Enquanto pensa nisto, a cadeira de rodas desliza silenciosamente sob as cerâmicas brancas. Você estranha o fato de que não há nenhuma outra pessoa viva além de você e de seu pai em qualquer parte. Os olhos passeiam de um lado para o outro procurando qualquer movimentação. Seu pai ao perceber sua reação sussurra que aquele horário todos devem estar dormindo e que os plantões só ocorrem nos andares onde à perigo. Nesse instante, você se dá conta que seu pai já planejava te tirar dali pois demonstra ter tudo planejado. Um suspiro de alívio sai dos seus lábios em um fio de esperança de que talvez você se liberte daquela prisão.

Vocês param à frente do elevador e seu pai aperta o botão que assume uma cor azulada. Ele lhe olha enquanto esperam e sorri, mas você percebe que é um sorriso estrangulado, como se estivesse o fazendo obrigação para te dar a sensação que tudo irá darto. Embora esteja nitido que seu pai está com medo dos cálculos terem saído errados e vocês serem pegos.

No instante que você sorri de volta, as portas do elevador se abrem e logo os dois estão ouvindo uma musiquinha idiota enquanto descem para o estacionamento. Mas quando as portas tornam a se abrir não é mais no estacionamento que vocês estão. E sim no primeiro andar muito embora a luz do botão indique estacionamento. Sua cadeira desliza para frente até que ela para no corredor que da à recepção. Como que em um filme, as luzes piscam e as correntes elétricas zumbem como se estivessem em mal contato. E pela segunda vez aquela noite, você fecha os olhos e sente que as sombras estão se aproximando.

Seu pai coloca a mão no seu ombro e pede que você fique calma. Ele percebe que você está com medo de algo, mas afirma que logo aquilo tudo irá passar pois o erro que ele havia cometido no passado iria ser corrigido quando ele à tirasse dali. Você balança a cabeça assentindo muito embora saiba que aquilo não é verdade. Os medos são muito maiores que os lugares onde estamos. Pois quando eles se enraizam na mente se tornam muito mais densos e muito difíceis de serem retirados de lá.

Seu pai pede que você faça silêncio e tira a mão do seu ombro. Ele volta para suas costas e empurra sua cadeira através do corredor. Com o som suave dos passos ecoando pelo ambiente fechado, você sente-se melhor e abre os olhos. Agora, os dois passaram pela recepção e estão próximos à porta de vidro automática que se encontra trancada. Chove do lado de fora, de modo lento mas denso fazendo com que uma neblina encubra parcialmente a visão que você tem do lugar. E mesmo assim é bonito observar as nuvens amarelo-esbranquiçadas em contraste com o preto do céu.

A cadeira volta à se movimentar, mas você não tira os olhos do vidro. Esta em estado de encantamento com aquela visão que parece ser ao mesmo tempo apocalíptica e paradisíaca. Observa esta beleza por vários segundos, até que um clarão rompe na escuridão e torna o vidro uma espécie de espelho. E então, ao observar a cena que se desenrolar atrás de você fica inerte de medo. Tudo paralisa-se em um segundo inexplicável onde você consegue perceber todos os detalhes na cena refletida.

No espelho, seu pai esta caído no chão com o rosto desfigurado e o pescoço cortado em uma aparência medonha enquanto o monstro está com um objeto brilhoso nas mãos com um sorriso jubilante de vitória, andando até você. Ele tem a aparência exata do seu sonho. Olhos negros, um rosto contorcido de ódio e algo mais que você não consegue identificar. Os tentáculos que formam os membros do seu corpo estão parcialmente escondido pelas sombras daz luzes exatamente como deve ser já que estas não conseguem lhe alcançar. E mesmo quando o espelho volta a ser um vidro você sabe que o monstro ainda está ali indo na sua direção.

Apesar de saber que deveria correr e se esconder você não faz isso pois tem consciência que não adiantaria muita coisa. De todo modo, o monstro lhe alcançaria. Ele é mais rápido, mais forte e facilmente te subjulgaria. Não há como fugir. Você olha para seus pés e ao mesmo tempo percebe que o sangue de seu pai chegou às rodas da sua cadeira em uma poça densa. E é por esse sangue que você mais uma vez o reflexo do monstro. Agora ele está de pé ao seu lado. Ele coloca a mão do objeto em suas costas e você sente o frio, dessa vez com um distante toque do metal. Mas ao invés de deixar-se ficar na inércia, em um lapso de coragem que nunca havia tido antes — não por sua vontade pelo menos —, você levanta os olhos e encara o monstro. Então, ao olha-lo com sua mente despida do medo você realmente o vê e, em um momento de lucidez, compreende o que nunca havia conseguido.

