| RESENHA | O Cobiçado: Rohan Sen – Mari Scotti – O Cobiçado Primeira Temporada

Oii gente! Tudo bom com vocês? Espero que o ano tenha se iniciado com ótimas leituras para vocês. Hoje vou fazer a primeira resenha de 2017, no caso a minha primeira resenha, e ela vai ser bastante diferente. Isto por que a ocasião pede e também porque leitores, o livro trata de romance e de música. Então vou adicionar algumas passagens musicais a medida que for falando mais sobre a obra. Espero que gostem…

image

Sinopse: Vinte e quatro mulheres à sua disposição. Um coração incapaz de ceder. Rohan Sen é o vocalista da banda Four River, que ficou famosa em todo o mundo depois que ele foi deixado no altar em rede nacional. Galã em tempo integral e solteiro convicto, Rohan deixou de acreditar no amor e tudo ia bem até ele aceitar participar de “O Cobiçado”, um reality show em que ele é o prêmio. Aillen Kern é uma menina doce que entregou seu coração para o luto depois que seu noivo morreu. Seu único consolo é o amor pela música que permanece vivo e encontra na voz rouca de seu ídolo, Rohan Sen, um alívio para sua dor. Ela só não imaginava que um um dia iria conhecê-lo e participar de um reality show para encontrar algo que ela nunca mais quis procurar: um novo amor.

Não acreditava em pessoas que precisavam ferir com palavras para aliviar suas próprias dores. Acreditava no diálogo ou em compor músicas para afogar as mágoas.
– Rohan

Dentre todos os vários tipos de livros que tenho a oportunidade de ler, aqueles que tocam os sentimentos mais profundos ou que envolvem muito mais do que as histórias simples aparentam são os meus favoritos. E assim percebo que cada livro ao seu modo, é moldado para passar uma mensagem ao seu final seja ela clara ou não. Este livro me passou a mensagem do “acredite” pois em seu decorrer, a cada passagem e cada palavras, percebi a dificuldade de Rohan e Aillen à acreditarem em uma paixão. Dele por pensar que todas as mulheres são fúteis na busca apenas de fama e dinheiro. Dela por acreditar que jamais pode deixar alguém ocupar o lugar de seu noivo há muito morto em alto mar. Então, a medida que o livro avança, é possível perceber com clareza os sentimentos por debaixo das inseguranças, o desafio de ambos em aceitar o que sentem um pelo outro.

O coração do cantor deu um salto. O passado e o presente se misturaram como se pudessem dar um nó em seus pensamentos. Sentia-se em uma avalanche, pois todos os muros que havia criado ao seu redor pareciam feitos de gelo fino, podendo ruir a qualquer instante. Confiar exigia coragem e deixar-se vulnerável a uma mulher novamente.
– Rohan

Quando eu comecei a leitura de O Cobiçado há mais ou menos três dias eu mal podia esperar pela história que me esperava. Pois depois da leitura de A Seleção e de filmes com essa temática (disputas por um coração que não quer ser disputado), eu imaginava uma história que acabou se mostrando outra e muito melhor do que minha pouca imaginação. E obviamente eu devia esperar algo assim, pois Mari Scotti nunca me decepcionou. Mas como uma leitora que gosta de bancar a detetive, eu quis desvendar o livro todo nas primeiras páginas, e quebrei a cara. Pois apesar de não ter me surpreendido, a história foi bem elaborada não me deixando descobrir quase nada além do final.

O livro se passa no Brasil (hehê adoro!) e tem como cenário principal uma casa praiana onde as garotas selecionadas de cada parte do país para ficam hospedadas. O programa se passa em um mês com digamos que fases para que o cantor elimine as candidatas. Aillen começa o programa como a Misteriosa onde ninguém, nem mesmo Rohan sabe sua verdadeira identidade, chamando atenção do público. O cantor só consegue ver seus olhos sem lhe reconhecer e por eles tenta ler o que seu rosto não mostra através do brilho que as pupilas de Aillen possuem.

Quando a luz dos olhos meus,
E a luz dos olhos teus,
Resolvem se encontrar.
Ai que bom que isso é meu Deus
Que frio que me dá,
O encontro desse olhar.
– Tom Jobim – Pela Luz Dos Olhos Teus.

Assim de maneira gentil, sem toques apenas pelas palavras doces ou alfinetadas que Aillen e Rohan trocam, é notável o início do sentimento. Aquela faísca que surge entre duas pessoas e que só aumenta com a necessidade de estar perto. É apaixonante ver como eles se dão bem. Mas mais ainda, como Aillen e Rohan vão deixando suas barreiras para trás. Pois as palavras e os olhares vão quebrando as suas desconfianças.

Sentia como se a garota tivesse o poder de ler através dele e sugar apenas verdades de suas reações e palavras. Era constrangedor, e simples, como muito desejou em sua vida.
– Rohan

Aillen é uma personagem daquelas que eu gosto mas não sinto afinidade. Gosto porque eu entendo seu lado. O fato dela acreditar que trairá se se apaixonar ou se envolver com outro homem. Pois de certa maneira Juliano (o noivo) não a deixou, mas foi tirado dela de uma maneira praticamente brutal. Os sentimentos não morreram ou tiveram sem fim, eles apenas não conseguiram seguir seu curso, se mantendo apenas nas memórias, no coração e nos sonhos da garota.

