Segunda Tag: Dias da Semana Em Livros

Oi gente!

Hoje eu resolvi fazer a segunda tag do blog que vai inaugurar a saída de tags sempre no ultimo dia do mês para vocês.

Ontem eu estava vendo os videos da Pâmela Gonçalves do Garota It e durante eu encontrei uma tag bem bacana que ela fez tem um tempo e que vou repetir aqui no blog. A tag chama Dias da Semana Em Livros e ela consiste em escolher livros que dentro dos dias de cada semana se adapte ao pedido. A Tag foi feita pelo Tiago de um grupo que ele tem com a Pam com algumas alterações dela. No Video da Tag a Pam explica melhor os créditos da Tag.

Então vamos começar.

Domingo

🔹Um livro que você não quer que termine ou não quis que terminasse.

▪Harry Potter é uma saga que eu ainda tenho muita saudade e que se pudesse ter histórias infinitas de Harry, Rony e Mione eu ficaria muito feliz. Mas é um sentimento contraditório porque foi uma sensação boa terminar a história e ter sido tão boa como foi.

image

Segunda.

🔹Um livro que você tem preguiça de começar.

▪Não tem muitos livros que eu tenha preguiça de começar tanto por que eles variam muito do meu humor pro momento. Mas se eu fosse escolher um seria os livros da Serie House Of Night da P. S. Cast porque é bem grandinha e porque o enredo não me chama muita atenção como aconteceu em Pll.

image

Terça

🔹Um livro que você empurrou com a barriga ou leu por obrigação.

Aristóteles e Dante Descobrem Os Segredos do Universo do Benjamim Alire Sáenz. Eu li por obrigação quando eu entrei no clube do livro e não foi um livro que eu gostei por ser simples de mais na falta de detalhes. Entretanto não é um livro que eu deixe de recomendar para quem gosta desse estilo mais cru de história.

image

Quarta

🔹Um livro que você deixou pela metade ou que está lendo agora.

▪Deixei vários livros pela metade ao longo do camimho mas um que eu abandonei a leitura por duas vezes foi Ladrão de Almas da Alma Katsu. Na primeira vez, foi mais porque o livro era emprestado na casa de uma prima e quando eu voltei de viagem não pude trazer comigo e na segunda porque na volta ele não fluiu como devia. Então abandonei bem na metade mesmo.

image

Quinta

🔹O livro que você não recomenda.

▪ São vários livros que eu não recomendo, tanto que dos vários que já li teve muitos que nunca cogitei a ideia de fazer resenha. Mas tem um em especial que é Não Pare da FML Pepper. O problema desse livro é um clássico; temos uma história que tem tudo para ser boa porém é mal desenvolvida. A personagem principal Nina é o cúmulo da chatice que no momento em que parece que vai começar a raciocinar ela simplesmente retorna ao mesmo ponto de partida por ser burra de mais para perceber o que tem em volta dela. Isso torna o livro fatigante e exaustivo como se a mesma história estivesse se repetindo inúmeras vezes.

image

Sexta

🔹Um livro que você quer que chegue logo. (Lançamento ou compra).

▪ O últimos livros da série Trono de Vidro da Sarah J. Maas.

image

Sábado

🔹Um livro que você quis começar novamente assim que ele terminou.

▪ Os livros da série A Mediadora da Meg Cabot. São livros geniais cada um a seu modo e que por serem leves, divertidos com dose certeira de ação e detalhes eu não tenho dúvidas que vou reler eles algum dia.

image

Então gente.
Essas foram minhas respostas a tag e espero que gostem. Vou marcar três blogs perfeitos para fazerem. Fiquem a vontade.

🔹Parabatai Books
🔹Ironia das Capas
🔹Leitoras Vorazes

Bjs até mais.

Montanha da Lua – A Maldição dos Harllinson – Mati Scotti – Livro Um

Há séculos uma verdade acompanha cada herdeiro do ducado de Bousquet: A Maldição dos Hallinson’s. Conta-se que a tragédia os acompanha, levando à morte as esposas em seu primeiro ano de matrimônio. Geração após geração, aprendem sua sina e a regra a seguir para possuir uma união frutífera e longa. Octávio Hallinson Segundo sofre as consequências de não seguir estes ensinamentos. Viúvo, isolou-se da sociedade, fugindo da responsabilidade de casar-se novamente para providenciar um herdeiro para seu título. Um homem marcado pela dor. Mical Baudelaire Nashgan sempre foi uma mulher decidida, enfrentando as ordens de sua tia e negando-se a seguir o protocolo que obrigava mulheres a procurar maridos apenas por posse de títulos e dinheiro e não por amor. posicionamento contraditório aos costumes afastou os candidatos, tornando-a uma das únicas solteironas que sua província conheceu. A mais bela dentre elas. Uma tragédia a coloca frente aos perigos da floresta aos pés da Montanha da Lua e seu futuro torna-se incerto e assustador.

image

Esse é a terceira obra que leio de Mari Scotti e a minha favorita desde então. Mesmo eu achando um tanto impossível da autora me fazer gostar do que de seus livros passados, Montanha da Lua foi um romance que me surpreendeu em vários pontos, sem contar o fato que sou completamente apaixonada por romances de época.