Enquanto, o sangue do segurança que também tem cabelos castanhos e é muito parecido ao homem que está ao seu lado escorre pelo chão, seu pai lhe encara abrindo um sorriso. Onde antes você via um herói, agora você uma criatura sem pudores e desejosa do seu corpo. Você tem acesso à antigas memórias de quando era criança e seu pai entrava em seu quarto para lhe ensinar como era brincar como se ambos fossem adultos. Lembra-se de como ficava com medo, naquelas noites frias de outubro e como conduzia-se à pensar que aquele não era seu pai. Mas sim um monstro de dedos, ou melhor, de tentáculos assombrados que tomava o lugar de seu pai e fazia-lhe todas aquelas coisas tocando-te e penetrando em seu corpo. Você então percebe que o monstro dos seus sonhos é apenas uma invenção que sua mente inventou para lhe poupar da verdade. Percebe que monstros existem sim, mas eles não são feitos de partes inumanas como os filmes fazem acreditar e nem são fruto da imaginação. Os monstros são feito de carne, osso e sangue: eles são os humanos pois estes sim são verdadeiros atrozes capazes das maiores monstruosidades.

| LIVROSOFIA | Componentes Literários.

Oii amores, tudo bom com vocês? Hoje é dia de mais um livrosofia. Espero que vocês estejam gostando dos temas das postagens. Hoje, vou livrosofar sobre os componentes da narrativa tão importantes na construção do universo dos livros. Esse post será de longe o mais pessoal da categoria porque tenho certeza que esses integrantes se comportam de maneiras diferentes para os leitores.

Quando comecei a ler, eu tinha quatro anos (viva minha mãe!), mas só me tornei uma uma leitora voraz muito depois quando ganhei meu primeiro smartphone aos dezesseis. Foi quando descobri os livros online e posteriormente os digitais. Naquela época, os livros me ganhavam com facilidade pois eram mundos extremamente novos. Mas a medida que os anos foram passando, eu lia cada vez mais de modo que fui mudando meus conceitos e adquiria maior criticidade com o que estava lendo. Não era mais toda obra que me chamava atenção nem toda que me surpreendia. Resgatando o que falei no mês passado, cresci literariamente e os componentes foram ganhando outra proporção ao passo que criei novos parâmetros sobre o que considerava importante em um livro. Meus componentes literários amadureceram junto comigo.

O primeiro ponto que me faz gostar ou não de um livro é a sua narrativa de um modo geral. Esta tem que conquistar provocando minha vontade de continuar lendo. Hoje em dia não tenho mais problemas em abandonar obras pois como sabem a vida é muito curta para ler livros ruins. Já abandonei um par de livros que pareciam ter uma boa história, mas não fluentes por terem uma narrativa fraca ou repetitiva. Não que eu espere que toda leitura seja fácil, mas se não existe ali um real sentimento de ler não o farei. Sempre procuro ir até o fim de leitoras que me estimulem, afinal de contas se eu não amar o que estiver lendo, não faz o menor sentido continuar. Dentro da narrativa, a maneira com o qual o autor irá conduzir a história em termos de escrita também me influência à continuar lendo o livro. Em uma questão de detalhismo, sou do tipo de leitora que gosta de uma execução mais minimalista ou no quesito ambiente, ou no quesito emoção: quando encontro livros que trazem um trabalho maior detalhes é como se eu fizesse parte da história já que consigo me ver dentro dela.

Se o primeiro ponto é a narrativa, o segundo será com certeza a construção dos personagens. Existem variados tipos de pessoas no mundo, mas a perfeita não é uma delas. Se tem uma coisa que me deixa bastante irritada com um livro é a construção de personagens perfeitos. Em uma consideração de obras que li e percebi essa perfeição, posso dizer que em suma maioria acabei não gostando dos livros. A perfeição tira o credível de qualquer obra, o que — mesmo em ficções — é um ponto chave para uma boa leitura. Se não mergulhamos e não acreditamos no que estamos lendo, não faz muito sentido continuar lendo. Por esse motivo, para personagens, algo que ajuda em sua construção é a pré-história que eles carregam. Se todo leitor tem bagagem, obviamente todo personagem também deve ter a sua que é nada mais nada menos que toda sua trajetória de vida até ali. Não importa se um determinado personagem começa a contar sua história aos cinquenta anos, ele precisa ter nascido e crescido em dados momento para ganhar personalidade, afinal de contas ninguém nasce, cresce e morre com as mesmas ideias. Quanto mais um personagem tem sua história de vida trabalhada mais profundo e plausível ele ficará.