Dormi sozinha acordei.
Cantando a nossa canção.
Canção que eu só escutei.
Num sonho que eu não lembrei.
Mas juro havia paixão.
– Zélia Duncan – Breve Canção de Sonho.

Mas ao mesmo tempo que percebo esse lado dela, também enxergo um lado infantil. Um lado que julga as pessoas e não gosto muito disso. Aillen não espera explicações, ela tira conclusões. E isso me deixou irritada algumas vezes pois acredito que todas pessoas merecem uma chance de falarem o acontecido independente do que vemos. Nossos olhos enxergam coisas que na realidade não é necessariamente verdade. Interpretamos de mais e essa interpretação da garota me irritou.

Rohan tinha uma fama de ser um lobo em pele de cordeiro, era um Don Juan disfarçado de Príncipe Encantado. Mas, a Cinderela dele, como todos sabiam, sempre teria cabelos loiros. As ruivas e as morenas nada mais eram do que as irmãs desprezadas da princesa dos contos de fadas. Ele não lhes direcionaria nem ao menos um segundo olhar.
– Aillen.

Já Rohan. Ahh meu… Se você nunca leu um livro da Mari Scotti não sabe o crush literário que te espera. Pois ela tem a capacidade de fazer você se apaixonar por mais defeitos que uma pessoa tem. E eu me apaixonei por ele. Rohan é libertino e muitos homens são. Mas ele sofreu ao ser deixado no altar. Diferente de Aillen, Rohan perdeu alguém para a vida, mas sim sofreu uma desilusão amorosa tão forte que o deixou fechado, frio e desconfiado até a raiz dos cabelos. Eu consigo entender mais suas desconfianças do que as de Aillen o que me fez gostar muito mais de suas passagens. Rohan aos poucos reaprende a confiar e melhor ainda, reaprende o que é um amor de verdade.

Sentia como se a garota tivesse o poder de ler através dele e sugar apenas verdades de suas reações e palavras. Era constrangedor, e simples, como muito desejou em sua vida.
– Rohan

O livro de Mari Scotti se tornou minha segunda obra favorita da autora. Eu fiquei super satisfeita com seu final, apaixonada por seu cantor e emocinada com vários personagens. Apesar de ter demorado um pouquinho para engrenar na leitura, o livro superou minhas expectativas e sinceramente não tenho como exigir mais do que isso. Estou ansiosa para a próxima temporada de O Cobiçado na RPTV pois eu sei que será um sucesso.

Titulo: O Cobiçado – Rohan Sen
Série: O Cobiçado – Primeira Temporada
Autora: Mari Scotti
Editora: Independente
Ano: 2016
Avaliação: 🌟🌟🌟🌟🌟

Olha, você tem todas as coisas
Que um dia eu sonhei pra mim
A cabeça cheia de problemas
Não me importa, eu gosto mesmo assim

Tem os olhos cheios de esperança
De uma cor que mais ninguém possui
Me traz meu passado e as lembranças
Coisas que eu quis ser e não fui

Olha, você vive tão distante
Muito além do que eu posso ter
Eu, que sempre fui tão inconstante
Te juro meu amor
Agora é pra valer

Olha vem comigo aonde eu for
Seja minha amante e meu amor
Vem seguir comigo o meu caminho
E viver a vida só de amor.

– Olha – Roberto Carlos.

Anúncios

10 comentários sobre “| RESENHA | O Cobiçado: Rohan Sen – Mari Scotti – O Cobiçado Primeira Temporada

  1. Mari Scotti disse:

    Jéssica, fofura!! Amei sua resenha e, confesso, não percebi isso na personalidade da Aillen enquanto escrevia. É engraçado como eles tomam a história e a levam! Adorei conhecê-la um pouco mais a partir dos seus olhos! Também não sou fã de pessoas que julgam demais, o problema é que a maioria das pessoas são assim, ne? Eu sou e luto MUIIIITOOOO contra esse defeito kkk.
    Estava mega ansiosa para conhecer a sua opinião e, minha nossa, que declarações lindas! Fico até emocionada em ler! Gosto de saber que meus personagens tocam as pessoas, pois os crio para isso, para ajudar, para entreter, para sensibilizar e nos fazer pensar e crescer na vida. Obrigada por me contar que eles fazem a diferença na sua <3.

    E sim, ai meus crushs! HAHAHA.
    Obrigada pelo carinho!

    Beijão, Mari Scotti

    Curtido por 1 pessoa

    • Jessica Rabelo disse:

      Oii Mari!! Aii minha nossa esse comentário me deu ate arrepio. Eu fiquei pasma que você não tinha conhecimento dessa característica da sua personagem, mas é verdade quando as atitudes dos personagens passam a ser “deles” ao invés da nossa escrita. Obrigado pela confiança mais uma vez.
      Mil beijos!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s