Pensando um pouco sobre como o livro foi se moldando a cada passagem, percebo como cada ponto foi colocado dando um ar perfeccionista ao livro e o tornando mais real. Os dois personagens principais, lady Mical e o duque Octávio, se encaixam de uma maneira formidável: Onde Mical tem doçura, Octávio tem rabugice; Onde o duque tem fraqueza, Mical tem a segurança. Desse modo os detalhes entre os dois, se entrelaçam tornando-os perfeitos um para o outro.

Por que o proibido sempre retorna para atormentar aqueles que se empenham em resisti-lo?
– Octávio

Como em todos os livros que li anteriormente, a escrita de Scotti possuí um ritmo maravilhoso e sem o famoso lenga-a-lenga. Os fatos não levam a círculos viciosos ou repetições sem que haja uma boa explicação para tudo. É existente de um cadenciamento que faz você ler o livro inteiro em um único dia sem se dar conta disso. Fiquei o dia todo lendo e me surpreendi ao perceber que havia passado menos de doze horas para devorar a obra completa. Isto se deve a sucessão de fatos que sempre nos deixam com um gostinho de quero mais fazendo-me ficar ansiosa pela próxima página.

Mical é uma das jovens mais corajosas que já conheci em meio aos romances de época deste mundo de leitura. Firme e até mesmo petulante, a força que exprime a partir do que vemos pelas situações que a vida a impõe, mostra toda a mulher de sangue quente que é. E mesmo sua ingenuidade, por mais que pareça improvável para uma moça de sua idade, é apreciável. Pois suas descobertas com Octávio relacionadas não ao prazer, mas o que é ser uma esposa fazem com que eu me sinta próxima dela em vários aspectos. E ainda por cima, sempre capaz de entender e aceitar os medos de seu marido.

As pessoas sempre buscarão respostas para a morte, principalmente as prematuras. Mesmo sendo um homem letrado, está sujeito a ser guiado por sua perda.
– Mical

Já o duque Hallisson é uma pessoa incomum. Dizem que as mulheres são difíceis de entender, mas sinceramente, nas diversas passagens que o duque contava a história eu raramente conseguia entender como um homem tão estudado poderia aceitar a verdade na “maldição” de sua família (se bem que nem eu me decidi ainda se ela é verdadadeira ou não rs). Até que eu compreendi que era apenas o medo. O medo pode nos fazer a crer em coisas tolas. E o medo de Harllinson de perder Mical e principalmente, daquilo que ele sabia que não podia ir contra, o fazia ser um tolo tantas e tantas vezes.

Era um covarde, seguindo as regras que a Maldição criou para a minha família.
– Octávio

Normalmente quando eu faço resenhas, falo apenas nos personagens principais da trama. Porém, não consigo deixar de falar sobre a piedade, a compreensão e a repulsa que senti por Antonietta. Eu não consigo expressar o quanto senti vontade de bater em pessoas por ela ou simplesmente entrar nas páginas do livro para lhe consolar. Ninguém merece um passado como o dela e eu a compreendo profundamente, por que mesmo não tendo partilhado o horror que ela sofreu, como mulher fico imensamente nauseada e irritada com sua agonia.

―Eu sei. Às vezes posso sentir seu empenho. Como hoje… ―Murmurou. ―Quer me contar? ―Rapidamente neguei, focando-me nas mãos dele para não encará-lo. ―Por sentir-se envergonhada? ―Fiz que sim. ―Não fosse isto desejaria falar-me o que a magoa tanto? ―O olhei rapidamente e assenti uma vez, mordendo meus lábios, sentindo-me a garotinha de treze anos mais uma vez. Este era o único assunto que me punha trêmula, inquieta e insegura.
– Antonieta

Ainda estou absorvendo tudo que este livro me passou. Comovida pela história. Apaixonada pelo casal. Um turbilhão de emoções. Um livro maravilhoso que superou todas as minhas possíveis expectativas.

Titulo: Montanha da Lua
Autora: Mari Scotti
Ano: 2015
Editora: Independente
Avaliação: 🌟🌟🌟🌟🌟