Seguramente, a narrativa volta à ser o foco principal dessa discussão quando penso nos motivos do autor. Se todo livro tem uma coisa em comum é que todos têm um motivo para serem escritos. Não estou falando aqui da moral da história ou o ensinamento que o autor quer passar ao fim de tudo — já que considero estas apenas consequências de uma boa narrativa do que algo feito de caso pensado; bons livros falam por si só —, mas sim daquele enorme xis da questão. (Dando um exemplo de um clássico: Qual motivo de Peter Pan? Um(a) autor(a) criou um mundo para falar sobre o medo de se perder a inocência com a chegada da maturidade). Dessa forma, se eu disser que o motivo da história é importante seria um eufemismo. O xis da questão é normalmente uma base que vai guiar todo o caminho traçado pelo autor. É o ponto inicial que vai definir os caminhos com os quais a história poderá ser desenvolvida.

Partindo disso, chegamos então ao ponto crucial de toda obra. Aquele momento que simplesmente vai definir se eu realmente gostei da obra ou não. Afinal, se toda obra tem os motivos que irão definir o caminho traçado, então todo livro deverá ter um bom porquê para lhe dar fundamento à sua argumentação. O caminho traçado pelo autor ao fim de tudo terá que fazer sentido quando ele enfim juntar todas perguntas que nos fazemos ao ler uma obra (Porquê o casal resolveu ficar junto ou não; porquê aquele personagem decidiu cometer um crime). O porquê de um livro é o ponto onde vamos decidir se aquela obra valeu a pena. Se todo caminho percorrido do começo ao fim fez sentido.

Os componentes literários não são moldes que se adequam a todos os livros. Não posso dizer que a falta de uma ou outra coisa influenciem completamente em minhas leituras. Mas estes são pontos de partida para eu analisar o impacto que aquela obra teve sobre mim em seus mais variados aspectos. Dessa maneira, gosto de pensar que livros são como roupas. Um autor irá desenha-la, planeja-la, corta-la e custurar ela da maneira com o qual achar melhor. Mas ao fim de tudo, será o leitor que escolherá se a aquela obra serviu-lhe ou não.

•_•*•_•_•*•_•_•*•_•_•*•_•_•*•_•_•*•_•_•*•_•

Bem amores, esse foi o Livrosofia de hoje. Espero tenham gostado. Mês que vem vou trazer um pouco de História para vocês sobre os gêneros e sua classificação. Lembrando que vocês podem ver os outros posts da categoria através da aba aqui do lado. Mas enquanto isso, deixem comentários sobre os seus componentes literários. Eu ia amar saber o que conquista vocês livros.

Mil beijos. Até o próximo.

| RESENHA | Sem Deixar Rastros — Harlan Coben — Série Myron Bolitar — Livro 03.

Oii amores. Tudo bom com vocês? Hoje é dia de mais uma resenha aqui no blog de um livro magnífico do Harlan Coben. Quase todos os que tive a oportunidade de ler do autor foram excelentes e Sem Deixar Rastros foi um deles. Um livro que fugiu me deixou arrebatada já nas primeiras páginas. Harlan Coben se mostrou não só um maiores dos mestres do suspense, mas também um escritor com a sensibilidade para trazer ao leitor uma avalanche de emoções.

image 

Título: Sem Deixar Rastros
Título Original: Fade Away
Autor: Harlan Coben
Serie: Myron Bolitar — 03
Editora: Arqueiro
Ano: 2012
Avaliação: 👑 👑 👑 👑 👑 💜
Encontre: Skoob || Amazon || Saraiva || Submarino.

SINOPSE: Myron Bolitar parecia destinado a uma carreira de sucesso na NBA quando uma lesão no joelho o afastou das quadras para sempre. Porém, 10 anos depois, o agente esportivo e detetive particular com passagem pelo FBI está de volta ao jogo – não para cumprir seu destino como astro do basquete, mas para desvendar mais um mistério. O ídolo dos Dragons de Nova Jersey, Greg Downing, maior adversário de Myron na época da faculdade, desapareceu sem deixar rastros pouco antes das finais do campeonato nacional. À frente do caso, com a ajuda de seus dois fiéis escudeiros, Win e Esperanza, Myron trabalhará infiltrado entre os jogadores para tentar obter informações capazes de levar ao paradeiro do antigo rival, com quem também competiu pelo amor de uma mulher. 

Os sonhos nunca morrem. Às vezes achamos que eles estão mortos, mas estão apenas hibernando como um urso velho. E quando a hibernação é muito longa, o urso acorda bravo e faminto.

Harlan Coben é um autor viciante onde dificilmente somos capazes de deixar suas obras de lado. Sem Deixar Rastros é o terceiro livro da série Myron Bolitar que tem se mostrado cada livro melhor. O grande diferencial desta série é que apesar de ser suspense investigativo não é feita nos moldes do policial. Myron é um agente esportivo e seus clientes são os alvos de sua investigação. De certa forma é como se o autor procurasse mostrar que a vida dos atletas, mesmos os dos mais altos níveis, não é feita apenas glamour podendo ter submundos obscuros por baixo delas. O que cada um desses atletas é capaz de fazer para chegar às alturas e ganhar reconhecimento. De maneira brilhante, Coben conduz um suspense em que adivinhar o motivos ou o vilões não é uma opção. Nada é o que parece e os segredos irão mudar tudo que achamos que sabemos 

E agora se achava naquela tênue fronteira entre o pesadelo e o despertar, aquela minúscula janela em que ainda estamos dormindo mas sabemos que se trata de um sonho e, apesar de todo o terror, queremos continuar e ver como tudo terminará, uma vez que estamos apenas sonhando e não corremos nenhum tipo de risco. Mas a realidade nunca mantém essa janela aberta por muito tempo.

Além da carga de suspense, neste livro — diferente de todos os outros — há também um apelo sentimental. Myron esta de volta às quadras para investigar o desaparecimento de um astro de modo que o agente esportivo tem também problemas que vão além de um mero caso à ser resolvido. O desaparecido Greg Dowing Também foi seu maior inimigo nos tempos dos jogos de faculdade em que ambos estavam no auge. Myron era uma promessa, assim como Greg. Dessa forma, ver tão de perto o mundo que ele perdeu e que seu adversário conquistou é doloroso como um vislumbre do que ele poderia ter dido. Adiciona-se à isso o fato Myron tem que lidar com à volta as quadras que também significa viver ou tentar viver um sonho que lhe foi tirado. 

Realmente acreditava que ninguém podia amá-lo, e isso é difícil para qualquer um. Traz insegurança. Faz com que a pessoa se esconda numa espécie de trincheira.

Sem Deixar Rastros foi um livro que me deixou sem fôlego e ansiosa para sua continuação. Bem humorado e brilhantemente bem escrito, Harlan Coben conseguiu mostrar mais uma vez porque é um dos maiores de suspense da atualidade. Um livro que recomendo à todos que amam um bom suspense.

| LISTA | 05 livros de terror.

Oii amores, tudo bem com vocês? Hoje é dia de mais uma lista aqui no blog em parceria com a Keth (Parabatai Books). Não deixem de conferir a lista dela também. Como, hoje é dois de outubro, início do mês de Halloween, a lista é sobre livros de terror. Vou adicionar alguns que pretendo ler este mês. Espero que vocês gostem.

1. O Bazar dos Sonhos Ruins — Stephen King.

image

Esse livro pretendo ler juntamente com a Keth esse mês e é uma coletânea de contos de terror. Como amei ler o livro It – A Coisa nesse semestre, espera gostar da leitura do livro também.

2. Fantasmas do Seculo XX — Joe Hill.

image

Esse livro de Joe Hill está na minha lista à alguns anos e finalmente espero conseguir ler ele. Parece ser maravilhoso e cheio de terror. Vamos ver se ele consegue me assustar pois até agora nenhum livro que li conseguiu essa façanha.

3. Frankstein – Mary Shelley

image

Para a TBR de livros que pretendo ler no Desafio Literário Cultura, este é o dessa semana para completar o ítem “Um livro que foi proibido de ser lançado”.

4. O Verão Das Bonecas Mortas — Toni Hill.

image

Quando eu vi esse livro pela primeira vez fiquei maluca por ele apesar da capa ser bem feia. Mas o título e a premissa (Praticamente Chuck ataca novamente) me chamaram bastante a atenção. Espero gostar bastante dele.

5. O Manuscrito — Chris Pavone.

image

Por fim, O Manuscrito eu descobri pelo acaso e embora não tenha certeza se ele é de terror ou suspense quero ler esse mês. Afinal de contas todos os detalhes de capa e me chamam bastante a atenção de que seja esse o gênero.

 

*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*

 

Então gente, essa foi a lista desse mês. Espero que vocês tenham gostado. Não se esqueçam de ver a lista da Keth também. Beijos.